Digestivo nº 268 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> 7ª edição do Fest Rio Judaico acontece no domingo (16 de junho)
>>> Instituto SYN realiza 4ª edição da campanha de arrecadação de agasalhos no RJ
>>> O futuro da inteligência artificial: romance do escritor paranaense Roger Dörl, radicado em Brasília
>>> Cursos de férias: São Paulo Escola De Dança abre inscrições para extensão cultural
>>> Doc 'Sin Embargo, uma Utopia' maestro Kleber Mazziero em Cuba
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A pulsão Oblómov
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, da Nvidia, na Computex
>>> André Barcinski no YouTube
>>> Inteligência Artificial Física
>>> Rodrigão Campos e a dura realidade do mercado
>>> Comfortably Numb por Jéssica di Falchi
>>> Scott Galloway e as Previsões para 2024
>>> O novo GPT-4o
>>> Scott Galloway sobre o futuro dos jovens (2024)
>>> Fernando Ulrich e O Economista Sincero (2024)
>>> The Piper's Call de David Gilmour (2024)
Últimos Posts
>>> O mais longo dos dias, 80 anos do Dia D
>>> Paes Loureiro, poesia é quando a linguagem sonha
>>> O Cachorro e a maleta
>>> A ESTAGIÁRIA
>>> A insanidade tem regras
>>> Uma coisa não é a outra
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Google em crise de meia-idade
>>> Meu cinema em 2010 ― 1/2
>>> Paulo Francis não morreu
>>> Levy Fidelix sobre o LGBT
>>> Adaptação: direito ou dever da criança?
>>> Bienal 2006: fracasso da anti-arte engajada
>>> Monteiro Lobato, a eugenia e o preconceito
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> A quem interessa uma sociedade alienada?
Mais Recentes
>>> Revista da Biblioteca Mário de Andrade de Boris Schnaiderman pela Imprensa Oficial (2012)
>>> Minidicionário Saraiva Informatica de Maria Cristina Gennari pela Saraiva (2001)
>>> Baia Da Esperanca de Jojo Moyes pela Bertrand (2015)
>>> Manual de Organização do Lactário de Maria Antônia Ribeiro Gobbo / Janete Maculevicius pela Atheneu (1985)
>>> Brinquedos da Noite: manual do primeiro livro 12ª edição. de Ieda Dias da Silva pela Vigília (1990)
>>> Pró-Posições de Vários Autores Unicamp pela Unicamp (2008)
>>> De Crianças e Juvenis Ensinando a Verdade de Modo Criativi de Márcia Silva pela Videira (2012)
>>> O Cinema Vai Mesa de Rubens Ewald Filho / Nilu Lebert pela Melhoramentos (2007)
>>> Guia das Bibliotecas Públicas do Brasil de Vários Autores pela Fundação Biblioteca Nacional 1994/95 (1994)
>>> Puxa, Que Bruxa! - O Sumiço - Livro 2 de Sibéal Pounder pela Ciranda Cultural (2019)
>>> IV 4D Artes Computacional Interativa de Centro Cultural Banco do Brasil pela Centro Cultural Banco do Brasil (2004)
>>> Psicologia da Educação - Revista do Programa de Estudos pós-graduados PUC-Sp de Vários Autores pela Puc-sp (2006)
>>> Cavalgando o Arco-Iris de Pedro Bandeira pela Moderna (1999)
>>> Mordidas que Podem ser Beijos 1ª edição. de Walcyr Carrasco pela Moderna (1997)
>>> Eu e Você, vamos Brincar? de Vários Autores pela Poliedro (2019)
>>> Convite à filosofia de Marilena Chauí pela Ática (1999)
>>> Pippi Meialonga. de Astrid Lindgren pela Companhia Das Letrinhas (2019)
>>> O Direito de Aprender - Potencializar avanços e reduzir desigualdades de Unicef pela Unicef (2009)
>>> O Fantástico Mistério de Feiurinha 4ª edição. de Pedro Bandeira pela Ftd (1989)
>>> Pedagogia Cidadã UNESP de Vários Autores pela Unesp (2006)
>>> Estranho, mas Verdadeiro - Perguntas e Respostas de Michele Gerlack / Marschalek Nascimento pela TodoLivre
>>> Que História É Essa? de Flávio de Souza pela Companhia Das Letrinhas (2008)
>>> Um Certo Capitão Rodrigo - edibolso Ler e Viver de Erico Veríssimo pela Edibolso (1975)
>>> Gabriel E A Copa Do Mundo De 2014 de Ilan Brebman pela Brinque-book (2013)
>>> Bento Vai a Escola de Fernanda de Oliveira pela Cultural (2020)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 3/3/2006
Digestivo nº 268
Julio Daio Borges
+ de 3700 Acessos
+ 2 Comentário(s)




