Digestivo nº 126 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
74821 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 26/3/2003
Digestivo nº 126
Julio Daio Borges

+ de 1300 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Imprensa >>> Amor fati
Há quase uma semana que tudo é a guerra. Desde o motorista de ônibus até o locutor de rádio FM, passando pela atendente de balcão de lanchonete, todos têm uma opinião sobre a guerra. Um juízo formado dias antes, horas antes do conflito. Ou nem isso. Como se assiste a muita televisão e se lê pouco jornal, as imagens impressionam e produzem uma miríade de conclusões, mas as pessoas não conseguem raciocinar a partir dos fatos (se é que há "fatos"). Muita gente, por exemplo, não relacionou a ausência dos premiados por "melhor filme estrangeiro", no Oscar, à nacionalidade alemã dos mesmos (e ao fato da Alemanha estar contra a guerra). Assim, a maior parte das opiniões apaixonadas deve ser logo descartada, pois, como disse alguém, é de "gente inocente". Tirando o furor inicial, de bombardeios e muito protesto, a guerra promete entrar numa nova fase. Os e-mails denuncistas já estão diminuindo e os combates por terra ameaçam se estender por semanas (como, aliás, o próprio Bush - o maior interessado em que o conflito se encerre - já admitiu). Descontando os habituais lugares-comuns, podemos ainda encontrar alguma sensatez. Como a do sujeito que afirmou textualmente: um dos principais erros desta guerra é achar que ela será "diferente" das outras. Os ataques cirúrgicos, apesar de todo o show pirotécnico, não intimidaram Saddam Hussein - e a coisa se prolongará, inevitavelmente, até o combate homem-a-homem em Bagdá. A "guerra de propaganda", embora exista e influencie a opinião pública, não substitui a guerra tradicional. Os senhores da guerra contra o Iraque querem a rendição do "homem", ou, ao menos, a deposição de seu regime, não importando em quanto esteja o "placar" de vivos ou mortos. É um equívoco, igualmente, pensar que houve um "salto" civilizatório, de um milênio a outro, e de que vamos dispensar o "sangue, suor e lágrimas" de Winston Churchill. Guerra é guerra, e a reedição de alguns dos barbarismos do século XX parece também inevitável. Certos estavam os gregos, que jogavam sobre os deuses a culpa pelos caprichos de seu destino. Dois mil anos se passaram, mas não avançamos nem sequer um passo no entendimento da tragédia. [Comente esta Nota]
>>> Choque e pavor não funcionam com Saddam
 



Literatura >>> Em cima do piano
Há, no conto brasileiro das últimas décadas, uma certa tendência ao atomismo, que se estabeleceu e se notabilizou graças às investidas de Dalton Trevisan, um mestre no gênero. Também por conta de Rubem Fonseca, que, nos últimos livros, vem partindo para uma simplificação radical da linguagem: abolindo as marcações de diálogo; baseando seu estilo no coloquialismo; e depurando antigos temas cujas trilhas já havia percorrido. Não só por isso, mas talvez por isso, a literatura se fez palatável ao jornalismo, que vem tentando dizer cada vez mais com cada vez menos (uma tendência altamente destrutiva, aliás, como provam os principais cadernos de cultura do País, notadamente o do "Jornal da Tarde"). Enfim, para o bem ou para o mal, a aproximação ocorreu e um dos resultados mais palpáveis são os "contos mínimos" da jornalista e escritora Heloisa Seixas. Ela acaba de lançar, pela Cosac & Naify, "Sete vidas", em que reúne sete narrativas curtas (ou melhor: curtíssimas) sobre felinos. Gatos, para ser mais exato. O volume é compacto, como não poderia deixar de ser, e ricamente ilustrado pelo artista Iran do Espírito Santo. Enquanto Heloisa persegue os gatos em seu entorno, conferindo-lhes três ou quatro dimensões, Iran os representa no plano, em duas dimensões apenas, com formas bastante geométricas, jogando o preto no branco ou vice-versa. Embora seja uma literata (ou, ao menos, centre suas ambições nesse universo), a autora ainda faz um recorte assaz jornalístico de seus bichanos (ou, ao menos, fica na fronteira entre as duas coisas). Seja quando descreve um banho de lambidas; seja quando noticia a aparição de um gato falecido há anos; ou seja quando relaciona, à maneira dos cronistas, um felino seu com outro de uma revista. É sempre a jornalista que emerge da escritora. O que não chega a ser problemático, em absoluto - mas que também não confere a "Sete vidas" o status de literatura pura [isso se, para além da repetição, alguém ainda se importa]. O resultado, acima de tudo, é um livro agradável e distraído, para se ler num piscar de olhos. E, se os escrúpulos permitirem, devorá-lo ainda na livraria - embora a simpatia, o porte e uma certa fleuma nos obriguem a levá-lo para casa. Como um gato. [Comente esta Nota]
>>> Sete vidas - sete contos mínimos de gatos - Heloisa Seixas - 64 págs. - Cosac & Naify
 



