Digestivo nº 444 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Contos do Índio e da Floresta estreia dias 03 e 04 de outubro na Sympla Streaming
>>> “Conversa de Criança – Coronavírus” discute o acolhimento das emoções das crianças durante pandemia
>>> São Paulo ganha grafitti gigante que propõe reflexão sobre igualdade racial
>>> Buena Onda Reggae Club faz maratona de shows online a partir de 1ª de outubro
>>> Filó Machado e Felipe Machado dividem o palco em show online pelo CulturaEmCasa
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Meu malvado favorito
>>> A pintura do caos, de Kate Manhães
>>> Nem morta!
>>> O pai tá on: um ano de paternidade
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - I
>>> Contentamento descontente: Niketche e poligamia
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> A desgraça de ser escritor
>>> Um nu “escandaloso” de Eduardo Sívori
>>> Um grande romance para leitores de... poesia
Colunistas
Últimos Posts
>>> A última performance gravada de Jimmi Hendrix
>>> Sebo de Livros do Seu Odilon
>>> Sucharita Kodali no Fórum 2020
>>> Leitura e livros em pauta
>>> Soul Bossa Nova
>>> Andreessen Horowitz e o futuro dos Marketplaces
>>> Clair de lune, de Debussy, por Lang Lang
>>> Reid Hoffman sobre Marketplaces
>>> Frederico Trajano sobre a retomada
>>> Stock Pickers ao vivo na Expert 2020
Últimos Posts
>>> Três tempos
>>> Matéria subtil
>>> Poder & Tensão
>>> Deu branco
>>> Entre o corpo e a alma
>>> Amuleto
>>> Caracóis me mordam
>>> Nome borrado
>>> De Corpo e alma
>>> Lamentável lamento
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A terra das oportunidades
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Two lost souls living in a fish bowl
>>> Brochadas, romance inquietante de Jacques Fux
>>> É Julio mesmo, sem acento
>>> Parangolé: anti-obra de Hélio Oiticica
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> A agonia das semanais nos EUA
>>> Entre a simulação e a brincadeira
>>> É Julio mesmo, sem acento
Mais Recentes
>>> Oratória Acadêmica para Apresentação de TCCs, Dissertações e Teses. de João Adalberto Campato Jr, Roger F. Campato pela HN Publieditorial (2020)
>>> A Vida dos Grandes Compositores de Harold C. Schonberg pela Novo Século (2012)
>>> Não Há Silêncio Que Não ermine de Ingrid Betancourt pela Companhia Das Letras (2010)
>>> Almirante Nelson -0 O Homem que derrotou Napoleão de Armando Vidigal pela Contexto (2012)
>>> No ser DIOS - Una Autobiografía a Cuatro Manos de Gianni Vattimo e Piergiorgio Paterlini pela Paidós Entornos 7 (2008)
>>> Pilares para uma Vida Saudável de Mohamad Barakat pela Vital (2017)
>>> Anticâncer Prevenir e vencer usando nossas defesas naturais de David Servan-Schreiber pela Fontanar (2008)
>>> A Marca da Vitória de Phil Knight pela Sextante (2016)
>>> O Grande Livro da Saúde Natural - 73 Segredos da Cura Sem Remédios de Jolovi Natural Health pela Jalovi Natural (2018)
