Citizen Kane | Digestivo Cultural

busca | avançada
54198 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Sultão & Bonifácio, parte I
>>> Fui pra Cuba
>>> Sobre o preço dos livros 1/2
>>> No altar do vento
>>> Hamlet... e considerações sobre mercado editorial
>>> Novos Melhores Blogs
>>> The Romantic Poets, by Kevin Mundy
>>> Mais pressão na caldeira
>>> Manual para revisores novatos
>>> É suave a noite
Mais Recentes
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Os amores difíceis de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1992)
>>> Muito prazer fale português do Brasil de Glaucia Roberta Rocha Fernandes pela Disal (2021)
>>> O beijo e outras histórias de Antón Tchekhov pela Círculo do Livro
>>> Sob o Sol-Jaguar de Italo Calvino pela Companhia das Letras (1995)
>>> O que Einstein disse a seu cozinheiro - vol. 2: Mais ciência na cozinha de Robert L. Wolke pela Zahar (2003)
>>> O que Einstein disse a seu cozinheiro - vol. 1: A ciência na cozinha de Robert L. Wolke pela Zahar (2003)
>>> O Poder do Silêncio de Eckhart Tolle pela Sextante (2016)
>>> O Poder do Agora de Eckhart Tolle pela Sextante (2002)
>>> O Toque de Midas de Colleen McCullough pela Bertrand Brasil (2007)
>>> O Comite da Morte de Noah Gordon pela Rocco (1996)
>>> La Bodega de Noah Gordon pela Rocco (2008)
>>> Xama a historia de um medico no seculo XIX de Noah Gordon pela Rocco (1993)
>>> O Rabino de Noah Gordon pela Rocco (1994)
>>> O Rabino de Noah Gordon pela Rp (2021)
>>> O Fisico - A epopeia de um medico medieval de Noah Gordon pela Rocco (1993)
>>> O Silencio dos Inocentes ( capa dura) de Thomas Harris pela Altaya Record (1989)
>>> Hannibal de Thomas Harris pela Record (1999)
>>> O Jardim de Ossos de Tess Gerritsen pela Record (2009)
>>> O Clube Mefisto de Tess Gerritsen pela Record (2016)
>>> Gestão Empresarial de Taylor aos Nossos Dias de Ademir Antonio Ferreira e Outros pela Pioneira (2000)
>>> O Dominador de Tess Gerritsen pela Record (2016)
>>> Pão Diário 15 de Vários Autores pela Rtm (2012)
>>> Cadernos da Pós-Graduação Cinema e Fotografia de Instituto de Artes Unicamp pela UniCamp (2006)
DIGESTIVOS >>> Notas >>> Imprensa

Terça-feira, 19/8/2003
Citizen Kane
Julio Daio Borges

+ de 3300 Acessos




Digestivo nº 141 >>> Não há muito o que acrescentar à morte de Roberto Marinho. Talvez fazer alguns apontamentos sobre o que foi dito, afinal “todo mundo” se manifestou a respeito. De início, é preciso apontar que a cobertura dos jornais foi fraca. Muito aquém das dimensões da figura que forjou as Organizações Globo. Por ironia (ou por motivos muito óbvios), a televisão, mais especificamente a TV Globo (via seu carro-chefe, o Jornal Nacional), foi a única a conferir – em tempo real – o devido relevo a essa personalidade histórica. Para o bem ou para o mal. Como o próprio Roberto Marinho, aliás. As revistas semanais também quiseram noticiar o fato com destaque, mais notadamente a “Época”, inclusive com um caderno especial (por motivos igualmente óbvios). Mas, independente de quem deu “mais” ou “primeiro”, o tom foi majoritariamente laudatório, como reza a tradição brasileira (que santifica os mortos, sejam eles quais forem). Dos veículos de que se poderia esperar alguma “incorreção política”, ouviu-se palavras tão ou mais reverentes do que aquelas “oficiais” (vide, por exemplo, o editorial de Ziraldo em “OPasquim21”). O homem que em vida despertou paixões e ódios, de repente, viu, no momento da morte, sua trajetória confluir para uma imagem “positiva” e consensual. Nesta hora, vale repetir o adágio de Nélson Rodrigues: – Toda unanimidade é burra. (Por mais que Nélson considerasse Roberto Marinho seu “irmão íntimo”.) Atualmente, portanto, é mister desconfiar de todo e qualquer panegírico do morto. Pois, tudo o que se refere a ele, agora, adquire um certo “toque de Midas” de além-túmulo – o que está longe de refletir a verdade. Começando pela Rede Globo. Citou-se as benfeitorias da teledramaturgia nacional, sua exposição no Brasil e no mundo. Mas será que ela foi, digamos, mais relevante que a música difundida pela Rádio Nacional (a “Globo da época”), e que lançou as bases para a Bossa Nova, a MPB e o cancioneiro que coloca o Brasil em pé de igualdade com os maiores produtores de música do mundo? É provável que não. Fora o óbvio ululante: a televisão brasileira, via Globo, pasteurizou a cultura, as artes e os costumes – e, por mais que as “intenções” (de unificação do território nacional) tenham sido boas, os danos, à inteligência nacional, foram consideráveis. Esse inventário ainda precisa ser feito, e o balanço resultante certamente não favorecerá o “Doutor Roberto”. Ele espera, como Chatô, por seu Fernando Morais. Uma biografia de envergadura seria um passo nessa direção – e não esse jornalismo restritivo e adulador.
>>> Roberto Marinho (*1904 - †2003)
 
Julio Daio Borges
Editor

Quem leu esta, também leu essa(s):
01. A Eclosão do Twitter, de Nick Bilton (Internet)
02. One Click, a História da Amazon, de Richard L. Brandt (Internet)
03. Jorge Drexler, no Bourbon Street, em 2009 (Música)
04. Até o amor virar poeira (Música)
05. Gruta (Música)


Mais Notas Recentes
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Guia dos Mil Presentes
Betty Chateaubriand
Códex
(2003)



Vade Mecum Edição Especial 2014
Thomson Reuters/rt
Thomson Reuters/rt
(2014)



Elas Escrevem Contos, Crônicas e Poemas
Hanna Liis-baxter
Andross
(2010)



A Moreninha - Serie Bom Livro
Joaquim Manuel de Macedo
Atica
(1993)



É Dando Que Se Recebe
Carlos Eduardo Novaes
Ática
(1994)



Organizações de Aprendizagem Educação Continuada e a Empresa do Futur
Humberto Mariotti
Atlas
(1999)



Ser Protagonista Química 2ºano Ensino Medio
Julio Cesar Foschini Lisboa
Sm Didático
(2014)



Redimidos - da Miséria, da Enfermidade e da Morte
Kenneth E. Hagin
Graça Editorial
(2004)



El Acero En La Construccion
Jose Pinos Calvet
Reverte
(1969)



Grammar Practice 1 a Complete Grammar Workout For Teen Students
Herbert Puchta
Helbling
(2012)





busca | avançada
54198 visitas/dia
2,2 milhões/mês