Digestivo nº 105 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
114 mil/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Festival Halleluya em São Paulo realizará ação solidária para auxiliar as famílias no RS
>>> Povo Fulni-ô Encontra Ponto BR
>>> QUEÑUAL
>>> Amilton Godoy Show 70 anos. Participação especial de Proveta
>>> Bacco’s promove evento ao ar livre na Lagoa dos Ingleses, em Alphaville
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
Últimos Posts
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Caminho para a Saúde
>>> Romance breve
>>> Prefeito dará a carros bela vista da universidade
>>> O assassinato de Herzog na arte
>>> A revista Bizz
>>> Cheech & Chong reloaded
>>> A Istambul de Orhan Pamuk
>>> Carles Camps Mundó e a poética da desolação
>>> Considerações sobre a leitura
>>> cheiro de sossego
Mais Recentes
>>> Livro Infanto Juvenis Biografia Caçadas de Pedrinho O Saci de Monteiro Lobato pela Brasiliense
>>> Livro Auto Ajuda Gente Que Faz de Luiz Fernando Garcia pela Gente (2006)
>>> Luís de Camões Redondilhas Canções Sonetos de Luís de Camões pela Real Gabinete Portugues de Leitura (1980)
>>> Pioneiros da Cultura do Café na Era da Independência de Gilberto Ferrez pela Imprensa Nacional (1978)
>>> Coleção Completa Folha Grandes Mestres da Pintura 20 Livros Vincent Van Gogh + Paul Cézanne + Monet + Goya + Picasso de Van Gogh; Picasso; Monet pela Folha de São Paulo (2007)
>>> Livro Literatura Estrangeira Os Sofrimentos do Jovem Werther Clássicos Volume 7 de J. W. Goethe pela Abril Coleções (2010)
>>> O legado de Humboldt de Saul Bellow pela Nova Fronteira (1977)
>>> Direito Civil dos Contratos e das Declarações Unilaterais da Vontade - vol. 3 de Silvio Rodrigues pela Saraiva (2003)
>>> Livro Administração Aprenda a Operar no Mercado de Ações de Dr. Alexandre Elder pela Campus (2006)
>>> L'Anomalie de Herve Le Tellier pela Gallimard (2020)
>>> Operação Cavalo De Tróia: Jerusalém - Vol. 1 de J.J. Benítez pela Mercuryo (1995)
>>> Livro Infanto Juvenis O Picapau Amarelo Aventuras de Hans Staden de Monteiro Lobato pela Brasiliense
>>> Livro Literatura Crime e Castigo Clássicos Volume 1 de Fiódor Dostoiévski pela Abril Coleções (2010)
>>> All You Can Do Is All You Can Do But All You Can Do Is Enough! de A.L. Williams pela Ivy Books (1989)
>>> Obras escolhidas 4 Período da terceira guerra civil revolucionária de Mao Tsetung pela Alfa Omega (1979)
>>> Introdução à Leitura d'Os Maias de Carlos Reis pela Coimbra (1997)
>>> Modèles et Innovations - Études de Littérature Portugaise et Brésilienne de Anne-Marie Quint pela Sorbonne Psn (1995)
>>> Livro Infanto Juvenis Histórias Diversas Viagem Ao Céu de Monteiro Lobato pela Brasiliense
>>> Disney Horror de Vários pela Abril (2012)
>>> Livro Administração A Execução Premium The Execution Premium A Obtenção de Vantagem Competitiva Através do Vínculo da Estratégia Com as Operações do Negócio de Robert S. Kaplan pela Elsevier (2008)
>>> A Aurora Nascente de Jacob Boehme pela Paulus (1998)
>>> Luchino Visconti - O Fogo da Paixão de Laurence Schifano pela Nova Fronteira (1990)
>>> Livro Literatura Estrangeira Crime e Castigo Clássicos Volume 2 de Fiódor Dostoiévski pela Abril Coleções (2010)
>>> Les Antimodernes - De Joseph de Maistre à Roland Barthes de Antoine Compagnon pela Gallimard (2005)
>>> Livro Infanto Juvenis O Poço do Visconde de Monteiro Lobato pela Brasiliense
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 30/10/2002
Digestivo nº 105
Julio Daio Borges
+ de 2100 Acessos




