Paz é conto da Carochinha | Bruno Garschagen | Digestivo Cultural

busca | avançada
40155 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Digestivo Cultural
O que é?
Quem faz?

Audiência e Anúncios
Quem acessa?
Como anunciar?

Colaboração e Divulgação
Como publicar?
Como divulgar?

Newsletter | Disparo
* Histórico & Feeds
TT, FB e Instagram
Últimas Notas
>>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
>>> Fernando Pessoa, o Livro das Citações, por José Paulo Cavalcanti Filho
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> Reflexões ou Sentenças e Máximas Morais, de La Rochefoucauld
>>> O Capital no Século XXI, de Thomas Piketty, o livro do ano
>>> Trágico e Cômico, o livro, de Diogo Salles
>>> Blue Jasmine, de Woody Allen, com Cate Blanchett
>>> The Devil Put Dinosaurs Here, do Alice in Chains
Temas
Mais Recentes
>>> A novilíngua petista
>>> O Trovador, romance de Rodrigo Garcia Lopes
>>> O começo do fim da hegemonia 'de esquerda'
>>> Portas se abrindo
>>> Um menino à solta na Odisseia
>>> O que aconteceu com a Folha de S. Paulo?
>>> Uma noite de julho
>>> A difícil arte de saber mais um pouco
>>> O anoitecer da flor-da-lua
>>> Hosana na Sarjeta, de Marcelo Mirisola
Colunistas
Mais Recentes
>>> O Digestivo nas Copas
>>> Idade
>>> Origens
>>> Protestos
>>> Millôr Fernandes
>>> Daniel Piza (1970-2011)
Últimos Posts
>>> Paulo Francis e a Petrobras
>>> A lei é para todos
>>> Jornal da Cultura - 18/11/2014
>>> 100% elite branca
>>> Jornal da Cultura - 17/11/2014
>>> Petrobras virou bodega
>>> O avanço do petrolão
>>> Deu na CNN
>>> Amantes de velhas pedras
>>> Um governo que nasceu morto
Mais Recentes
>>> Lembranças de Ariano Suassuna
>>> Harold Ramis (1944-2014)
>>> Sergio Britto & eu
>>> Para o Daniel Piza. De uma leitora
>>> Joey e Johnny Ramone
>>> A Cultura do Consenso
>>> De Kooning em retrospectiva
>>> Delírios da baixa gastronomia
Mais Recentes
>>> Jaime Pinsky
>>> Luis Salvatore
>>> Catarse
>>> Chico Pinheiro
>>> Sheila Leirner
>>> Guilherme Fiuza
Mais Recentes
>>> Momento cívico
>>> Digestivo Books
>>> Caixa Postal
>>> Nova Seção Livros
>>> Digestivo no Instagram
>>> 2 Milhões de Pageviews
Mais Recentes
>>> Whitesnake, 1987
>>> A Literatura na poltrona
>>> As Falações de Flávio
>>> Doces bárbaros
>>> Freakonomics
>>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
>>> Neuropsicologia Clínica
>>> Tributo a Rogério Duprat
>>> Tributo a Rogério Duprat
>>> Psicanálise - O Que Ela Pode Fazer por Você
LIVROS
Mais Recentes
>>> Um tal Lucas
>>> O Outono do Patriarca
>>> Um Corpo na Neve
>>> Cinquenta Anos Esta Noite
>>> Pedagogia dos Sonhos Possíveis
>>> Enquanto Deus não Está Olhando
>>> O Sopro dos Deuses
>>> A Viagem Iniciática ou Os 33 Graus de Sabedoria
>>> The Rolling Stones - A Biografia Definitiva
>>> O Legado
>>> O Trovador
>>> Prisioneiro da Sorte
>>> O Pergaminho Sagrado
>>> Pergunte a Deepak Chopra Sobre Amor e Relacionamentos
>>> Amor até debaixo d'água
>>> Viagem à Calábria
>>> English Is Not Easy
>>> Quase Casados
>>> Ter e não ter
>>> A Lei do Triunfo
>>> Panteão
>>> O Guerreiro do Oeste
>>> Katherine
>>> A Vingança da Amante
>>> Em Nome do Mal
>>> Por onde você anda?
>>> Os 13 Segredos
>>> Herança de Sangue
>>> O Mistério dos Deuses
>>> Quartos Fechados
>>> Ossos Perdidos
>>> Três Macacos
>>> Quebrando Regras
>>> Êxodo
>>> A Bíblia do Estilo
>>> A Espada de Medina
>>> Cidade das Almas Perdidas
>>> Um Passarinho me Contou
>>> A Árvore Do Halloween
>>> 826 Notas de Amor Para Emma
>>> 50 Ícones Que Inspiraram a Moda: 1990
>>> 50 Ícones Que Inspiraram a Moda: 1980
>>> 5 Seconds Of Summer
>>> 365 dias de inspirações filosóficas
>>> 360 Dias de Sucesso
>>> 200 Receitas de Quitutes Assados
>>> 200 Receitas de Geleias e Conservas
>>> 200 Receitas de Comidinhas Sem Glúten
>>> Maonomics
>>> Diablo III - Livro de Tyrael
COLUNAS >>> Especial Oriente Médio

