Digestivo nº 56 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês
Mais Recentes
>>> Mulheres detêm o poder do mundo em eletrizante romance de Naomi Alderman
>>> Comédia Homens no Divã faz curta temporada no Teatro Municipal Paulo Eiró
>>> Ballet Acadêmico da Bahia apresenta STAR DANCE no TCA, dia 07/06 às 20h
>>> Zé Eduardo faz apresentação no Teatro da Rotina, dia 30.05
>>> Revista busca artigos inspirados no trabalho de professores
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
>>> Primavera para iniciantes
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> De Middangeard à Terra Média
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> O pai da menina morta, romance de Tiago Ferro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
>>> Psiu Poético em BH esta semana
Últimos Posts
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
>>> Publicando no Observatório de Alberto Dines
>>> Entre a esperança e a fé
>>> Tom Wolfe
>>> Terra e sonhos
>>> Que comece o espetáculo!
>>> A alforja de minha mãe
>>> Filosofia no colégio
>>> ZERO ABSOLUTO
>>> Go é um jogo mais simples do que imaginávamos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Lobato e modernistas: uma história mal-contada
>>> Dos sentidos secretos de cada coisa
>>> Nobel, novo romance de Jacques Fux
>>> Entrevista da Camille Paglia
>>> Primavera para iniciantes
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Batchan, elas são lindas...
>>> Meu cinema em 2010 ― 2/2
>>> Doente de tanto saber
Mais Recentes
>>> A Escrita da História - Novas Perspectivas
>>> O Pensamento de Farias Brito
>>> O Eneagrama no Amor e no Trabalho
>>> História das Literaturas-História Literária de Portugal Volumes 1 e 2
>>> Dicionário Biográfico Musical
>>> Novo Mundo dos Trópicos
>>> Francis Bacon, Descartes e Spinoza
>>> A Verdade como Regra das Ações
>>> A Grande Aventura Masculina
>>> La Dimension Cachée
>>> Segure o grito!
>>> Onde tem bruxa tem fada....
>>> Os bichos que eu tive
>>> Oo empinador de estrelas
>>> D.E.P. - diplomacia, estrategia politica
>>> Mais respeito, eu sou crianca
>>> Escritos dos 15 anos
>>> Droga de Americana
>>> Cecilia Meireles colecao melhores poemas
>>> As confusoes de aninha
>>> A volta do passaro encantado
>>> Os grandes experimentos cientificos
>>> Noçõeds de direito público e privado
>>> Temas de filosofia
>>> Herança
>>> Terra sonambula
>>> Tarsila e o papagaio Juvenal
>>> Sagarana
>>> Sagarana
>>> Quarto de despejo
>>> Petrus Logus os guardiao do tempo
>>> Poemas Negros
>>> Os sofrimentos do jovem werther
>>> O centauro no Jardim
>>> Historia do cerco de Lisboa
>>> Pequena Filocalia
>>> Antologia poética e inéditos
>>> O processo do tenente Ieláguin
>>> Extraordinario
>>> A teus pes
>>> A Mamãe é Rock
>>> O Papai é Pop 2
>>> Teologia Bíblica do Antigo Testamento. Uma História da Religião de Israel na Perspectiva Bíblico TeológiIca
>>> O terror
>>> Depois da queda
>>> Origem
>>> Os impunes
>>> Mundo dos sonhos realidade e imaginação
>>> A Literatura no Brasil- Volume 4
>>> A Literatura no Brasil- volume 6
DIGESTIVOS

Terça-feira, 13/11/2001
Digestivo nº 56
Julio Daio Borges

+ de 3200 Acessos
+ 4 Comentário(s)