Imprensa >>> O outro lado da vida
Acordar de manhã e repetir mentalmente: "Não é possível, não é possível, não é possível...". "Isto não está acontecendo, isto não está acontecendo, isto não está acontecendo...". "Não é verdade, não é verdade, não é verdade...". Mas é verdade. Está acontecendo. E é possível. De repente, os acontecimentos se tornaram desinteressantes de novo. "Les événements m'ennuient." ["Os acontecimentos me entendiam." (Paul Valéry)] De repente, é interessante ser oposição novamente. (Se a situação, ao menos, deixasse...) Agora são 40% de descontentes. E eles querem mudança (!). Agora (!). [Não, esse discurso não, esse discurso não...] Agora Engula (!). [Também não, também não... É de mau gosto, parece coisa de marqueteiro...] Amigos vêm consolar. Com citações assim: "Quando o governo 'X' caiu [...], tomei uma garrafa de uísque inteira. [...] Chorei um pouco. Ou tentei chorar. Jurei resistir." A citação termina desse jeito: "Hoje acho engraçado, minha atitude, não o acontecimento [...]". (Concurso: quem disse isso? como, quando e onde?? será que hoje dá para se dizer o mesmo???) Pensando bem, quatro anos passam rápido. O novo presidente deve saber, afinal esperou por quatro anos três vezes. E ser oposicionista tem lá o seu "apelo"... Toda época precisa de um Carlos Lacerda. (Quem será o Samuel Wainer desta vez?) Fora que Lula não é Vargas... Imagina-se o próximo pleito: "Vicentinho" versus "Enéas". Ou então: "Bya Barros" versus "Turco Loco" (ela pelo PT, ele pelo PSDB). Enquanto isso, na Academia Brasileira de Letras: "Chico Anísio" versus "Os Cassetas". Ou então: "Gabriel, o Pensador" versus "Marcelo D2" (ambos pela Literatura Rap). Até que não estamos tão mal. Ainda restam alguns meses de Fernando Henrique Cardoso (o último presidente que falava português) e Paulo Coelho vai até compor com Peter Gabriel... [Comente esta Nota]
>>> O presidente eleito Luís Inácio Lula da Silva
 



Música >>> Testamento de Heiligenstadt
Num de seus artigos sobre música, H.L. Mencken se põe a imaginar como teria sido a recepção da Heróica de Beethoven: "Sem dúvida, aquela platéia da estréia em Viena, chocada e confusa pelos sucessivos desafios do primeiro movimento, deve ter ficado grata pela lúgubre melodia [do segundo movimento]. Mas, e o scherzo [do terceiro movimento]? Outra perversa investida contra o pobre Haydn!". Quase dois séculos depois, segue enorme a expectativa pela Terceira Sinfonia. Assim foi na Sala São Paulo, durante a apresentação da Orquestra Sinfônica da Rádio de Hamburgo, sob a direção de Christoph Eschenbach, um baixinho de calva reluzente e enérgica, vestido à moda dos feiticeiros da Idade Média. Sua Heróica só aconteceu mesmo nos últimos dois movimentos, pois faltou pulso nos dois primeiros, e, ainda assim, foi ofuscada pela bela violinista Julia Fischer. A alemãzinha de 17 anos, empunhando um Stradivarius "Booth" com quase três séculos, executou de memória e face altiva o "Concerto para violino em lá menor" (op. 53), de Dvorák. Como se não bastassem o vestido vermelho, as longas madeixas loiras e o ar embasbacado da platéia e do maestro, encerrou como uma fuga de Bach, depois de aplausos insistentes. Também pudera: a moça vem sendo preparada desde os 4 anos de idade pela mãe, a pianista Viera Fischer (para que se perceba que nome nem sempre é sinônimo de predestinação). Antes da celebração do velho Ludwig, mais precisamente durante a pausa, Julia ainda podia ser vista saltitante, com mochila nas costas, saindo pelos fundos, depois de ter feito tremer a Sala São Paulo. Apesar da Terceira Sinfonia não ter sido retumbante conforme esperado (algo muito natural, aliás), a orquestra esteve impecável na "Abertura Carnaval" (op. 92), também de Dvorák. Uma noite de flores e espinhos, para encerar mais uma vitoriosa temporada do Mozarteum. [Comente esta Nota]
>>> Mozarteum Brasileiro
 



