Le rouge et le noir | Digestivo Cultural

busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Castelo realiza piqueniques com contemplação do pôr do sol ao ar livre
>>> A bailarina Ana Paula Oliveira dança com pássaro em videoinstalação de Eder Santos
>>> Festival junino online celebra 143 da cidade de Joanópolis
>>> Nova Exposição no Sesc Santos tem abertura online nessa quinta, 17/06
>>> Arte dentro de casa: museus e eventos culturais com exposições virtuais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
>>> André Barcinski por Gastão Moreira
>>> Massari no Music Thunder Vision
>>> 1984 por Fabio Massari
>>> André Jakurski sobre o pós-pandemia
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
Últimos Posts
>>> Virtual: Conselheiro do Sertão estreia quinta, 24
>>> A lei natural da vida
>>> Sem voz, sem vez
>>> Entre viver e morrer
>>> Desnudo
>>> Perfume
>>> Maio Cultural recebe “Uma História para Elise”
>>> Ninguém merece estar num Grupo de WhatsApp
>>> Izilda e Zoroastro enfrentam o postinho de saúde
>>> Acentuado
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A internet e a arte marginal
>>> As redes sociais como filtros
>>> Aberta a temporada de caça
>>> As várias faces de Al Pacino
>>> Quando o autor é protagonista do próprio romance
>>> Minha finada TV analógica
>>> Ser intelectual dói
>>> Entrevista com Ron Bumblefoot Thal
>>> Francis e o jornalismo
>>> Um Daumier no MASP
Mais Recentes
>>> História da marinha de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> História do armamento de Courtlandt Canby pela Morais (1965)
>>> Classicos Inesqueciveis - O Rei Leão de Disney pela Pixel (2021)
>>> Las Aventuras de Tom Sawyer de Mark Twain pela Never Land (2016)
>>> O Gene Egoísta de Richard Dawkins pela Itatiaia (2001)
>>> Branca de neve e os setes anões de Disney pela Pixel (2021)
>>> Cuentos de Pio Baroja pela Alianza (1978)
>>> 3 Palavrinhas: Brincando, aprendendo e cantando de Pixel pela Pixel (2021)
>>> Uma aventura na era dos dinossauros de Picolé pela Picolé (2021)
>>> 100 Viagens Que Toda Mulher Precisa Fazer de Stephanie Elizondo Griest pela Novo Conceito (2011)
>>> Aqueles que me desejam a morte de Michael Koryta pela Trama (2021)
>>> A cor da pele de John Vercher pela Trama (2021)
>>> Tempo: o de dentro e o de fora de Luiz Arraes pela Cepe (2007)
>>> Contos africanos dos países de língua portuguesa de Vários autores pela Ática (2009)
>>> Into the Wild (Na Natureza Selvagem) de Jon Krakauer pela Anchor Books (1996)
>>> A Cidade do Sol de Khaled Hosseini pela Agir (2012)
>>> Contos Brasileiros I de Vários autores pela Ática (2008)
>>> A Hora da Estrela de Clarice Lispector pela Francisco Alves (1997)
>>> Enciclopédie pratique du batiment et des travaux publics vol. 1, 2 e 3 de Vários Autores pela Quillet (1970)
>>> Dicionário Internacional de Biografias vol. 1, 2, 3 e 4 de George Thompson Antunes pela Nobel (1998)
>>> Nariz de Angelo Machado, Lor & Thalma pela Nova Fronteira (2021)
>>> Dicionário Contemporâneo da Língua Portuguesa vol. 1, 2 e 3 de Caldas Aulete pela Delta (1964)
>>> Design para Crescer Aprenda Com a Coca-cola Sobre Escala e Agilidade de David Butler e Linda Tischler pela Campus (2015)
>>> Delito por Dançar o Chá-chá-chá de Guillermo Cabrera Infante pela Ediouro (1998)
>>> Histórias da Noite de Rafk Schami pela Novo Século (2013)
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Literatura