Terça-feira, 28/5/2002
Paz é conto da Carochinha
Bruno Garschagen

+ de 3600 Acessos
+ 9 Comentário(s)

Soldados palestinos, religiosos e ativistas estrangeiros ficaram 38 dias acuados na igreja da Natividade, em Belém, construída por Constantino em 326 d.C. e reconstruída por Justiniano em 530 sobre uma gruta onde supostamente Jesus Cristo teria nascido. Um cerco militar feito por soldados israelenses manteve o grupo entrincheirado na edificação. O respeito que esses povos do Oriente Médio têm pelos lugares tidos como sagrados evitou um massacre, apesar de várias trocas de tiros entre israelenses e palestinos.

É estranho que essas edificações sacralizadas se sobreponham sobre o respeito que deveria haver entre os povos — tanto da parte dos judeus como dos árabes. Estranho e que nos leva a uma conclusão cruel, mas óbvia: a paz no Oriente Médio, e não falo somente entre palestinos e israelenses, só vai se concretizar quando morrer de ataque cardíaco o último habitante daquela área ao ver o último “inimigo” que restou cair fulminado também por um ataque do coração. A convivência pacífica naquele barril de pólvora é conto da Carochinha. É cruel, mas é o óbvio.

O Oriente Médio sempre me pareceu um canhão construído com uma mistura heterogênea de petróleo, barbas e corpos mutilados. A terra conhecida mundialmente a partir de 1945 como berço do povo perseguido e assassinado em parte pelo Terceiro Reich na Segunda Grande Guerra. Um pouquinho mais adiante, como o local onde a Organização das Nações Unidas (ONU) empurrou a pólvora com uma bucha (os palestinos) para ser detonada tempos depois.

Foi em 1947, dois anos depois do final da Segunda Grande Guerra, que os líderes sionistas aceitaram o plano da ONU sobre a partilha que concedia ao povo judeu 8.800 quilômetros quadrados, principalmente no Deserto de Negev, em território ocupado pelo povo árabe. O novo Estado nascia com 538 mil judeus e 397 mil árabes. Oficialmente, Israel se torna país em 1948 com a leitura da declaração de independência feita por David Ben Gurion no salão do Museu de Tel-Aviv. E para não renegar o dito popular de que brasileiro é igual a mato, está em todo lugar, coube a Osvaldo Aranha anunciar o nascimento de Israel. Aranha presidia a II Sessão da Assembléia Geral das Nações Unidas, que aprovou a resolução 181 e determinou a divisão da Palestina num estado judeu e outro árabe.

“Foi preciso fundar um país, à custa dos árabes, pois esta era a terra deles, o que é injusto, mas foi assim, não tínhamos para onde ir”, relata sensatamente o romancista Yoram Kaniuk, numa entrevista ao Estadão há três anos. “No começo, 300, 400 mil judeus chegaram aqui, dos países europeus, ninguém os queria, Brasil, Argentina, Estados Unidos, Inglaterra, ninguém”.

Como Kaniuk, há outras vozes prudentes tanto em Israel como no que restou da Palestina. Sim, não dá para colocar um povo na mesma sacola da Casas Bahia, no apoio incondicional às barbáries feitas pela conquista ou manutenção de um território. Na mesma edição especial sobre os 50 anos de Israel, produzida pelo Estadão, outro escritor judeu, Iossi Banai, disse que a existência de seu país representava uma tragédia. “Nós vivemos em cima de um barril de pólvora. A sensação é de que aqui não existem líderes sábios”, disse.

