Digestivo nº 234 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
100 mil/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Camila Venturelli e Dani Lima falam sobre os nossos gestos na pandemia
>>> 36Linhas lança Metropolis segunda graphic novel da Coleção Graphic Films
>>> Acervo digital documenta a história da Cantina da Lua - símbolo de resistência cultural
>>> Maíra Lour apresenta leitura dramática audiovisual “Insensatez'
>>> Exposição do MAB FAAP conta com novas obras
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Max, Iggor e Gastão
>>> Mandic, por Pedro e Cora
>>> A Separação de Bill e Melinda Gates
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A paisagem é o homem
>>> Kurt Cobain; ou: I Miss the Comfort in Being Sad
>>> Regras de civilidade (ou de civilização)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> O segredo da Crise
>>> Os melhores do cinema brasileiro em 2003
>>> As deliciosas mulheres de Gustave Courbet
>>> Entrevista com Luis Eduardo Matta
>>> O fim da MTV
>>> 10º Búzios Jazz & Blues III
Mais Recentes
>>> A Casa da Paixão de Nélida Piñon pela Sabiá (1972)
>>> Os Meninos de Jo 4 de Louisa May Alcott pela Principis (2021)
>>> Gestão Contemporânea a Ciência e a Arte de Ser Dirigente de Paulo Roberto Motta pela Record (1996)
>>> Arsène Lupin e a Garota de Olhos Verdes de Maurice Leblanc pela Principis (2021)
>>> A Princesinha de Frances Hogson Burnett pela ciranda Cultural (2019)
>>> O Médico e o Monstro Em Quadrinhos de Robert Louis Stevenson pela Principis (2021)
>>> A Guerra dos Mundos de H. G. Wells pela Principis (2021)
>>> O Dorminhoco de H. G. Wells pela Principis (2021)
>>> O Sagrado de Nilton Bonder pela Rocco (2007)
>>> Uma Utopia Moderna de H. G. Wells pela Principis (2021)
>>> Sanditon de Jane Austin pela Principis (2021)
>>> Arsène Lupin e o Estilhaço de Obus de Maurice Leblanc pela Principis (2021)
>>> Relato da Vida de Frederick Douglass um Escravo Americano de Frederick D. pela Principis (2021)
>>> Úrsula de Maria Firmina dos Reis pela Principis (2020)
>>> Rapazinhos 3 de Louisa May Alcott pela 9786555521764 (2021)
>>> A Melhor Amiga de Anne de Kallie George pela Ciranda Cultural (2021)
>>> O Chamado Selvagem de Jack London pela Principis (2021)
>>> Robin Hood Em Quadrinhos de Howard Pyle pela Principis (2021)
>>> Frankenstein Em Quadrinhos de Mary Shelley pela Principis (2021)
>>> Museu de História da Arte Viena de Enciclopédia dos Museus pela Mirador (1969)
>>> Galeria Nacional Londres de Enciclopédia dos Museus pela Mirador (1969)
>>> Pinacoteca de Munique de Enciclopédia dos Museus pela Mirador (1968)
>>> Medicina Da Alma (Capa Dura) de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2007)
>>> Dicionário Analógico da Língua Portuguêsa de Carlos Spitzer pela Globo (1956)
>>> Serenidade Uma Terapia Para A Alma de Robson Pinheiro pela Casa dos Espíritos (2013)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 8/7/2005
Digestivo nº 234
Julio Daio Borges