Imprensa >>> Capitanias Hereditárias
Parece incrível mas conseguiram colocar Roseana Sarney no segundo lugar, com 20% das intenções de voto, entre o rol dos pré-candidatos à Presidência da República. A política nacional tem dessas reviravoltas, desafiando a criatividade até mesmo dos terroristas de Bin Laden. É desanimador. Quando se pensa que os meios de comunicação amadureceram, prometendo apurações mais rigorosas de fenômenos de fim-de-semana (como esse), eis que surge uma ilustre desconhecida (pelo menos fora do Norte e Nordeste), na capa dos principais semanários de Pindorama. Pouco mais de dez anos sem Sir Ney, estamos prestes a reeleger a família, que é sinônimo do nosso atraso histórico, só porque Roseana é bonitinha, tem a saúde debilitada e aparece nos comerciais de Nizan Guaranaes sem falar nenhuma palavra. Em boca fechada não entra mosca. O brasileiro médio continua julgando pelas aparências. Nesse aspecto, ninguém precisa se preocupar: Serra, Lula, Brizola, etc., não têm a menor chance de ganhar, são muito desagradáveis esteticamente. Nem mesmo Ciro Gomes, apesar da Patrícia Pillar. O País vive, ao mesmo tempo, um deslumbramento ante as candidatas mulheres, que – supostamente livres das paixões da testosterona – trariam mais serenidade a um governo hipotético. Marta Suplicy está aí para provar: as únicas notícias, que se tem dela, referem-se às suas disputas com os vereadores, com o próprio PT, e com o ex-marido de décadas. Uma TPM que dura meses. Enfim. Os modismos e as ondas são sempre abomináveis, toda a unanimidade é burra. O que há de mais lastimável, porém, nesse episódio todo, é que – depois de tudo – ainda seja aventada a possibilidade, mesmo que brincalhona, de se trazer os Sarney de volta para o Planalto. Será que todo mundo esqueceu do bordão “brasileiros e brasileiras”? Da inflação de mais de 80% ao mês? Da “conversa ao pé do rádio”? Dos “Marimbondos de Fogo”? De um “poeta” que, dentro da América Latina, falava em “ranelas” (ventanas) e “desinvuelvimiento” (desarrollo)? De uma primeira-dama que desfilava, no Exterior, com anéis no dedão? Da salada de cruzeiros, cruzados e cruzados novos? Do “tem que dar certo”? Da ferrovia Norte-e-Sul? Dos “fiscais do Sarney”? Sim, são lembranças de causar engulhos. Mas antes passar mal agora do que depois. [Comente esta Nota]
>>> Veja
 



Música >>> Tudo é tudo, e nada é nada
Apesar de um cartaz de tamanho considerável na porta de algumas lojas de disco, muita gente não entende o que vem a ser o Gorillaz. É mais uma daquelas campanhas publicitárias que a indústria fonográfica considera “auto-explicativas”, mas que se perde na miríade de subentendidos ou referências. Um jipe, um macaco, um sujeito com cara de mau. Será um desenho animado? Tons de verde, padrões quadriculados que lembram uma calça de camuflar do exército. Mais um “game” tendo a guerra como tema? Rebeldes sem causa pichando muros, aquele ar de subúrbio. Um novo autor de história em quadrinhos que é sensação no Japão? Não, não e não. Mas podia ser. O Gorillaz, na verdade, resumindo, é o projeto paralelo de Damon Albarn, líder do Blur, aquela banda que já foi cool e que emplacou There’s No Other Way, há dez anos atrás. Desta vez, ele se juntou a outras cabeças e criou um conjunto em que todos os integrantes são personagens virtuais: o baixista esteve preso; o vocalista quase morreu atropelado; o baterista ficou quatro anos em coma; e a guitarrista é uma oriental anã que chegou pelo correio encaixotada. Essas pessoas só existem na internet, mas lançaram um CD. Em termos musicais, “os” Gorillaz padecem de um certo ecletismo que cansa um pouco. Descobriram – como muitos outros artistas – que o compact disc abriga até 80 minutos, de modo que é quase impossível ouvir-lhes as 17 faixas. Começam com “levadas” de baixo e bateria, evocando Beastie Boys. Passam pela crueza punk, num crossover de Sex Pistols e Toy Dolls. Resvalam no reggae e no niilismo à inglesa. Terminam atirando para todos os lados, com tecno, Ibrahim Ferrer (o herói do Buena Vista), e sopros que se inspiraram nas séries de tevê. Por Albarn ser um sujeito talentoso, sobram alguns bons momentos. O álbum fica, no entanto, como símbolo de uma era que quer ser tudo e que acaba sendo nada. A era atual. [Comente esta Nota]
>>> Gorillaz.com
 



Além do Mais >>> Pais e Filhos
Qualquer um que visita as bancas regularmente pode perceber a onda das “revistas finas”. São publicações de baixo custo, em cores fortes, com 50 ou 60 páginas, tendo redação, editoração e diagramação quase que artesanais. Dois grandes nomes nesse setor são a Digerati Editorial e a Editora Europa. Ambas publicam periódicos sobre tecnologia (informática, internet) e sobre variedades (viagens, paisagens, bobagens). O grande atrativo, na maioria dos casos, é a inclusão de um CD ou CD-ROM com utilitários, filmes ou músicas. A pessoa que adquire a revista, leva um brinde que cabe dentro da sua área de interesse: o usuário de computador ganha um programa ou um “demo”; o viajante ganha um videoclipe ou fotos do paraíso que planeja visitar; o jovem musicista ganha as faixas que o seu artista predileto ainda não lançou. O que mais interessa, nesse fenômeno “jornalístico”, é que ele se situa em algum lugar entre a imprensa tradicional (rígida, engessada, antiga) e a World Wide Web (flexível, permissiva, up-to-date). As citadas “revistas finas” não seguem as regras do “bom jornalismo”, não são feitas essencialmente por “jornalistas”, tendo um caráter meramente informativo, sem a pretensão de “formar” quem lê. Por outro lado, como a mídia eletrônica, ultrapassam o que é considerado dentro da lei, navegam à beira da ilegalidade, perseguindo o que há de mais atual e moderno, nem sempre separando o joio do trigo. Com equipes muito jovens, no entanto, carregam aquele espírito aventureiro (de quem empreende alguma coisa na Web), reduzindo os custos praticamente a zero. E é nesse aspecto, mais do que em qualquer outro, que as “revistas finas” batem as grossas, as de capa dura, as de fotos superproduzidas e textos intermináveis dos nossos medalhões. Se as receitas na internet se converteram numa quimera, é nesse terreno (o das bancas de jornal) que se dará o enfrentamento entre as novas e as velhas gerações. [Comente esta Nota]
>>> Editora Europa
 



