Digestivo nº 259 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
82221 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Minute Media anuncia lançamento da plataforma The Players’ Tribune no Brasil
>>> Leonardo Brant ministra curso gratuito de documentários
>>> ESG como parâmetro do investimento responsável será debatido em evento da Amec em parceria com a CFA
>>> Jornalista e escritor Pedro Doria participa do Dilemas Éticos da CIP
>>> Em espetáculo de Fernando Lyra Jr. cadeira de rodas não é limite para a imaginação na hora do recrei
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Flip 2006: um balanço tardio
>>> Montezano, do BNDES, sobre o marco do saneamento
>>> Leitor bebum começou com um gole
>>> Curtas e Grossas
>>> 12 de Agosto #digestivo10anos
>>> 11 de Fevereiro #digestivo10anos
>>> O homem da paz celestial
>>> Na contramão da História
>>> Pernambucanas e Polishop sobre a crise
>>> YouTube, lá vou eu
Mais Recentes
>>> Você Só Precisa de Amor de John W. Jacobs pela Globo (2004)
>>> Almanaque da Tv Globo de Souto Maior pela Globo (2006)
>>> Sangue e Entranhas - a Assustadora História da Cirurgia de Richard Hollingham pela Geração (2011)
>>> O verão em que tudo mudou de Gabriela Freitas Thaís Wandrofski Vinícius Grosso pela Faro Editorial (2017)
>>> O estilo mafioso de gerenciar de Michael Franzese pela Thomas Nelson Brasil (2009)
>>> Desumano e Degradante de Patricia Cornwell pela Companhia das Letras (1996)
>>> Universidade Minecraft - A invasão zumbi de Winter Morgan pela Ciranda Cultural (2016)
>>> Um Amor Exclusivo de Johanna Adorján pela Geração (2011)
>>> Tá gravando. E agora? de Kéfera Buchmann pela Paralela (2016)
>>> Muito mais que 5 minutos de Kéfera Buchmann pela Paralela (2015)
>>> Sanguessugas do Brasil de Lucio Vaz pela Geração Editorial (2012)
>>> Personagens Encantados II de Ingrid Biesemeyer Bellinghausen pela Difusão Cultural do Livro (2006)
>>> Gildo de Silvana Rando pela Brinque Book (2010)
>>> Brasil Em Alta: a História de um Pais Transformado de Larry Rohter pela Geração Editorial (2012)
>>> O Aniversário de Teddy de Anne Faundez pela Ciranda Cultural (2011)
>>> Pato Atolado de Jez Alborough pela Brinque Book (2011)
>>> O Artesão de Walter Lara pela Abacatte (2010)
>>> Garrafinha de Mariana Caltabiano pela Companhia das Letrinhas (2011)
>>> Por favor, Obrogada, Desculpe de Becky Bloom e Pascal Biet pela Brinque Book (2016)
>>> Era uma vez um gato xadrez de Bia Villela pela Moderna (2016)
>>> Leve Mente Leve de Laura Medioli pela Leitura (2010)
>>> In the Snow de Paul Shipton pela Oxford (2014)
>>> O Imperador do Olfato, Uma História de Perfume e Obsessão de Chandler Burr pela Companhia das Letras (2006)
>>> Inácio o rato sortudo de Lucia Reis pela Paulinas (2018)
>>> Finding Nemo de Melanie Williams pela Pearson (2012)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 30/12/2005
Digestivo nº 259
Julio Daio Borges

+ de 5200 Acessos




Imprensa >>> Desatravessando o oceano
Revistas chiques para assuntos chiques – ou pseudochiques –, nós temos de sobra. Um povo querendo ser elite, mas fatalmente destinado... ao consumo de massa. É o que se vê, por aí, nas bancas de jornal. E nas publicações culturais, em especial. Talvez tenhamos fracassado em tentar alcançar a Europa. Talvez aqui esteja a resposta. Pois, como diria José Ramos Tinhorão – a bête noire da bossa nova –, não existe cultura senão a popular... Raiz, uma nova revista, parece conhecer essa máxima. É fina, inteira de papel couché, com a mão editorial de Wagner Carelli e a assinatura gráfica de Noris Lima. Você já viu esses nomes antes: na Bravo. Mas Raiz não veta a televisão ou boicota a MPB, como nos primórdios da editora D’Avila. Raiz quer mostrar o Brasil que brasileiro nenhum – daqui – conhece. Deu sua primeira capa, de novembro passado, ao maracatu de mestre Salustiano do Pernambuco. Saudou, nas páginas internas, Gilberto Gil – pelo viés do software livre (Gil erra no varejo mas acerta no atacado?). Preparou um dossiê sobre a rabeca (e não sobre o violino); continuou Chico Science através do novo da Nação Zumbi; convidou Hermano Vianna para auxiliar a quem quer compreender o funk carioca. Mergulhou na cachaça e no seu fabrico; deu testemunho – fotográfico – do campeiro gaúcho; encerrou com o próximo documentário de Eduardo Coutinho. A editora Cultura em Ação, que edita a Raiz, trabalhou bastante nesse primeiro número. O que teria dito, se tivesse folheado, José Ramos Tinhorão? Afinal, Raiz promete polêmicos pontos de vista com Olavo de Carvalho e Sérgio Augusto. Caberá a Riccardo Gambarotto, editor-chefe, segurar as rédeas e não deixar que a tradição ensaística se dilua como se diluiu... na publicação, hoje, (sob gestão) da editora Abril. Raiz tem um gigante adormecido para despertar. E como dizem os franceses, que nos homenageiam, está no bom caminho. [Comente esta Nota]
>>> Revista Raiz
 



