Digestivo nº 411 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
68942 visitas/dia
1,6 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Edital Retomada Cultural apresenta Conexão Brasil-Portugal: podcast produzido pelo Coletivo Corpos p
>>> CANTORA E ATRIZ SANDRA PÊRA NO SESC BELENZINHO
>>> TDEZESSEIS
>>> Curso de direção de palco é gratuito nos dias 16 e 17/12
>>> Ultima apresentação da peça (A) Dor (A)
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
>>> O segredo para não brigar por política
>>> Endereços antigos, enganos atuais
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Nosotros
>>> Berço de lembranças
>>> Não sou eterno, meus atos são
>>> Meu orgulho, brava gente
>>> Sem chance
>>> Imcomparável
>>> Saudade indomável
>>> Às avessas
>>> Amigo do tempo
>>> Desapega, só um pouquinho.
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Baiano bom de prosa
>>> Lost: Mistérios sem Solução
>>> YouTube, lá vou eu
>>> Meu 16 de Agosto
>>> André Mehmari, um perfil
>>> O profeta da aldeia global
>>> Ecos Musicais
>>> Eu sou a favor do impeachment, mas eu acho triste
>>> E cá já moiro por vós
>>> Cultura do livro digital?
Mais Recentes
>>> A Vendeta Seguido de a Paz Conjugal de Honoré de Balzac pela LPM Pocket (2006)
>>> Dicionário Houaiss Sinônimos e Antônimos de Antonio Houaiss pela Publifolha (2008)
>>> A Eucaristia de Secretária Geral do Sínodo dos Bispos pela Paulinas (2005)
>>> Escritos y Confesiones de Richard Wagner pela Labor (1975)
>>> Poliedro 2004 Coleção Completa de André Oliveira de Guadalupe pela Poliedro (2004)
>>> Revolução Francesa 2 de Max Gallo pela LPM Pocket (2012)
>>> Situação da arte moderna de Jean Cassou pela Europa-América (1965)
>>> The waves de Virginia Woolf pela Penguin books (2000)
>>> The Adulterous Woman de Albert Camus pela Penguin Books (2011)
>>> Die Dunkle Seite des Mondes de Martin Suter pela Diogenes (2000)
>>> Sobre Fibras e Gente de Bruno Fernandes / Chico Barbosa pela Sextante (2015)
>>> Programa de Ciência Exitus Enciclopédia Ilustrada 11 volumes de Mirador Internacional pela Mirador (1971)
>>> Introducción al personalismo actual de C Díaz y M Maceiras pela Gredos (1975)
>>> O Hobbit de J. R. R. Tolkien pela Martins Fontes (2017)
>>> Desenvolvimento Local Sustentável de Denise Kronemberger pela Senac (2011)
>>> o Anticristo de Friedrich Nietzsche pela Camões Guimarães (1978)
>>> A Mágica da Arrumação de Marie Kondo pela Sextante (2015)
>>> A Mágica da Arrumação de Marie Kondo pela Sextante (2015)
>>> A Mágica da Arrumação de Marie Kondo pela Sextante (2015)
>>> O Japão Dos Brasileiros de Ziraldo Alves Pinto pela Global (2008)
>>> Ich Träume Deutsch de Nilgün Tasman pela Herder (2011)
>>> Mandado de Segurança e Ações Constitucionais de Hely Lopes Meirelles e Outros pela Malheiros (1990)
>>> A revolução educacional cubana de Arthur Gillette pela Moraes (1977)
>>> História de la filosofia - La Filosofia Griega Vol 2 de Brice Parain pela Siglo Veintiuno (1972)
>>> Mozart de Peter Gay pela Penguin Books (1999)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 17/4/2009
Digestivo nº 411
Julio Daio Borges

+ de 2300 Acessos




Imprensa >>> Viva e deixe morrer(em)... os jornais
"Se a General Motors quebrar, ainda vão existir carros; e, se o New York Times falir, ainda vai haver notícias". Com essa máxima, Michael Kinsley, colunista semanal do Washington Post, encerra mais um capítulo sobre o epitáfio dos jornais. Inaugurando uma nova postura, em relação à velha mídia, Kinsley não parece preocupado com o ocaso de uma indústria da qual faz parte seu empregador... O colunista do Post começa afirmando que os jornais sempre foram um monopólio — considerados, inclusive, uma "exceção" dentro da lei antitruste. E os antigos donos de jornal, se hoje ressuscitassem, jamais acreditariam que sua tragédia seria, justamente, não pagar papel, impressão e distribuição. Sua tragédia seria... a internet. Kinsley concede que os jornais poderiam ter mantido seus classificados (on-line); que os jornais poderiam, inclusive, ter inventado as redes sociais... Mas o típico executivo de jornal — Michael Kinsley faz a comparação — é como um urso de cérebro limitado. Até há pouco tempo, esse pequeno cérebro bastava; agora, nem com um think tank de gênios os jornais poderão ser salvos. Indústrias vem e vão, ele consola, invocando Schumpeter. E quem cresceu entre computadores acha tão chato ler em papel (jornal) quanto velhos dinossauros acham ler na tela... "Vocês querem enfiar informação jornalística, goela abaixo, em nome da democracia?", Kinsley provoca. Lê-se mais notícias (e mais análises) do que nunca atualmente — só que on-line. E talvez o "jornal" do futuro seja mais ou menos parecido com o jornal de agora — só que sem papel. "Num tom mais casual, mais opinativo e participativo", conclui. Uma única entidade ou uma lista de links "favoritos"? O certo é que Michael Kinsley não arrisca sobre o futuro das velhas empresas de notícias... (E tem sempre a alternativa de voltar para a Slate, da qual foi editor.) [1 Comentário(s)]
>>> Life After Newspapers
 