Cinema >>> Lanterninha
"O Pianista", de Roman Polanski, veio a calhar neste tempo de guerra (embora, como todo o resto, não tenha conseguido evitá-la). O apelo inicial é um pouco repetitivo em Hollywood: mais uma vez a perseguição aos judeus, durante a Segunda Guerra, com direito a campos de concentração, etc. Mas isso é só o começo (ou nem isso), porque felizmente as fórmulas não foram repetidas. Talvez, mais que um longa sobre o gueto de Varsóvia, "O Pianista" seja uma grande homenagem à música, e ao poder que dela emana. Afinal, é por causa de sua habilidade ao piano que Wladyslaw Szpilman consegue, mais de uma vez, salvar-se da morte e do genocídio. Sem dizer que, além do lado humano (recorrente na maioria das críticas), algumas das mais belas cenas do filme se referem a execuções diversas de peças de Chopin: seja na rádio de Varsóvia, durante a invasão alemã; seja no apartamento em que o protagonista se refugia (e onde não pode emitir um único som); seja no hospital, que se transforma na sua última morada antes do fim da guerra. Claro que o artista fica apagado dentro do ser humano faminto, perseguido e separado de seus semelhantes. Diante da brutalidade, da humilhação e dos sacrifícios humanos, a música fica menor, mostra-se mesmo impotente e, na versão de Polanski, quase some. Nada impede, contudo, que ela retorne triunfal e que "O Pianista" se encerre com um glorioso concerto de Chopin. A expectativa era de que a fita se convertesse numa nova "Lista de Schindler". Porque não aconteceu?, fica a pergunta. Primeiro, provavelmente, porque o diretor não é nenhum Steven Spielberg (não no sentido cinematográfico, claro). Sem uma máquina de propaganda [não diria nazista, mas quase], hoje qualquer obra-prima passa despercebida e logo desponta para o anonimato. Segundo, porque as platéias parecem ainda menos habituadas à grande arte do que há 10 anos (quando "Schindler's List" emplacou). A audiência tem se mostrado refratária à "longa duração" e uma sessão que não seja minimamente barulhenta, para ela, não tem a menor graça. Terceiro, porque "O Pianista" deu azar: se enroscou na largada com outros lançamentos de alto impacto e, em meio ao bafafá pré-Oscar, mereceu menos comentários que os demais. A esperança é de que se mostre vitorioso a longo prazo, despertando platéias entorpecidas por outras atrações. "O Pianista" é, portanto, obrigatório - ao menos para quem considera o cinema mais que uma simples diversão. [Comente esta Nota]
>>> The Pianist
 
>>> MAU HUMOR

"A civilização começou no Oriente Médio e pelo jeito também é lá que vai acabar." (Sérgio Augusto)

* do livro Mau humor: uma antologia definitiva de frases venenosas, com tradução e organização de Ruy Castro (autorizado)
 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
1/4/2003
23h08min
O Pianista é um poema de Roman Polanski a música. O concerto tocado para o oficial nazista é de uma sutileza encantadora, é o verdadeiro diálogo entre dois iniciados na música.No meu ver, é a cena mais bela dessa obra prima de Polanski, que se reflete na apoteose do final.
[Leia outros Comentários de Luiz Guimarães]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MACMILLAN COURSEBOOK INSPIRED 1 STUDENTS WORKBOOK (AMERICANED)
PHILIP PROWSE
MACMILLAN EDUCATION AUSTRALIA
(2011)
R$ 18,00



CHOPIN - UM IMPROVISO EM FORMA DE DIÁLOGO
JOÃO DE FREITAS BRANCO
IST PRESS
(2008)
R$ 48,00



TEMAS DE MOLÉSTIAS INFECCIOSAS E TROPICAIS
CARLOS DA SILVA LACAZ VICENTE AMARO NETO
EDIÇÃO DO AUTOR
(1963)
R$ 26,85



O NOVIÇO
MARTINS PENA
ESTADÃO
(1997)
R$ 5,00



ARTE AO REDOR DO MUNDO NO TEMPO DE PICASSO
ANTONY MASON
CALLIS
(2005)
R$ 7,00



OS EIXOS DA LINGUAGEM
LUIZ COSTA LIMA
ILUMINURAS
(2015)
R$ 30,00



LAS MULTINACIONALES... A LO CLARO
ERNESTO GARRIDO E ENRIQUE DEL RIO
EDITORIAL POPULAR (MADRI)
R$ 19,82



OS MELHORES TEMPOS - UMA BIOGRAFIA NÃO OFICIAL
JOHN DOS PASSOS
B
(1968)
R$ 15,00



SURGERY OF THE LOWER EXTREMITY VOL. 45 Nª 1THE SURGICAL CLINICS OF ...
HAROLD A. SOFIELD
W B SAUNDERS
(1965)
R$ 17,77



ESQUERDA E DIREITA: PERSPECTIVAS PARA A LIBERDADE
MURRAY ROTHBARD
VIDE EDITORIAL
(2016)
R$ 10,00





busca | avançada
74821 visitas/dia
1,8 milhão/mês