Gastronomia >>> Cum, Panis, Cumpanio, Compagnon, Companhia
Olivier Anquier, o padeiro mais celèbre du Brésil, está comemorando 2 anos do seu Diário, programa semanal de gastronomia, no GNT. De repente, várias curiosidades irrompem a seu respeito: como é que um dono de panificadora francês, de uma hora para outra, ascende ao jet set dos comes & bebes brasileiros? o que o trouxe ao País? como se deu sua ligação com a Beth Balanço, Déborah Bloch? que tipo de marketing ele faz, se não está em quase nenhum guia ou revista, e divide espaço com muitas outras marcas numa única filial do Pão de Açúcar? Para responder a essas perguntas, convém visitar o supracitado supermercado, na rua Afonso Brás, e investigar pessoalmente. Lá chegando, atendentes vestidos a caráter estão à disposição para apontar os produtos de Monsieur Anquier, e pronunciar seu nome corretamente (“Oliviê Anquiê”). Tudo se resume a uma cesta com baguetes extravagantes e pães em forma de hemisfério, recheados com tomate seco e azeitonas pretas. Mas é só? O homem de chapeuzinho branco aponta para uma vitrine de doces e salgados. Ali, o cliente pode degustar croissants, folheados e enrolados (recomenda-se os sabores: chocolate, maçã e queijo). Não é necessário, no entanto, consumir os referidos itens em meio a pães-de-forma, pães-de-mel, geléias e outros quitutes mais, o sujeito pode se encaminhar para o piso superior e saborear suas compras (mais uma bebidinha) no Bravo Café. Nesse mesmo local, mesas estão dispostas e o visitante pode folhear um exemplar de “Pães de França”, em que Matinas Suzuki e Constanza Pascolato rendem elogios o chef Olivier, que também conta a sua história. Depois dos prelúdios e da História do Pão (propriamente dito), fica-se sabendo que o homem já foi filho de médico, mau aluno, disc-jóquei, top model, restaurateur em Jericoacoara e Santa Catarina (quando conheceu a filha de Jonas Bloch). Está no Brasil porque é o único lugar em que se sente em casa, e tem uma mãe que, igualmente padeira, faz o maior sucesso na Austrália. Que coisa! O homem até que é cativante. E simpaticão. Entende de comida mesmo. Como a gente se engana com as pessoas... [Comente esta Nota]
>>> Olivier Anquier
 



Cinema >>> The Whole In The Wall Gang
O que trinta anos não fizeram com Paul Newman e Robert Redford, os protagonistas de Butch Cassidy and The Sundance Kid, agora em DVD. O primeiro virou pipoca de microondas e andou se arrastando na performance de O Indomável, de 1994. O segundo está na lista de Sônia Braga e, analisando bem, serviu de grande inspiração para Bill Clinton (quando este posava de sobrancelhas arqueadas, sorrisinho e boca entreaberta). Mas o filme é bonito. Tem todo aquele romantismo da bandidagem no tempo das diligências. (É de se apostar que o cinema tenha sido uma influência malévola para toda essa juventude que quis viver de ganhos fáceis, depois de tanto assalto a trem e a banco.) A seqüência de Raindrops Keep Fallin' On My Head, com Paul Newman carregando Katharine Ross na bicicleta, é de um lirismo que se tornou até banal (posto que indefinidamente replicado em videoclipes e em propagandas de cigarro). Mas ajuda a compor um longa de belas cenas (não à toa o Oscar de fotografia). A história é a de dois assaltantes do Velho Oeste que, depois de muitos golpes, são procurados e perseguidos incansavelmente até a Bolívia, até a morte (numa emboscada que fecha a fita com chave de ouro). Suscita reflexões sobre o viver à margem da sociedade, ser um “outlaw”. Hoje em dia seria impossível, pois não se faz nada sem identificação, cartão de crédito e declaração de imposto de renda. A produção impressiona por ter sido realizada em 1969 e, no gênero Western, permanecer – tecnicamente – insuperável. Vale também como viagem pelas belas paisagens dos Estados Unidos. E para cantar Burt Bacharach, é claro. [Comente esta Nota]
>>> Butch Cassidy and the Sundance Kid
 