Música >>> John Lennon, por Sean Lennon (e Philip Norman)
Sean conta que quando seu pai, John Lennon, morreu, não havia ninguém para consolá-lo. Sua mãe, Yoko Ono, parecia sempre cansada e passava a maior parte do tempo deitada na cama. Como, nas palavras dela, haviam "queimado muitas pontes" atrás de si, não cultivavam mais nenhuma relação com parentes ou familiares. Sean contava, então, cinco anos e, fora Yoko, havia, na casa, apenas empregados. Só quase uma década mais tarde, o filho de John Lennon conseguiu ouvir sua voz, nas canções, sem sentir que estava sendo apunhalado por uma faca. Era a mesma voz que lhe falava na infância, a primeira que ouviu e aquela que lhe ensinara as primeiras palavras. Por isso, até hoje, para ele é tão duro escutar obras — infelizmente tocadas à exaustão — como Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band. Sean, ainda assim, lembra que John era bastante genioso, mesmo para com uma criança de tão pouca idade. O filho reconhece que o pai era bem inseguro e que, por causa disso, inventou um jeito todo próprio de escrever canções. "I'm a loooser..." Sean reconhece também que, embora reclamasse bastante dos Beatles, John Lennon foi "açucarado" por eles e, graças a isso, tornou-se "palatável" para as massas. Para Sean, no entanto, o melhor álbum da história do rock é Plastic Ono Band, quando John, justamente, virou as costas para Paul, George e Ringo. "É como se, nos anos 70, Elvis desistisse de Las Vegas e se juntasse aos punks". Musicalmente, Sean não nega John, ainda que pareça, e inclusive considera que pratica esse ofício (de músico) por tê-lo herdado diretamente. Não participa, contudo, de homenagens musicais ao pai e nem, tampouco, entende aqueles que santificam John Lennon. Apesar de reconhecer que descobriu muito do pai pela imprensa, Sean não lê livros sobre John. Mesmo que sejam tão completos quanto a nova biografia de Philip Norman... [1 Comentário(s)]
>>> John Lennon: A Vida
 



Além do Mais >>> A revolução dos q-bits, de Oliveira e Vieira
Einstein morreu sem engolir direito as explicações que a física contemporânea dava para o funcionamento da mecânica quântica. Embora ele próprio tivesse descoberto os fótons, ou "quanta de luz", Einstein teimou até a morte que deveria haver leis mais claras, sobre o movimento dessas partículas, a exemplo do que acontece na mecânica clássica, newtoniana. Einstein era um gênio, mas também abraçou uma causa perdida — seus opositores, na época, venceram no longo prazo; quase ninguém divulga hoje, mas, sobre os quanta (plural de quantum), Einstein estava redondamente enganado. A mecânica quântica pode ser fascinante, porque, justamente à primeira vista, soa quase ininteligível — como naquela frase célebre. Dada a sua imprevisibilidade, ela é apenas probabilística. Você não sabe onde uma partícula pode estar; apenas sabe que existe uma chance de ela estar lá (e outra chance de ela não estar). Portanto, ela só vai estar ali, efetivamente, quando você fizer uma medição. Logo, ela pode estar em diversos lugares... ao mesmo tempo. Assim, o que vemos — da nossa escala, humana — é simplesmente a "média" dessas possibilidades... Confuso? E que tal misturar isso tudo com lógica computacional? Pois foi o que fizeram o físico Ivan S. Oliveira, doutor por Oxford, e Cássio Leite Vieira, editor da revista Ciência Hoje. Em A revolução dos q-bits, da Jorge Zahar, eles querem mostrar que esse "papo" de mecânica quântica, combinado ao poder transformador dos computadores, provocará uma reviravolta ainda maior que a atual (a da internet etc.)... Você não consegue imaginar? Tudo bem, nem Einstein conseguiu imaginar... [2 Comentário(s)]
>>> A revolução dos q-bits
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Curso Básico de Estatística
Helenalda Nazereth
Helenalda Nazareth
(1989)



A Ascendencia do Homem
David Pilbeam
Melhoramentos
(1977)



Richard Branson: Virgin King
Tim Jackson
Negócio
(1997)



A Encomenda
A. M. Homes
Nova Fronteira
(2007)



Terra Sagrada
Rose Tremain
Rocco
(1992)



Além do bem e do mal
Friedrich Nietzsche
Companhia de Bolso
(2006)



Planejamento Estratégico - Elaboração, Implementação e Execução
Arthur A. Thompson Jr. / A. J. Strickland III
Pioneira
(2000)



A Partilha
Daniel Filho
Objetiva
(2001)



Não Leve a Vida tão a Sério
Hugh Prather
sextante
(2003)



Uso da Acentuação Gráfica
Luiz Agostinho Cadore
Manole
(2008)





busca | avançada
68942 visitas/dia
1,6 milhão/mês