Digestivo nº 294 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
49722 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Instituto Vox realiza debate aberto sobre o livro O Discurso da Estupidez'
>>> A Arte de Amar: curso online desvenda o amor a partir de sua representação na arte e filosofia
>>> Consuelo de Paula e João Arruda lançam o CD Beira de Folha
>>> Festival Folclórico de Etnias realiza sua primeira edição online
>>> Câmara Brasil-Israel realiza live com especialistas sobre “O Mundo da Arte”
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
>>> Filmes de guerra, de outro jeito
>>> Meu reino por uma webcam
>>> Quincas Borba: um dia de cão (Fuvest)
>>> Pílulas Poéticas para uma quarentena
>>> Ficção e previsões para um futuro qualquer
>>> Freud explica
>>> Alma indígena minha
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma aula com Thiago Salomão do Stock Pickers
>>> MercadoLivre, a maior empresa da América Latina
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> Philip Glass tocando Mad Rush
>>> Elena Landau e o liberalismo à brasileira
>>> O autoritarismo de Bolsonaro avança
>>> Prelúdio e Fuga em Mi Menor, BWV 855
>>> Blooks Resiste
>>> Ambulante teve 3 mil livros queimados
>>> Paul Lewis e a Sonata ao Luar
Últimos Posts
>>> Coincidência?
>>> Gabbeh
>>> Dos segredos do pão
>>> Diário de um desenhista
>>> Uma pedra no caminho...
>>> Sustentar-se
>>> Spiritus sanus
>>> Num piscar de olhos
>>> Sexy Shop
>>> Assinatura
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Nelson Freire em DVD e Celso Furtado na Amazônia
>>> Um caos de informações inúteis
>>> Asia de volta ao mapa
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Parei de fumar
>>> Ford e Eastwood: cineastas da (re)conciliação
>>> Amor à segunda vista
>>> O Gmail (e o E-mail)
>>> Diogo Salles no podcast Guide
Mais Recentes
>>> 101 Segredos de Medicina Natural de Peron Autret pela Europa America (1975)
>>> 10 Anos Con Mafalda de Quino pela Lumen (1973)
>>> Globo Rural--Ele faz a terra dar de tudo de Editora globo pela Globo (1989)
>>> Lady gaga de Brandon hurst pela Madras (2010)
>>> Orientaçoes curriculares para o ensino medio--1--linguagens,codigos e tecnologias. de Mec pela Mec
>>> Vida silvestre:o estreito limiar entre preservaçao e destruiçao. de Coordenadora angela maria branco pela Dupligrafica (2007)
>>> Grandes imperios e civilizaçoes--frança--volumes:1 e 2. de Delprado pela Delprado
>>> Cerrado e pantanal--areas e açoes prioritarias para conservaçao da biodiversidade. de Ministerio do meio ambiente pela Mma (2007)
>>> Contabilidade - Escola de Administração Fazendária - ESAF de Ricardo J. Ferreira pela Ferreira (2014)
>>> O Maior Sucesso do Mundo de Og Mandino pela Record (1994)
>>> O Céus e o Inferno de Allan Kardec pela Feb (1989)
>>> Amor, medicina e milagres - A Cura espontânea de doentes graves de Bernie S. Siegel pela BestSeller (1989)
>>> Mayombe de Pepetela pela Leya (2019)
>>> Os Segredos Para o Sucesso e a Felicidade de Og Mandino pela Record (1997)
>>> Para Viver Sem Sofrer de Gasparetto pela Vida E Consciencia (2002)
>>> Guía Rápida del Museo Nacional de Bellas Artes de Vários pela Mnba (1996)
>>> A profecia celestina de James Redfield pela Objetiva (2001)
>>> The Forecast Magazine January 2020 - 2020 de Diversos pela Monocle (2020)
>>> O Diário da Princesa de Meg Cabot pela Record (2002)
>>> The Forecast Magazine January 2017 - Time to Talk? de Diversos pela Monocle (2017)
>>> Mojo December 2018 de Led Zeppelin pela Mojo (2018)
>>> Mojo 300 November 2018 The Legends de Diversos pela Mojo (2018)
>>> Mojo 299 October 2018 de Paul McCartney pela Mojo (2018)
>>> Mojo 297 August 2018 de David Bowie pela Mojo (2018)
>>> Mojo 307 June 2019 de Bob Dylan pela Mojo (2019)
>>> Mojo 296 July 2018 de Pink Floyd pela Mojo (2018)
>>> Mojo April 2018 de Arctic Monkeys pela Mojo (2018)
>>> Mojo 294 May 2018 de Roger Daltley pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 April 2018 de Neil Young pela Mojo (2018)
>>> Mojo 292 March 2018 de Nick Drake pela Mojo (2018)
>>> Mojo 291 February 2018 de The Rolling Stones pela Mojo (2018)
>>> Mojo 290 January 2018 de The Jam pela Mojo (2018)
>>> Mojo 289 December 2017 de Bob Dylan pela Mojo (2017)
>>> Mojo 286 September 2017 de Allman Brothers pela Mojo (2017)
>>> Mojo 310 September 2019 de Tom Waits pela Mojo (2019)
>>> Mojo 309 August 2019 de Bruce Springsteen pela Mojo (2019)
>>> Mojo 304 March 2019 de Joni Mitchell pela Mojo (2019)
>>> Como cuidar do seu automóvel de Ruy Geraldo Vaz pela Ediouro (1979)
>>> Mojo 236 July 2013 de The Rolling Stones pela Mojo (2013)
>>> Mojo 250 January 2014 de Crosby, Still, Nash & Young pela Mojo (2014)
>>> Gilets Brodés - Modèles Du XVIII - Musée des Tissus - Lyon de Várioa pela Musee des Tíssus (1993)
>>> Mojo 249 August 2014 de Jack White pela Mojo (2014)
>>> Mojo 252 October 2014 de Siouxsie And The Banshees pela Mojo (2014)
>>> Mojo 251 October 2014 de Kate Bush pela Mojo (2014)
>>> Mojo 302 January 2019 de Kate Bush pela Mojo (2019)
>>> Mojo 274 September 2016 de Bob Marley pela Mojo (2016)
>>> Universo baldio de Nei Duclós pela Francis (2004)
>>> Mojo 245 April 2014 de Prince pela Mojo (2014)
>>> Mojo 256 March 2015 de Madonna pela Mojo (2015)
>>> Musée de La Ceramique - Visit Guide de Vários pela Cidev (1969)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 1/9/2006
Digestivo nº 294
Julio Daio Borges