Além do Mais >>> Jabaculê
O paradoxo da divulgação no Brasil. Ninguém questiona muito mas algo nos diz que o modelo está errado. Como funciona: quem tem um produto (disco, livro, filme, restaurante) contrata uma assessoria de imprensa; o assessor, dependendo dos contatos, do produto e dos releases, consegue espaço nesse ou naquele veículo; o cliente (artista, empresário ou empresa) paga o assessor de imprensa e fica tudo por isso mesmo. Onde está o furo: os veículos, em geral de imprensa, estão à míngua, pela falta de anúncios; se aceitam pagamento pela divulgação (dispensando portanto a assessoria) são imediatamente crucificados pela falta de ética jornalística. Paradoxo: os veículos estão fechando suas portas e as assessorias proliferam a cada esquina. Corolário: os jornalistas dos veículos, que efetivamente divulgam os produtos, são mais mal remunerados que os autores dos releases. Basta perguntar quanto custa para divulgar um produto ou evento através de qualquer assessoria e, depois, quanto ganha um jornalista por matéria ou "frila". As diferenças chegam a até dez vezes; mesmo que a assessoria não seja lá essas coisas e mesmo que o jornalista seja de renome. Nesse contexto, fica complicada a sobrevivência dos "independentes": primeiro, porque não têm contatos para conseguir anúncios de estatais, grandes bancos e empresas de telecomunicação (potenciais anunciantes em qualquer veículo que se preze); segundo, porque as assessorias (e seus clientes) já estão acostumados ao "velho esquema", e não vêem como "trabalho" a divulgação feita por pequenos veículos (vêem como "favor", ou coisa parecida). Difícil quebrar esse ciclo, justamente no estado em que se encontra a mídia: falida. E na situação de indigência em que vive a maioria dos jornalistas. A saída talvez esteja no modelo adotado por pequenas publicações, como os jornais de bairro ou de categorias, que não sucumbem à matéria paga, mas que sobrevivem à base de pequenos e numerosos anúncios. O problema do Brasil continua sendo a "classe média"; enquanto ela não existir, ficamos entre os tubarões e os lambaris. Também no jornalismo. [Comente esta Nota]
>>> Jornalista é gente?
 



Internet >>> Quando o virtual cai na real
Enquanto a imprensa brasileira silencia, nos países desenvolvidos já se discute a "Lei de Serviços da Sociedade de Informação e do Comércio Eletrônico" (LSSICE) ou, simplesmente, "Lei da Internet". Em vigor na Espanha, desde 12 de outubro último, a "Lei" visa regulamentar mais rigorosamente as atividades no ciberespaço, não só pelo lado dos prestadores de serviço mas também no que se refere ao comportamento de internautas e consumidores. Os protestos por parte daqueles que defendem a dita "internet livre" já começaram e vêm se alastrando pelos cinco continentes. Muito mais que uma "briga de torcidas", há, na disputa, aspectos bastante delicados. Há, por exemplo, aqueles que sofrem fraudes, lutando incessantemente contra o "spam", tendo suas iniciativas ameaçadas por "hackers" e até pelo dito "terrorismo virtual". Para esses, a "Lei da Internet" virá como um bálsamo, pois proibirá sites sem registro comercial, vetará mensagens não-solicitadas (com prejuízo para os respectivos domínios e provedores de acesso), e rastreará quaisquer indivíduos que representarem alguma ameaça à Grande Rede. Há, porém, a contrapartida: dependendo da maneira como a "Lei da Internet" for implementada, adeus "liberdade de expressão", adeus "liberdade de imprensa", adeus "democracia" e bem-vindos os tempos bicudos da "censura". Uma coisa é certa: a imagem do "caos", que sempre caracterizou a internet, tende a ser repensada ao longo dos anos. Mesmo que, com ela, sejam sacrificados a criatividade, a pluralidade e a independência. Se pelo lado do "descontrole" a "Lei" pode significar um alívio, pelo lado do "idealismo" pode significar a castração de uma mídia que mal começou a andar. [Comente esta Nota]
>>> La Ley de Internet | LSSICE | Kriptópolis
 