+ de 6400 Acessos




Literatura >>> Maître à penser
Numa época em que as referências se acumulam e mais desorientam do que orientam, alguns raros autores nos servem de bússola. Entre eles, está, hoje, George Steiner. Um dos poucos com uma preocupação de dar um contexto às coisas, de conduzir a conversa ao longo da história, de mostrar de onde se veio e — mais do que para onde se vai — onde se está. Percorrer suas páginas é tomar a mão segura do mestre e se deixar levar. Algo que não existe mais. Aliás, trata disso seu novo livro pela editora Record. Lições dos Mestres explora, justamente, a relação mestre-discípulo — revelando como ela pode ser sofisticada, enriquecedora e plena em sutilezas que se perderam, por exemplo, na era do assédio sexual. Nesse pormenor, apenas para entrar num detalhe, Steiner acredita que nos isolamos na senda do politicamente correto. Reduzir, digamos, o relacionamento de Heidegger e Arendt a uma questão de sexual harassment é limitar demais as possibilidades. Afinal, como disse Colm Tóibín, qual a graça de ser professor (e de acumular mestrados e doutorados), se não se puder nem mais dormir com os estudantes? A verdade é que o comezinho não tem lugar na prosa de George Steiner. Ele não engrossa o coro populista de elevar, vá lá, a cultura popular à categoria de grande arte — porque, apesar do apelo irresistível, simplesmente o lowbrow nunca vai chegar lá. Por outro lado, Steiner tem uma das linguagens acadêmicas mais límpidas de que se tem notícia e pode-se lê-lo, sem prejuízo da compreensão, no trem, no metrô ou no ônibus. Ele é tão agradável falando dos Pré-Socráticos quanto da ligação entre Virgílio e Dante, quando de Kepler e Tycho Brahe. A sensação, ao percorrer cada capítulo de Lições dos Mestres é que nada mais importa; e a constatação, eterna, de como perdemos tempo com assuntos menores, quando existe um mundo maravilhoso de homens e idéias que o nosso tempo insiste em deixar para trás. A batalha de George Steiner não deve ser solitária, contudo; engrossar suas fileiras é um imperativo não apenas seu mas da civilização. [Comente esta Nota]
>>> Lições dos Mestres - George Steiner - 240 págs - Record
 



Música >>> Meu trabalho é te traduzir
Dentro do quase boom de talentosos pianistas brasileiros, como Marcos Nimrichter e Leo Mitrulis, surge também Heloísa Fernandes com seu CD Fruto, pela gravadora Maritaca. A exemplo de seus habilidosos colegas de instrumento, Heloísa tem a abertura, antes praticamente inédita, para rechear o álbum de composições próprias, alternando uma ou outra interpretação de outro autor. No caso, “Rosa”, conhecidíssima, de Pixinguinha, e uma esplendorosa versão de “Trilhos Urbanos”, de Caetano Veloso. Talvez para nos lembrar que, antes de personalidade midiática (e “multimídia”), Caetano foi compositor, e dos bons. Por mais que seja injusto com a produção da própria Heloísa, “Trilhos Urbanos”, talvez por ser, exatamente, conhecida, nos oferece uma chave de interpretação, para seu trabalho, como poucas. Ela recria o tema de Caetano Veloso em crescendos e diminuendos, oscilando entre a pujança da “banda toda” (ainda que nesta faixa específica esteja apenas acompanhada do percussionista Ari Colares) e o minimalismo de execuções quase infantis (não é à toa que ela dedica o disco a seus filhos, “total inspiração” e “razão de vida”). Aliás, se vale aqui uma crítica – não para “Trilhos Urbanos” e, sim, para as demais– ela se coloca no sentido de que, a exemplo de Heloísa, os nossos instrumentistas, e principalmente os nossos instrumentistas-compositores, deveriam tentar recuperar a noção perdida de melodia, hoje meio escondida entre “climas” e “ambiências” sedutores, e até bonitos, mas restritos, precisamente, ao registro autoral. Mesmo tendo domínio completo de sua ferramenta, às vezes parece que nossos artífices são incapazes de legar uma frase, um – vá lá – refrão, uma – pecado! – canção. É provável que isso guarde relação com a hoje quase extinta forma-canção... (mas fica pra outra tertúlia). Louvamos, então, Heloísa e sua realização – tão grande e elogiável quanto a de seus predecessores (ou colegas, melhor dito) – mas gostaríamos que se tomasse a composição, novamente, como diálogo com o público. Coisa que os compositores populares, inclusive, compreenderam (e assimilaram), até demais. Como Caetano Veloso – melhor quando tímido do que quando espalhafatoso. [Comente esta Nota]
>>> Fruto - Heloísa Fernandes - Maritaca
 



