O negócio do livro eletrônico, por Jason Epstein | Digestivo Cultural

busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
>>> Conrado Hubner fala a Pedro Doria
Últimos Posts
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
>>> Cinema: Curtíssimas terá estreia neste sábado (28)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Literatura e cinema na obra de Skármeta
>>> Literatura e cinema na obra de Skármeta
>>> A todos que passem por aqui
>>> João Paulo Cuenca e seu Corpo Presente
>>> Neruda, oportunista fantasiado de santo
>>> VTEX e Black & Decker sobre transformação digital
>>> Apresentação
>>> Fetiches de segunda mão
>>> Em busca do vampiro de Curitiba
>>> Millennials
Mais Recentes
>>> PS, Eu te amo de Cecelia Ahern pela Novo Conceito
>>> A Sombra do Vento de Carlos Ruiz Zafon pela Objetiva
>>> Os Milionarios de Brad Meltzer pela Record
>>> O Jogo de Brad Meltzer pela Record
>>> Leviatã de Boris Akinin pela Objetiva
>>> Moquecas de Marido de Betty Mindlin pela Paz & Terra
>>> O Arqueiro de Bernard Cornwell pela Record
>>> O Condenado de Bernard Cornwell pela Record
>>> O Ultimo Reino de Bernard Cornwell pela Record
>>> O Tigre de Sharpe de Bernand Cornell pela Record
>>> O Triunfo de Sharpe de Bernand Cornell pela Record
>>> Sharpe em Trafalgar de Bernand Cornell pela Record
>>> Os Fuzileiros de Sharpe de Bernand Cornell pela Record
>>> A Pedra da Bencao de Barbara Wood pela Best Seller
>>> A vizinha de Barbara Delinssky pela Bertrans Brasil
>>> Desejos - Trilogia da Esperanca - Vol.3 de Barbara Delinssky pela Harlequin
>>> Encantos - Trilogia da Esperanca - Vol.2 de Barbara Delinssky pela Harlequin
>>> Sonhos - Trilogia da Esperanca - Vol.1 de Barbara Delinssky pela Harlequin
>>> O Homem de Montana de Barbara Delinsky pela Harlequin
>>> A felicidade mora ao lado de Barbara Delinsky pela Bertrans Brasil
>>> O Mundo dos Vampiros de Arieni Dissenha Daniel Portes pela Novo Seculo
>>> Os Incas - A Luz de Machu Picchu - Vol.3 de Antonie B.Daniel pela Objetiva
>>> Os Incas - O Ouro de Cuzco - Vol.2 de Antonie B.Daniel pela Objetiva
>>> Os Incas - A Princesa do Sol - Vol.1 de Antonie B.Daniel pela Objetiva
>>> Sangue e Ouro de Anne Rici pela Rocco
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Literatura

Quarta-feira, 10/3/2010
O negócio do livro eletrônico, por Jason Epstein
Julio Daio Borges

+ de 5100 Acessos
+ 1 Comentário(s)