>>> DIGA O SEU NOME E A CIDADE DE ONDE ESTÁ FALANDO
Garotinha anônima, de São Paulo, levada ao banheiro pelas mãos do pai: “Ai, meu Deus! Pai, por quê é que você foi fazer isso comigo? É de menino!”
 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
13/11/2001
11h24min
Gostei do texto sobre Rosena. è bom lembrar que o seu pai, Marimbodo Sarney de Fogo, danou muito nossa nação com o seu governo. Lembremos que lançou mao de MP para possibilitar calote de inquilinos por nao se poder cobrar dos fiadores os alugueres- ganhava-se açao mas nao se levava. Continuem com lembranças assim. Brasileiro tem memoria curta.
[Leia outros Comentários de jorge r. moreira]
13/11/2001
11h47min
Julio, É mesmo inadimissível que a imprensa em geral, e a Veja em particular, promova este tipo de campanha "branca" para candidatos sem história nenhuma, gente que aparece num fim-de-semana, com aquela estampa de comercial de banco. Quando fizeram isto com o Collor, tinham, como desculpa (esfarrapada), a ingenuidade/deslumbramento frente a um processo de eleições diretas. Dá-se um desconto. Comeram mel, se lambuzaram e o resto é história. Agora, não dá mais pra engolir. Lá se vão mais de 10 anos, queremos mais maturidade. Porém, há duas outras opiniões expressadas por você com os quais eu não concordo: Sexo e Hereditariedade. Nem testosterona, nem TPM, nem as atitudes dos pais, devem ser fatores de qualificação/desqualificação de um candidato a Presidência de um país. Precisamos amadurecer nisto também. Passar a julgar as pessoas públicas, candidatas a cargos eletivos, por seus próprios atos, seu passado, sua história, enfim, por seu curriculum vitae e suas propostas. Afinal elas(eles) é que vão estar la na frente definindo nosso futuro. Abraços, Ana.
[Leia outros Comentários de Ana Veras]
13/11/2001
1078. Roseana
20h35min
Julio, ótima a coluna sobre a Roseana Sarney. O Brasil é mesmo uma palhaçada... e o pior é que a Veja, com outros meios de comunicação, pode realmente eleger uma coitada dessas... Parabéns !
[Leia outros Comentários de Juliano Maesano]
6/12/2001
15h02min
Apesar do atraso (1 mês) quero dar o meu palpite sobre as revistas "magras" e "gordas". Acho que apenas seguem tudo o mais que está acontecendo em todas as áreas de educação, informação e formação das pessoas. Já repararam nas edições "comentadas" de clássicos para o vestibular? É a mesma coisa. É o fast-food da leitura, a palavra por quilo, ou o nome que queiram dar. É a informação possível na velocidade que o jovem (acha que) quer, o que resulta numa profundidade de lâmina de barbear deitada sobre a mesa. Sonia Pereira
[Leia outros Comentários de Sonia Pereira]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




COLÔNIA CECÍLIA - RENATA PALLOTTINI (TEATRO ANARQUISTA)
RENATA PALLOTTINI
ACHIAMÉ
(2001)
R$ 10,00



O CURUMIM DOURADO (LITERATURA INFANTO-JUVENIL)
JOSÉ ARRABAL
FTD
(1990)
R$ 4,00



FRANK MILLER RONIN Nº 4
DC COMICS
DC COMICS
R$ 7,00



O DIÁRIO DE
LARISSA MANOELA
NOVA FRONTEIRA
(2016)
R$ 10,00



O NATAL DE POIROT
AGATHA CHRISTIE
RECORD
(1987)
R$ 8,00



CRISTIANÍSMO - SÉRIE CONHECENDO AS RELIGIÕES
VÁRIOS AUTORES
TODOLIVROS / BRASILLEITURA
(2012)
R$ 5,00



MANGÁ VARIANTE REQUIEM FOR THE WORLD Nº 3
IQURA SUGIMOTO
SAMPA ARTE / LAZER
(2004)
R$ 11,90



A HISTÓRIA DE LULA, O FILHO DO BRASIL
DENISE PARANÁ
OBJETIVA
(2009)
R$ 16,99
+ frete grátis



FALA SÉRIO! VOCÊ TAMBÉM NÃO ESTÁ A FIM DELE
IAN KERNER
BEST SELLER
(2006)
R$ 36,04



ORÁCULO DOS ANJOS
AMBIKA WAUTERS
MADRAS
R$ 30,00





busca | avançada
22858 visitas/dia
708 mil/mês