Digestivo nº 59 | Julio Daio Borges | Digestivo Cultural

busca | avançada
32166 visitas/dia
773 mil/mês
Mais Recentes
>>> Recordar é TV resgata conteúdo histórico sobre futebol em série temática
>>> Trilha de Letras estreia segunda temporada nesta terça (19) na TV Brasil
>>> Sessão da peça infantil
>>> Consulado Geral da Hungria promove na capital paulista:
>>> Monja Cohen, Rabino Schlesinger e Gilberto Dimenstein vão debater sobre a mentira como um obstáculo
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um Furto
>>> Mais outro cais
>>> A falta que Tom Wolfe fará
>>> O massacre da primavera
>>> Reflexões sobre a Liga Hanseática e a integração
>>> A Fera na Selva, filme de Paulo Betti
>>> Raio-X do imperialismo
>>> Cães, a fúria da pintura de Egas Francisco
>>> O Vendedor de Passados
>>> A confissão de Lúcio: as noites cariocas de Rangel
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> O alívio das vias aéreas
>>> PRESSÁGIOS. E CHAVES II
>>> Honra ao mérito
>>> Em edição 'familiar', João Rock chega à 17ª edição
>>> PATÉTICA
>>> Presságios. E chaves III
>>> Minha história com Philip Roth
>>> Lars Von Trier não foi feito para Cannes
>>> O brasileiro e a controvérsia
>>> Greve de caminhoneiros e estupidez econômica
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ivan Angelo e a experiência da reescrita
>>> Ivan Angelo e a experiência da reescrita
>>> Sexo e luxúria na antiguidade
>>> Sexo e luxúria na antiguidade
>>> Sexo e luxúria na antiguidade
>>> Conversas com Paul Rand, por Michael Kroeger
>>> A vitrola de Jaime Prado Gouvêa
>>> Público, massa e multidão
>>> Sobre o Ronaldo gordo
>>> Jackie O., editora
Mais Recentes
>>> Ana Elisa Egreja
>>> Suporte Nutricional Parental e Enteral
>>> Os Cem Melhores Contos Brasileiros do Século
>>> Ilíada: a guerra de Tróia
>>> Um Certo Capitão Rodrigo
>>> Sobrevivi para Contar
>>> O Vôo Do Hipopótamo - Coleção Descobrindo Clássicos
>>> Rio Antigo - confissões de um assassino na Belle Epoque
>>> Os Deuses do Olimpo
>>> Boni & Amaral: Guia dos Guias - Restaurantes 2014
>>> Amor de Capitu
>>> Muito Longe De Casa
>>> Da elite ao povo: Advento e ...
>>> Um Grito de Amor do Centro do Mundo
>>> Elementos de teoria geral do Estado
>>> Stupid White Men : Uma nação de idiotas
>>> Métodos de Laboratório
>>> Dom Quixote de La Mancha
>>> Essa Cara Não Me É Estranha e Outros Poemas
>>> Hiperatividade Eficaz - Uma Escolha Consciente
>>> Things Are What You Make of Them: Life Advice for Creatives
>>> O Caminho Sombrio das Drogas e a Libertação do Espírito
>>> Manuelzão e Miguilim
>>> Agora ou na Terra do Nunca
>>> Pérola No Parque
>>> Prazer de Viver
>>> Andante com Morte
>>> As outras faces do sagrado: protestantismo e cultura ...
>>> Abra Sua Mente, Abra Sua Vida
>>> Capitão Kidd
>>> Filho do Homem, põe-te em pé
>>> Herança de Sangue - Guerra das Rosas 3
>>> O Redemoinho da Imprensa
>>> Negociaçâo - Fortalecendo O Processo
>>> Negociação - Fortalecendo O Processo
>>> Você é um vencedor, acredite!
>>> Vestido de Noiva
>>> Viver A Vida
>>> Faça Sua Luz Brilhar
>>> Bartolomeu: A vida gloriosa e os feitos memoráveis...
>>> Paula
>>> El Cementerio de Praga
>>> Meu filho nasceu no além
>>> Minha Família, o Mundo e Eu
>>> O avatãra dourado
>>> Tudo que eu queria te dizer
>>> Uma Prova do Céu: A jornada de um neurocirurgião à vida após a ..
>>> Morreram E Voltaram Para Contar
>>> Obsessão - Assédio por Espíritos
>>> Harry Potter e o cálice de fogo
DIGESTIVOS

