Sobre Três Novelas | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novos projetos do Festival de Dança de Joinville promovem atividades culturais para 120 alunos
>>> Toca do Morcego anuncia agenda primavera/verão 2022/2023
>>> Poeta Ivete Nenflidio lança obra 'Ataque - cale-se agora e para sempre'
>>> Alunos de Ribeirão Preto constroem maquete com trajetória das águas da cidade até o mar
>>> Coletivo oferece eventos de danças angolanas em outubro e novembro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
Colunistas
Últimos Posts
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
Últimos Posts
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
>>> Conforme o combinado
>>> Primavera, teremos flores
>>> Além dos olhos
>>> Marocas e Hermengardas
>>> Que porcaria
>>> Singela flor
>>> O cerne sob a casca
>>> Assim é a vida
>>> Criança, minha melhor idade
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Acho que entendi o Roberto Setubal
>>> Layon pinta o silêncio da cidade em quarentena
>>> Francisco Alves, o esquecido rei da voz
>>> Francisco Alves, o esquecido rei da voz
>>> Bréqui Friday
>>> 19 de Outubro #digestivo10anos
>>> Etapas da criação de uma pintura digital * VÍDEO *
>>> Separar-se, a separação e os conselhos
>>> Genealogia da Moral, de Nietzsche
>>> Robinson Shiba do China in Box
Mais Recentes
>>> De Repente, Nas Profundezas do Bosque de Amós Oz pela Cia. das Letras (2005)
>>> Alicia En El País de los Sueños - una Mirada Desde El Psicodrama de Gloria Reyes Contreras pela Do Autor
>>> Aplicação Prática de Gestão de Pessoas por Competências de Rogerio Leme pela Qualitymark (2005)
>>> Goosebumps Horrorland- a Vingança do Boneco Vivo - Vol-1 de R. L. Stine pela Fundamento (2010)
>>> Édipo Claudicante: do Mito ao Complexo de Antonio Carlos Farjani pela Edicon (1987)
>>> Geografia do Brasil - Dinamica e Contrastes de Helio Carlos Garcia e Tito Marcio Garavello pela Scipione (1992)
>>> O Último dos Moicanos Coleção: Clássicos de Bolso de J. Fenimore Cooper pela Ediouro
>>> Viagem ao Inonsciente de W. A. Mambert pela Nordica (1973)
>>> O Mundo Mágico de J. K. Rowling - a Magia do Cinema de Jody Revenson pela Panini Books
>>> Fundamentos de Matemática Elementar 4: Sequências Matrizes Deter... de Gelson Iezzi e Outros pela Atual (2013)
>>> Direitos do Torcedor e Temas Polêmicos do Futebol de Décio Luiz Jose Rodrigues pela Rideel (2003)
>>> Groo: Amigos e Inimigos (volume 1) (lacrado) de Sergio Aragonés pela Mythos Books
>>> Fundações Direito de Edson José Rafael pela Melhoramentos (1997)
>>> Psicometria Genética de Sara Paín pela Casa do Psicólogo (1992)
>>> O Caminho Rumo a Tamanrasset de Charles de Foucauld pela Paulinas (2009)
>>> A Gata Borralheira Clássicos Recontados de Charles Perrault pela Melhoramentos (2013)
>>> Política de Segurança: os Desafios de uma Reforma de Guaracy Mingardi (orgs.) pela Fund. Perseu Abramo (2013)
>>> Reengenharia Revolucionando a Empresa de Michael Hmmer pela Campus (1994)
>>> Zeus e a Conquista do Olimpo de Hélène Montarde pela Cia. das Letras (2012)
>>> Técnicas para uma Leitura Rápida e Eficaz de Donald Weiss pela Nobel (1992)
>>> Engenharia dos Quadrados Mágicos de Ordem Impar de Roberto Ferreira Filho pela Imprensa Universitária (2017)
>>> Coaching para Alta Performance e Excelência na Vida Pessoal de André Percia/ Bruno Juliani/ Mauricio Sita pela Ser Mais (2014)
>>> Além do Quintal: Poemas e Aquarelas - Autografado de Marlene Edir Severin pela Papa Terra (2011)
>>> Fotografia Digital - Aprendendo a Fotografas Com Qualidade de Enio Leite pela Viena (2015)
>>> O Retrato do Rei de Ana Miranda pela Cia das Letras (1991)
COLUNAS

Quinta-feira, 21/11/2002
Sobre Três Novelas
Ricardo de Mattos

+ de 5100 Acessos

À Patrícia Anália Rovida,
com um afectuoso abraço.



Há no mercado livreiro nacional uma colecção cujo objectivo é trazer conhecimento do leitor brasileiro autores e obras do Leste Europeu. A Coleção Leste foi iniciada com A Exposição das Rosas do húngaro István Örkény e tem sua continuidade garantida pelo recente lançamento de O Idiota, de Fiódor Dostoievski. Os cinco últimos volumes são dele, e além do título citado temos Memórias do Subsolo, O Crocodilo, Crime e Castigo e Nietotchka Nieszvânova. Várias obras da colecção foram traduzidas por Boris Schnaiderman, mas há traduções assinadas por Paulo Bezerra, Aleksandar Jonanovic e outros.

