Digestivo nº 234 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
51744 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> O Buraco d’Oráculo leva dois espetáculos de seu repertório a praça em São Miguel Paulista
>>> Eleições 2022: Bolsonaro ganha no Nordeste e Lula no Sul e Sudeste, mas abstenções ganhará em todo o
>>> Paisagens Sonoras (1830-1880)
>>> III Seminário Sesc Etnicidades acontece no Sesc 24 de Maio nos dias 10, 11 e 12 de agosto.
>>> Longa nacional 'Dog Never Raised' estreia no 50º Festival de Gramado
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
>>> Gramática da reprodução sexual: uma crônica
>>> Sexo, cinema-verdade e Pasolini
>>> O canteiro de poesia de Adriano Menezes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
Últimos Posts
>>> Os chinelos do Dr. Basílio
>>> Ecléticos e eficazes
>>> Sarapatel de Coruja
>>> Descartável
>>> Sorria
>>> O amor, sempre amor
>>> The Boys: entre o kitsch, a violência e o sexo
>>> Dura lex, só Gumex
>>> Ponto de fuga
>>> Leite, Coalhada e Queijo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Alive and Kicking 1997
>>> Da preguiça como método de trabalho
>>> O Uso do Twitter no Brasil
>>> Górgias, de Platão, por Daniel R.N. Lopes
>>> Brothers Gather Round
>>> Poesia em Fibonacci
>>> Freud pela Companhia das Letras
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> O novo sempre vem
Mais Recentes
>>> The Silent Passage de Gail Sheehy pela Random House (1992)
>>> The Undercover Economist de Tim Harford pela Random House (2007)
>>> Fruit Tree Island Hotshot Puzzles: Level 2 de Sue Arengo pela Oxford (2000)
>>> Livro - Você Quer Ser um Milionário? - Transforme Sua Pequena Empr... de Clate Mask Scott Martineau pela Universo dos Livros (2012)
>>> Organização do Ensino no Brasil de Romualdo Portela de Oliveira / Outros pela Xamá (2002)
>>> Ornitologia Brasileira Vol 2 de Helmut Sick pela Universidade de Brasília (1986)
>>> Five Dialogues de Plato pela Grube (1981)
>>> The Money Game de Adam Smith pela Random House
>>> Tinkers Island - Penguin Readers de Stephen Rabley pela Pearson Elt (2008)
>>> Livro - um Sonho Americano de Norman Mailer pela Civilização Brasileira (1966)
>>> O livro da loucura e das curas de Regina 'O Melveny pela No Conceito (2013)
>>> Direito Processual do Trabalho: Doutrina e prática forense 27ª edição. de Sergio Pinto Martins pela Atlas (2007)
>>> Direito Processual do Trabalho: Doutrina e prática forense 27ª edição. de Sergio Pinto Martins pela Atlas (2007)
>>> Dicionário Jurídico - Academia Brasileira de Letras Jurídicas 9ª edição. de J M Othon Sidou org pela Forense Universitária (2004)
>>> O código gaudi de Esteban Martin e Andreu Carranza pela Record (2009)
>>> A rainha do castelo de ar/ Millennium 3 de Stieg Larsson pela Companhia das Letras (2009)
>>> American Life (level 2) de Vários Autores pela Pearson
>>> American Life de Vários Autores pela Pearson
>>> A menina que brincava com fogo/ Millennium 2 de Stieg Larsson pela Companhia das Letras (2009)
>>> Mais um drinque/uma história de amor dos anos 90 de Kate Christensen pela Ediouro (2000)
>>> Martina Em Movimento de Flávia Bolaffi pela Quelonio (2018)
>>> Tensão máxima de Suzanne Brockmann pela Landscape (2005)
>>> O anel/ A herança do último templário de Jorge Molist pela Planeta (2005)
>>> Comentários à Nova Lei de Falências e de Recuperação de Empresas 5ª edição. de Fábio Ulhoa Coelho pela Saraiva (2008)
>>> Volume 1 Curso de Direito Penal Brasileiro Parte Geral 3ª edição. arts 1º a 120 de Luiz Regis Prado pela Revista dos Tribunais (2002)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 8/7/2005
Digestivo nº 234
Julio Daio Borges