Cinema >>> Trauma a ser evitado
Em sessão lotada, estreou finalmente "Cama de Gato", filme de Alexandre Stockler, na 26ª Mostra BR de Cinema. Há algum tempo, o longa vem sendo divulgado como uma iniciativa que consumiu poucos recursos. Realizado em "digital", não passou dos R$ 120 mil, com apenas meia dúzia de atores (entre eles, Rennata Airoldi e Caio Blat). É igualmente parte do movimento "Trauma" (Tentativa de Realizar Algo Urgente e Minimamente Audacioso), uma clara referência ao "Dogma 95" dinamarquês, que deu a luz a Thomas Vinterberg e Lars von Trier, "Festa de Família" (1998) e "Dançando no Escuro" (2000). No Brasil, "Cama de Gato" remonta à mesma linhagem de "O Invasor" (2001), de Beto Brant, e de "Cidade de Deus" (2002), de Fernando Meirelles. Têm como foco as tensões urbanas brasileiras, desencadeadas a partir de um único fato, aparentemente isolado, sempre com conseqüências desastrosas. "Cama de Gato", portanto, junta-se ao coro dos que pretendem devolver à sociedade brasileira uma realidade que, segundo crêem, ela mesma criou. Stockler conta a história de três rapazes de classe média alta que, para se divertir, promovem uma "festinha" a quatro. O plano não sai como esperado e a "brincadeira" acaba em estupro e morte. Suas tentativas de saírem ilesos da situação se revelam ainda mais infrutíferas, produzindo apenas novas mortes. Qualquer semelhança com "Cova Rasa" (1994) e "Um Plano Simples" (1998) não é mera coincidência. Aqui, inclusive, cabe um parêntese. A eficiência desse discurso, baseado no "choque", na "violência" e no "desconforto", ainda é questionável. O raciocínio é elementar: os filmes agridem o espectador; o espectador, agredido, não volta mais. Em São Paulo, tem-se o exemplo do circuito alternativo de teatro, amargando eterna falta de público, e da Bienal Internacional, a cada edição mais vazia e desacreditada. O "consumidor", acostumado a um mercado que normalmente o bajula, não entende como alguém possa requerer sua presença e, em seguida, acusá-lo, julgá-lo e condená-lo por causa de uma dada "realidade". O cinema brasileiro, renascido das cinzas, precisa muito cuidado para não cair na onda do suicídio mercadológico. E "Cama de Gato", apesar de bem escrito, bem dirigido e bem montado, não foge à regra. [Comente esta Nota]
>>> Cama de Gato | Trauma | Jornal da Mostra
 
>>> "CHARGE DA SEMANA" POR DIOGO SALLES

clique aqui e fale com o Diogo

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Revista Vida Simples: para quem quer viver mais e melhor. Setembro, Edição 96
Vários Colaboradores
Abril
(2010)



Dawn - Tsumetai Te vol 01
Shinshu Ueda
Sampa
(2004)



Calunga Verdades do Espírito
Luiz Gasparetto
Vida & Consciência



Minhas Primeiras Notas ao Violão
Othon Gomes da Rocha Filho
Irmãos Vitale
(1966)



Onze Minutos - Portuguese
Paulo Coelho
Rocco
(2003)



Respire! Você Está Vivo!
Thich Nhat Hanh
Vozes
(2008)



Bíblia Sagrada Novo Testamento Edição Pastoral
Paulus
Paulus
(2005)



Monet
David Spence
Ciranda Cultural
(2010)



Hellen: Minha Amada Imortal
Varios Autores
Dpl
(2005)



O Lazer no Brasil
Renato Requixa
Brasiliense
(1977)





busca | avançada
114 mil/dia
2,4 milhões/mês