Da dúzia de volumes já publicados há o predomínio de Dostoievski, um grosso volume de contos de Tchekhov, A Dama do Cachorrinho, e outro bem fornido de Aleksandr Púchkin, A Dama de Espadas, já misto de contos e poemas. Estes os mais famosos. Há outros escritores menos conhecidos, tal como Dezsö Kosztolányi e Óssip Mandelstan - O Tradutor Cleptomaníaco e O Rumor do Tempo, respectivamente. Por fim, autores talvez totalmente desconhecidos até então, ou cuja obra se alguma vez traduzida, esgotou-se e não foi reeditada. Tais autores são o já mencionado Örkény, o tcheco Karel Tchapék e o russo de origem polonesa Sigismund Krzyzanowski - o segundo com Histórias Apócrifas e o terceiro com O Marcador de Páginas.

Tenho um volume da Antologia do Conto Húngaro elaborada por Paulo Rónai e prefaciada por João Guimarães Rosa, no qual este demonstra intimidade com a língua húngara. Menciono-a pois nela podemos encontrar mais contos de Kosztolányi e um de Sándor Márai - para aproveitar a deixa - autor de livros periodicamente lançados no Brasil, como As Brasas, O Legado de Eszter e Veredicto em Canudos. É uma agradável surpresa descobrir que este profundo escritor conheceu Os Sertões de Euclides da Cunha e entusiasmou-se o suficiente para criar um romance a partir dele.

Não há uma ordem cronológica na colecção, mas vários escritores nasceram no final do século XIX e avançaram pelo século XX. Alguns testemunharam as duas grandes guerras mundiais, outros apenas uma. Örkény foi parar em um campo russo de concentração, Mandelstan morreu louco a caminho da Sibéria, e com Krzyzanowski conheceu particularidades do mundo soviético só agora divulgadas em detalhes. Isso sem repetir a famosa história de Dostoievski, livre do fuzilamento quando já tinha os olhos vendados, mas sem escapatória de umas férias também na Sibéria, o que leva os estudiosos a dividirem sua obra em dois períodos: um anterior e outro posterior à prisão. Todos estes escritores, mas todos, possuíram e desenvolveram um tão incómodo quão preciosista olhar clínico dos subterrâneos da alma humana. O ser humano é examinado em suas particularidades mais constrangedoras e o resultado exposto ao público, quer agrade, quer não. Exclui-se uma intenção maldosa deles, o objecto de suas análises que não é grande coisa.

O humor é presente em algumas obras e seu grau é variado. Todavia, é aquele humor oriundo da dor: "A fonte secreta do humor não é a alegria, mas a mágoa, a aflição e o sofrimento. Não há humor no céu" (Mark Twain). A partir desta premissa, temos narrativas que levam do meio sorriso à gargalhada. Este o humor a permear A Exposição das Rosas, de István Örkény (1.912 - 1.979). São duas as novelas: a que intitula o volume e A Família Tóth.

A Exposição das Rosas. Esta novela escrita na década de sessenta do século passado é interessante por narrar a produção de um documentário para a televisão, tendo como tema o instante da Morte. A desculpa é auxiliar o público a entender e temer menos este facto. Hoje encontramos vários documentários de cunho científico sobre o assunto, sobretudo nos canais fechados, e alguns de bom nível. Nesta novela, entretanto, o personagem Iron Korom aproxima seu programa do actual "Reality Show", preocupando-se mais com a fama e reconhecimento que com o tratamento sério do assunto. Está mais próximo de um mórbido Big Brother que de um sóbrio Enigmas da Morte.

Três os moribundos seleccionados: o professor Gábor Darvas, a operária Mikó e o escritor de segunda J. Nagy. Como o professor morreu antes de iniciadas as filmagens, coube a sua viúva narrar diante das câmeras seus últimos momentos. Encerrada sua apresentação, tudo é preparado para o acompanhamento dos últimos instantes da senhora Mikó e logo depois de J. Nagy. "Não adiantava discutir com a morte (...) porque ela não representava uma interlocutora; afinal, ela sabe dizer apenas uma única coisa: 'não'", resignava-se o professor Darvas. Por seu lado, a operária preocupava-se com o destino e conforto de sua mãe cega. Devorada pelo câncer, reflectia: "No meu caso, a morte é uma questão de dinheiro, doutor, porque o que será de minha mãe, se ela ficar sozinha? É isso que preciso resolver". O escritor, boémio e bonachão, não planejava falecer tão cedo, mas aceitando participar do trabalho do amigo Korom, acaba morrendo para não o desamparar. Dedicação absoluta.