Imprensa >>> Achtung Baby
Os shows do U2 e dos Rolling Stones, no Brasil, não tiveram outra importância senão a de evocar a nostalgia do rock de arena. A obsessão por estádios cada vez maiores, e por recordes no Guinness Book, chegou oficialmente aqui com o Rock in Rio I, em 1985. Segundo Mauro Dias, foi quando a crítica musical depôs formalmente as armas – desde então ajoelhada que está no altar das não sei quantas toneladas de som... Dali por diante, o fundamental, mais que a qualidade, era fazer número. Foi o que a imprensa fez agora com U2 e Rolling Stones. Musicalmente – no atual cenário – as duas bandas não têm a menor relevância, mas foram propagandeadas como um “grande acontecimento” (comportamental). Na verdade, uma comoção forjada pela decadente mídia de massas. Com direito a cadernos culturais inteiros, dias seguidos, e até chamada de capa nas manchetes dos jornais (!). É o caso de – indiscretamente – se perguntar: Accioly, diz aí, quanto custou? Riu por último ele, que encampou, sozinho, essa farsa... É por isso que quando encontramos jornalistas, eles olham pra baixo – afinal, que orgulho sobreviveria à humilhação de vender assim pautas sucessivas, e opiniões vergonhosamente favoráveis de um espetáculo, digamos, moribundo? Depois dessa, de que adianta Bono Vox vir pedir pela fome (ou pela dívida) e Mick Jagger, pelo meio-ambiente? Não perceberam – pela sua passagem – que todo establishment noticioso, daqui, está corrompido? Ou será que realmente acham que, no País, eram notícia??? Quem não percebeu tamanha armação é de uma ingenuidade política que nem merece consideração. Então, em vez de ficar pedindo para salvar o mundo, deveria mesmo é cantar seus roquinhos para teenagers ou mentalmente equivalentes... O tempo das grandes gravadoras já passou. E a mídia de massa vai sucumbindo no mesmo compasso. Se o rock tiver de ser sacrificado, que o seja então. [Comente esta Nota]
>>> U2-Rolling Stones
 



Literatura >>> O estranho homem puro
Antonio Maria está na moda. Com Danuza Leão. Agora parece que todo mundo está na moda, com Danuza Leão. Mas a própria Danuza – foram lhe perguntar – respondeu que queria ser a Gisele Bündchen, por um dia. O fato é que Antonio Maria foi relançado em perfil, que passa hoje por biografia (é também moda agora), saindo da Relume Dumará e partindo para a editora Objetiva. Um homem chamado Maria – é um belo título novo. Mas quem quiser ler Maria, o próprio, e não Danuza Leão, nem Joaquim Ferreira dos Santos e nem, muito menos, Ivan Lessa, vai ter de recorrer à editora Record. Foi ela quem lançou duas coletâneas de Maria há quase quatro anos e que, ultimamente, lançou mais uma, de humor. Maria – voltando à Danuza – ficou famoso por seus amores, mas é um cronista e tanto (também trabalhou). Frasista, idem – embora ocasional. Figura folclórica, acima de tudo. Seja feliz e faça os outros felizes, com organização de – claro – Joaquim Ferreira dos Santos, guarda toda a inventividade de Maria. Fazia ficção em cima de qualquer bobagem, como bem notou Paulo Francis. Daí talvez Ivan Lessa puxou sua imaginação que, na quarta capa de Garotos da Fuzarca, o mesmo Francis elogiaria depois. É o melhor livro de literatura brasileira, segundo Diogo Mainardi (Garotos da Fuzarca). Antonio Maria – voltando – era muito querido na noite do Rio, ainda que seja o pai do “ninguém me ama, ninguém me quer...”. Seus melhores momentos, porém, não são os da diplomacia. São, por exemplo, aqueles em que criava figuras como a do Adamastor. Adamastor via no Carnaval a expansão do mau gosto nacional; via no hotel seu último refúgio; e, de São Paulo, tinha verdadeiro horror (isso Ivan Lessa também herdou). Antonio Maria vale, enfim, pelo estilo peculiar e pelas pensatas involuntárias. Como personalidade, sobreviverá? Quem sabe, nos responde a Danuza. Ou a Gisele Bündchen. [Comente esta Nota]
>>> Seja feliz e faça os outros felizes (trecho) - Antonio Maria - Record - 128 págs.
 