+ de 6900 Acessos




Literatura >>> Maître à penser
Numa época em que as referências se acumulam e mais desorientam do que orientam, alguns raros autores nos servem de bússola. Entre eles, está, hoje, George Steiner. Um dos poucos com uma preocupação de dar um contexto às coisas, de conduzir a conversa ao longo da história, de mostrar de onde se veio e — mais do que para onde se vai — onde se está. Percorrer suas páginas é tomar a mão segura do mestre e se deixar levar. Algo que não existe mais. Aliás, trata disso seu novo livro pela editora Record. Lições dos Mestres explora, justamente, a relação mestre-discípulo — revelando como ela pode ser sofisticada, enriquecedora e plena em sutilezas que se perderam, por exemplo, na era do assédio sexual. Nesse pormenor, apenas para entrar num detalhe, Steiner acredita que nos isolamos na senda do politicamente correto. Reduzir, digamos, o relacionamento de Heidegger e Arendt a uma questão de sexual harassment é limitar demais as possibilidades. Afinal, como disse Colm Tóibín, qual a graça de ser professor (e de acumular mestrados e doutorados), se não se puder nem mais dormir com os estudantes? A verdade é que o comezinho não tem lugar na prosa de George Steiner. Ele não engrossa o coro populista de elevar, vá lá, a cultura popular à categoria de grande arte — porque, apesar do apelo irresistível, simplesmente o lowbrow nunca vai chegar lá. Por outro lado, Steiner tem uma das linguagens acadêmicas mais límpidas de que se tem notícia e pode-se lê-lo, sem prejuízo da compreensão, no trem, no metrô ou no ônibus. Ele é tão agradável falando dos Pré-Socráticos quanto da ligação entre Virgílio e Dante, quando de Kepler e Tycho Brahe. A sensação, ao percorrer cada capítulo de Lições dos Mestres é que nada mais importa; e a constatação, eterna, de como perdemos tempo com assuntos menores, quando existe um mundo maravilhoso de homens e idéias que o nosso tempo insiste em deixar para trás. A batalha de George Steiner não deve ser solitária, contudo; engrossar suas fileiras é um imperativo não apenas seu mas da civilização. [Comente esta Nota]
>>> Lições dos Mestres - George Steiner - 240 págs - Record
 



Música >>> Meu trabalho é te traduzir
Dentro do quase boom de talentosos pianistas brasileiros, como Marcos Nimrichter e Leo Mitrulis, surge também Heloísa Fernandes com seu CD Fruto, pela gravadora Maritaca. A exemplo de seus habilidosos colegas de instrumento, Heloísa tem a abertura, antes praticamente inédita, para rechear o álbum de composições próprias, alternando uma ou outra interpretação de outro autor. No caso, “Rosa”, conhecidíssima, de Pixinguinha, e uma esplendorosa versão de “Trilhos Urbanos”, de Caetano Veloso. Talvez para nos lembrar que, antes de personalidade midiática (e “multimídia”), Caetano foi compositor, e dos bons. Por mais que seja injusto com a produção da própria Heloísa, “Trilhos Urbanos”, talvez por ser, exatamente, conhecida, nos oferece uma chave de interpretação, para seu trabalho, como poucas. Ela recria o tema de Caetano Veloso em crescendos e diminuendos, oscilando entre a pujança da “banda toda” (ainda que nesta faixa específica esteja apenas acompanhada do percussionista Ari Colares) e o minimalismo de execuções quase infantis (não é à toa que ela dedica o disco a seus filhos, “total inspiração” e “razão de vida”). Aliás, se vale aqui uma crítica – não para “Trilhos Urbanos” e, sim, para as demais– ela se coloca no sentido de que, a exemplo de Heloísa, os nossos instrumentistas, e principalmente os nossos instrumentistas-compositores, deveriam tentar recuperar a noção perdida de melodia, hoje meio escondida entre “climas” e “ambiências” sedutores, e até bonitos, mas restritos, precisamente, ao registro autoral. Mesmo tendo domínio completo de sua ferramenta, às vezes parece que nossos artífices são incapazes de legar uma frase, um – vá lá – refrão, uma – pecado! – canção. É provável que isso guarde relação com a hoje quase extinta forma-canção... (mas fica pra outra tertúlia). Louvamos, então, Heloísa e sua realização – tão grande e elogiável quanto a de seus predecessores (ou colegas, melhor dito) – mas gostaríamos que se tomasse a composição, novamente, como diálogo com o público. Coisa que os compositores populares, inclusive, compreenderam (e assimilaram), até demais. Como Caetano Veloso – melhor quando tímido do que quando espalhafatoso. [Comente esta Nota]
>>> Fruto - Heloísa Fernandes - Maritaca
 



