Sobre Três Novelas | Ricardo de Mattos | Digestivo Cultural

busca | avançada
62476 visitas/dia
1,9 milhão/mês
Mais Recentes
>>> UP CONTEMPORANEA e SP INSPIRA ARTE || Art Lab Gallery
>>> Grupo Manuí lança primeira faixa do ano com Juraildes da Cruz
>>> Feriado, dia 20 :: Toni Garrido e Evandro Mesquita fazem show de graça na Laura Alvim em Ipanema
>>> Cadê a Criança que tava aqui? reestreia dia 5 de fevereiro no Alfa
>>> ENDURO A PÉ - CIRCUITO DE LAZER NO CENTRO
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> O melhor da Deutsche Grammophon em 2021
>>> A história de Claudio Galeazzi
>>> Naval, Dixon e Ferriss sobre a Web3
>>> Max Chafkin sobre Peter Thiel
>>> Jimmy Page no Brasil
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
Últimos Posts
>>> Brega Night Dance Club e o afrofuturismo amazônico
>>> Fazer o que?
>>> Olhar para longe
>>> Talvez assim
>>> Subversão da alma
>>> Bons e Maus
>>> Sempre há uma próxima vez
>>> Iguais sempre
>>> Entre outros
>>> Corpo e alma
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O único a enfrentar Eike
>>> O Alumioso, por Di Freitas
>>> Lançamentos de literatura fantástica (1)
>>> 16 de Agosto
>>> Escola, literatura e sociedade: esquizofrenia
>>> O batom
>>> O melhor de 2005: não ter uma lista
>>> De cadelos e cachorras
>>> 21 de Dezembro #digestivo10anos
>>> A droga da felicidade
Mais Recentes
>>> Meu Primeiro Amor... de Rogério Andrade Barbosa / Rosinha Campos pela Dcl (2008)
>>> O Lado Bom da Vida de Matthew Quick pela Intrinseca (2013)
>>> Fisiologia Básica - Capa Dura de Arthur C Guyton pela Interamericana (1978)
>>> O Homem Que Sabe de Viviane Mosé pela Civilizaçao Brasileira (2012)
>>> Madame Bovary de Gustave Flaubert pela Nova Alexandria (2007)
>>> Rough Guide Peru - Informação Segura, Viagem Tranquila de Dilwyn Jenkins pela Publifolha (2005)
>>> Revista Náutica Guia de Barcos 2016 - 400 Barcos de Revista Náutica pela Revista Náutica (2016)
>>> Gestão de Negócios de Andrea Crsitina Marin Scmidt pela Dcl (2014)
>>> Montanha Sombria de Heil Nick pela Objetiva (2012)
>>> Vivendo a Matemática - Geometria dos Mosaicos de Luiz Márcio Imenes pela Scipione (2003)
>>> Petições Trabalhistas Anotadas 7ª Edição de Luciano / Rossignolli / Salem pela Jh Mizuno (2007)
>>> Rei Lear - Série Reencontro Literatura de William Shakespeare / Hidelgard Feist Adaptação pela Scipione (2004)
>>> As Regras da Sedução - os Rothwells 1 de Madeline Hunter pela Arqueiro (2013)
>>> Falcão - Meninos do Tráfico de Mv Bill / Celso Athayde pela Objetiva
>>> A Vida Tem a Cor Que Você Pinta! - Coleção Construindo 1 de Mário Bonatti / Glen Martins Ilustrador pela Dom Bosco (1979)
>>> Mozipédia a Enciclopédia de Morrissey e dos Smiths de Simon Goddard pela Leya Brasil (2013)
>>> Dorival Caymmi - o Mar e o Tempo - Coleção Todos os Cantos de Stella Caymmi pela 34 (2001)
>>> Batman & Poison Ivy - Cast Shadow - Dc de Ann Nocenti / John Van Fleet pela Dc Comics (2004)
>>> Analítica do Sentido de Dulce Mara Critelli pela Brasiliense (2007)
>>> Biblia Sagrada Marrom Com Zíper - Edição de Bolso de João Ferreira de Almeida Tradutor pela Geográfica (2005)
>>> História da Energia Nuclear de Ipen pela Ipen
>>> Revista Xbox - Plants Vs Zombies Gw2 - Nº 117 de Rox Brasil / Xbox pela Europa (2016)
>>> Introdução à Sociologia de Tom T. Bottomore pela Zahar (1978)
>>> Cindy e Sua Turma - Kit Com 8 Livrinhos de Brasileitura pela Brasileitura
>>> Poemas Traduzidos por Manuel Bandeira de Manuel Bandeira Tradutor pela José Olympio (1956)
COLUNAS

Quinta-feira, 21/11/2002
Sobre Três Novelas
Ricardo de Mattos

+ de 4900 Acessos

À Patrícia Anália Rovida,
com um afectuoso abraço.



