Digestivo nº 220 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
32027 visitas/dia
890 mil/mês
Mais Recentes
>>> Palavraria Conversa e Versa
>>> Supercombo no Templo Music: Tour “Adeus, Aurora'
>>> Barracão Cultural estreia montagem de rua a partir de livro de Eva Furnari
>>> Marina Peralta lança novo EP, 'Leve'
>>> Dan Stulbach faz ensaio aberto de Morte Acidental de um Anarquista para alunos da Escola Wolf Maya
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Manual para revisores novatos
>>> A Copa, o Mundo, é das mulheres
>>> O espelho quebrado da aurora, poemas de Tito Leite
>>> Carta ao(à) escritor(a) em sua primeira edição
>>> Paris branca de neve
>>> A cidade e o que se espera dela
>>> De pé no chão (1978): sambando com Beth Carvalho
>>> Numa casa na rua das Frigideiras
>>> Como medir a pretensão de um livro
>>> Nenhum Mistério, poemas de Paulo Henriques Britto
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mirage, um livro gratuito
>>> Lançamento de livro
>>> Jornada Escrita por Mulheres
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 3
>>> Juntos e Shallow Now
>>> Dicionário de Imprecisões
>>> Weezer & Tears for Fears
>>> Gryphus Editora
>>> Por que ler poesia?
>>> O Livro e o Mercado Editorial
Últimos Posts
>>> Oficina do diabo
>>> Rosa dos ventos
>>> Pelagem de flor II: NEGRO
>>> Efervescências
>>> Justoresoluto
>>> Em segundo plano
>>> A ver navios
>>> As esquinas dos amores
>>> Pelagem de flor I: VERMELHO
>>> Idade Mídia
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os escritores jovens
>>> Guinga e sua Casa de Villa
>>> Pascal e a condição humana
>>> Aventuras pelo discurso de Foucault
>>> O Jovem e o Mar
>>> Luz em agosto
>>> Palestra de Guilherme Wisnik
>>> Jobs e o Macintosh
>>> Boa Tarde Às Coisas Aqui Em Baixo, de A L Antunes
>>> Um Furto
Mais Recentes
>>> Parcelamento Tributário & Moratória de Fábio Junqueira - Maria Inês Murgel pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2019)
>>> Tratado de Infectologia de Ricardo Veronesi & Roberto Focaccia pela Atheneu (2009)
>>> Otimismo sem Limites: Levante Hoje para Lutar e Vencer! de Ômar Souki pela Landscape (2007)
>>> Otimismo sem Limites: Levante Hoje para Lutar e Vencer! de Ômar Souki pela Landscape (2007)
>>> Estrela da Manhã de Manuel Bandeira pela Global (2012)
>>> El Mito de Faeton en La Literatura Española (ilustrações Fcs. Fora do de A. Gallego Morell pela Madrid (1961)
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Vida Otimista de Ômar Souki pela Souki House (2004)
>>> Pregão Nas Licitações Municipais de Marcelo Palavéri pela Del Rey/ Belo Horizonte (2005)
>>> La Cancion Petrarquista en La Lirica Española del Siglode Oro:... de E. Segura Covarsi pela Madrid (1949)
>>> Evolução Política do Brasil e Outros Estudos de Caio Prado JR. pela Cia. das Letras (2012)
>>> La Transcripcion Castellana de los Nombres Proprios Griecos de Manuel F. Galiano pela Soc. de Estudios Clasicos/ Madrid (1961)
>>> A Condição Espacial de Ana Fani Alessandri Carlos pela Contexto (2015)
>>> Estudo Progressivo da Morfo- Sintaxi Latina de Prof. Oscarino da Silva Ivo pela Edit. da UFMG (1974)
>>> Estudo Progressivo da Morfo- Sintaxi Latina de Prof. Oscarino da Silva Ivo pela Edit. da UFMG (1974)
