Digestivo nº 268 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Sessão Única com Jogo de Escape Game e debate do filme 'Os Bravos Nunca se Calam' em SP
>>> OBRAS INSPIRADAS DURANTE A PANDEMIA GANHAM DESTAQUE NO INSTITUTO CERVANTES, EM SÃO PAULO
>>> Sempre Um Papo com Silvio Almeida
>>> FESTIVAL DE ORQUESTRAS JUVENIS
>>> XIII Festival de Cinema da Fronteira divulga Programação
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Direita, Esquerda ― Volver!
>>> O menino mais bonito do mundo
>>> iPad
>>> iPad
>>> iPad
>>> Sátiro e ninfa, óleo s/ tela em 7 fotos e 4 movies
>>> poeta del vacío existencial
>>> Croft & Kidman
>>> Histórias de gatos
>>> Whitesnake, 1987
Mais Recentes
>>> Revista Marco 3 de Varios Autores pela INstituto de Ciencias São Marcos (1979)
>>> Panorama do romance americano de Não consta pela Fundo de cultura (1966)
>>> Eslovênia de Carla Kinzo pela Megamini (2016)
>>> Direitos Reais de Guilherme Calmon Nogueira da Gama pela Atlas (2011)
>>> A Religiosa de Denis Diderot pela Abril (1980)
>>> Os Segredos Das Pessoas Que Nunca Ficam Doentes de Gene Stone pela Lua de Papel (2012)
>>> Viajaram Mais Cedo de Francisco Cândido Xavier pela Geem (2010)
>>> Teoria da Adolescência de Rolf Muuss pela InterLivros (1966)
>>> Segundo o plano de Deus de Kenneth E. Hagin pela Graça
>>> Almanaque Santo Antônio 2014 de Vários Autores pela Vozes (2014)
>>> Psicopedagogia da linguagem escrita de Ana Teberosky pela Vozes (1993)
>>> Almanaque Santo Antônio 2015 de Vários Autores pela Vozes (2015)
>>> A Coragem de ser Imperfeito de Brené Brown pela Sextante (2016)
>>> Manu Chao - Música y Libertad de Alessandro Robecchi pela Reservoir (2002)
>>> Despertar dos deuses de Isaac Asimov pela Hemus (1972)
>>> Curso de Contabilidade para não Contadores de Sérgio de Ludicibus pela Atlas (2000)
>>> Platão de Platão pela Civita (1983)
>>> Gabriela Cravo e Canela de Jorge Amado pela Record (1978)
>>> Hobbes de Thomas Hobbes pela Civita (1983)
>>> SUS-SP - Preparatório Para Provas de Residência Médica de Juliano Silveira de Araújo pela Sanar (2018)
>>> Dossie Brasilia: Os Segredos dos Presidentes de Geneton Moraes Neto pela Globo (2005)
>>> A Numerologia e o Triângulo Divino de Faith Javane e Dusty Bunker pela Pensamento (1994)
>>> Forças Irresistíveis de Danielle Steel pela Record (2002)
>>> O Livro dos Rituais de Carlos Navas pela Madras (2002)
>>> A Kabbalah Revelada: Filosofia Oculta e Ciência de Knorr Von Rosenroth pela Madras (2005)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 3/3/2006
Digestivo nº 268
Julio Daio Borges

+ de 3300 Acessos
+ 2 Comentário(s)