Há no mercado livreiro nacional uma colecção cujo objectivo é trazer conhecimento do leitor brasileiro autores e obras do Leste Europeu. A Coleção Leste foi iniciada com A Exposição das Rosas do húngaro István Örkény e tem sua continuidade garantida pelo recente lançamento de O Idiota, de Fiódor Dostoievski. Os cinco últimos volumes são dele, e além do título citado temos Memórias do Subsolo, O Crocodilo, Crime e Castigo e Nietotchka Nieszvânova. Várias obras da colecção foram traduzidas por Boris Schnaiderman, mas há traduções assinadas por Paulo Bezerra, Aleksandar Jonanovic e outros.

Da dúzia de volumes já publicados há o predomínio de Dostoievski, um grosso volume de contos de Tchekhov, A Dama do Cachorrinho, e outro bem fornido de Aleksandr Púchkin, A Dama de Espadas, já misto de contos e poemas. Estes os mais famosos. Há outros escritores menos conhecidos, tal como Dezsö Kosztolányi e Óssip Mandelstan - O Tradutor Cleptomaníaco e O Rumor do Tempo, respectivamente. Por fim, autores talvez totalmente desconhecidos até então, ou cuja obra se alguma vez traduzida, esgotou-se e não foi reeditada. Tais autores são o já mencionado Örkény, o tcheco Karel Tchapék e o russo de origem polonesa Sigismund Krzyzanowski - o segundo com Histórias Apócrifas e o terceiro com O Marcador de Páginas.

Tenho um volume da Antologia do Conto Húngaro elaborada por Paulo Rónai e prefaciada por João Guimarães Rosa, no qual este demonstra intimidade com a língua húngara. Menciono-a pois nela podemos encontrar mais contos de Kosztolányi e um de Sándor Márai - para aproveitar a deixa - autor de livros periodicamente lançados no Brasil, como As Brasas, O Legado de Eszter e Veredicto em Canudos. É uma agradável surpresa descobrir que este profundo escritor conheceu Os Sertões de Euclides da Cunha e entusiasmou-se o suficiente para criar um romance a partir dele.

Não há uma ordem cronológica na colecção, mas vários escritores nasceram no final do século XIX e avançaram pelo século XX. Alguns testemunharam as duas grandes guerras mundiais, outros apenas uma. Örkény foi parar em um campo russo de concentração, Mandelstan morreu louco a caminho da Sibéria, e com Krzyzanowski conheceu particularidades do mundo soviético só agora divulgadas em detalhes. Isso sem repetir a famosa história de Dostoievski, livre do fuzilamento quando já tinha os olhos vendados, mas sem escapatória de umas férias também na Sibéria, o que leva os estudiosos a dividirem sua obra em dois períodos: um anterior e outro posterior à prisão. Todos estes escritores, mas todos, possuíram e desenvolveram um tão incómodo quão preciosista olhar clínico dos subterrâneos da alma humana. O ser humano é examinado em suas particularidades mais constrangedoras e o resultado exposto ao público, quer agrade, quer não. Exclui-se uma intenção maldosa deles, o objecto de suas análises que não é grande coisa.

O humor é presente em algumas obras e seu grau é variado. Todavia, é aquele humor oriundo da dor: "A fonte secreta do humor não é a alegria, mas a mágoa, a aflição e o sofrimento. Não há humor no céu" (Mark Twain). A partir desta premissa, temos narrativas que levam do meio sorriso à gargalhada. Este o humor a permear A Exposição das Rosas, de István Örkény (1.912 - 1.979). São duas as novelas: a que intitula o volume e A Família Tóth.

A Exposição das Rosas. Esta novela escrita na década de sessenta do século passado é interessante por narrar a produção de um documentário para a televisão, tendo como tema o instante da Morte. A desculpa é auxiliar o público a entender e temer menos este facto. Hoje encontramos vários documentários de cunho científico sobre o assunto, sobretudo nos canais fechados, e alguns de bom nível. Nesta novela, entretanto, o personagem Iron Korom aproxima seu programa do actual "Reality Show", preocupando-se mais com a fama e reconhecimento que com o tratamento sério do assunto. Está mais próximo de um mórbido Big Brother que de um sóbrio Enigmas da Morte.

Três os moribundos seleccionados: o professor Gábor Darvas, a operária Mikó e o escritor de segunda J. Nagy. Como o professor morreu antes de iniciadas as filmagens, coube a sua viúva narrar diante das câmeras seus últimos momentos. Encerrada sua apresentação, tudo é preparado para o acompanhamento dos últimos instantes da senhora Mikó e logo depois de J. Nagy. "Não adiantava discutir com a morte (...) porque ela não representava uma interlocutora; afinal, ela sabe dizer apenas uma única coisa: 'não'", resignava-se o professor Darvas. Por seu lado, a operária preocupava-se com o destino e conforto de sua mãe cega. Devorada pelo câncer, reflectia: "No meu caso, a morte é uma questão de dinheiro, doutor, porque o que será de minha mãe, se ela ficar sozinha? É isso que preciso resolver". O escritor, boémio e bonachão, não planejava falecer tão cedo, mas aceitando participar do trabalho do amigo Korom, acaba morrendo para não o desamparar. Dedicação absoluta.