>>> Manual de Gramática Histórica Española de R. Menéndez Pidal (Ramón) pela Espasa- Calpe/ Madrid (1944)
>>> Um ano para enriquecer - 52 mensagens de otimismo e motivação de Napoleon Hill pela Record (2019)
>>> Controles Internos nas Organizações de Paulo N. Migliavacca pela Edicta (2004)
>>> Dante Vivo de Giovanni Papini pela Editorial Tor/ Buenos Aires (1942)
>>> A nova dependência (dívida externa e monetarismo) de Celso Furtado pela Paz e Terra (1983)
>>> Sans Frontieres 1 - méthode de français de Michele Verdelhan, Michel Verdelhan, Philippe Dominique pela Clé international (1982)
>>> Tom Jones (encadernado.- Completo Em 01 Volume) de Henri Fielding pela Circulo do Livro/ SP. (1985)
>>> Cozinha Prática - Massas de Cristian Muniz pela Pae (2015)
>>> Chico Buarque do Brasil de Rinaldo de Fernandes. Organizador pela Garamond (2004)
>>> A Religiosa/ Capa Dura de Diderot (denis) pela Circulo do Livro (2019)
>>> Sursis/ Classicos Modernos/ Encadernado de Jean- Paul Sartre / Tradução: Sergio Milliet pela Abril (1974)
>>> MacWEEK Guide to desktop video - cd rom included de Erik Holsinger pela ZIff-Davis Press (1993)
>>> Ação Cominatória e Outras Peculiares - Doutrina, Jurisprudência ... de Ulderico Pires dos Santos pela Paumape (1989)
>>> O líder em você. Como fazer amigos, influenciar pessoas e ter sucesso em um mundo em mutação de Stuart R. Levine e Michael A. Crom pela Record (1997)
>>> El Genio Latino de Anatole France pela Ed. Grandes Autores/ B. Aires (1943)
>>> Nacha Regules (novela) de Manuel Galvez pela Editorial Tor/ B. Aires (1933)
>>> O Direito Como Fato Social de José Florentino Duarte pela Sergio Antonio Fabris (1982)
>>> A Tributação Sobre Consumo de Bens e Serviços de Alessandra Machado Brandão Teixeira pela Mandamentos/ Belo Horizonte (2002)
>>> Lições preliminares de direito de Miguel Reale pela Saraiva (1995)
>>> Seguro: Teoria e Prática - Doutrina - Jurisprudência - Prática Forens de João Roberto Parizatto/ Autografado pela Edipa: Ed. Parizatto (2004)
>>> Manual Prático do Horóscopo Chinês de Minami Keizi pela Traço (1988)
>>> Reiki - Amor, Saúde e Transformação de Johnny de Carli pela Alfabeto (2017)
>>> As Novelas de Torquemada de Benito Pérez Galdós pela Paz e Terra (1989)
>>> A Arte Cavalheiresca do Arqueiro Zen de Eugen Herrigel pela Pensamento (1990)
>>> Umanesimo Positivo e Emacipazione Marxista de Galvano Della Volpe pela Sugar Editore (1964)
>>> Ciência e Tecnologia Hoje de Nicolas Witkowski pela Ensaio (1995)
>>> Luvas Brancas de John Kotre pela Mandarim (1997)
>>> I-Ching - A Alquimia dos Números de Wu Jyu Cheng pela Objetiva (1993)
>>> Computer Crimes de Maria Helena Junqueira Reis pela Del Rey/ Belo Horizonte (1997)
>>> O Budismo vivo e o mundo contemporâneo de Lama Anagarika Govinda pela Siciliano (1994)
>>> Luxúria. Coleção Sete Pecados Capitais de Simon Blackburn pela Arx (2005)
>>> Mundo, Vida e Esperança de Angela Coutinho ditado por Emmanuel pela Elevação (1999)
>>> O Budismo e o Caminho da Vida de Christmas Humphreys pela Cultrix (1995)
>>> Avareza. Coleção Sete Pecados Capitais de Phillis A. Tickle pela Arx (2005)
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 30/3/2005
Digestivo nº 220
Julio Daio Borges