Eles estão lá. Existem. As vozes dissonantes existem, mas são minoria e, geralmente, não são ouvidas. Aliás, como prestar atenção em palavras de tolerância ao olhar no canto da sala a foto do irmão; da esposa; do filho; dos pais; do avô; do amigo; morto num ataque suicida, numa troca de tiros ou num atentado a bombas? Como engolir os cadáveres de todos os próximos que se foram porque se disputa mesquitas, igrejas, muros, chão batido? Não se trata de uma justificativa da manutenção dos conflitos até agora. Só não esperemos que sociedades que ainda sentem na boca o gosto de sangue dos parentes assassinados acordem um belo dia, abram a janela e chamem para tomar chá os soldados que lhe arrancaram um pedaço da existência.

Naquele turbilhão não há mocinhos ou bandidos. A maior parte carrega as duas faces da tragédia. E as usa conforme a conveniência. Alguém acredita que Arafat seja um senhor bondoso? Porque nosso conceito sobre Ariel Sharon já está formado. Os palestinos foram violados pela ONU e, depois, pelos israelenses. Isso nos faz ter uma tendência a ver os árabes com maior compaixão. Então, fica difícil imaginarmos, mesmo sabendo, que os árabes mataram várias crianças de Israel. Perdoem-me a crueldade, mas veja a cena: uma criança brinca num vilarejo e encontra uma boneca. O brinquedo foi deixado lá por militares palestinos. Carrega uma bomba autodetonável. Boom!

Do lado de lá, outra cena: casais de idosos, adultos, crianças e adolescentes num restaurante árabe. Um homem-bomba se aproxima da entrada. Pede a Alá que lhe abra as portas do paraíso. Boom!

Para obter o que julgam direito sagrado de propriedade cada povo recorre a expedientes psicológicos de convencimento. O argumento não é pela persuasão, e primeiro lugar. A emoção é posta à frente. Os judeus usaram muito bem a perseguição e morte pelos nazistas para convencer a ONU da necessidade da construção de Israel. Os palestinos, depois de serem obrigados a sair de territórios que ocupavam há décadas, recorreram ao papel de vítimas da ocasião. Cada qual com suas motivações e fundamentos.

No caso dos palestinos, além desse fator, sofreram muito pela visão equivocada, imprevidência e espírito demagógico da maioria dos governos árabes. Seus líderes rejeitaram várias oportunidades de paz ou de diálogo que se chegasse a um acordo. O plano de partilha da Palestina votado pela ONU foi maciçamente rejeitado pelos árabes. Essa escolha hoje é vista como um erro que levou aos conflitos que se mantiveram. Na época, entretanto, algumas razões históricas levaram à rejeição da proposta.

Cem anos atrás, aproximadamente meio milhão de árabes viviam na província otomana (turca) da Palestina. Abrigavam por lá 24 mil judeus (Naquele momento nascia o sionismo). O número de judeus aumentou para 60 mil em 1914 e não parou de crescer nos anos seguintes, na região sob o domínio da Grã-Bretanha, que recebeu um mandato para administrar a Palestina pouco depois do fim da Primeira Guerra Mundial e da dissolução do Império Otomano.

Os primeiros conflitos se deram em 1921. Nos anos 1930 a situação se agravou. Apesar de os árabes continuarem sendo maioria, cresce a imigração de judeus oriundos da Europa após a Segunda Grande Guerra. A partir daí começa o drama dos árabes palestinos. Em 1947, eram proprietários — governo e civis — de 93% do país. Os judeus ocupavam 7% do território. Com a partilha votada pela ONU, perdem quase metade do que possuíam. Os judeus ganham 55% do país mesmo sendo minoria.

A proclamação do Estado de Israel e os conflitos posteriores levam os judeus a conquistar mais 22% do território. Cerca de 900 mil palestinos (dois terços da população na época) foram expulsos de suas casas. Esse deslocamento ganhou força com o massacre de Deir Yassin. Um ataque militar de Israel matou 250 habitantes daquela pequena cidade. Várias mulheres e crianças. E o Estado árabe definido pela ONU? Virou suco. Os israelenses não queriam mais saber de conversa e, a cada conflito em que saía vencedor, amealhava mais um naco do país. A Cisjordânia (anexada pelo Emirado da Transjordânia, então rebatizado como Reino da Jordânia) e a Faixa de Gaza (que passou a se administrada pelo Egito), por exemplo, só escaparam da sanha de Israel por conta do armistício de 1949.

