Digestivo nº 421 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
>>> SÁBADO É DIA DE AULÃO GRATUITO DE GINÁSTICA DA SMART FIT NO GRAND PLAZA
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
>>> Alma nordestina, admirável gênio
>>> Estrada do tempo
>>> A culpa é dele
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Bate-papo com Odir Cunha
>>> Entrevista com Sérgio Rodrigues
>>> Leblon
>>> Uma entrevista literária
>>> A ilusão da alma, de Eduardo Giannetti
>>> Salinger, de David Shields e Shane Salerno
>>> O Coronel, o Lobisomem e o Vestibular
>>> O delfim, de José Cardoso Pires
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
>>> #ImpeachemnetPapaFrancisco
Mais Recentes
>>> Chico Xavier Nº 1 Vida e Obra de Vários Autores pela Escala
>>> Terra meus primeiros 4,54 Bilhões de Anos 379 de Stacy McAnulty pela Melhoramentos (2022)
>>> O Ressurgimento de Fátima de Trigueirinho pela Pensamento (1992)
>>> O Patinho Matemático 379 de Jean-Claude Alphen pela Melhoramentos (2017)
>>> Te Quero Verde (ótimo estado) de Ieda Martins De Oliveira pela Cpb (1999)
>>> Roteiro - Pocket de Francisco Cândido Xavier pela Federação Espírita Brasileira (1994)
>>> Com Vacina tudo em Cima 379 de Carme Dolz pela Melhoramentos (2022)
>>> A História do Lobo Solitário 379 de Lúcia Brandão pela Melhoramentos (2022)
>>> A Política do Precariado do Populismo à Hegemonia Lulista de Ruy Braga pela Boitempo (2012)
>>> Nosso corpo é Demais 379 de Tyler Feder pela Melhoramentos (2022)
>>> A Menina e o Vestido de Sonhos 379 de Alexandre Rampazo pela Melhoramentos (2022)
>>> Cosmogênese de Dr. Jorge Adoum pela Feeu (1977)
>>> Araxá - Põe a Mesa - Vol. 2 de Fernando Braga de Araújo pela O Lutador
>>> Os Fundamentos Da Fisica 1- Mecanica - 7ª Ed (muito bom) de Toledo Ramalho, Nicolau pela Moderna (2000)
>>> O Trabalho no Mundo Contemporâneo: fundamentos e desafios para a saúde de Ialê Falleiros Braga, Muza Clara Chaves Velasques e outros (Orgs.) pela Fiocruz (2016)
>>> A Garota que não se Calou de Daré pela Tag (2021)
>>> "Eu Sou" o "Eu Sou" de Ponte Para a Liberdade pela Feeu (1979)
>>> Escravidão Volume 1 de Laurentino Gomes pela Globo Livros (2019)
>>> O Novo Livro de Massagem de Lucy Lidell / Sara Thomas pela Manole (2000)
>>> Ultimate Guide to Link Building de Eric Ward pela Entrepreneur (2013)
>>> Herdeiras do Mar de Mary Lynn Bracht pela Paralele (2020)
>>> A serra do rola-moça de Martinho da Vila pela Zfm (2009)
>>> Sexo, Amor e Sedução (como novo) de Fatima Moura pela Harbra (2006)
>>> Dom Quixote vol. 1 de Miguel de Cervantes pela Abril Cultural (1981)
>>> Potestade de Gleides Giorgio Affonso (Org) pela Átomo (1999)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 26/6/2009
Digestivo nº 421
Julio Daio Borges
+ de 2100 Acessos




Imprensa >>> O fim da obrigatoriedade do diploma no jornalismo
A vida não está fácil para quem é jornalista no Brasil. Depois de décadas de redações se encolhendo e salários se achatando, a internet veio para tornar o profissional tecnicamente obsoleto e, agora, o STF veio para lavrar a obsolescência da profissão em cartório: para trabalhar como jornalista, não é mais necessário se formar em jornalismo (não é mais necessário ter diploma de jornalista) — o que ensejou a conclusão, entre muitos, de que, para trabalhar com jornalismo, não é mais preciso nem... ser jornalista. Sobrou para os blogueiros, claro. Mas não é a mesma "guerra" da outra semana: não é a velha geração querendo manter o controle dos meios e a nova se rebelando, numa disputa entre o mainstream de antes e o de agora. A grita, neste momento, é mais pela sensação, entre universitários, de que o diploma — antes garantia de uma certa "reserva de mercado" — agora não é mais garantia de nada — porque, para trabalhar com jornalismo, aparentemente qualquer diploma de curso superior vale... O argumento está baseado na falta de experiência de quem não conhece o mercado de trabalho e que, portanto, não sabe que nenhum diploma é garantia de nada — em toda e qualquer profissão. A obsolescência dos jornalistas e dos futuros jornalistas (agora em formação) não é a do diploma — está mais ligada à visão romântica de que ainda existem redações de jornal, como as de cinema, quando a prática se aproxima, cada vez mais, do dia a dia dos... blogs! Se um estudante montasse seu veículo on-line, no começo do curso de jornalismo, em alguns anos sairia melhor preparado, para a futura realidade da profissão, do que teóricos das antigas práticas, diagramando com tesoura e cola, discutindo a censura na ditadura militar, apegando-se a suportes, como o papel, virtualmente condenados... O debate, do diploma, deveria alargar suas fronteiras e abordar as verdadeiras questões — o jornalismo não é mais o que era só porque o STF decretou: o jornalismo não é mais o que era porque, no tempo, parou; e não só no Brasil, no mundo todo... [6 Comentário(s)]
>>> STF derruba a obrigatoriedade do diploma de jornalista
 