+ de 2700 Acessos
+ 5 Comentário(s)




Artes >>> Quem te viu, quem te vê
O que aconteceu com a geração dos 60? É o caso de se perguntar. Na política, com a ascensão de Lula, do PT e do dito núcleo duro, ela se transformou nisso aí a que estamos assistindo de camarote. (Precisa falar?) Já na música, dois dos maiores expoentes da MPB se tornaram presa fácil para as revistas de fofoca. E só. Enquanto, um terceiro dirige o Ministério da Cultura. (Cadê os resultados?) Mas antes de embarcar na lengalenga de cobranças a Gilberto Gil, que de administrador só tem a formação (vocês esperavam alguma outra coisa?), vale se deter sob os refugos de celebridade em que se transformaram Caetano Veloso e Chico Buarque. O primeiro, ridicularizado no episódio de sua separação, depois de embarcar em duas décadas de projetos mirabolantes (e mornos) da mesma mulher da qual, em 2004, se separou. É o caso, então, de se perguntar: E agora, Caê? A festa acabou, a fulana te espoliou, o barco partiu... Já Chico Buarque pode acumular em gafes artísticas o que o presidente acumula em políticas. Depois daqueles livros que quase ninguém entende, mas dos quais praticamente ninguém fala – pois o lobby é forte –, ele deu para se separar de Marieta Severo e deu para namorar mulher casada no mar do Leblon. Como no caso dos foras do nosso mandatário-mor (vocês reclamam do Severino agora, mas vocês votaram no atraso em 2002...), que – dizem as más línguas lá de Brasília – precisa ser escondido após o “chá” das cinco, Chico Buarque de Hollanda necessita ser abafado na imprensa nacional depois do cafofo aquático em praça pública... É por isso que há um esforço, fundamental, em esquecer o que ele é e em lembrar o que ele foi. Porque ele foi grande. Ah, ele foi. Basta conferir a exposição dos 60 anos no Sesc (que passou voando). Além das imagens relativamente óbvias, havia documentos interessantíssimos, principalmente manuscritos de seus clássicos, e extratos em vídeo desde a óbvia “Banda” até a já perdida leréia dos sem-terra... A carreira dos representantes dos 60 não vai ser salva do naufrágio, mas a memória musical brasileira agradece pelos despojos. [Comente esta Nota]
>>> Chico Buarque: o tempo e o artista
 



Música >>> Retrato em branco e preto
De Tom Jobim, tudo está perdoado. Por mais que seja executado, reexecutado e ainda, mais uma vez, executado, ele era – além do já sabido – um tremendo contador de histórias. É o que justifica, por exemplo, esse Antonio Carlos Jobim em Minas ao vivo: piano e voz, da Biscoito Fino. Pois todo mundo já está careca de saber que sua música é maravilhosa, e que ela pode ser cantada por quase qualquer pessoa de cor e salteado, de trás para frente, como “Parabéns a você” e similares. Assim, fora o fato de ouvir as pérolas eternas (“Desafinado”, “Samba de uma nota só”, “Chega de saudade”...), o CD está recheado de casos engraçados que eram – em show – também sua especialidade. Aquele jeito de falar baixo, emulando a modéstia do caipira, mas, ao mesmo tempo, tratando de feitos incomparáveis como a composição de suas canções e a recapitulação da gênese que permitiu a elas que se transformassem no que hoje são... para o mundo. E Tom Jobim é interessante mesmo quando troca os personagens de antigas histórias – como trocou daquela em que foi apresentado a Vinicius de Moraes. Na televisão já falou que quem os introduziu foi o maestro e arranjador Leo Peracchi; neste álbum, gravação de 1981 na verdade, ouvimos uma outra versão em que o mestre-de-cerimônias (o introdutor) é o crítico e historiador Lúcio Rangel. Enquanto esperamos a biografia definitiva de Ruy Castro para confirmar qual é qual, rimos dos lapsos do mestre – que quando errava e dava foras, ficava ainda mais engraçado e melhor. (O Tom Jobim pode. Os outros, não.) E para não dizer que a música, nesse lançamento, não é, mais uma vez, indispensável, aí estão as interpretações raras de “Ligia”, “Águas de março”, “Água de beber” e “Dindi” (ao todo são 18 faixas). Sem contar “Garota de Ipanema”, da qual ele não conseguia escapar. A turma pedia e pedia e pedia e ele, quando se irritava, exclamava: “Vocês sabiam que eu tenho mais de 400 músicas?”. E tinha razão. [Comente esta Nota]
>>> Antonio Carlos Jobim em Minas ao vivo: piano e voz - Biscoito Fino
 



Além do Mais >>> Aleluia, aleluia
E a religião perdeu mais uma vez para a ciência – para a nossa sorte. E o Brasil avançou. Essa questão das células-tronco é mais que simplesmente um debate bizantino num país atrasado, é a chance de o Brasil – um dia, talvez, quem sabe – ensinar ao mundo, como ensinou no caso da Aids, como está ensinando à África, sem todo o dinheiro, mas cheio de idéias revolucionárias. Porque hoje é assim. Milagres de idéias e não necessariamente de capital. Porque o capital está escasso, as mazelas são demais e as idéias, felizmente, não param. E entre os vencedores desta causa atual está Andréa Bezerra de Albuquerque e está o Movitae, movimento por ela fundado apenas para concretizar esse sonho de tratamento a partir das tais células-tronco embrionárias. Quando começou, em 2002 e nos anos posteriores, Andréa ia a Brasília e se perguntava onde estavam as associações dos principais beneficiados, onde estavam os prováveis beneficiados, e onde estavam, enfim, as pessoas (onde estava a humanidade)? Hoje, Andréa é disputada a tapa pela mídia que, até há pouco, solenemente ignorava o debate (salvo os espaços dedicados à ciência e à saúde, temas que soam vagos e intangíveis à massa). Além de entrar em cadeia e em rede via, por exemplo, Jornal Nacional, Andréa agora recebe e-mails esperançosos de gente como o deputado Roberto Freire e é – se não, deveria ser – tratada a pão-de-ló por parlamentares. O Movitae cumpriu sua função e sua idealizadora está tão ocupada que não consegue atualizar o site; não consegue retomar as newsletters que enviava, animada, a cada pequena vitória, a cada migalha conquistada. Os oposicionistas (e sempre os há) deveriam pensar, como disse alguém na WWW, que têm a opção de não ser tratados com células-tronco embrionárias, quando a cura chegar. E que se Jesus tivesse a tecnologia (cala-te, boca blasfema) iria promover muito mais ressurreições dos mortos como a de Lázaro. Porque hoje, daqui a pouco, até super-homem poderá ser salvo – por meros mortais. [Comente esta Nota]
>>> Movitae
 