Imprensa >>> Menos fé e mais razão
Também para quem acha que só blogueiro da internet pode ser dândi, a revista da Argumento preparou uma edição com Antonio Callado na capa. Antes de começar, vale tentar chamar a atenção para a presença da livraria Argumento no Rio – algo, naturalmente, inapreensível para quem nunca foi lá, principalmente para leitores de outros estados. O charme que inspirou Manuel Carlos, entre outros (apesar da Globo), talvez não esteja 100% refletido nas páginas da revista – o que, por outro lado, justifica a atitude, digamos, “superior” de não fazer concessões e de não se pautar, at all, pelas publicações de agora. A revista Argumento, embora plena em bons momentos, insiste – talvez por convencimento, talvez por comedimento (quem sabe?) – em fechar-se numa cápsula. “Não é pra todo mundo? Azar de todo mundo”, a frase de Paulo Francis sobre Harold Pinter parece ecoar da primeira à quarta capa. Assim, entender a Argumento – e suas razões – pode ser um exercício de paciência, evidentemente, nada imediato. Mas compensador. Sempre uma rememoração do inconseqüente Jaguar e do até anacrônico Moacir Werneck de Castro; sempre uma crônica erudita ou um artigo mais livre de Ruy Castro e Sérgio Augusto; sempre um papo com um “correspondente internacional” (que, no número 9, pode ser Sílio Boccanera) e sempre um texto republicado que vale a pena (como, atualmente, um Baudelaire poderoso) – todos, em seções que nunca falham, já bastariam para justificar a Argumento e seus esforços (ou o do leitor imagético de hoje). Na presente edição, para entrar num tema contingente, como já se disse, desfilam os dândis: de Cole Porter a Oscar Wilde; de João do Rio a Beau Brummell – e por aí vai. O termo andava esquecido, ou, por outra, gasto, e o time da revista vem em nosso socorro para provar que dândi pode ser até uma coisa boa e não um janota perdido entre aparências e gostos do século passado (ou retrasado). Talvez o dandismo, no que ele tem de mais positivo, se aplique, também, à publicação da mais célebre livraria do Rio. Que ela permaneça nesse impulso, mas que ela, igualmente, busque se comunicar com as novas gerações – são os nossos votos. [Comente esta Nota]
>>> Argumento
 
>>> E O CONSELHEIRO TAMBÉM VAI À FLIP

Não perca, a qualquer momento (entre 6 e 10 de julho), um novo post de Julio Daio Borges, no Blog do Digestivo, sobre a Flip 2005.

>>> E O CONSELHEIRO TAMBÉM PUBLICA NO LEGENDÁRIO "CADERNO FIM DE SEMANA" DA GAZETA MERCANTIL

Na última edição do "Caderno Fim de Semana" da Gazeta Mercantil, confira um texto inédito de Julio Daio Borges sobre o filme (e a peça e o DVD) Dois Perdidos Numa Noite Suja, de Plínio Marcos.

>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Palestras
* O mal da literatura
Enrique Vila-Matas
(Qui., 14/7, 19h30, VL)

>>> Noites de Autógrafos
* Comédias
Jandira Martini e Marcos Caruso
(Seg., 11/7, 19hs., CN)

>>> Shows
* Duke Ellington II - Traditional Jazz Band
(Sex., 15/7, 20hs., VL)
* Espaço Aberto - Sociedade do Choro
(Dom., 17/7, 18hs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Instrumento - Números 7 e 8 de 2006 Revista
Universidade Federal de Juiz de Fora
Edufjf
(2006)



Objective Tests in English as a Foreign Language: Pupils Book 1
Meriel Bloor, Thomas Bloor e Outros (vol 1)
Macmillan
(1974)



As Origens da Globalização da Economia
Jacques Adda
Manole
(2004)



Vida na Terra - Conhecer para Proteger
Rosicler Martins Rodrigues
Moderna
(2003)



Papeis Em Destaque: Mestres do Século XX
Glaucia Cohn Coord.
Dan Galeria
(2009)



Making Metal Jewelry Projects, Techniques, Inspiration
Joanna Gollberg
Lark Books
(2002)



Password English Dictionary For Speakers of Portuguese
Martins Fontes
Martins Fontes
(2005)



Relatório da Cpi Que Apurou Irregularidades na Administração Públ
Senado Federal (cpi)
Senado Federal
(1989)



Grande Dicionário Enciclopédico Brasileiro Ilustrado Edição Espcial
Vários Autores
Novo Brasil
(1979)



Direito Administrativo
Fernando Ferreira Baltar Neto
Juspodivm
(2015)





busca | avançada
100 mil/dia
2,5 milhões/mês