Música >>> Eu estava nu e não sabia
Patrícia Palumbo, que é a papisa da MPB no rádio em São Paulo, deixou escapar, no ar, que era “estranho”. De fato, Chico César parece não ter sobrevivido ao mainstream. Será que um dia vamos saber se fez bem ou mal (a ele) ter estourado com Daniela Mercury e “Mama África”? Depois de sumir, soubemos que Chico César dava, aos mais jovens, impulso. Como a Vanessa da Mata (outra vítima da consagração em horário nobre?). No meio, declarou: Respeitem meus cabelos, brancos (2002). Respeitamos. Agora, aparentemente, ensaia uma nova ascensão. Pela Biscoito Fino – indiscutivelmente, hoje, a gravadora de MPB. (Quem tem Chico Buarque, tem tudo.) De uns tempos pra cá (2005), título irrepreensível, mesmo assim, estranhou Palumbo. Chico César parece que andou ouvindo muito Villa-Lobos, deve ser isso. Nada daquelas melodiazinhas, de fácil assobio. No lugar: acordes soturnos, cordas na contramão, arranjos à la Guinga (?!). “Os móveis, a geladeira/ O fogão, a enceradeira/ A pia, o rodo, a pá/ Coisas que eu quis comprar/ Deu vontade de vender/ E ficar só com você”, versifica na faixa-título. Não tão estranha está “Cálice”, de Gil e do mesmo Chico (acima), que dá bem a medida da mensagem desse CD – áspera. Já estranhíssima, com o Quinteto da Paraíba, uma versão de “Autumn Leaves” – “Outono aqui” –, o clássico de Johnny Mercer. Quem sabe, esse De uns tempos pra cá seja mais para quebrar a cabeça mesmo. E a Patrícia acertou. Conforme indica “A Nível de”, João Bosco/ Aldir Blanc, e a eletrônica – sim, eletrônica – “Orangotanga” (que, pelo título, evoca os fonemas repetitivos de Zeca Baleiro). “Ja, Ja, Jawohl, Mein Herr” é um dos refrões. Muitas texturas, quem diria, para esconder o que Chico César domina como pouca gente... as canções pungentes. Patrícia Palumbo deveria ouvir “Por que você não vem morar comigo?”. É um hit. E o autor de “À Primeira Vista” voltou ao começo. [Comente esta Nota]
>>> De uns tempos pra cá - Chico César - Biscoito Fino
 



Internet >>> L.S.D.eus
Yuri Vieira Santos, Yuri V. Santos ou simplesmente Yuri Vieira é uma dessas vozes inquietas e inquietantes da internet brasileira. Atualmente pode ser descoberto através de seu podcast, O Garganta de Fogo, em que – aproveitando o formato – recicla-se e recicla velhos trabalhos. O site de Yuri é meio berrante em termos de cores, de modo que não convida o internauta a visitas muito longas. Do mesmo jeito, seu livro, A Tragicomédia Acadêmica, de um azul royal meio esverdeado, recheado de bons contos, resumindo um pouco do espírito de cada faculdade por que passou... Yuri se matriculou em mais de quatro, dedicou sete anos à academia mas não se formou. Foi morar com Hilda Hilst, a “mestra” que não teve, segundo suas palavras, na Casa do Sol. Lá, conheceu gente como Bruno Tolentino e estabeleceu ligações, para contatos futuros, com unanimidades como Lygia Fagundes Telles. O irônico de uma existência agitada, que começou em São Paulo, pousou no Equador, escalou vulcões em erupção, transferiu-se para Goiânia e fixou raízes em Brasília – tudo isso antes de Campinas e de Hilda –, é que Yuri parece não ter encontrado, ainda, a resposta. “Tenho 33 anos e não sei ainda o que vou ser quando crescer”, profetizou num evento cultural em outubro... Enquanto a noite não vem, o dia não chega ou a vida não acontece, Yuri posta suas idéias no Karaloka. Ex-webmaster de Hilda Hilst, dividiu sua produção em várias frentes e tem narrativas tão variadas quanto: uma passagem traumática pela Boca do Lixo, um diálogo insólito com um amigo paranóico e até uma sessão peculiaríssima ao lado de Tolentino e dos cachorros de Hilst. (Disso, Yuri sonorizou alguma coisa.) Vieira ou Vieira Santos põe fé que, de si, o mundo um dia ouvirá falar. Ao mundo – Yuri –, às vezes faltam ouvidos de escutar. Mas, com a internet, a sorte está lançada. [Comente esta Nota]
>>> Karaloka | O Garganta de Fogo | A Tragicomédia Acadêmica
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Gafe Não é Pecado
Claudia Matarazzo
Melhoramentos
(1996)



Gestão de Ongs: Principais Funções Gerenciais
Fernando G. Tenório (org.)
Fgv
(2001)



Ejecución Provisional de Sentencias Civiles - Teoría y Práctica
Xulio Ferreiro Baamonde
Juruá
(2014)



Royalties do Petróleo: as Regras do Jogo
Lindberhg Farias
Agir
(2011)



A Arte de Ouvir o Coração
Jan Philipp Sendker
Paralela
(2013)



Fugindo da Morte - Imigração de Judeus para Rolandia (pr) Na
Hermann I. Oberdiek
Eduel
(2007)



Abismo
Leo Alves
Literare Books International
(2017)



Uma Vida para Seu Filho
Bruno Bettelheim
Campus



Aids - Verdade e Mito / História e Fatos
Jacyr Pasternak
Círculo do Livro
(1990)



Como Promover Eventos
J. B. Oliveira
Madras
(2005)





busca | avançada
82221 visitas/dia
2,5 milhões/mês