>>> Slapstick Lonesome no more! de Kurt Vonnegut pela Dell (1976)
>>> Relatos de uma Quarentena de Acioli Junior pela Promove (2020)
>>> Les Fiançailles D'Imogène de Exbrayat pela Champs - Elysees (1971)
>>> Ce Jésus Qu'on Applle Christ de Jacques Loew pela Fayard-Mame (1970)
>>> The Enciclopedia of Reality - A Guide to the New Age de Kalinka Matson pela Granada (1979)
>>> The New Yorker de Owen Smith pela Condé Nast (2020)
>>> A Cada Um o Seu de Leonardo Sciascia pela Objetiva (2007)
>>> Rolling Stone Magazine April 2020 de Greta Thunberg pela Penske (2020)
>>> Wire Magazine 432 February 2020 de The Wire pela The Wire Magazine (2020)
>>> Songlines 107 May 2020 de Moonlight benjamin pela Ma (2020)
>>> Prog Magazine 110 June 2020 de Rick Wakeman pela Future (2020)
>>> Prog Magazine 107 March 2020 de Yes pela Future (2020)
>>> Playboy Magazine Fall 2019 de Kylie Jenner pela Playboy (2019)
>>> Downbeat Magazine April 2020 de Gregory Porter pela Db (2020)
>>> Le Coté de Guermantes de Marcel Proust pela Gllimard (1945)
>>> House & Garden July/August 2020 de Where the Hearts pela Condé Nast (2020)
>>> Uncut Magazine July 2020 de Bob Marley pela Bandlab (2020)
>>> Drogas e Álcool no Local de Trabalho de Drusilla Campbell e Marilyn Graham pela Nórdica (1991)
>>> Uncut Magazine June 2020 de Prnce pela Bandlab (2020)
>>> Uncut Magazine May 2020 de George Harrison pela Bandlab (2020)
>>> Os Deuses subterrâneos de Cristovam Buarque pela Record (2005)
>>> Uncut Magazine December 2019 de Bob Dylan pela Bandlab (2019)
>>> O livro da sabedoria dos pais de Edward Holffman pela Dcl (2010)
>>> O prazer da produção científica de Israel Belo de Azevedo pela Unimep (1998)
>>> O leque de Oxum de Vasconcelos Maia pela Ponte da Memória (2006)
>>> O mar, o Marujo de Mauro a. L. Hespanhol pela Chiado (2012)
>>> Os 4 pilares da lucratividade de Leslie H. Moeller; Edward C. Landry pela Campus (2010)
>>> A fuga de João Goulart de Hélio Silva pela Três (1998)
>>> A Majestade do Xingu de Moacyr Scliar pela Deagostini (2004)
>>> Memórias Sentimentais de João Miramar de Oswald de Andrade pela José Olympio (1973)
>>> Noventa e Três de Victor Hugo pela Otto (1980)
>>> A Queda de Albert Camus pela Circulo do Livro (1986)
>>> Você - A idéia mais fantástica de Deus de Max Lucado pela Thomas Nilson (2007)
>>> The abolition of the Brazilian slave trade de Leslie Bethell pela Cambridge University Press (2009)
>>> O processo de Franz Kafka pela Globo (1997)
>>> A brincadeira de Milan Kundera pela Circulo do Livro (1967)
>>> Vôo Noturno de A. de Saint - Exupery pela Circulo do Livro (1985)
>>> A Segunda Dama de Irving Wallace pela Circulo do Livro (1980)
>>> O RETRATO DE dORIAN gray de Oscar Wilde pela Circulo do Livro (1975)
>>> Os Condenados da Terra de Frantz Fanon pela Ufjf (2006)
>>> Imaginologia e radiologia odontológica - 4D de Plauto Watanabe pela GEN Guanabara Koogan (2013)
DIGESTIVOS

