Digestivo nº 444 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
54617 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Indígenas é tema de exposição de Dani Sandrini no SESI Itapetininga
>>> SESI A.E. Carvalho recebe As Conchambranças de Quaderna, de Suassuna, em sessões gratuitas
>>> Sesc Belenzinho recebe cantora brasiliense Janine Mathias
>>> Natália Carreira faz show de lançamento de 'Mar Calmo' no Sesc Belenzinho
>>> Miltinho Edilberto e Mariana Aydar trazem Forró, Flor & Cultura ao Sesc Belenzinho
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
>>> G.A.L.A. no coquetel molotov de Gerald Thomas
>>> O último estudante-soldado na rota Lisboa-Cabul
Colunistas
Últimos Posts
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
>>> Como declarar ações no IR
Últimos Posts
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
>>> Sexta-feira santa de Jesus Cristo.
>>> Fé e dúvida
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A morte do professor de literatura
>>> Guía de lacónicos
>>> Mazelas do coronelismo
>>> Como ler mais livros
>>> Debate Democrata na CNN
>>> A esquerda nunca foi popular no Brasil
>>> Narcos
>>> Dez Anos que Encolheram o Mundo, de Daniel Piza
>>> A minha Flip
>>> O Casulo vai à escola
Mais Recentes
>>> Das Blut des Skorpions de Massimo Marcotullio pela Roman
>>> Projeto Athos; Geografia 8 de Sonia Castellar/ Ana Paula Seferian pela Ftd (2014)
>>> Compromisso Total de Hug Davidson pela Campus (2003)
>>> Estatística Aplicada de Norean R. Sharpe pela Bookman (2011)
>>> Porque os Gerentes Falham 8 Ed de John Mccarthy pela Mcgraw Hill (1988)
>>> Judge & Jury de James Patterson pela Warner Books (2007)
>>> Conecte Literatura Brasileira - Parte 1 de William Cereja; Thereza Cochar pela Saraiva (2013)
>>> Viver é Feito a Mão de Nilma Lacerda pela Positivo (1905)
>>> Tanglewreck - o Guardiao do Tempo de Adriana Lisboa; Jeanette Winterson pela Rocco (2010)
>>> Matemática Básica, 2: Números Fracionários - Frações de Senac pela Senac (2000)
>>> Fazendo História e Cutucando a Memória de José Carlos pela Textonovo (2013)
>>> O Fio da Navalha de Somerset Maugham pela Abril Cultural (1974)
>>> Revisaço - Delegado de Polícia Civil de Rogério Sanches e Outros pela Juspodivm (2013)
>>> Naufrágio Entre Amigos de Eduardo Sabino pela Patuá (2016)
>>> Karma For Todays Traveler de Phra Bhasakorn Bhavilai pela Phra Bhasakorn Bhavilai (2005)
>>> Triste Fim de Policarpo Quaresma de Lima Barreto pela Objetivo
>>> Ginástica Postural Global de E. Souchard pela Martins Fontes
>>> Beauty and the Beast de Richard Northcott pela Helbling (2014)
>>> Caças e Aviões de Ataque Modernos - Guia de Armas de Guerra de Bill Gunston pela Nova Cultural (1986)
>>> Losing Control de Stephen D. King pela Yale University Pres (2010)
>>> Maktub - Coleção Paulo Coelho de Paulo Coelho pela Gold (2006)
>>> Vinho para Leigos de Ed Mccarthy pela Mandarim (1996)
>>> Geografia Geral e do Brasil 3 ª Edição de Harbra pela Paulo Roberto Moraes (2005)
>>> Nosso Século: 1900/1910 - a era dos Bacharéis - 1ª Parte 1º Vol. de Vários Autores pela Abril Cultural (1985)
>>> O Enigma das Palavras de Da Editora pela Ajeb
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 11/12/2009
Digestivo nº 444
Julio Daio Borges