Escaparam por alguns anos. O ano de 1967 reservava algo pior aos árabes. O embate batizado de Guerra dos Seis Dias, em junho daquele ano, permitiu aos israelenses tomar a Cisjordânia e a Faixa de Gaza. Israel não parou. Além de determinar como “terras de Estado” zonas não cultivadas — locais que serviam ao assentamento de colônias judaicas —, os israelenses resolveram confiscar um quinhão considerável de terras privadas árabes, principalmente no setor Leste de Jerusalém e no Vale do Jordão. Os anos passaram, conflitos se acumulavam nas traças da história e líderes dos dois povos não se entendiam quanto à propriedade do pirulito.

A luta pela terra tem como pano de fundo fatores econômicos, políticos, estratégicos e militares, que dão o tempero ao aspecto religioso (O islamismo não distingue o político do sagrado). Mas a construção de Israel no território antes dos árabes tem ligação direta com o fator religioso. Os judeus escolheram a Palestina como sede do Estado de Israel porque a tradição religiosa judaica valoriza a terra da palestina como lar prometido por Yavé aos descendentes de Abraão, ao povo escolhido. Na época dos movimentos sionistas outras propostas foram apresentadas, como a construção do Estado na Ásia Central e na África, na região de Uganda.

Voltando à Era pré-Cristã, é importante verificarmos que Jerusalém já existia quando os judeus chegaram com o rei Davi. De acordo com o ex-professor de religião, Ricardo Mário Gonçalves (USP), em entrevista à rádio CBN alguns anos atrás, era a cidade de um povo chamado jebuzeus, um povo cananeu, cananita. As evidências históricas revelam que o rei Davi teria se aliado aos jebuzeus para ocupar Jerusalém e fazer dela sua capital. Davi, contudo, não consegue realizar seu projeto. Coube ao seu filho Salomão construir o o templo sagrado que havia projetado.

Mais tarde, o templo é destruído pelos babilônios. Quando Ciro liberta os judeus do cativeiro o templo é reconstruído por um líder chamado Zorobabel. O recém-criado núcleo judaico dura vários séculos, de forma mais ou menos independente. O templo ganha status de centro religioso e político. Novamente, o lugar é destruído, dessa vez pelos romanos. Nos anos 70 da Era Cristã, pouco depois da destruição, ocorre uma nova revolta judaica. O templo vira monumento pagão. Eis que o imperador Adriano — o que seria do mundo sem a história dos imperadores — constrói ali um templo de Júpiter e muda o nome da cidade para Héliacapitolina, segundo o professor Ricardo Mário Gonçalves.

Quando surge o islamismo, explicou, o templo torna-se um lugar sagrado para Maomé, porque há uma tradição registrada nas escrituras islâmicas, segundo a qual Maomé teria feito uma viagem mística aos céus a partir do templo de Jerusalém, montado num cavalo. A mitificação transformou o templo num local sagrado para os islâmicos. Tanto que quando eles tomam Jerusalém, expulsando as autoridades políticas cristãs, ficam indignados ao encontrar a Esplanada do Templo fazendo as vezes de, pasmem, depósito de lixo. Limpam tudo e iniciam a construção de monumentos sagrados, como a Cúpula do Rochedo e a Mesquita de Al-Aksa.

Acreditar nos discursos e argumentos (muitos bem fundamentados) de que a paz no Oriente Médio é possível, diante do histórico que há, soa como agressão ao bom senso. Me faz rir sem achar a mínima graça. E não ter qualquer dúvida da capacidade humana de nunca chegar a um entendimento razoável.

Elegia
Stephen Jay Gould. O paleontólogo que sabia escrever. O geneticista que nos trazia informações e afirmações tão sedutoras quanto lógicas. O biólogo evolucionista que declarou ser uma estupidez pensar que somos o ápice da evolução. O professor de zoologia da Universidade de Harvard que trouxe a ciência aos degraus do homem comum.
No site Edge (www.edge.org) está lá sua foto. Uma legenda embaixo destaca seu nome e a fatídica data (1942 – 2002). Um parágrafo de um ensaio seu vem logo abaixo:
“There is no progress in evolution. The fact of evolutionary change through time doesn’t represent progress as we know it. Progress isn’t inevitable. Much of evolution is downward in terms of morphological complexity, rather than upward. We’re not marching toward some greater thing.”
Gould viajou sem levar o bilhete de volta na segunda-feira, dia 20. Saiu de sua casa em Nova Iorque para um chá com Charles Darwin.