A segunda novela, A Família Tóth, narra bem ao estilo "pastelão" o transtorno causado pela hospedagem concedida a um militar. Trata-se do major Varró, superior do soldado Gyula Tóth. Este quem, evidentemente almejando vantagem pessoal, pede à família que abrigue o superior. Nem a família, nem o soldado auferem benefícios desta estadia, pois Gyula morre em campo antes mesmo da chegada de Varró à aldeia. Sua morte é omitida pelo carteiro louco que, tentando poupar a família, joga o telegrama com a notícia dentro de um barril de água estagnada. Após todo um rosário de ridículos e constrangimentos, o major parte. Quando a família Tóth imagina restabelecida a paz doméstica, ele retorna alegrinho, contando não haver trem pelos próximos três dias e pedindo pouso durante mais este período. Acaba sendo esquartejado. Este final imprevisível, ao qual são dedicadas as últimas linhas do texto de forma a reforçar a surpresa, faz toda a estória repetir-se rapidamente em nossa memória e questionar a comicidade das cenas anteriores. Onde encerra-se o cómico e inicia-se o trágico? É o humor com o qual Örkény talvez queira superar as aflições sofridas n'um campo de concentração. Resta apontar nesta obra a representação de um servilismo radical, de pessoas despreocupadas com a preservação da própria dignidade, dês que garantida a recompensa.

Duas novelas de Örkény e uma de Ivan Turguêniev: Ássia. Preocupações profissionais na última quinzena só permitiram dedicar-me a obras breves.

Ássia é uma obra menor de Turguêniev, russa no tratamento da matéria, mas afrancesada na forma. Seu principal romance é Pais e Filhos, ainda encontrável no mercado, embora eu prefira esperar por uma edição mais caprichada. Trata esta novela de um quase romance de estação quase ocorrido entre o personagem narrador e a que dá seu nome à obra. Turguêniev passou viajando boa parte da sua vida e neste caso trouxe seus personagens também para o exterior, pois a trama desenrola-se em uma cidadela alemã. E de fora, o escritor observa seus patrícios, colocando suas observações nas bocas de suas criaturas. Exemplo disso é a fala de Gáguin, meio irmão de Ássia, referindo-se a sua vocação artística:

"- Sim, sim - assentiu ele com um suspiro -, tem razão, tudo isso está muito ruim e imaturo, mas o que posso fazer? Não estudei como deveria, e há a questão da indolência eslava. Enquanto a gente sonha com o trabalho, paira como a águia: é como se pudesse mover o mundo; mas quando passa à execução, a gente se sente fraco e cansado".

Indolência eslava. Ássia foi escrita em 1.957. Oblomov em 1.959, e é atraente imaginá-lo como uma resposta interna e concordante. Pode até não ser, pois se Turguêniev era amigo pessoal - ainda que tensa esta amizade - de Dostoievski na Rússia, e de Zola e Flaubert na França, nada indica que tenha conhecido e travado relações com Gontcharov. É inevitável, todavia, a lembrança do romance durante a leitura da novela.

Para ir além

Colecção Leste. Vários Autores. Editora 34







Ricardo de Mattos
Taubaté, 21/11/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. A fotografia é um produto ou um serviço? de Fabio Gomes
02. 'Linha de montagem', um filme a ser 'revisto' de Humberto Pereira da Silva
03. Séries? Que papo é esse? de Fernando Lago
04. Ascensão e queda do cinema iraniano de Wellington Machado
05. Patriotada às avessas de Luiz Rebinski Junior


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2002
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. Diário do Farol, de João Ubaldo Ribeiro - 15/8/2002
03. Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier - 24/10/2002
04. Cidade de Deus, de Paulo Lins - 17/10/2002
05. O Oratório de Natal, de J. S. Bach - 26/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Grande Desafio / 4ª Ed - Confira !!!
Pedro Bandeira
Ática
(1999)



Fundamentos Da Filosofia - História e grandes Temas
Gilberto Cotrim
Saraiva
(2006)



Livro - Escute Seu Coração
Osho
Gente
(2006)



Turma da Mônica Princesas & Princesas - Branca de Neve: Cinderela
Robson Barreto de Lacerda
Girassol
(2012)



Evangelii Gaudium - a Alegria do Evangelho
Jorge Mario (papa Francisco) Bergoglio
Paulus
(2013)



Livro - A Física e o Nosso Mundo
Hans Christensen Von Baeyer
Campus
(2004)



Dezesseis Luas
Margaret Stohl/Kami Garcia
Record
(2011)



Tratado de Clínica Psiquiátrica
Isaías Paim
epu
(1991)



Ninguém Morre Duas Vezes
Luiz Lopes Coelho
De Mão Em Mão
(2012)



A Nova Contabilidade Social: uma Introdução À Macroeconomia
Leda Paulani e Márcio Bobik Braga
Saraiva
(2007)





busca | avançada
62542 visitas/dia
1,7 milhão/mês