+ de 4900 Acessos
+ 3 Comentário(s)




Internet >>> Running to stand still
De forma canhestra a imprensa descobriu que quando fala de sua própria crise vende mais jornais e mais revistas. Como muitos jornais não admitem a crise ainda, ou não a discutem abertamente (de dentro pra fora), as revistas descobriram o filão e vêm capitalizando em cima dele. Por conseqüência, dá igual Ibope falar de internet (sempre a grande vilã) e de tecnologia (sua irmã gêmea). Aqui no Brasil, tivemos a Época sobre blogs, agora temos a Carta Capital sobre “sites que mudaram o mundo” e a Exame sobre a Geração Digital (uma capa originalmente da Business Week, quase de um ano atrás). Até a implacável The Economist faturou, ultimamente, com um belo dossiê sobre a “nova mídia” e, agora, estampa uma capa sobre “quem matou os jornais”. Quem matou não importa tanto; importa mais que eles estão morrendo... Não importa, também, chutar cachorro morto, mas importa, sim, tirar lições de sobrevivência de quem está resistindo. Como o Guardian, na Inglaterra. De cabeça na internet, o jornalão que virou tablóide é hoje mais lido no mundo do que na Europa, graças à World Wide Web. Também a BBC, tradicional agência de notícias britânica, soube angariar a simpatia dos internautas anglófonos pelo seu pioneirismo, produzindo podcasts, reproduzindo, como ninguém, comentários dos leitores e cunhando o adágio de que “nasce um blog a cada segundo”. A reportagem da Economist é, mais uma vez, para quem acompanha a discussão na WWW, superficial. Justifica fazer uma chamada de capa, que rodou o mundo, depois apresentar uma materiola de três páginas? O mote é o livro The Vanishing Newspaper: Saving Journalism In The Information Age, uma pauta quase antiga (outra do ano passado). Se a Economist, atrasada, não tem todas as respostas, talvez o livro tenha. E se não tiver, só a internet terá – para o eterno desespero da imprensa impressa. [Comente esta Nota]
>>> Economist
 