Livros publicados no Brasil:
- A Falsa Medida do Homem (Martins Fontes);
- A Galinha e seus Dentes - E Outras Reflexoes (Paz e Terra);
- Darwin e os Grandes Enigmas da Vida (Martin Fontes);
- Dinossauro no Palheiro (Cia. das Letras);
- Lance de Dados (Record);
- Viva o brontossauro (Cia. das Letras);
- O Milênio em Questão (Cia. das Letras);
- O Sorriso do Flamingo (Martins Fontes);
- Os Dentes da Galinha (Paz e Terra);
- Dedo Mindinho e Seus Vizinhos (Cia. das Letras).


Bruno Garschagen
Cachoeiro de Itapemirim, 28/5/2002

Quem leu este, também leu esse(s):
01. A novilíngua petista de Julio Daio Borges
02. O que aconteceu com a Folha de S. Paulo? de Julio Daio Borges
03. A difícil arte de saber mais um pouco de Ana Elisa Ribeiro
04. Hosana na Sarjeta, de Marcelo Mirisola de Jardel Dias Cavalcanti
05. O caso Luis Suárez de Humberto Pereira da Silva


Mais Bruno Garschagen
Mais Acessadas de Bruno Garschagen em 2002
01. O romance da desilusão - 6/8/2002
02. Eu quero é rosetar - 12/2/2002
03. Niilismo e iconoclastia em Thomas Bernhard - 26/2/2002
04. Paz é conto da Carochinha - 28/5/2002
05. Chopin não viu, mas deve ter gostado - 14/5/2002


Mais Especial Oriente Médio
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
28/5/2002
14h02min
Olá, Bruno Na lista de livro de Stephen Jay Gould publicados no Brasil faltou Viva o Brontossauro. Abraço P.S. Stephen Jay Gould era grande mesmo. Quem o leu sabe disso. http://pradomacedo.blogspot.com
[Leia outros Comentários de Rogério Macedo]
28/5/2002
21h43min
Obrigado pelo toque Rogério. Faltou mesmo o livro que me indicaste. Já acrescentei na lista. Valeu. Grande abraço. Bruno.
[Leia outros Comentários de Bruno Garschagen]
4/6/2002
10h13min
Caro Bruno, parabéns pela tentativa de escrever sobre o tema apondo argumentos e fatos de ambos os lados. Sei que a objetividade absoluta não existe, e concordo com você quanto às dificuldades em se obter a paz. Mas textos que preservem essa exigência mínima de apresentar duas posições possíveis, sem demonizar uma delas, estão sendo infelizmente raros aqui no Digestivo. Por isso mesmo me alegro pelo seu artigo.
[Leia outros Comentários de Helion]
4/6/2002
10h41min
Caro Helion, obrigado pelas palavras. O fato de apresentar duas posições ou argumentos me foi facilitado pelo tema e pelo fato de este signatário não ter qualquer vínculo religioso ou afetivo com judeus ou palestinos. Quanto ao que escreveste sobre o demais textos do Digestivo, fica difícil cobrar "imparcialidade" em textos opinativos. Geralmente, todos os nossos conhecimentos e preconceitos se fundem numa simbiose cujo resultado agrada uns e insultam outros. Mesmo assim, gosto das duas formas, e até incorro regularmente nessa parcialidade que marca qualquer opinião. Obrigado ela mensagem. Grande abraço. Bruno.
[Leia outros Comentários de Bruno Garschagen]
4/6/2002
17h37min
Bruno Acompanhei melancólico o debate sobre a questão arábe-israelense tempos atrás neste digestivo.Pareciam torcedores fanáticos de futebol,com uma exceção ou outra.Seu texto é de gente civilizada.Um abraço.
[Leia outros Comentários de heraldo vasconcellos]
5/6/2002
23h58min
Caro Bruno, também eu não tenho vínculo religioso ou afetivo com qualquer das duas partes em conflito. Embora não seja fácil ficar alheio a alguns valores que estão em jogo. Acho que o texto opinativo tem sua razão de ser, desde que com uma mínima fundamentação e sem agressividade quanto a eventuais discordantes. Questão de bom senso e de respeito, enfim. Se este informativo se pretende um Digestivo, um colunista não deveria jamais despejar sobre o leitor um pacote ideológico pronto, muito menos responder aos comentários com rancor. Pode-se ser opinativo sem agir assim. Gosto de debater e contrapor pontos de vista, mas é terrível ter a sensação de que o discordante “entrou numa festa de amigos sem ser convidado”. Isso costuma ocorrer aqui, infelizmente. O seu texto, Bruno, cumpre bastante bem o objetivo de fornecer informações relevantes sobre os argumentos dos dois lados, sem agredir ou menos prezar nenhum dos dois. Quem quiser que se aprofunde através de outras fontes. Em outras palavras, parabéns pelo artigo.
[Leia outros Comentários de Helion]
6/6/2002
00h03min
Heraldo, O problema do texto que joga o pacote ideológico pronto sobre o leitor, ainda mais quando o faz com arrogância, é que desencadeia uma avalancha de protestos agressivos, refutados de forma também agressiva pelos que seguem a linha ideológica do colunista. Estes acabam entrando na discussão mesmo que não tenham muito a dizer sobre o tema. O fim da história é um embate de insultos pessoais, como já vi acontecer algumas vezes aqui no Digestivo. O texto do Bruno me parece ter fugido de tais armadilhas. É o tipo de contribuição que espero poder ler mais por aqui.
[Leia outros Comentários de Helion]
6/6/2002
00h22min
Caro Heraldo, agradeço o comentário. E essa palavra civilizada me é tão cara que sua mensagem veio com uma espada afiada e me encheu de ânimo. A pesquisa que fiz foi demorada e me preocupei em escrever sem insultos, mas deixando clara minha posição. Obrigado pelo feedback. Grande abraço. Bruno.
[Leia outros Comentários de Bruno Garschagen]
6/6/2002
00h28min
Caro Helion, tenho uma preocupação constante em acrescentar algo ao debate, se não uma informação, uma interseção que seja. Minha maior pretensão como colunista, antes mesmo de ingressar aqui no Digestivo, era estimular o debate da forma mais elegante possível, mas sem largar o bisturi. Fico aqui, da minha trincheira, tentando, tentando... Um dia eu consigo. Concordo com o que você escreveu sobre o texto opinativo. Como mesmo disse, questão de bom senso e de respeito. Obrigado pela mensagem. Grande abraço.
[Leia outros Comentários de Bruno Garschagen]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.