Quarta-feira, 5/12/2001
Digestivo nº 59
Julio Daio Borges

+ de 1900 Acessos
+ 5 Comentário(s)




Imprensa >>> À Sua imagem e semelhança
A clonagem está em pauta novamente. Segundo os entendidos, uma discussão ao mesmo tempo nova e velha. “Nova” (ou precoce) porque o mundo não está tecnologicamente preparado para clonar um ser humano. (Drauzio Varella, por exemplo, estima que os primeiros experimentos só começarão em 10 ou mais anos.) E “velha” porque esse blablablá moralista não tem o menor cabimento na cabeça dos cientistas. Conforme explica, mais uma vez, o autor de Estação Carandiru, todo o processo se resume em pegar uma célula (um espermatozóide ou um óvulo) e trocar seu núcleo. Não há vida humana envolvida. Nenhuma questão ética a ser discutida. No seu ponto de vista, é muito mais “grave” (dentro do que argumenta, approposito, a Igreja) transplantar órgãos do que intercambiar material genético. Talvez ele tenha razão, mas o fato é que a população “leiga” (ou “laica”) ainda não está suficientemente familiarizada com essas revoluções, necessitando, como os escolásticos, de séculos para entender esse mistério que se compara ao da santíssima trindade: dois em um; três em um; dois de um; três de um. Doutor Drauzio garante que o problema da “alma” é fácil de resolver: cada pessoa se forma a partir do ambiente em que nasce, cresce e se desenvolve, tendo os genes muito pouco a ver com isso. E, na verdade, se formos analisar os bilhões de dólares investidos em cada projeto, não haverá Cristo que impedirá a manipulação de DNAs, como se fez com os transgênicos (apesar da polêmica), nos próximos decênios. Já estão chamando o século XXI de Século da Biotecnologia. Os cenários de “1984”, “Admirável Mundo Novo” e – como sempre – do Nazismo (da Eugenia) persistem, mas quem é capaz de deter os arautos do “progresso”? Às vezes, a mídia ressuscita esses assuntos para dar a ilusão, à opinião pública, de que ela tem o controle da situação. Tem nada. É mera espectadora. Esse é um jogo de cartas marcadas. Aliás, quem foi que disse mesmo que “Deus” não jogava dados? [Comente esta Nota]
>>> Batalha de Mídia
 



Música >>> I read the news today oh boy
Com a morte de George Harrison, ficam enterradas as últimas esperanças que se tinha de uma acalentada reunião dos Beatles remanescentes. Quer dizer: segundo foi publicado, em meio às homenagens póstumas, parece que o próprio George inviabilizou sistematicamente qualquer “revival”: prometeu jamais tocar em uma banda com Paul McCartney novamente. E cumpriu. Parece que as desavenças entre ambos datam desde os Quarymen, culminando com a tumultuada gravação de Let It Be, onde no documentário Anthology, Paul ouve de George: “Me diga o que você quer que eu faça, que eu faço. Se quiser que eu toque, eu toco. Se não quiser que eu não toque, eu não toco.” O fato é que ele nunca foi levado a sério por Lennon & McCartney. Ringo também não foi, tendo precisado de “a little help from his friends”, mas a diferença é que Richard Starkey nunca ambicionou muito. George Harrison quis ser mais que um guitarrista competente (John Lennon reconhecia sua superioridade técnica), quis ser um compositor. O autor de Imagine conta como ajudou o mais jovem dos Beatles a montar suas primeiras canções, como Taxman, mas ressentiu-se quando não obteve o devido crédito (tendo sido agredido por Harrison em sua autobiografia). E como não era de levar desaforos para casa, o marido de Yoko Ono acabou acusando o ex-colega de plagio, por My Sweet Lord. É o que chamam de relação de amor-e-ódio. É inegável, no entanto, o talento do autor de Something, Here Comes The Sun e While My Guitar Gently Weeps. Ao mesmo tempo, a dupla mais consagrada da música pop teve razão em suprimir Not Guilty e todo o All Things Must Pass (o vôo solo de Harrison), embora George tenha pressionado para colocar mais que uma ou duas faixas suas no White Album, e nos subseqüentes. Quando olhava para trás, o orientalista, amigo de Eric Clapton, menosprezava a importância dos Beatles (talvez desprezando aqueles que o haviam desprezado). Em meio a tantos réquiens, esqueceram de mencionar o disco Cloud Nine, uma coleção de boas peças, de 1988. E os Travelling Wilburies, com Tom Petty e Roy Orbison. Não adianta: mesmo que falasse em filosofia hindu, o negócio dele era mesmo rock’n’roll. E do bom. [Comente esta Nota]
>>> All Things Must Pass
 