Imprensa >>> Paladares alterados
De todos os revivals dos anos 80, talvez o retorno da Bizz seja, editorialmente falando, o melhor deles. Bizz e, não, Showbizz (aquela versão mais decadente dos anos 90). Ninguém botava muita fé na ressurreição de gente como Alex Antunes (que fez suas aparições na revista Zero, uma das “crias” da Bizz nos anos 2000) e nem na restauração de um formato que dificilmente compete, em agilidade, com uma infinidade de blogs, ezines e até sites musicais. De todas as iniciativas da editora Abril de se comunicar com leitores da internet, talvez a Bizz seja a mais inteligente: fala com o internauta de igual pra igual, não soa paternalista e nem se mete a pautar o que é “moderno”. Mesmo tratando de temas atualíssimos que domina tanto quanto qualquer pessoa, a Bizz tem feito um belo uso de seu arquivo (e do seu background) de tantos anos. Então, por exemplo: seu dossiê sobre Pink Floyd, passado e futuro pós-Live 8, é um dos mais completos disponíveis em português. Claro que duas décadas de jornalismo rock exercem uma força gravitacional que, algumas vezes, distorce a realidade das coisas: por exemplo, quem se interessa por Queen hoje? E por “Bohemian Rapsody” (quando a MTV morre aos poucos)? E, na crise dos CDs, nada como resenhar, também, DVDs. E, na crise do rádio (as crises sempre são em maior número), nada como discutir, seriamente, os podcasts. Dado o ocaso das gravadoras, a pressão dos grandes artistas arrefece, a revista pode respirar um pouco, apostar em novos nomes e abandonar aquelas discussões bizantinas de antes: “Para onde vai o pop? Qual o futuro do pop? O que é pop hoje?”. A Bizz de 2006 parece proclamar: “O pop morreu. Viva o pop!”. Amém. [Comente esta Nota]
>>> Bizz
 



Gastronomia >>> De re coquinaria
Quem não entende do negócio, geralmente, acha que, porque as pessoas nunca param de comer, não existe crise que afete os restaurantes. Na verdade, como afirma Márcio Alemão em sua coluna, depois do boom gastronômico – pós-Collor, pós-abertura das importações –, vive-se um momento de saciedade no mercado, e até de saturação. O Viandier, Casa de Gastronomia, parece que nasceu sabendo disso e está dando à comida e à culinária (para os que preferem outra palavra) novo enfoque. O Viandier, quase sem querer, está se tornando, para a gastronomia em São Paulo, o que a Casa do Saber é hoje para a filosofia: um foco de curiosidade inédito, com embasamento histórico e com apoio de verdadeiros conhecedores do assunto. E o público está fazendo sua parte: está reagindo, freqüentando os cursos e encarando o conhecimento, ao menos, com vontade. Um exemplo concreto pode ser vivenciado pelas aulas dos historiador da USP, Ricardo Maranhão, na série que ele mesmo batizou de “Viagens Gastronômicas pela História”. Na última, Maranhão passou pela culinária mediterrânea. Retrocedeu até o Egito Antigo, até a invenção do pão, passou pelos romanos, pelo conceito de civilização, pela expansão do Império, pela influência dos “bárbaros”, e terminou com a última contribuição ao reino do azeite, do vinho e, óbvio, do manjericão: as especiarias, ou seja, os mouros! E como todo esse papo – da evolução e da preparação de pratos – vai dando água na boca, foi servido – depois de, lógico, muitos pães, com azeite de oliva e azeitonas – um peixe marinado em ervas aromáticas. A receita é acoplada à aula e o professor tira as dúvidas, desde o mapa-múndi até o peixe melhor para comprar no Mercadão. Se o boom gastronômico começa a ser questionado pelos conhecedores, o boom de cursos gastronômicos está só começando – para matar a nossa fome. [Comente esta Nota]
>>> Viandier
 