>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Cafés Filosóficos
* Série Cosmologia e o Ano Internacional da Física: A Estrutura do Universo - Gastão B. Lima Neto
(Ter., 29/3, 19hrs., CN)

>>> Palestras
* Fertilidade natural - Arnaldo Cambiaghi
(Qui., 31/3, 19hrs., VL)

>>> Noites de Autógrafos
* Efeitos colaterais de uma vida - Graça Marques Ibiapino
(Seg., 28/3, 18h30., VL)
* Inquéritos alimentares - Regina Mara Fisberg, Dirce Maria Lobo Marchioni, Betzabeth Slater e Lígia Araújo Martini
(Seg., 28/3, 18h30., CN)
* Governança na empresa familiar - Werner Bornholdt
(Qua., 30/3, 18h30., VL)
* Noturnos e outros contos fantásticos - Gianni Ratto
(Ter., 30/3, 18h30., CN)
* Palmas para João Cristiano - Ana Maria Machado
(Sáb., 2/4, 15h30., VL)

>>> Shows
* Jam Session - Traditional Jazz Band
(Sex., 1/4, 20hrs., VL)
* Espaço Aberto - Big Band da Santa
(Dom., 3/4, 18hrs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
29/3/2005
18h54min
Caro Julio, tenho lido e feito elogios a ti e ao Digestivo, mas agora, meu caro, pisaste no meu pé, pois mexeste com o Chico. Mas vou polemizar, enaltecendo as qualidades daquele que, para mim, é de longe o maior compositor brasileiro. Gostaria apenas de te dar um puxão de orelha para não emparelhares o Digestivo com aquelas revistecas que exploram futilidades sobre a vida pessoal das "celebridades". Tú é melhor que isso. Os leitores do Digestivo merecem mais. Abraços, Bernardo B Carvalho, Goiânia/GO.
[Leia outros Comentários de Bernardo B Carvalho]
30/3/2005
07h12min
Não sou assinante do Digestivo (muito embora tenha gostado da idéia, após recebê-lo da minha esposa!) e o artigo Quem te viu, quem te vê, de Julio Daio Borges, instigou-me a fazer alguns comentários: 01) A despeito de gostar das músicas de Caetano Veloso, sinceramente, não soube de sua separação. Fiquei sabendo por meio da coluna do senhor; 02) É certo que eu não poderia esperar outra coisa de um tipo de “jornalismo” como o fantástico, por exemplo, mas me pergunto como meios que se pretendem sérios (tais como a Folha de São Paulo, que estampou a foto do Chico beijando a tal mulher no seu caderno cultural!) podem se entregar à onda de jornalismo de celebridades. Portanto, vejo uma falta de reflexão séria em colunas culturais. Qual a relevância para a cultura ao falar da vida privada das celebridades culturais (as “vacas sagradas”)? Concordo com a nota, no que tange à atuação do Ministro da Cultura, mas, ao misturar o público com o privado (fala-se de política nacional, da efervescência cultural dos anos 60, mas também de casamentos desfeitos, namoro com mulher casada e etc), Julio repete o que, ao meu ver, trata-se da mesma falha. Penso que a reflexão de cultura não pode se rebaixar a esses fatos do quotidiano irelevantes para uma verdadeira prudução cultural...!, sob pena de nos perguntarmos: colunasculturais, QUEM TE VIU, QUEM TE VÊ... Vou passar a ler o digestivo cultural, mas espero mais de Julio Daio Borges, seu redator, editor, webmaster e webdesigner... Abraço, Juliano
[Leia outros Comentários de Juliano]
30/3/2005
11h18min
Vou destilar o meu veneno! Eu aumento, mas não invento! Me-ni-no, você não sabe o que eu vi na Ilha de Caras! Será que o Jean ganha o BBB5? Aquele Louro José é mesmo engraçado, não? Vamos rir! Pára, pára, depois dos intervalos comerciais, a namorada que ligou para a produção vai pegar o namorado com outra, que na verdade é uma atriz contratada para seduzi-lo! Aqui tem café no bule! Separa essas duas que estão se engalfinhando ao vivo por causa do resultado do DNA! Direto da Casa de Custódia os presos rebelados agitam lençóis e Simony, ao vivo, gesticula para nosso helicóptero! Julio, sou seu fã, mas afasta de mim esse cálice.