Literatura >>> Me leiam, não me deixem morrer
Lygia Fagundes Telles esteve no Esquina da Palavra, do Itaú Cultural. Há mais de 70 anos, uma militante incansável da Literatura, trazendo novo alento aos jovens escritores. Um exemplo de pessoa que se dez através dos livros, formação rara hoje em dia, caminhando a passos largos para a extinção. Desencantada com o audiovisual, observa que atualmente não encontra anúncio em que o anunciante não seja o sexo. Defende o amor platônico com unhas e dentes porque, em sua concepção, ele corre paralelamente à inteligência. Lygia, aliás, foi musa dos maiores poetas do século XX: Carlos Drummond de Andrade e Manuel Bandeira. Uma gente que daqui a pouco vira nome de estátua, rua ou viaduto para, aí sim, cair definitivamente no esquecimento. Lygia defende ardentemente uma causa perdida: a da escrita. E pede insistentemente: me leiam, não me deixem morrer. Um apelo tão genuíno que conduz o espectador a um de seus livros. Qualquer que seja, quem quer que seja, ela autografará sempre afetuosamente, na primavera, no verão, no outono ou no inverno. Um passeio que vale à pena – e que se recomenda vivamente aos não-iniciados – é aquele por Ciranda de Pedra. A obra conta a saga de Virgínia: primeiro, uma menina renegada, fruto de um amor proibido, solta no mundo, sem família; depois, uma mulher feita, crescida no isolamento e na distância, num internato, voltando às origens para encontrar uma realidade degradada e degradante. Virgínia que, a princípio, produz estranhamento, por ser tão desajeitada, malquista e não especialmente bonita, acaba por conquistar a todos, justamente pela diferença, por ter escolhido um caminho somente seu. Virgínia não é a autora. Virgínia, única, não é ninguém.Virgínia, no fundo, é cada um de nós. Vivendo uma infância idealizada, num universo de sonho, às vezes cruel, porém fascinante nos seus mistérios. Uma juventude de recriminações, na solidão do quarto fechado, na busca incessante pela pessoa que se vai ser. Uma idade adulta de choques e descobertas, do peso e da complexidade do mundo, que não é nem bom nem ruim, apenas é, irremediavelmente. Eis o passeio por Ciranda de Pedra. Um jogo, ao mesmo tempo, sério e brincalhão. Tanto por tão pouco. Me leiam, não me deixem morrer. [Comente esta Nota]
>>> "Ciranda de Pedra" - Lygia Fagundes Telles - 190 págs. - Rocco
 



Gastronomia >>> O Conselheiro também come (e bebe)
São Paulo vai caminhando, cada vez mais, para a sua declarada vocação de “business center”. Já é ponto pacífico, entre os profissionais envolvidos com turismo, que a cidade é majoritariamente assediada por executivos. Por isso, a proliferação de flats, o aumento de publicações bilíngües (ou para estrangeiros) e a ênfase crescente na imagem “cosmopolita” com que regularmente se define a capital paulista. Nesse contexto, consagram-se restaurantes como “O Compadre”, que, próximo aos principais centros de convenções da metrópole, especializa-se numa culinária regionalíssima, atraindo estrangeiros em trânsito pelo País. De uma casa na Vila Maria, com freqüentadores ilustres como Ayrton Senna, passou a um salão amplo, com sala especial para eventos e reuniões de empresas. A cozinha é a típica mineira, com direito à decoração característica da fazenda, e até à trilha sonora condizente com o clima. Os destaques são, portanto, o feijão tropeiro, o tutu, as carnes (de porco e de vaca), as pingas e os doces. Para quem aprecia a bebida mais popular no Brasil, o garçom disponibiliza um cardápio com mais de 100 tipos de aguardente – todas com seus nomes pitorescos, produzindo os efeitos mais diversos (muito cuidado ao se levantar da cadeira). No caso dos quitutes e das compotas, o visitante tem direito a se esbaldar com o figo em calda, a goiabada, o queijo e o doce de leite mais fresco que se pode encontrar, feito no dia. Quem quiser carregar para casa essas iguarias, que só em Minas há, tem a chance de adquirir os produtos da pequena e simpática loja dentro do próprio restaurante. O estacionamento é grátis e, durante os fins-de-semana, shows musicais animam as dependências d’O Compadre, que evocam os velhos tempos do faroeste. Os forasteiros, que por lá circulam, estão cobertos de razão. [Comente esta Nota]
>>> O Compadre - Av. Otto Baumgart, 500 - Tel.: 3726-2694
 