Além do Mais >>> Freischaffender Komponist
Muita gente lembra que viveu, por aqui, a moda dos saraus – mas lembra, também, que as intenções ficavam sempre restritas ao amadorismo dos participantes, ao ponto de “sarau”, a palavra, tornar-se um termo até pejorativo. Então é difícil para alguém da nossa época imaginar o que teriam sido as “Schubertíades”: no início do século XIX, reuniões que aconteciam em torno de Franz Schubert. Schubert, o compositor, carrega consigo a contradição de ter produzindo muito, proporcionalmente (em alguns anos) mais que Mozart, e de ter arrastado a fama de bon-vivant, afinal, a sífilis, que o matou, está, em seu tempo, associada a isso. As Schubertíades combinavam, portanto, diversão de altíssima qualidade (e de altíssimo risco) com gênio e elevado rigor técnico (ao menos, musical). E se pudermos considerar que o melhor de Schubert está no compositor e não no “farrista”, teremos a chance de vivenciar, nos dias de hoje, algo artisticamente próximo das Schubertíades originais. Como aconteceu nos Concertos BankBoston, em fins de agosto. O Espaço Cultural BankBoston transpirou Schubert com o violino de Régis Pasquier, o piano de Emmanuel Strosser, ambos franceses, o violoncelo e o contrabaixo de Michel Haran (de Israel), mais o reforço das cordas dos Solistas Interarte, do Brasil. O ponto alto foi, sem dúvida, o célebre quinteto “A Truta” – um tour de force a exemplo da Nona Sinfonia do mesmo compositor. João Marcos Coelho, no libreto e na platéia, aliás, observou que, na contramão de Mozart e Beethoven, que reforçavam seus quintetos com uma segunda viola, Schubert preferia realçar os extremos, introduzir um contrabaixo e criar uma aura sinfônica dentro da música de câmara. Um ótimo exemplo disso foi o Quinteto para cordas em dó maior op. 163 D 956, outra prova de fogo para as mesmas cordas, embora não fosse muito mais fácil para o piano. Strosser deu, além disso, uma demonstração de brilho desde o início – com Klavierstücke em mi bemol menor nº 1 D 946. (Depois do intervalo, a Sonatina para violino e piano em ré maior op. 137 nº 1 D 384 teria uma execução igualmente correta.) Tendo viajado quase duzentos anos para trás, o espectador contemporâneo sai da sala se perguntando se os participantes das primeiras Schubertíades tinham consciência de que esse ritual se repetiria não no outro século apenas, mas no outro milênio... Eles poderiam não saber, mas Schubert certamente sabia, o festeiro e o compositor. [Comente esta Nota]
>>> Concertos BankBoston
 