A segunda novela, A Família Tóth, narra bem ao estilo "pastelão" o transtorno causado pela hospedagem concedida a um militar. Trata-se do major Varró, superior do soldado Gyula Tóth. Este quem, evidentemente almejando vantagem pessoal, pede à família que abrigue o superior. Nem a família, nem o soldado auferem benefícios desta estadia, pois Gyula morre em campo antes mesmo da chegada de Varró à aldeia. Sua morte é omitida pelo carteiro louco que, tentando poupar a família, joga o telegrama com a notícia dentro de um barril de água estagnada. Após todo um rosário de ridículos e constrangimentos, o major parte. Quando a família Tóth imagina restabelecida a paz doméstica, ele retorna alegrinho, contando não haver trem pelos próximos três dias e pedindo pouso durante mais este período. Acaba sendo esquartejado. Este final imprevisível, ao qual são dedicadas as últimas linhas do texto de forma a reforçar a surpresa, faz toda a estória repetir-se rapidamente em nossa memória e questionar a comicidade das cenas anteriores. Onde encerra-se o cómico e inicia-se o trágico? É o humor com o qual Örkény talvez queira superar as aflições sofridas n'um campo de concentração. Resta apontar nesta obra a representação de um servilismo radical, de pessoas despreocupadas com a preservação da própria dignidade, dês que garantida a recompensa.

Duas novelas de Örkény e uma de Ivan Turguêniev: Ássia. Preocupações profissionais na última quinzena só permitiram dedicar-me a obras breves.

Ássia é uma obra menor de Turguêniev, russa no tratamento da matéria, mas afrancesada na forma. Seu principal romance é Pais e Filhos, ainda encontrável no mercado, embora eu prefira esperar por uma edição mais caprichada. Trata esta novela de um quase romance de estação quase ocorrido entre o personagem narrador e a que dá seu nome à obra. Turguêniev passou viajando boa parte da sua vida e neste caso trouxe seus personagens também para o exterior, pois a trama desenrola-se em uma cidadela alemã. E de fora, o escritor observa seus patrícios, colocando suas observações nas bocas de suas criaturas. Exemplo disso é a fala de Gáguin, meio irmão de Ássia, referindo-se a sua vocação artística:

"- Sim, sim - assentiu ele com um suspiro -, tem razão, tudo isso está muito ruim e imaturo, mas o que posso fazer? Não estudei como deveria, e há a questão da indolência eslava. Enquanto a gente sonha com o trabalho, paira como a águia: é como se pudesse mover o mundo; mas quando passa à execução, a gente se sente fraco e cansado".

Indolência eslava. Ássia foi escrita em 1.957. Oblomov em 1.959, e é atraente imaginá-lo como uma resposta interna e concordante. Pode até não ser, pois se Turguêniev era amigo pessoal - ainda que tensa esta amizade - de Dostoievski na Rússia, e de Zola e Flaubert na França, nada indica que tenha conhecido e travado relações com Gontcharov. É inevitável, todavia, a lembrança do romance durante a leitura da novela.

Para ir além

Colecção Leste. Vários Autores. Editora 34







Ricardo de Mattos
Taubaté, 21/11/2002


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Como se me fumasse: Mirisola e a literatura do mal de Jardel Dias Cavalcanti
02. A vida subterrânea que mora em frente de Elisa Andrade Buzzo
03. Haiti, o cisne negro, já virou branco de Vicente Escudero
04. O que você está lendo? de Luis Eduardo Matta
05. Um brasileiro no Uzbequistão (X) de Arcano9


Mais Ricardo de Mattos
Mais Acessadas de Ricardo de Mattos em 2002
01. A Erva do Diabo, de Carlos Castaneda - 14/11/2002
02. Diário do Farol, de João Ubaldo Ribeiro - 15/8/2002
03. Moça Com Brinco de Pérola, de Tracy Chevalier - 24/10/2002
04. Cidade de Deus, de Paulo Lins - 17/10/2002
05. O Oratório de Natal, de J. S. Bach - 26/12/2002


* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Triste Fim de Policarpo Quaresma Série Bom Livro
Lima Barreto
Ática
(1989)



Se Liga Nessa Você e os Outros
Alexandre Medeiros Olivia Ferreira e Pedro Gara...
Senac
(2011)



A Economia do Cedro
Carlos Alberto Júlio
Virgiliae
(2011)



Eu Sou o Queijo
Robert Cormier
Record
(1977)



100 Receitas de Saúde - Alimentos para Rejuvenescer
Sarah Merson
Publifolha
(2007)



Resgate de um Cão
Patricia Highsmith
Brasiliense
(1972)



Tio Patinhas Nº 357
Walt Disney
Abril
(1995)



Toda a Família - Como Preservar a Família Em Tempos de Crise
Orlando Boyer
Cpad
(1994)



Ivanhoé (1972)
Walter Scott
Abril
(1972)



Früchte des Zorns
Johm Steinbeck
Lingen
(1983)





busca | avançada
62476 visitas/dia
1,9 milhão/mês