Cinema >>> O herói da minha própria profecia
Muito bafafá por causa de Lavoura Arcaica de Luiz Fernando Carvalho. É quase impossível dar um parecer definitivo sobre o filme, mas os nossos ases da pena já o estão chamando de obra-prima para cima. Será? Mais intrigante ainda é a necessidade de afirmar que Lavoura Arcaica não tem nada a ver com todo o precedente cinema brasileiro. Uma falácia tremenda. Principalmente porque Selton Mello – que finalmente foi consagrado como grande ator que efetivamente é – teve sua formação enriquecida justamente por participações em longas que a crítica pretensamente ignora ou execra. Ou seja: para essa gente que não quer se comprometer com a sétima arte à brasileira, Luiz Fernando Carvalho, os produtores, os técnicos e o elenco aportaram no País como marcianos na Terra, sem qualquer parentesco com seus antecessores a não ser o idioma português. É óbvio que, em termos de realização, Lavoura Arcaica é um grande acontecimento. Como também o foram, O Auto da Compadecida, Glauber Rocha e Eu Tu Eles. Aliás, outra postura tremendamente previsível dos nossos cinéfilos na imprensa é a necessidade que eles têm de combater o bonito, o positivo o alegre para em seguida endeusar o feio, o negativo, o triste. De acordo com esse raciocínio, nossos resenhistas reconheceram, por exemplo, o talento de Matheus Natchergaele, mas encheram de “senãos” o filme de Guel Arraes, porque João Grilo era uma figura por demais otimista, simpática, altiva. Não combinava com o retrato “tipo exportação” do Brasil. É chique, é cool, é elegante: esmiuçar dramas psicológicos; compor vastos painéis com traumas de infância; subverter a moral e entronizar a porção animalesca do homem. Nesse sentido, Lavoura Arcaica é um prato cheio. Talvez um clássico no gênero, mas daí a querer recomendá-lo como “programa obrigatório” para o fim-de-semana – quando as pessoas tentam amortecer a realidade e encarar o mundo com mais esperança – existe uma grande distância. De concreto, pode-se apontar como excepcionais as performances de Raul Cortez (um estudo sobre a incomunicabilidade), a fotografia e a trilha (casadas como não se via há décadas) e o texto de Raduan Nassar (que imperdoavelmente parou de escrever). O resto é especulação barata. [Comente esta Nota]
>>> Lavoura Arcaica
 
>>> DIGA O SEU NOME E A CIDADE DE ONDE ESTÁ FALANDO
Roberto Araújo, de São Paulo: “Toda boa carreira é sempre feita sobre dois pilares: a fundamental formação técnica e saber o que pensam os que estão no comando do processo. Aqui você têm as duas coisas. Naturalmente que para 'fazer efeito' não basta folhear a revista. É preciso usar todos os serviços propostos e ler as reportagens. Assim, em muito pouco tempo você também vai estar 'rugindo'.”
 