+ de 2200 Acessos




Imprensa >>> O Crash de 2008, por Charles R. Morris
Para quem ainda acha que a crise foi apenas uma "marolinha" ou para quem, simplesmente, quer entender o que ainda está acontecendo, o melhor guia é o de Charles R. Morris, advogado e ex-banqueiro, que sintetizou O Crash de 2008 em pouco mais de 250 páginas e um subtítulo autoexplicativo: "Dinheiro fácil, apostas arriscadas e o colapso global do crédito". Os capítulos, igualmente, falam por si: "A Morte do Liberalismo", "Wall Street Descobre a Religião", "A Terra das Bolhas", "Uma Parede de Dinheiro", "Um Tsunami de Dólares", "A Grande Desmontagem", "Catando os Cacos" e "Recuperando o Equilíbrio". Morris, obviamente, não acha que a crise é de hoje, nem dos anos 2000. Para ele, o último a fazer a lição de casa, no governo americano, foi Paul Volcker, nos anos 80, durante a presidência de Reagan. Morris, a partir daí, condena a doutrina da chamada Escola de Chicago, que levou o mundo à liberalidade de um Alan Greenspan, e mesmo à falta de pulso firme de um Ben Bernanke e, sobretudo, de um Henry Paulson. Com juros extremamente baixos nos Estados Unidos, o planeta se encheu de dólares — mas que não geraram inflação diretamente; na verdade, se dirigiram para o mercado de ações e para o mercado imobiliário. Como consequência, surgiram "bolhas", como a da internet — pois fazer a oferta pública inicial (IPO) era muito mais lucrativo do que trabalhar; e, como consequência da oferta irracional de crédito, era mais lucrativo hipotecar a própria casa, comprar outra financiada (e hipotecar de novo etc.) do que ganhar dinheiro as usual. A avidez dos emprestadores — e do mercado em repassar esses empréstimos — era tamanha que começaram a emprestar até para quem não tinha como pagar... Voilà, o subprime (que é, na tradução, um empréstimo aquém do prime, aquém do "ótimo". "Ruim" querendo passar por "bom")... A farra não poderia durar para sempre; e, de repente, quem não tinha "nem receita, nem emprego e nem patrimônio" (NINJA) não honrou seus empréstimos; e a economia, a partir dos EUA, desabou como um dominó... A parte pior dessa história é que, ao contrário do que parece agora (aos olhos do mundo), os Estados Unidos da América, segundo Charles R. Morris, não fizeram — ainda — sua lição de casa. Para que tudo volte ao "normal", temos de passar por uma recessão — e o que fizemos, até agora, foi protelá-la. O Crash de 2008 indica que alguém vai pagar essa conta. E estamos, neste momento, apenas postergando o inevitável... [1 Comentário(s)]
>>> O Crash de 2008 (Leia o primeiro capítulo)
 



Artes >>> Um enigma chamado Brasil, 29 intérpretes e um país
Embora falar português errado, ostentar ignorância e, quando conveniente, até fingir desinformação estejam muito em moda, houve um tempo em que interpretar o Brasil era, também, um hábito, e algumas das melhores cabeças, do País, se dedicaram a tal. Para quem se acostumou com o desrespeito ao hino (e à bandeira), com o vale-tudo na era da "governabilidade" e com o nível declinante das nossas "lideranças", Um enigma chamado Brasil: 29 intérpretes e um país pode trazer certo alívio, nem que seja para evocar uma época, nem tão distante, de outros homens e de outros "valores". Com organização de Lilia Moritz Schwarcz e André Botelho, o objetivo, desde o título, é apresentar os principais "intérpretes" do Brasil, que tentaram entender o País a partir das áreas em que atuavam. Logo, desde sociólogos e historiadores, pudemos contar, ainda, com notáveis em campos, aparentemente, menos propensos à "interpretação", como a literatura e as artes. Assim, foram chamados pesquisadores contemporâneos para analisar, em ensaios breves, a vida e as ideias desses nossos "interpretadores". Algumas boas surpresas são Maria Alice Rezende de Carvalho falando de André Rebouças, o companheiro de Joaquim Nabuco na campanha abolicionista; Antonio Dimas ressuscitando o combativo, e muitas vezes barroco, crítico Sílvio Romero; Carlos Augusto Calil devolvendo estatura a Paulo Prado, um dos pais do nosso modernismo; Angela de Castro Gomes reabilitando Oliveira Vianna, um conservador essencial; e Robert Wegner revisitando, com muita originalidade, Sérgio Buarque de Hollanda. Não faltam olhares para outros nomes igualmente "canônicos", como Euclides da Cunha, Mário de Andrade, Câmara Cascudo e Gilberto Freyre, embora nem sempre os respectivos capítulos tragam alguma novidade, seja no conteúdo, seja na forma. São questionáveis as homenagens a contemporâneos como Antonio Candido, Roberto Schwarz e até Fernando Henrique Cardoso, mas sua consagração precoce, digamos, não diminui o esforço de se concentrar 500 anos num volume de menos de 500 páginas. Se os nossos governantes, hoje, se recusam a ler, e se condenam a repetir os erros do passado (por mais que haja pujança econômica), podemos, talvez, esperar que os líderes do futuro se disponham a conhecer os homens que pensaram o Brasil antes. [Comente esta Nota]
>>> Um enigma chamado Brasil
 



