Onde moram as crônicas | João Evangelista Rodrigues

busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
ENSAIOS

Segunda-feira, 17/12/2007
Onde moram as crônicas
João Evangelista Rodrigues

+ de 6700 Acessos
+ 6 Comentário(s)

É nos jornais que moram as crônicas. Pelo menos é onde deveriam. Entre notícias importantes e notas frívolas. Entre reportagens, gráficos, fotos e infografias. Entre anúncios de desaparecidos, de empregos, de produtos de limpeza e uma infinidade de artigos de luxo. Bugigangas. Lixos, na maior parte das vezes. Costumam ficar, ainda, próximas das colunas sociais, entre damas e cavalheiros bem vestidos, decorados para lançamentos de livros, vernissages, campanhas políticas, festas de etiqueta e beneficentes. Pura vaidade e ostentação de senhoras e senhores muito respeitáveis. Puro sinal de prestígio. Podem aparecer, de vez em quando, encostadas ao editorial ou artigo de fundo, igualmente assinadas, assumidas por seus escrevinhadores.

Ficam ali, esquecidas, à mercê de algum leitor mais sensível e menos pragmático. Desses que, em noites de lua cheia, ainda bebem conhaque e olham para cima abismados com a beleza da dita cuja moça de olhos grandes e frios. Leitores cansados de ler sobre nadas, sobre crimes, tráficos de drogas e de influências. De ouvir a mesma cantilena política, demagoga e estéril. Embora o jornal seja seu santuário preferido, as crônicas não se misturam nem se perdem em meio a esses mundos marcados pela objetividade, imparcialidade e neutralidade. Pelos menos assim o querem os que o fabricam e decidem sobre o conteúdo e a forma do jornal.

Crônicas não sabem ser neutras. Lúdicas e irônicas, muitas vezes. Perfeitas, dificilmente, já que são essencialmente vivas e humanas e como tais podem defender idéias e valores. Escritas com frases curtas e orações coordenadas, ganham mais elegância e agilidade. A subordinação dificulta a escrita e a leitura. Mostra-se, na maioria das vezes, em regimes autoritários e impositivos, mesmo quando se trata de estilo.

Crônicas são assim: singelas, quase inocentes. Parecem pássaros de formas estranhas em paisagem insólita, linear, centímetro por centímetro planejadas. Mercantilizadas. Por isso mesmo, as crônicas se destacam por sua originalidade, simplicidade e leveza. Por sua exatidão poética e lingüística. Claro, por não serem rígidas, permitem exercícios estilísticos, experiências verbais, incursões não acadêmicas ou pouco usuais pelo jargão duro e formal do jornalismo diário. Nelas os tempos e as pessoas se misturam. Falam do dia-a-dia, mas são livres em indignações, imaginação e fantasia. Talvez agradem mais ao leitor por isso mesmo.

É gênero híbrido. Não é gênero maior, ainda bem, "graças a Deus", escreveu certa vez Antonio Candido, o crítico a quem a literatura brasileira deve belíssimos ensaios. É por isso que ficam "perto de nós", sem empáfia, afirma. Na sua despretensão, humaniza, e essa humanização lhe permite, como compensação sorrateira, recuperar com a outra mão uma certa profundidade de significado e um certo acabamento de forma, que, de repente, podem fazer dela uma inesperada, embora discreta, candidata à perfeição.

A crônica é subjetiva e pessoal. Geralmente impressionista e lírica. Nem sempre clara como mandam o método e o estilo jornalísticos. Fala a que veio, sem alardes nem enunciações óbvias. São mais sutis. Artificiosa no dizer, feito aos antigos contadores de histórias, de semelhante aos narradores de causos dos interioríssimos brasileiros. Há quem diga que a crônica é filha do jornal. Outros, que é o seu antídoto contra o próprio veneno que o jornal produz todos os dias, invariavelmente, em seu ofício antiliterário.

Moram no jornal, mas por sua oralidade de origem, podem muito bem sobreviver no ambiente provisório e fluido do rádio. Na televisão, ganhariam outros atrativos. Encarnariam imagens corporificadas de cores e movimentos. Crônicas lidas, no rádio, são uma delícia. Quem não se lembra? Sorrateiras em si mesmas, em sua forma aparentemente natural, escondem suas intenções. De verdade, fingem não tê-las.

Assim, deixam se levar pelo estilo tipo um assunto puxa outro. Escorregam entre os dedos, entre os dentes e a língua. Paladar especial o dos cronistas. Necessário é aprender saboreá-las toda manhã, feito se faz com o café fumegante e o pão-de-queijo ainda quente, recém-saído do forno.

E por falar em crônicas, quem se não lembra de Machado de Assis, Rubem Braga, Carlos Drummond, Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos, Rachel de Queiroz, o Veríssimo e muitos outros, todos paradigmas da narrativa moderna. Cronistas por excelência. Todos os cronistas, herdeiros da tradição oral, da sabedoria popular, dos homens e mulheres, dos meninos e meninas dos interiores perdidos em si mesmos, em seus longes, guardados de memória.

Os olhos do cronista, segundo Davi Arrigucci Jr., são treinados no jornal para o flagrante do cotidiano. Afeitos à experiência do choque inesperado em qualquer esquina, estão preparados, em meio à vida fragmentária, aleatória e fugaz dos tempos modernos, para a caça de instantâneos.