Sexta-feira, 11/12/2009
Digestivo nº 444
Julio Daio Borges

+ de 2000 Acessos




Imprensa >>> O Crash de 2008, por Charles R. Morris
Para quem ainda acha que a crise foi apenas uma "marolinha" ou para quem, simplesmente, quer entender o que ainda está acontecendo, o melhor guia é o de Charles R. Morris, advogado e ex-banqueiro, que sintetizou O Crash de 2008 em pouco mais de 250 páginas e um subtítulo autoexplicativo: "Dinheiro fácil, apostas arriscadas e o colapso global do crédito". Os capítulos, igualmente, falam por si: "A Morte do Liberalismo", "Wall Street Descobre a Religião", "A Terra das Bolhas", "Uma Parede de Dinheiro", "Um Tsunami de Dólares", "A Grande Desmontagem", "Catando os Cacos" e "Recuperando o Equilíbrio". Morris, obviamente, não acha que a crise é de hoje, nem dos anos 2000. Para ele, o último a fazer a lição de casa, no governo americano, foi Paul Volcker, nos anos 80, durante a presidência de Reagan. Morris, a partir daí, condena a doutrina da chamada Escola de Chicago, que levou o mundo à liberalidade de um Alan Greenspan, e mesmo à falta de pulso firme de um Ben Bernanke e, sobretudo, de um Henry Paulson. Com juros extremamente baixos nos Estados Unidos, o planeta se encheu de dólares — mas que não geraram inflação diretamente; na verdade, se dirigiram para o mercado de ações e para o mercado imobiliário. Como consequência, surgiram "bolhas", como a da internet — pois fazer a oferta pública inicial (IPO) era muito mais lucrativo do que trabalhar; e, como consequência da oferta irracional de crédito, era mais lucrativo hipotecar a própria casa, comprar outra financiada (e hipotecar de novo etc.) do que ganhar dinheiro as usual. A avidez dos emprestadores — e do mercado em repassar esses empréstimos — era tamanha que começaram a emprestar até para quem não tinha como pagar... Voilà, o subprime (que é, na tradução, um empréstimo aquém do prime, aquém do "ótimo". "Ruim" querendo passar por "bom")... A farra não poderia durar para sempre; e, de repente, quem não tinha "nem receita, nem emprego e nem patrimônio" (NINJA) não honrou seus empréstimos; e a economia, a partir dos EUA, desabou como um dominó... A parte pior dessa história é que, ao contrário do que parece agora (aos olhos do mundo), os Estados Unidos da América, segundo Charles R. Morris, não fizeram — ainda — sua lição de casa. Para que tudo volte ao "normal", temos de passar por uma recessão — e o que fizemos, até agora, foi protelá-la. O Crash de 2008 indica que alguém vai pagar essa conta. E estamos, neste momento, apenas postergando o inevitável... [1 Comentário(s)]
>>> O Crash de 2008 (Leia o primeiro capítulo)
 



Artes >>> Um enigma chamado Brasil, 29 intérpretes e um país
Embora falar português errado, ostentar ignorância e, quando conveniente, até fingir desinformação estejam muito em moda, houve um tempo em que interpretar o Brasil era, também, um hábito, e algumas das melhores cabeças, do País, se dedicaram a tal. Para quem se acostumou com o desrespeito ao hino (e à bandeira), com o vale-tudo na era da "governabilidade" e com o nível declinante das nossas "lideranças", Um enigma chamado Brasil: 29 intérpretes e um país pode trazer certo alívio, nem que seja para evocar uma época, nem tão distante, de outros homens e de outros "valores". Com organização de Lilia Moritz Schwarcz e André Botelho, o objetivo, desde o título, é apresentar os principais "intérpretes" do Brasil, que tentaram entender o País a partir das áreas em que atuavam. Logo, desde sociólogos e historiadores, pudemos contar, ainda, com notáveis em campos, aparentemente, menos propensos à "interpretação", como a literatura e as artes. Assim, foram chamados pesquisadores contemporâneos para analisar, em ensaios breves, a vida e as ideias desses nossos "interpretadores". Algumas boas surpresas são Maria Alice Rezende de Carvalho falando de André Rebouças, o companheiro de Joaquim Nabuco na campanha abolicionista; Antonio Dimas ressuscitando o combativo, e muitas vezes barroco, crítico Sílvio Romero; Carlos Augusto Calil devolvendo estatura a Paulo Prado, um dos pais do nosso modernismo; Angela de Castro Gomes reabilitando Oliveira Vianna, um conservador essencial; e Robert Wegner revisitando, com muita originalidade, Sérgio Buarque de Hollanda. Não faltam olhares para outros nomes igualmente "canônicos", como Euclides da Cunha, Mário de Andrade, Câmara Cascudo e Gilberto Freyre, embora nem sempre os respectivos capítulos tragam alguma novidade, seja no conteúdo, seja na forma. São questionáveis as homenagens a contemporâneos como Antonio Candido, Roberto Schwarz e até Fernando Henrique Cardoso, mas sua consagração precoce, digamos, não diminui o esforço de se concentrar 500 anos num volume de menos de 500 páginas. Se os nossos governantes, hoje, se recusam a ler, e se condenam a repetir os erros do passado (por mais que haja pujança econômica), podemos, talvez, esperar que os líderes do futuro se disponham a conhecer os homens que pensaram o Brasil antes. [Comente esta Nota]
>>> Um enigma chamado Brasil
 