Imprensa >>> Achtung Baby
Os shows do U2 e dos Rolling Stones, no Brasil, não tiveram outra importância senão a de evocar a nostalgia do rock de arena. A obsessão por estádios cada vez maiores, e por recordes no Guinness Book, chegou oficialmente aqui com o Rock in Rio I, em 1985. Segundo Mauro Dias, foi quando a crítica musical depôs formalmente as armas – desde então ajoelhada que está no altar das não sei quantas toneladas de som... Dali por diante, o fundamental, mais que a qualidade, era fazer número. Foi o que a imprensa fez agora com U2 e Rolling Stones. Musicalmente – no atual cenário – as duas bandas não têm a menor relevância, mas foram propagandeadas como um “grande acontecimento” (comportamental). Na verdade, uma comoção forjada pela decadente mídia de massas. Com direito a cadernos culturais inteiros, dias seguidos, e até chamada de capa nas manchetes dos jornais (!). É o caso de – indiscretamente – se perguntar: Accioly, diz aí, quanto custou? Riu por último ele, que encampou, sozinho, essa farsa... É por isso que quando encontramos jornalistas, eles olham pra baixo – afinal, que orgulho sobreviveria à humilhação de vender assim pautas sucessivas, e opiniões vergonhosamente favoráveis de um espetáculo, digamos, moribundo? Depois dessa, de que adianta Bono Vox vir pedir pela fome (ou pela dívida) e Mick Jagger, pelo meio-ambiente? Não perceberam – pela sua passagem – que todo establishment noticioso, daqui, está corrompido? Ou será que realmente acham que, no País, eram notícia??? Quem não percebeu tamanha armação é de uma ingenuidade política que nem merece consideração. Então, em vez de ficar pedindo para salvar o mundo, deveria mesmo é cantar seus roquinhos para teenagers ou mentalmente equivalentes... O tempo das grandes gravadoras já passou. E a mídia de massa vai sucumbindo no mesmo compasso. Se o rock tiver de ser sacrificado, que o seja então. [Comente esta Nota]
>>> U2-Rolling Stones
 



Literatura >>> O estranho homem puro
Antonio Maria está na moda. Com Danuza Leão. Agora parece que todo mundo está na moda, com Danuza Leão. Mas a própria Danuza – foram lhe perguntar – respondeu que queria ser a Gisele Bündchen, por um dia. O fato é que Antonio Maria foi relançado em perfil, que passa hoje por biografia (é também moda agora), saindo da Relume Dumará e partindo para a editora Objetiva. Um homem chamado Maria – é um belo título novo. Mas quem quiser ler Maria, o próprio, e não Danuza Leão, nem Joaquim Ferreira dos Santos e nem, muito menos, Ivan Lessa, vai ter de recorrer à editora Record. Foi ela quem lançou duas coletâneas de Maria há quase quatro anos e que, ultimamente, lançou mais uma, de humor. Maria – voltando à Danuza – ficou famoso por seus amores, mas é um cronista e tanto (também trabalhou). Frasista, idem – embora ocasional. Figura folclórica, acima de tudo. Seja feliz e faça os outros felizes, com organização de – claro – Joaquim Ferreira dos Santos, guarda toda a inventividade de Maria. Fazia ficção em cima de qualquer bobagem, como bem notou Paulo Francis. Daí talvez Ivan Lessa puxou sua imaginação que, na quarta capa de Garotos da Fuzarca, o mesmo Francis elogiaria depois. É o melhor livro de literatura brasileira, segundo Diogo Mainardi (Garotos da Fuzarca). Antonio Maria – voltando – era muito querido na noite do Rio, ainda que seja o pai do “ninguém me ama, ninguém me quer...”. Seus melhores momentos, porém, não são os da diplomacia. São, por exemplo, aqueles em que criava figuras como a do Adamastor. Adamastor via no Carnaval a expansão do mau gosto nacional; via no hotel seu último refúgio; e, de São Paulo, tinha verdadeiro horror (isso Ivan Lessa também herdou). Antonio Maria vale, enfim, pelo estilo peculiar e pelas pensatas involuntárias. Como personalidade, sobreviverá? Quem sabe, nos responde a Danuza. Ou a Gisele Bündchen. [Comente esta Nota]
>>> Seja feliz e faça os outros felizes (trecho) - Antonio Maria - Record - 128 págs.
 