Artes >>> Jubiabá de Jorge Amado, por Spacca
Albert Camus tinha Jubiabá em alta conta e resenhou-o, observando que Jorge Amado contava 20 e poucos anos quando o escreveu, e, justamente, por "vivê-lo" intensamente foi expulso do Brasil. Depois de relançá-lo, na nova coleção Jorge Amado, a Companhia das Letras edita uma versão quadrinizada por Spacca, dentro do novo selo Quadrinhos na Cia. Apesar de conter todos os principais motivos de Jorge Amado, Jubiabá soa politizado em excesso, depois da queda do Muro de Berlim. O próprio autor deve ter percebido, ainda em vida, que o tema da luta de classes ia se diluindo, enquanto o apelo da existência, dos amores, das aventuras, que tanto encantou Camus, continuava presente na Bahia, no Brasil. Spacca foi fiel e, ao mesmo tempo em que retratou Antônio Balduíno em suas andanças, e variadíssimas ocupações, manteve a conclusão de que o ex-escravo, negro, pobre apenas poderia se redimir através da greve ou da política. Baldo, de certa forma, prenunciou Lula — que embora não seja negro, nem "forro", foi operário, sindicalista e ascendeu por meio da política, e das greves, enfim... O que o herói de Jorge Amado, nem o próprio, previa(m) era a entrada do Brasil nos BRICs, o PIB crescendo a mais de 5% anualmente e a "nova classe média", formada pela emergência das antigas "C" e "D". Ou seja, com o fim das utopias, a solução de Antônio Balduíno caducou, mas, ao mesmo tempo, sua receita inspirou o Brasil e o mundo subdesenvolvido, salvando camadas inteiras da população, ainda que pelo desenvolvimento do mesmo capitalismo... aqui, na Índia, na China. Se a globalização, e os investimentos externos, fizeram mais pelos conterrâneos de Baldo que o discurso de grevistas e sindicalistas (dentro e fora do poder), do ponto de vista humano, o que ainda restará do universo mítico de Jorge Amado na Bahia? Spacca dedicou-lhe um ano e meio. Quanto deveríamos lhe dedicar, a fim de continuar a linhagem romanesca do nosso País? [Comente esta Nota]
>>> Jubiabá
 



Cinema >>> Crepúsculo de Stephenie Meyer, o filme
Parece que cada nova geração precisa de seus próprios vampiros. Nos anos 90, tivemos, em filme, o Lestat, de Anne Rice, encarnado por Tom Cruise. Não era, exatamente, um best-seller da mesma década, como é, agora, com Crepúsculo, de Stephenie Meyer. Entrevista com o Vampiro, o primeiro da série de Rice, foi traduzido por ninguém menos que Clarice Lispector. A adaptação foi mais aguardada do que esta, recente — talvez porque, nas décadas anteriores, o cinema não precisasse apelar para adaptações, até de games, e HQs, para sobreviver. Ainda em matéria de best-sellers, os vampiros de Meyer se saem melhor do que Harry Potter, mitologia de quinta categoria "para crianças". Ninguém que entenda, realmente, do assunto, gostou — a começar por Alan Moore, passando por Harold Bloom. Meyer, por sua vez, escolhe uma heroína blasé, adolescente mal-humorada, envergonhada, outsider. Ou seja, provoca identificação com 99% da plateia, que nunca foi cheerleader, nem "capitão do time". Já seu vampiro... é envergonhado, em igual medida, com medo se ser aceito (por seu amor humano), arrependendo-se dos crimes de sua raça, pedindo que a mocinha se afaste... O que diria Lestat de Edward Cullen? Um vampiro dos tempos da correção política? A gozação, na mídia, ficou por conta da castidade do casal. Um beijo mais ousado pode converter o vampiro em "antropófago"... Um libelo contra a suposta permissividade sexual da "geração internet"? Uma espera de décadas (Edward tem 108), mais meses de amor platônico... para nada acontecer. É uma história de amor mais que uma história de vampiro, no fundo. Afinal, todo adolescente desajeitado quer ser resgatado por alguém que o redima... pelo amor. Você foi aceito. Seu DNA merece sobreviver. Bella Swan vai entregar seu corpo, e sua alma, a Edward Cullen? Respostas em Lua Nova... [1 Comentário(s)]
>>> Crepúsculo
 

 
Julio Daio Borges
Editor
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Livro - O Monge e o Executivo uma História Sobre a Essência da Liderança
James C. Hunter
Sextante
(2004)



Longa jornada noite adentro
Eugene O´Neill
Abril
(1980)



Redes de Computadores - Conceito e Prática 3ªed(2010)
Camila Cecatto da Silva
Viena
(2010)



Coleção de Olho no Mundo Bandeirantes (2000)
Abril
Abril
(2000)



Ser Mãe É Sorrir Em Parafuso
Lô Galasso
Integrare
(2007)



Rei Lear
William Shakespeare
Scipione
(2002)



O Fantasma de Clara
Taylor Caldwell
Clube do Livro
(1987)



Poderosa
Sergio Klein
Fundamento
(2008)



Contabilidade e Finanças para Executivos - Confira!
Oswaldo Doria
Do Autor
(1998)



Livro - A Volta ao Mundo Em Oitenta Dias - Eu Leio
Júlio Verne
Ática
(2000)





busca | avançada
41871 visitas/dia
1,4 milhão/mês