Música >>> Tubo de Ensaio
Os próprios integrantes do Los Hermanos tiram sarro, mas eles mesmos reconhecem que estão naquela faixa perigosa entre ser a grande banda dos anos 2000 e, descambando, “a banda de rock da família brasileira”. Entre o bom exemplo e o exemplo ostensivo (caricato até), o Los Hermanos, como conjunto, já inspira fortemente outros grupos, como o Instiga, de Campinas. Por coincidência, o Instiga igualmente se localiza numa faixa perigosa: entre a inspiração no melhor sentido do termo e a confusão de identidade que, para muitos, pode sugerir o plágio (ou o pastiche). Ouvindo Máquina Milenar, o CD independente do conjunto, é impossível não pensar em Los Hermanos. Talvez pela voz rouca de Christian Camilo (que lembra Marcelo Camelo até no nome). Talvez pelas guitarras ritmadas à Amarante, num timbre à la Strokes (100% anos 2000, que os próprios “Hermanos” perseguem), a cargo, no Instiga, de Guilherme Molina. Talvez, até, pela bateria de Pedro Leite (compacta à maneira de Barba) e pelas linhas de baixo de Heitor Pellegrina (mais aparentes que o revezamento entre Camelo, Amarante e Kassin). Para completar, o Instiga também tem boas letras e bons refrões – ainda que Camilo (e, não, Camelo) estique um pouco demais as vogais (seduzido pelo próprio alcance), e ainda que, dali, não saia nenhum “novo” Chico Buarque de Hollanda. Em resumo, estar à sombra do Los Hermanos, para o Instiga, é bom e ruim. É bom porque as pessoas já têm uma referência, quase imediata, do que seja seu “som” e, extrapolando, suas intenções. E ruim porque o Instiga vai ter sempre de provar que consegue sair dessa sombra e criar, no futuro, uma identidade própria – inconfundível. Mal comparando, o Instiga ainda tem de gravar o seu Bloco do eu sozinho e, também, o seu Ventura. O seu 4, talvez, não, porque o 4, do Los Hermanos, – mais de um ano depois – não é unanimidade entre crítica e público. Talento existe, disposição também – falta, ao Instiga, cair no mundo. [Comente esta Nota]
>>> Instiga
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
4/9/2006
20h17min
Julio: Ótima nota sobre o artigo na Economist. O papo de hoje... Tudo isso ainda vai mudar muito - mas rápido. Abçs, parabéns - Edu.
[Leia outros Comentários de Eduardo Carvalho]
5/9/2006
10h35min
Prezado Julio, é uma pena ler um texto de alguém que me parecia ter uma percepção aguçada, falando em ‘crise de imprensa’ e defendendo isso com tanta certeza. O que posso lhe dizer, nesses anos que estive próximo a este universo, é que crise de imprensa não existe! Nunca existiu. Pior ainda é você afirmar que crise de imprensa vende. Sabe o que vende? Ficção científica. Nós sempre fomos obcecados pelo futuro e, por isso, ideais como um ‘mundo melhor por meio da grande rede mundial de computadores’ vende bem. As novas tecnologias vendem bem, mas não como vilã ou coisa do tipo. É uma pena ler um comentário desse, tão embasado no nada! Espero que não se importe com minha posição. Um abraço, Bernardo.
[Leia outros Comentários de Bernardo]
5/9/2006
12h30min
Bernardo, não sei em que mundo você vive, mas quem está falando em "crise" não sou eu: é a própria imprensa. Está lá, na capa da The Economist: "Quem Matou os Jornais?". (Note o verbo "matar" no passado...) Se você não achar que isso é sinal de crise, o que será então? O que eu observei é que a imprensa reconhece já a crise (finalmente), mas cada veículo trata de jogar a crise para a outra plataforma: ou seja, a revista joga a crise para o jornal; e vice-versa. Todos vendem mais e ninguém assume a crise para si. O que me espanta é o seguinte: os jornalistas (antes os "vanguardistas da opinião") deveriam ser os primeiros a percebê-la (a crise, de novo), mas fogem dela, como o diabo foge da cruz... Minha sugestão é que abracem a internet e reconheçam nela (e, não, na crise) o futuro. Mas sei que, infelizmente, nem todos vão captar a mensagem: preferem se perder no limbo entre uma coisa e outra. Talvez essa "purga", no final das contas, seja melhor para o jornalismo como um todo...
[Leia outros Comentários de Julio Daio Borges]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ECONOMIA E MERCADOS - INTRODUÇÃO À ECONOMIA E AO MARKETING
SÉRGIO GUIMARÃES
ÁTICA
(1991)
R$ 15,00



LÓGICA APLICADA À ADVOCACIA - TÉCNICA DE PERSUASÃO - 9420
EDMUNDO DANTÈS NASCIMENTO
SARAIVA
(1981)
R$ 11,00



RETRATO EM BRANCO E NEGRO
LILIA MORITZ SCHWARCZ
COMPANHIA DAS LETRAS
(2010)
R$ 75,00



GUIA VISUAL BRASIL
FOLHA DE S. PAULO
FOLHA
R$ 26,00



OLIVEIRA MARTINS A HISTÓRIA COMO TRAGÉDIA
CARMO SALAZAR PONTE
IMPRENSA NACIONAL
(1998)
R$ 33,49



ACCUEILLIR LA MORT: QUESTIONS ET REPONSES SUR LA MORT ET LES MOUR
ELISABETH KÜBLER-ROSS
EDITIONS DU ROCHER
(1998)
R$ 42,82



LOUIS XIV
HUBERT MÉTHIVIER
PUF
(1950)
R$ 31,28



VILA DOS CONFINS - VOLUME 7
MÁRIO PALMÉRIO
TRÊS
(1974)
R$ 7,56



SEDUÇÃO. UMA ESTRADA DE MÃO DUPLA
EDUARDO NUNES
NOVO SECULO
(2000)
R$ 6,90



O MONGE DO ANDAR DE BAIXO
TIM FARRINGTON
BEST SELLER
(2007)
R$ 8,00





busca | avançada
49722 visitas/dia
2,6 milhões/mês