>>> Papo de Mãe analisa as dificuldades de aprendizagem das crianças
>>> Janela Janelinha traz o conto "O blues da princesa descabelada" de Hans Christian Andersen
>>> Um campinho de futebol e outras ideias
>>> Paratodos celebra a Consciência Negra na TV Brasil
>>> Evento Cultural Arena das Artes - Mixx Cultural
>>> Moda e literatura em movimento na Ciranda Literária de Macaé
* clique para encaminhar

Intrínseca
Globo Livros
Civilização Brasileira
Editora Perspectiva
WMF Martins Fontes
Editora Record
Arquipélago Editorial
Editora Conteúdo
Nova Fronteira
Primavera Editorial
Best Seller
Cortez Editora
José Olympio
Busca Sebos
Hedra
Companhia das Letras
Bertrand Brasil
LIVROS


RECORDAÇÃO MORTAL
De R$ 45,00
Por R$ 24,56
Economize R$ 20,44



ANJOS NA ESCURIDÃO
Por R$ 19,95
+ frete grátis



QUASE CASADOS
De R$ 42,00
Por R$ 24,98
Economize R$ 17,02



CINQUENTA ANOS ESTA NOITE
De R$ 35,00
Por R$ 17,50
Economize R$ 17,50



CIDADE DAS ALMAS PERDIDAS
De R$ 40,00
Por R$ 22,85
Economize R$ 17,15



ÉTICA PARA MEUS PAIS
Por R$ 47,95
+ frete grátis



PASSE AGORA EM CONCURSOS PÚBLICOS - POLÍCIA CIVIL
Por R$ 148,95
+ frete grátis



FEITIÇO DE AMOR E OUTROS CONTOS
Por R$ 26,95
+ frete grátis



MAC OS X LION
De R$ 129,90
Por R$ 83,95
Economize R$ 45,95



HERA - A GLÓRIA DE UMA DEUSA
Por R$ 37,95
+ frete grátis



busca | avançada
40155 visitas/dia
1,3 milhão/mês