Além do Mais >>> Psicologia Nova, de Charles F. Haanel
"O que eu mais temia, aconteceu comigo" — é uma frase que está no "Livro de Jó", na Bíblia. Charles F. Haanel, um dos homens mais ricos dos Estados Unidos em sua época, usa-a para ilustrar sua filosofia de vida, que tentou resumir em Psicologia Nova — que a editora Vida & Consciência relança agora, 85 anos depois. Divulgado como o precursor da hoje famosa "lei da atração", Haanel prega, muito antes de O Segredo, que "O homem é o arquiteto de seu destino" — talvez evocando, inconscientemente, Heráclito, para quem caráter era destino. Haanel tampouco sabia, mas antecipou o que, há algum tempo, se chama de programação neurolinguística — pois afirma: "Se você quer alcançar as alturas, negue às coisas baixas o direito de ter sua atenção". Para evocar, dessa vez, Mateus (o mesmo do "Efeito Mateus", do Cisne Negro): "Onde seu tesouro estiver, aí também estará seu coração". Em termos de "administração moderna", poder-se-ia resumir o conselho de Haanel a: "Tenha foco" (e Deus te ajudará). Ou, como preferem os judeus: "Deus ajuda a quem se ajuda" (grifo nosso). E insistindo ainda na conversa sobre "foco", Haanel não é nem um pouco econômico quando declara: "A capacidade de se concentrar é uma das marcas distintivas do gênio". O autor de Psicologia Nova prega, também, uma certa prodigalidade (para com os demais seres humanos): "A fim de que você tenha sucesso, os outros também devem ter sucesso". E, decididamente, não embarca no multitasking: "Para realizar muito, você deve preservar sua energia". Psicologia Nova, como se pode notar, não tem uma estrutura muito definida e não deve ser lida como uma obra que constitui um "sistema", mas, antes, como uma coleção de aforismos, que às vezes podem falar ao leitor, mas que, nas demais situações, não — mesmo porque se acumulam, como num brainstorming (e como se Haanel antecipasse, para completar, a "escrita automática" dos surrealistas). Com capítulos instigantes como "A Psicologia do Sucesso", "A Lei da Abundância" e, naturalmente, "A Lei da Atração", o volume pode ser divertido numa noite de insônia, mas não é um "manual de conduta", como se anuncia. [Comente esta Nota]
>>> Psicologia Nova
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Devarim #38
Vários autores
Narrativa Um
(2019)



Fenomenologia e Teoria Literária
Maria da Glória Bordini
Edusp
(1990)



Obras Completas de Monteiro Lobato Literatura do Minarete
Monteiro Lobato
Brasiliense
(1959)



Der Ruf des Blauen Flusses
Nicole Alexander
Blanvalet Taschenbuch Verlag
(2014)



Psicologia Moderna
Antônio Xavier Teles
Ática
(1995)



Beloved Homes!a Drop in Book of Nine Much Loved Homes
Lena Allblom
Ikea Family
(2007)



Os Contratos Mercantis à Luz do Código Civil
J. A. Peneval Santos
Malheiros
(2006)



Pai Goriot (Coleção Elefante)
Honoré de Balzac
Ediouro
(1972)



O Filósofo Peregrino
Marcos Bulcão
Record
(2014)



Princesinha Sofia (capa Dura)
Catherine Hapka
Abril
(2017)





busca | avançada
54617 visitas/dia
1,8 milhão/mês