Artes >>> Pfflflf
Qual a utilidade da vida de Robert Crumb para a juventude de hoje, quase quarenta anos depois? Talvez devêssemos puxar pelo parentesco com Angeli – que, justamente, teve como ídolo... Robert Crumb. Mas Angeli ainda é ídolo de alguém hoje, mais de vinte anos depois? Robert Crumb, provavelmente, ficará como herói da contracultura, embora detestasse o epíteto. (Aliás, alguém sabe o que é contracultura hoje?) Talvez nós devêssemos puxar pelo iPod... iPod? Sim, pelo iPod. E pelo Macintosh. (Essas duas palavras soam como música para os ouvidos da juventude de hoje.) Nos 100 anos do inventor do LSD – sim, do LSD –, ainda outro dia, a Wired arrancou uma declaração bombástica de Steve Jobs, o homem por trás da Maçã. Jobs não só fumou, como tragou – como elogiou. O famoso ácido lisérgico foi uma das suas maiores experiências em vida, confessou. (Um verdadeiro fã de Bob Dylan não negaria sua raça. Não é, José Nêumanne?) Pois então: o centro desse novo álbum de Robert Crumb, Minha Vida, pela editora Conrad, são exatamente suas “viagens” à base de LSD. E ele volta, sucessivas vezes, à sua primeira viagem mítica. Dizem que é sempre a mais importante... Alguém ainda se lembra como é que foi? Crumb a descreve em detalhes. E põe junto sua primeira esposa. E todo os delírios de seus primeiros empregos, de suas primeiras atrações sexuais – de cenários e de figuras, para ele, inolvidáveis... E para nós? Há interesse em participar da intimidade de Robert Crumb? Talvez nós devêssemos puxar agora pelos blogs. Nesse sentido, Crumb é o primeiro blogueiro em HQ. Deus, como se expõe... Ficamos relativamente cansados de Robert Crumb. Como dos blogueiros brasileiros parcos em informação. Em realidade, Crumb não precisava de substâncias alucinógenas para “viajar”, sua vida já foi uma piração. Nenhum artista precisaria, a rigor. Como provou Aldous Huxley, em Às Portas da Percepção (Jim Morrison leu, não entendeu, morreu...). Aliás o que pensaria Huxley de Crumb? O mesmo que pensou de Van Gogh e de Beethoven? [Comente esta Nota]
>>> Minha Vida - Robert Crumb - Conrad - 136 págs.
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/3/2006
18h31min
A brilhante nota, acrescento aqui a frase de um amigo meu: "Os Stones são os funcionários públicos do rock". Não dá pra discordar... Há mais de trinta anos não fazem nada musicalmente relevante, e, desde então, se dedicam a enganar trouxas fazendo sempre o mesmo rame-rame milimetricamente cronometrado... Mas, como vocês bem perceberam, o buraco é muito mais embaixo... não, por acaso, aliás, (com exceção - por incrível que pareça - da coluna do Roberto Pompeu de Toledo na VEJA desta semana) esse é o primeiro comentário instigante sobre o assunto que leio na imprensa fora dos textos monocordicos de exaltação... Abraços.
[Leia outros Comentários de Vitor Vieira]
2/5/2006
15h52min
Mas a contemporaneidade global já não é meio diluída e espertamente lisérgica? Aliás, o que "lisérjam" certos frequentadores de baladas, já sob êxtases que questionam a sobrevivência da arte? Quanto a experimentar alucinógenos, bem, G. Harrison disse que maconha é como tomar umas cervejas, já o ácido é como ir pra lua. Eu já fico com o dito: "Quem burro vai a Santarém, burro vai e burro vem" (rs). E baccio do Mário!
[Leia outros Comentários de Mário G. Montaut]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - Nicolae: O Anticristo Chega ao Poder
Tim Lahaye / Jerry B Jenkins
United Press
(2004)



Adulthood is a Myth: a Sarahs Scribbles Collection
Sarah Andersen
Andrews Mcmeel Publishing
(2016)



Problemas Atuais de Psicologia
Emilio Mira y Lopes
Cientifica
(1963)



Poesias Completas
Álvares de Azevedo
Ediouro



Jazz
Toni Morrison
Best Seller
(1992)



Investigando a Reencarnação
John Algeo
teosófica
(1995)



Os 10 Mandamentos da Prosperidade
Marcos Silvestre
Faro Editorial
(2015)



William Tell and Other Stories
John Excott
Oxford
(2010)



O Homem que queria ser Rei e Outros Histórias
Rudyard Kipling
Bestbolso
(2011)



Faca você mesmo
Girassol Brasil
Girassol Brasil
(2000)





busca | avançada
58257 visitas/dia
1,6 milhão/mês