Artes >>> Pfflflf
Qual a utilidade da vida de Robert Crumb para a juventude de hoje, quase quarenta anos depois? Talvez devêssemos puxar pelo parentesco com Angeli – que, justamente, teve como ídolo... Robert Crumb. Mas Angeli ainda é ídolo de alguém hoje, mais de vinte anos depois? Robert Crumb, provavelmente, ficará como herói da contracultura, embora detestasse o epíteto. (Aliás, alguém sabe o que é contracultura hoje?) Talvez nós devêssemos puxar pelo iPod... iPod? Sim, pelo iPod. E pelo Macintosh. (Essas duas palavras soam como música para os ouvidos da juventude de hoje.) Nos 100 anos do inventor do LSD – sim, do LSD –, ainda outro dia, a Wired arrancou uma declaração bombástica de Steve Jobs, o homem por trás da Maçã. Jobs não só fumou, como tragou – como elogiou. O famoso ácido lisérgico foi uma das suas maiores experiências em vida, confessou. (Um verdadeiro fã de Bob Dylan não negaria sua raça. Não é, José Nêumanne?) Pois então: o centro desse novo álbum de Robert Crumb, Minha Vida, pela editora Conrad, são exatamente suas “viagens” à base de LSD. E ele volta, sucessivas vezes, à sua primeira viagem mítica. Dizem que é sempre a mais importante... Alguém ainda se lembra como é que foi? Crumb a descreve em detalhes. E põe junto sua primeira esposa. E todo os delírios de seus primeiros empregos, de suas primeiras atrações sexuais – de cenários e de figuras, para ele, inolvidáveis... E para nós? Há interesse em participar da intimidade de Robert Crumb? Talvez nós devêssemos puxar agora pelos blogs. Nesse sentido, Crumb é o primeiro blogueiro em HQ. Deus, como se expõe... Ficamos relativamente cansados de Robert Crumb. Como dos blogueiros brasileiros parcos em informação. Em realidade, Crumb não precisava de substâncias alucinógenas para “viajar”, sua vida já foi uma piração. Nenhum artista precisaria, a rigor. Como provou Aldous Huxley, em Às Portas da Percepção (Jim Morrison leu, não entendeu, morreu...). Aliás o que pensaria Huxley de Crumb? O mesmo que pensou de Van Gogh e de Beethoven? [Comente esta Nota]
>>> Minha Vida - Robert Crumb - Conrad - 136 págs.
 

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/3/2006
18h31min
A brilhante nota, acrescento aqui a frase de um amigo meu: "Os Stones são os funcionários públicos do rock". Não dá pra discordar... Há mais de trinta anos não fazem nada musicalmente relevante, e, desde então, se dedicam a enganar trouxas fazendo sempre o mesmo rame-rame milimetricamente cronometrado... Mas, como vocês bem perceberam, o buraco é muito mais embaixo... não, por acaso, aliás, (com exceção - por incrível que pareça - da coluna do Roberto Pompeu de Toledo na VEJA desta semana) esse é o primeiro comentário instigante sobre o assunto que leio na imprensa fora dos textos monocordicos de exaltação... Abraços.
[Leia outros Comentários de Vitor Vieira]
2/5/2006
15h52min
Mas a contemporaneidade global já não é meio diluída e espertamente lisérgica? Aliás, o que "lisérjam" certos frequentadores de baladas, já sob êxtases que questionam a sobrevivência da arte? Quanto a experimentar alucinógenos, bem, G. Harrison disse que maconha é como tomar umas cervejas, já o ácido é como ir pra lua. Eu já fico com o dito: "Quem burro vai a Santarém, burro vai e burro vem" (rs). E baccio do Mário!
[Leia outros Comentários de Mário G. Montaut]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro Gibis Os Heróis mais Poderosos da Marvel Surfista Prateado Volume 51
Stan Lee
Salvat
(2015)



Liderança Caminho para a Prosperidade
Ali Mazioum
Célebre
(2006)



Prisão Cautelar
Fábio Ramazzini Bechara
Malheiros
(2005)



That´s All About Fame - Book 03
Sérgio Barreto
WiseUp
(2006)



Livro Literatura Estrangeira O Chá-de-bebê de Becky Bloom Becky Bloom está de volta... e com o maior barrigão!
Sophie Kinsella, Alves Calado
Record
(2008)



Aritmética Comercial e Financeira
Carlos de Carvalho
Istituto de Contadores Fiscais
(1948)



Livro Mon Ombre Siamoise
Guy de Rothschild
Grasset
(1993)



Reflexão Sobre as Políticas Nacionais de Comunicação
Daniel Castro
Ipea
(2009)



Viagem em Tôrno a Machado de Assis
Agrippino Grieco
Martins
(1969)



Purificação de Produtos Biotecnológicos
Adalberto Pessoa Jr; Beatriz Vahan Kilikian
Manole
(2005)





busca | avançada
56467 visitas/dia
2,3 milhões/mês