É assim que os cronistas povoam os jornais de humanidade e de súbita iluminação. Arte da visão, imagens da vida em suas infinitas crispações. Epifania. Revelação. Retrato urbano, desenhado com pedaços de tempo e de espaço, pela dessacralização da vida moderna, ou pós. Pequenos peixes nas malhas da rede virtual, as crônicas brilham neste emaranhado de signos que é o jornal. Feliz quem as descobre, por querer manifesto ou por acidente de leitor descuidoso. No mais, é deixar que o "formoso assunto" nos assalte, nos alimente de esperança, nos encha a boca e o espírito.

Nota do Editor
João Evangelista Rodrigues, jornalista e escritor, é autor do blog ViaLaxia.


João Evangelista Rodrigues
Arcos, 17/12/2007

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O dia em que Paulo Coelho chorou de Domingos Pellegrini


Mais João Evangelista Rodrigues
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/12/2007
13h23min
Se não for distração minha, creio ser a sua estréia no Digestivo. Parabéns pelo texto! Sou um leitor crônico de crônicas. Vejo que você escreve de Minas e Minas ressoa em mim com muita força. Vivi em Uberlândia por 18 anos. E agora no Natal rumo para Três Marias. Seu texto menciona o nosso Antonio Candido. Num de seus ensaios ele escreveu que os cronistas são "cães vadios, livres farejadores do cotidiano". Não é perfeito? Agora vem você e diz que os cronistas estão preparados "para a caça de instantâneos". Perfeito também. Seu blog já está adicionado aos meus favoritos. Abraço!
[Leia outros Comentários de Tarlei]
19/12/2007
23h46min
Engraçado. Se você tiver o ponto de vista popular, de que o jornal traz apenas informação e não uma sujeira literária construída através de inúmeros jogos de interesse e, constantemente, com tamanha ficção que assombra, o texto faz sentido, especialmente pela carência de inovação lingüística. Seriam então as crônicas uma luta pela mentira, ou ficção assumida, diante da hipocrisia declarada, ou nem tanto?
[Leia outros Comentários de Wendell]
21/1/2008
09h34min
João: que bons ventos o trazem a esse sítio? Fiquei comovido ao vê-lo, homem de sete talentos (mais que Mário de Andrade!) proseando no Digestivo. Arrebentando os rótulos com os quais quiseram enjaulá-lo, tais como "poeta da falação", de autoria da falação, você, João, é um apóstolo provinciano (por enquanto) de Fernando Sabino, Carlos Drummond e outros! Evoé, João Evangelista, Juliano de uma imprensa pagã, bandeirante dos Arcos mineiros!
[Leia outros Comentários de Lúcio Jr]
21/1/2008
10h44min
Adoro crônicas. Quero aprender como fazer. São perfeitas...
[Leia outros Comentários de Crônicas...]
21/1/2008
18h17min
Encontro no Digestivo o mesmo João que escreve no "Pergaminho", jornal de circulação diária em toda a região centro oeste de Minas, editado em Formiga, cidade vizinha de Arcos. Aqui moro e participo de encontros com esse grande cronista que enriquece e estimula os que pretendem a carreira literária. É grande e humilde, esse jornalista e poeta sonhador. É bom vê-lo afinal reconhecido entre tantos outros literatos brasileiros! Visitar seu blog é delicioso. Parabéns a ele e ao Digestivo que o acolheu!
[Leia outros Comentários de Elizabeth Silveira]
3/2/2008
13h39min
A crônica não deveria se afastar de uma boa análise de manifestações que assolam o homem. Ela prende a atenção e se relaciona com casos históricos apimentando a si mesmo e o leitor, obtendo uma "contra-transferência". Nada se iguala a isso.
[Leia outros Comentários de calypso escobar]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A TÉCNICA DO DIREITO VOL 3 - A TÉCNICA DA DEFESA CRIMINAL
GILBERTO CALDAS
BRASILIENSE
R$ 10,00



CERIMONIAL DO CASAMENTO - 4930
MARIA DE LOURDES DE FARIA MARCONDES WOLFF
WB EDITORES
R$ 10,00



COTIDIANO E ROTINA NA SALA DE AULA
MARLEI GOMES DA SILVA MALINOSKI
APPRIS
(2016)
R$ 34,00



NAU DOS DESEJOS
CREMILDA MEDINA
CJE / ECA / USP
(1994)
R$ 4,70



SEU FUTURO SEGUNDO OS TARÔS
GIOVANNI SCIUTO
NORDICA
(1992)
R$ 15,00



MANOEL JULIO VERA DEL CARPIO
MANOEL JULIO VERA DEL CARPIO
DIALETO
(2012)
R$ 55,00



ENSINO RÉGIO NA CAPITANIA DE MINAS GERAIS ,1772 - 1814
THAIS NIVIA DE LIMA E FONSECA
AUTÊNTICA
(2010)
R$ 40,00



A IMPORTÂNCIA DO RELACIONAMENTO COMERCIAL E CULTURAL...
VÁRIOS
SENADO FEDERAL
(1995)
R$ 8,58



O PRIMEIRO GUERREIRO - 2ª EDIÇÃO
ORLANDO PAES FILHO
ARX JOVEM
(2002)
R$ 10,00



ALICE DO 5O DIEDRO
LAURITA MOURAO
NORDICA
R$ 6,00





busca | avançada
38611 visitas/dia
1,4 milhão/mês