Digestivo nº 457 >>> Jason Epstein ficou conhecido por escrever quase um clássico do mercado editorial: O Negócio do Livro (Record, 2002). Nele, falava das suas cinco décadas de experiência no assunto, enquanto revisitava iniciativas das quais participou: como a Library of America (a equivalente, nos EUA, da nossa Nova Aguilar), com Edmund Wilson; The New York Review of Books (sim, o célebre periódico — que ajudou a fundar); até um precursor do nosso Círculo do Livro (vendendo obras por catálogo); e até um encontro com Jeff Bezos, da Amazon (o qual foi aconselhado a abandonar o negócio porque, segundo Epstein, não havia como ganhar dinheiro com a venda de livros por correspondência...) E, para quem sentia falta da "voz da experiência", Jason Epstein ressurgiu agora, em março, no New York Review of Books, para comentar, justamente, sobre a "revolução" do livro eletrônico — do Kindle até o iPad. Começa afirmando que a transição da indústria do livro físico (das gráficas até as distribuidoras) para o livro eletrônico "no ciberespaço", "despachado para qualquer lugar da Terra", "de modo tão rápido e barato quanto um e-mail", está andando a passos largos e é irreversível. "Com chão tremendo debaixo de si", continua Epstein, é natural que editores mantenham um pé "no passado que desmorona", enquanto procuram "terreno firme" no futuro, para eles "hesitante", da "digitalização". "Novas tecnologias, no entanto, nunca pedem licença" e — evocando Joseph Schumpeter — alerta que, como os terremotos, elas "não estão abertas à negociação". Para Epstein, a capacidade, "sem precedentes", de "Kindles" e "iPads" oferecerem uma "plataforma multilíngue", com uma "escolha ilimitada de títulos", vai destronar o tradicional "sistema gutenberguiano" ("com ou sem a cooperação dos executivos do mercado editorial"). A digitalização, continua Epstein, torna possível um mundo em que "qualquer um [virtualmente] pode se considerar editor" e onde "qualquer um pode se chamar de autor". Contudo, alerta que o "solitário trabalho da criação literária", em ficção, "quase nunca é colaborativo": "As redes sociais podem ajudar na divulgação desse ou daquele título, mas violam a privacidade necessária para forjar a verdadeira literatura". A crítica, segundo Epstein, será mais necessária do que nunca; e "gênios literários" devem surgir nos quatro cantos do mundo. Direitos autorais, regulados de maneira diferente em cada país, perderão o sentido. E, "com a eliminação de gráficas, distribuidoras e livrarias" — do processo todo —, leitores de livros eletrônicos pagarão cada vez menos, e autores de livros eletrônicos ganharão cada vez mais (enquanto muitos grupos editoriais simplesmente desaparecerão...). Epstein ainda teme a pirataria e, comparando aos músicos, que podem viver de shows, camisetas e até propaganda, avisa que "escritores não podem se dar ao luxo"... Como já havia previsto a invasão, cada vez maior, dos best-sellers nas livrarias (em O Negócio do Livro), Epstein apenas espera que o livro eletrônico preserve o que chama de "nossa memória cultural" — sem a qual "nossa civilização entraria em colapso"...
>>> Publishing: The Revolutionary Future
 
Julio Daio Borges
Editor

Quem leu esta, também leu essa(s):
01. E a Apple virou mainstream (e Steve Jobs, também)... (Além do Mais)
02. O Crash de 2008, por Charles R. Morris (Imprensa)
03. Web 2.0 e Blogging Heroes, da Digerati Books (Internet)
04. Farofa Moderna, de Vagner Pitta (Internet)
05. Quintessência (Música)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
11/3/2010
11h48min
Muitas possibilidades se abrirão, principalmente para autores novos, talentosos ou não, que terão a rede mundial de computadores para divulgar os seus trabalhos a custo zero, com seus livros digitalizados. Estes mesmos autores que foram menosprezados e estigmatizados pelas editoras tradicionais de livros impressos, que depois destes aparelhinhos terão que repensar os seus formatos, aderindo às novidades ou morrendo, como aconteceu com o disco LP, o vídeocassete, o toca-fitas de carro, o gravador de fita etc., embora muita gente ache que o livro como conhecemos hoje nunca se acabará. Fico pensando no MP3 e programas de edição de áudio que acabaram com o império das gravadoras, que escolhiam seus cantores e vendiam seus discos pelo preço que queriam; hoje, qualquer um pode gravar os seus CDs em sua própria casa, com requintes de qualidade encontrados em qualquer estúdio profissional. Autores de todos os quadrantes comecem a revirar suas gavetas, retirem os seus escritos perdidos!
[Leia outros Comentários de E. Landi]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Ze Ninguem Tito na Rua
Alberto Serrano Tito
Janeiro
(2015)



Bar Doce Lar
J. R. Moehringer
Nova Fronteira
(2006)



Vencedor Não Usa Drogas
Edson Ferrarini
Do Autor



Oratória para Advogados e Estudantes de Direito - Lacrado
Reinaldo Polito
Benvira
(2012)



A Voz dos Meninos - Projeto Educação Com Arte: Oficinas Culturais
Ana Maria Cavalcanti Lefevre (org.)
Cenpec
(2014)



Numerologia Cármica: Conhecendo Sua Missao de Vida - 1ª Edição
Sueli Lucchi Di Leo
Nova Senda
(2016)



A culpa é das estrelas
John Green
Intriseca
(2012)



Leituras Complementares de Direito Constitucional
Marcelo Novelino
Podivm
(2008)



Psicologia da Reconciliação
Mario Pereyra
Cedisau
(1990)



Psicologia Escolar
M. Helena Novaes
Vozes
(1972)





busca | avançada
75243 visitas/dia
2,2 milhões/mês