Julio Daio Borges
Editor

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
3/12/2001
05h14min
Obrigada pelo texto sobre Ligia Fagundes Telles e um pequeno resumo sobre Ciranda de Pedra. Realmente as pessoas esquecem-se do prazer de ler um bom livro, literatura e principalmente a paixao em todo o seu sentido, presente na literatura brasileira. Ligia tem um publico especial, aquele publico que tem memoria, gente de valor e por essa razao nunca sera esquecida.
[Leia outros Comentários de Marli]
3/12/2001
09h56min
Vou tentar de novo. Ler sempre, todos os que escrevem alguma coisa, nem que seja para saber que "aquele" não é para ler nunca mais. Ler Lígia sempre, para se ter a referência de uma obra rara, o deleite da leitura enriquecedora. Lavoura Arcaica, não assisti, uma pena. Selton Mello, grande ator. Pena que não queira, ou não possa (Global Power?) dar suas opiniões sinceras quando entrevistado. Fica enrolando, sai para um lado e outro...mistério! Mesmo assim, grande ator! Afinal, para ser ator não é necessário dar opinião sobre coisa alguma, não é? Auto da Compadecida, o maior barato! No livro, na telinha ou na telona, vale a pena. Eu Tu Eles, não sei, não cheguei a uma conclusão. Vi e não sei se gostei, por incrível que pareça. Tem alguma coisa que não convence, sei lá. Pode ser coisa minha, pode ser coisa nenhuma. Sonia Pereira.
[Leia outros Comentários de Sonia Pereira]
3/12/2001
14h25min
Julio, Além do prazer da própria leitura, seus contos são os melhores que já li, descobri com Lygia Fagundes Telles algumas respostas e "ganhei" muitas perguntas. "A Disciplina do Amor" é meu eterno livro de cabeceira. Vivo retornando a ele, como se não pudesse terminá-lo nunca. Lygia não precisa se preocupar, viverá para sempre... Beijos, Ana.
[Leia outros Comentários de Ana Veras]
5/12/2001
18h53min
Caro Julio, você e seus colunistas estão de parabéns pelo "Digestivo". Com um abraço, Ruy Goiaba São Paulo/SP, 5.dez.01
[Leia outros Comentários de Ruy Goiaba]
6/12/2001
14h43min
Goerge, my sweet lord. O que mais dizer? Nada, só ouvir. Como ler Lygia, eternamente. Que tal começar a clonagem por ele? Aliás, não sei porque os religiosos são contra! Afinal, não somos nós mesmos feitos à imagem e semelhança sei lá de quem? Isso não é clonar? Desculpem a brincadeira, sei que tem gente que pensa de outra forma, que segue uma religião. Mas, se está ao alcance do conhecimento humano, qual é o drama? O que pega é o uso que fazemos do conhecimento de que dispomos, e não o conhecimento em si. Mas, dá prá gente brincar com a imaginação: já pensou se uma dia você acordar e não saber quem é exatamente quem, nem se você é você ou é seu outro eu? Já não vai dar prá usar aquela: "Você sabe com quem está falando?" Não, não vai dar prá saber, mesmo! Já que é inevitável, que, ao menos, seja cômico (apesar de saber que poderá ser terrível). Sonia.
[Leia outros Comentários de Sonia Pereira]

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




THE BIG RIVER - MODERN READERS STAGE 1
VERA ABI SABER
RICHMOND
(2004)
R$ 16,90



PAI RICO, PAI POBRE - ATUALIZADO
ROBERT KIYOSAKI
ALTA BOOKS
(2017)
R$ 71,90



UM RETRATO FATAL
ROSS MACDONALD
ABRIL CULTURAL
(1984)
R$ 8,00



ENTRE REAL E SURREAL: ANTOLOGIA DA LITERATURA BELGA DE LÍNGUA FRANCESA
MARC QUAGHEBEUR, ZILÁ BERND, LEONOR LOURENÇO DE ABREU, ROBERT PONGE
TOMO EDITORIAL
(2009)
R$ 47,00



PAIS COMPENTENTES, FILHOS BRILHANTES
CAIO FEIJÓ
NOVO SÉCULO
(2010)
R$ 20,00



A GÊNESE - FORMATO DE BOLSO
ALLAN KARDEC
IDE
(2004)
R$ 14,86



GEOMETRIA PLANA MATEMÁTICA COC
SISTEMA COC DE ENSINO
SISTEMA COC
R$ 4,90



A GREVE DO SEXO - LISÍSTRATA
ARISTÓFANES (TRADUÇÃO DE MILLÔR FERNANDES)
L&PM
(2003)
R$ 10,90



GÊNEROS RADIOFÔNICOS
ANDRÉ BARBOSA FILHO
PAULINAS
(2009)
R$ 10,00



MEFISTO - ROMANCE DE UMA CARREIRA
KLAUS MANN
ESTAÇÃO LIBERDADE
(2000)
R$ 9,00





busca | avançada
32166 visitas/dia
773 mil/mês