[Leia outros Comentários de Marcelo Zanzotti]
30/3/2005
12h23min
Olá, Julio! Concordo com o aspecto de que há¡ uma decadência de alguns í­cones da MPB dos anos 60. Ok, Gil parece perdido enquanto ministro e Caetano, separado ou não, há pelo menos oito anos não tem um lançamento musical de respeito. Mas eu discordo em relação ao Chico Buarque. Acredito que ele foi um dos poucos que se manteve intacto e criando bem. Se o Ao Vivo não empolga, Paratodos é quase perfeito e As Cidades (nem tão perfeito assim) tem momentos de cara poesia musical. Revistas de fofocas? Paparazzi? Pouco importam... Adultério? Ora, há tantos casos, de maior ou menor importância, de acordo com as conseqüências. Eu não me importo se o Chico está com a esposa de um outro cara (isto é coisa para talvez a minha mãe se importar, ela que assiste aos programas de fofocas), contanto que ele reapareça com um ótimo CD daqui a um tempo. Não me lembro de ele ter se tornado um monge ou coisa parecida. Julio, respeito e admiro a sua pessoa e o que tem construído com o Digestivo Cultural. Tem sido uma ferramenta importante para mim. Até por isso, tomei a liberdade de tornar pública minha discordância. Quanto a Tom Jobim, ele era (para mim, sempre será) fantástico mesmo!!! Vou, com certeza, adquirir o CD deste show. E vamos de células-tronco!!! Um abração!!!
[Leia outros Comentários de Alessandro de Paula]
31/3/2005
10h16min
oi julio, já que li o texto sobre o chico, vou comentar. achei meio reducionista sua abordagem, preocupando-se com a imagem que a mídia faz desses artistas e não com o conteúdo do que eles têm feito. essas fofocas não invalidam o trabalho deles, nem o livro do chico, por mais mirabolante que seja. e também voce não vai querer que eles vivam como viviam nos anos 60. seria mesmice. o "pouco" trabalho destes artistas, se colocados na geleia-geral que virou nossa cultura, com certeza tem mais valor do que essa paranóica da quantidade em detrimento da qualidade. não concorda? só isso, abraço, jardel
[Leia outros Comentários de jardel]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O ENSINO DA DANÇA NO CONTEXTO ESCOLAR
LUCIMEIRE MONTENEGRO DE FREITAS
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 321,00



TUDO BEM - UM FILME DE ARNALDO JABOR
ARNALDO JABOR E LEOPOLDO SERRAN
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1978)
R$ 10,00



TEATRO LA CANTANTE CALVA, LA LECCIÓN, JACOBO O LA SUMISIÓN, LAS SILLA
EUGÈNE IONESCO
EDITORIAL LOSADA
(1964)
R$ 40,00



DOM HELDER CAMARA - CIRCULARES PÓS-CONCILIARES - VOLUME 3 - TOMO 3
ZILDO ROCHA / DANIEL SIGAL
CEPE RECIFE
(2012)
R$ 33,00



PEQUENAS GRANDEZAS
REIVANIL RIBEIRO
SCORTECCI
(2006)
R$ 22,00



BLUE GENES
VAL MCDERMID
HARPERCOLLINS
(1999)
R$ 12,00



SOY MÁS ALTA !
ELENA G HORTELANO
EDELSA
(2011)
R$ 20,00



A MENINA QUE ROUBAVA LIVROS
MARKUS ZUSAK
INTRÍNSECA
(2007)
R$ 25,00
+ frete grátis



ILEARN ENGLISH 2 - STUDENT BOOK
PATRICIA MCKAY
PEARSON
(2013)
R$ 30,00



AS REVOLTAS DE JUNHO
ANA CRISTINA CONSALTER AMÔR
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00





busca | avançada
32027 visitas/dia
890 mil/mês