Além do Mais >>> Psicologia Nova, de Charles F. Haanel
"O que eu mais temia, aconteceu comigo" — é uma frase que está no "Livro de Jó", na Bíblia. Charles F. Haanel, um dos homens mais ricos dos Estados Unidos em sua época, usa-a para ilustrar sua filosofia de vida, que tentou resumir em Psicologia Nova — que a editora Vida & Consciência relança agora, 85 anos depois. Divulgado como o precursor da hoje famosa "lei da atração", Haanel prega, muito antes de O Segredo, que "O homem é o arquiteto de seu destino" — talvez evocando, inconscientemente, Heráclito, para quem caráter era destino. Haanel tampouco sabia, mas antecipou o que, há algum tempo, se chama de programação neurolinguística — pois afirma: "Se você quer alcançar as alturas, negue às coisas baixas o direito de ter sua atenção". Para evocar, dessa vez, Mateus (o mesmo do "Efeito Mateus", do Cisne Negro): "Onde seu tesouro estiver, aí também estará seu coração". Em termos de "administração moderna", poder-se-ia resumir o conselho de Haanel a: "Tenha foco" (e Deus te ajudará). Ou, como preferem os judeus: "Deus ajuda a quem se ajuda" (grifo nosso). E insistindo ainda na conversa sobre "foco", Haanel não é nem um pouco econômico quando declara: "A capacidade de se concentrar é uma das marcas distintivas do gênio". O autor de Psicologia Nova prega, também, uma certa prodigalidade (para com os demais seres humanos): "A fim de que você tenha sucesso, os outros também devem ter sucesso". E, decididamente, não embarca no multitasking: "Para realizar muito, você deve preservar sua energia". Psicologia Nova, como se pode notar, não tem uma estrutura muito definida e não deve ser lida como uma obra que constitui um "sistema", mas, antes, como uma coleção de aforismos, que às vezes podem falar ao leitor, mas que, nas demais situações, não — mesmo porque se acumulam, como num brainstorming (e como se Haanel antecipasse, para completar, a "escrita automática" dos surrealistas). Com capítulos instigantes como "A Psicologia do Sucesso", "A Lei da Abundância" e, naturalmente, "A Lei da Atração", o volume pode ser divertido numa noite de insônia, mas não é um "manual de conduta", como se anuncia. [Comente esta Nota]
>>> Psicologia Nova
 

 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




MA PRIMIÈRE ENCYCLOPÉDIE SUR LES ANOMAUX
DENISE RYAN
PICCOLIA
(2008)
R$ 34,31



IMAGEM VERDADEIRA E FENÔMENO VOL: 4
MASAHARU TANIGUCHI
SEICHO-NO-IE
(1999)
R$ 15,99



MINHAS VIDAS
SHIRLEY MACLAINE
RECORD
(1983)
R$ 15,02



MANUAL DE TERAPÊUTICA PSIQUIÁTRICA: PSICOFARMACOLOGIA NA PRÁTICA
RICHARD J. SHADERS
ATHENEU
(1983)
R$ 16,82



CAÇADORES DE VÍRUS
ED REGIS
OBJETIVA
(1997)
R$ 15,00



MITOLOGIA. DEUSES, HERÓIS E LENDAS
OUTROS AUTORES; MAURÍCIO HORTA
ABRIL
(2012)
R$ 6,90



GIROFLE GIROFLA
CECILIA MEIRELES
MODERNA
(1981)
R$ 5,00



MINIDICIONÁRIO AURÉLIO DA LÍNGUA PORTUGUESA
DIVERSOS
NOVA FRONTEIRA
(1993)
R$ 15,00



TEX EDIÇÃO ESPECIAL - 1993 - A MARCA DA SERPENTE - 8063
GIANLUIGI BONELLI E AURELIO GALLEPPINI
GLOBO
(1993)
R$ 17,00



MOVIMENTO ZERO HORA (SEGUNDA ANTOLOGIA DE TEATRO VI) - NERY GOMIDE (ORG.) (TEATRO BRASILEIRO)
NERY GOMIDE (ORG.)
CO-EDIÇÃO DOS AUTORES
(1981)
R$ 15,00





busca | avançada
74210 visitas/dia
2,2 milhões/mês