Imprensa >>> Menos fé e mais razão
Também para quem acha que só blogueiro da internet pode ser dândi, a revista da Argumento preparou uma edição com Antonio Callado na capa. Antes de começar, vale tentar chamar a atenção para a presença da livraria Argumento no Rio – algo, naturalmente, inapreensível para quem nunca foi lá, principalmente para leitores de outros estados. O charme que inspirou Manuel Carlos, entre outros (apesar da Globo), talvez não esteja 100% refletido nas páginas da revista – o que, por outro lado, justifica a atitude, digamos, “superior” de não fazer concessões e de não se pautar, at all, pelas publicações de agora. A revista Argumento, embora plena em bons momentos, insiste – talvez por convencimento, talvez por comedimento (quem sabe?) – em fechar-se numa cápsula. “Não é pra todo mundo? Azar de todo mundo”, a frase de Paulo Francis sobre Harold Pinter parece ecoar da primeira à quarta capa. Assim, entender a Argumento – e suas razões – pode ser um exercício de paciência, evidentemente, nada imediato. Mas compensador. Sempre uma rememoração do inconseqüente Jaguar e do até anacrônico Moacir Werneck de Castro; sempre uma crônica erudita ou um artigo mais livre de Ruy Castro e Sérgio Augusto; sempre um papo com um “correspondente internacional” (que, no número 9, pode ser Sílio Boccanera) e sempre um texto republicado que vale a pena (como, atualmente, um Baudelaire poderoso) – todos, em seções que nunca falham, já bastariam para justificar a Argumento e seus esforços (ou o do leitor imagético de hoje). Na presente edição, para entrar num tema contingente, como já se disse, desfilam os dândis: de Cole Porter a Oscar Wilde; de João do Rio a Beau Brummell – e por aí vai. O termo andava esquecido, ou, por outra, gasto, e o time da revista vem em nosso socorro para provar que dândi pode ser até uma coisa boa e não um janota perdido entre aparências e gostos do século passado (ou retrasado). Talvez o dandismo, no que ele tem de mais positivo, se aplique, também, à publicação da mais célebre livraria do Rio. Que ela permaneça nesse impulso, mas que ela, igualmente, busque se comunicar com as novas gerações – são os nossos votos. [Comente esta Nota]
>>> Argumento
 
>>> E O CONSELHEIRO TAMBÉM VAI À FLIP

Não perca, a qualquer momento (entre 6 e 10 de julho), um novo post de Julio Daio Borges, no Blog do Digestivo, sobre a Flip 2005.

>>> E O CONSELHEIRO TAMBÉM PUBLICA NO LEGENDÁRIO "CADERNO FIM DE SEMANA" DA GAZETA MERCANTIL

Na última edição do "Caderno Fim de Semana" da Gazeta Mercantil, confira um texto inédito de Julio Daio Borges sobre o filme (e a peça e o DVD) Dois Perdidos Numa Noite Suja, de Plínio Marcos.

>>> EVENTOS QUE O DIGESTIVO RECOMENDA



>>> Palestras
* O mal da literatura
Enrique Vila-Matas
(Qui., 14/7, 19h30, VL)

>>> Noites de Autógrafos
* Comédias
Jandira Martini e Marcos Caruso
(Seg., 11/7, 19hs., CN)

>>> Shows
* Duke Ellington II - Traditional Jazz Band
(Sex., 15/7, 20hs., VL)
* Espaço Aberto - Sociedade do Choro
(Dom., 17/7, 18hs., VL)

* Livraria Cultura Shopping Villa-Lobos (VL): Av. Nações Unidas, nº 4777
** Livraria Cultura Conjunto Nacional (CN): Av. Paulista, nº 2073
*** a Livraria Cultura é parceira do Digestivo Cultural

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um novo dia para amar
Célia Xavier De Camargo
Petit
(2016)



A Inspetora e o Caso dos Automóveis
Santos de Oliveira
Ediouro



O Antigo Segredo da Flor da Vida - Volume 1
Drunvalo Melchizedek
Pensamento
(2009)



A Coruja do Bosque
Roberto Alves de Toledo
Do Autor
(1991)



Desenvolvimento do Adoslecente
Elizabeth B Hurlock
Mcgrawhill
(1979)



The Descent of Woman
Elaine Morgan
Souvenir Press
(1972)



Ilusoes Perdidas - Vol. 01 (Capa dura)
Honoré de Balzac
Abril
(2010)



O Espelho dos Nomes
Marcos Bagno
Ática
(2005)



Melhor que comprar sapatos
Cristiane Cardoso
Unipro
(2014)



A Vida do Ives Ota o Mensageiro da Paz
Iolanda Keiko Ota; Masataka Ota
Do Autor
(1999)





busca | avançada
51744 visitas/dia
2,0 milhão/mês