Segunda-feira, 3/2/2003
Le rouge et le noir
Julio Daio Borges

+ de 3100 Acessos




Digestivo nº 119 >>> Dostoievski era um escritor típico: vivia acossado por dívidas. Para completar, doente e viciado em jogos de azar. Pelo menos, na época em que compôs "O jogador", novela que por contrato devia a seu editor - e que, portanto, começou e acabou em 25 dias. O resultado não chegaria a agradá-lo mas, no século seguinte, conquistaria a admiração de Thomas Mann. De fato, não contém a riqueza psicológica da última fase do escritor, a mesma elogiada por Nietzsche - ainda assim, é envolvente e "O jogador" não consegue ser abandonado enquanto não termina (dentro e fora do livro). Mereceu reedição da Bertrand Brasil, embora a capa esteja um pouco equivocada: as agruras e estrepolias de Aleksei Ivanovitch acontecem em torno da roleta e não do jogo de cartas. A tradução é de Moacir Werneck de Castro e segue o preceito atual de que Dostoievski escrevia mal (por opção) e não deve ser remendado. Palavras repetidas e descuidos similares permanecem como sinais de respeito ao original. Abaixo os franceses que embelezam seu estilo e os brasileiros com intenções similares! Salvo prova em contrário, esses detalhes formais parecem de pouca monta em relação à obra dostoievskiana. Toda ação de "O jogador" transcorre em Roletemburgo (o editor queria algo mais russo), dentro de um hotel que abrigava um cassino. O protagonista ocupa-se como preceptor de uma família falida, à espera de uma herança. A avozinha - detentora da almejada fortuna -, no entanto, aparece em pessoa (para os hóspedes), depois de oscilar entre a vida e a morte, fascinando-se com a roleta e empenhando nela somas consideráveis. Para desespero dos herdeiros, que armavam planos mirabolantes para quando sobreviesse a sua morte, a avozinha ameaça colocar todo o seu patrimônio a perder. "O jogador" é quase um ensaio sobre a frivolidade que, nesses ambientes, reina - e sobre a submissão do destino humano ao vil metal. Enquanto isso, Aleksei se apaixona por Polina; que se apaixona por Des Grieux; que se apaixona por mademoiselle Blanche; que, casando-se com o filho da avozinha, o general, planeja um golpe do baú. Às vezes divertido, às vezes trágico, o livro segue uma estrutura esquemática e, segundo a definição de Scott Thurow, pode ser lido no metrô. Assombrosamente realista, ao retratar as vertigens por que passam os inveterados jogadores, prova como Dostoievski dominava seu ofício ainda que lhe fossem adversos o tempo e as condições.
>>> "O jogador" - Fiodor Dostoievski - 192 págs. - Bertrand Brasil
 
Julio Daio Borges
Editor

Quem leu esta, também leu essa(s):
01. Comer, Rezar, Amar, o filme, com Julia Roberts e Javier Bardem (Cinema)
02. Dalva e Dito, idealizado por Alex Atala (Gastronomia)
03. E a blogosfera virou mainstream... (Internet)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Project Financing: La Nuova Disciplina. Guida Operativa
Massimo Gentile
Dei
(2005)



Carthage
Madeleine Hours-miédan
Puf
(1971)



Relacionamentos Entre Pais e Filhos
Celso Martins
Dpl
(2003)



14000 Things to Be Happy About
Barbara Ann Kipfer
Workman
(1990)



Energia e Meio Ambiente Em Porto Alegre: Bases para o Desenvolvim
Roberto Knijnik
Cepea
(1994)



Anti Inflamatórios Usos Gerais e na Odontologia
Wilson Abrão Saad e Outros
Sparta
(2009)



Histórias da Minha Vida
Jean Marais
Três
(1975)



Odisséia Ambiental - uma Aventura no Tempo
Emanuel Souto e Cayo Ogam
Prazer de Ler
(2006)



A Missão Varnhagen Nas Republicas do Pacífico: 1863 a 1867 Vol. 1
Centro História Doc Diplomática Vol 1
Fund Alexandre de Gusmão
(2005)



Fugindo de Casa
Suzana Dias Beck
Moderna
(1993)





busca | avançada
78047 visitas/dia
2,7 milhões/mês