Blog | Digestivo Cultural

busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Shopping Granja Vianna de portas abertas
>>> Teatro do Incêndio lança Ave, Bixiga! com chamamento público para grupos artistas e crianças
>>> Amantes do vinho celebram o Dia Mundial do Malbec
>>> Guerreiros e Guerreiras do Mundo pelas histórias narradas por Daniela Landin
>>> Conheça Incêndio no Museu. Nova obra infantil da autora Isa Colli fala sobre união e resgate cultura
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
>>> O zunido
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Gilberto Gil: Cultura Viva
>>> Histórias Extraordinárias, de Edgar Allan Poe
>>> 2006, o ano dos livros
>>> Na toca dos leões
>>> O nome da morte
>>> 7 de Setembro
>>> Sobre Paraíso Tropical
>>> Bernardo Carvalho e a arte da fuga
>>> Uma feira (in)descritível
>>> Quem tem medo do Besteirol?
Mais Recentes
>>> He. A Chave Do Entendimento Da Psicologia Masculina de Robert A. Johnson pela Mercurio (1992)
>>> Como atirar vacas no precipício de Alzira Castilho pela Panda Book (2021)
>>> Sorrindo Entre Lágrimas de Núbia Moreira Santana pela Kelps (1999)
>>> Acampamento esperança: O 34º homem e outras histórias extraordinárias do resgate dos mineiros no Chile que a imprensa não mostrou de Carlos Parra Díaz pela Thomas Nelson Brasil (2021)
>>> Para Gostar de Ler - Crônicas 6 de Loure Carlos Eduardo Novaes e Outros pela Atica (2013)
>>> Razão e Sensibilidade de Jane pela Princípis (2018)
>>> A Obra ao Rubro de Herberto Helder de Maria Estela Guedes pela Escrituras (2010)
>>> Sentido e Espírito da Regra de São Bento de Dom Ildefonso Herwegen pela Lumen Christi (1963)
>>> Viagem de bolso: O melhor de Nova York de Rosana Zakabi pela Abril (2013)
>>> Guia paris - key guides de Aa Publishing pela Publifolha (2008)
>>> O Quinze 64ªed. de Rachel de Queiroz pela Siciliano (1998)
>>> A Mina de Françoise Gange pela Rocco (1994)
>>> Uma Utopia Militante - Repensando o socialismo de Paul Singer pela Vozes (1998)
>>> O Amador de Diego Pansani pela Urutau (2018)
>>> Walkscapes - O caminhar como estética de Francesco Careri pela Gustavo Gili (2016)
>>> O pior médico do mundo de Gerson Salvador pela Ciclo Contínuo (2014)
>>> Na minha pele de Lázaro Ramos pela Objetiva (2017)
>>> Negrhúmus líricos de Luiz Silva (Cuti) pela Ciclo Contínuo (2017)
>>> A Menina Que Conversava Com as Roupas de Paula Acioli e Jana Magalhaes pela Memoria Visual (2009)
>>> Raiz de um negro brasileiro - esboço autobiográfico de Oswaldo de Camargo pela Ciclo Contínuo (2015)
>>> O viajante imóvel: Machado de Assis e o Rio de Janeiro de seu tempo de Luciano Trigo pela Record (2001)
>>> Terça Afro território de afetos de Ana Caroline da Silva e Whellder Guelewar (Orgs) pela Ciclo Contínuo (2016)
>>> Nova Lusitânia, História da Guerra Brasílica (box Com Cd) de Francisco de Brito Freire pela Beca (2021)
>>> Guia O melhor de Orlando e parques da Flórida de Marisa Adan Gil pela Abril (2009)
>>> Planeta Deagostini de Contos de Magic - the Gathering - Juramento das Sentinelas - N. 5 pela Planeta Deagostini (2019)
BLOG

Segunda-feira, 18/4/2005
Blog
Redação

 
Sou melhor do que Shakespeare

Chega a ocasião na vida de um homem, se ele leva uma vida cheia e atormentada, em que guarda um segredo tão sujo que sabe que dele não se libertará. (Shakespeare sabia disso e tentou exprimi-lo, mas se exprimiu tão mal quanto qualquer outro. "Todos os perfumes da Arábia" nos faz pensar em todos os perfumes da Arábia e nada mais. É a luta com as metáforas no que toca à conduta humana. Pessoas não são navios, enxadristas, flores, cavalos de corrida, pinturas a óleo, garrafas de champanha, excremento, instrumentos musicais ou o que quer que seja - mas simplesmente pessoas. Metáforas funcionam para nos dar uma idéia.)

John O'Hara, de novo. Porque eu prometo que paro (no próximo).

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
18/4/2005 às 13h03

 
Mídia tradicional em queda

Um panorama das tendências da mídia nos EUA, analisadas a longo prazo, indica que nos últimos anos TV, rádio, revistas, jornais, música e livros estão em queda ou próximos da estabilidade. A circulação de jornais, por exemplo, alcançou o pico em 1987 e está em declinio acelerado. O tempo dedicado a ouvir rádio é o mais baixo dos últimos 27 anos. Por outro lado, estão em alta filmes, videogames e internet. As informaçoes são, basicamente, de entidades, como a Newspaper Association of America e a Recording Industry Association of America, ou de publicações especializadas como a Editor&Publisher e a ClickZ. Breve resumo da situação de cada mídia e indicações para números específicos estão no blog The Long Tail.

Nota publicada, em 13/4/2005, no site de notícias Blue Bus.

[Comente este Post]

Postado por Luis Eduardo Matta
17/4/2005 às 22h40

 
Felicidade (extra)conjugal

Uma vez na sua vida com Paul, Nancy se deixara beijar por outro homem, um beijo guloso, de pé, com a boca aberta e as pernas afastadas. Agora que pensava nisso, tinha sido também com um ator. Um ator jovem, praticamente desconhecido. Agora, pensando em Watterson, e depois no ator juvenil, ela retrocedeu até uma verdade que tinha descoberto para si mesma. Algo que havia descoberto observando o progresso da vida amorosa extramarital de suas amigas - embora fingindo nada observar. A verdade é que havia certo tipo de homem, atraente e famoso à sua maneira e assediado por mulheres, com que mulheres saudáveis, mulheres como Nancy, podiam concebivelmente ter um caso amoroso, mas não casar, ainda que ele fosse o último homem na face da Terra. Certa feita Nancy ouvira o chistoso dito francês segundo o qual se pode amar pelo Bois sem comprá-lo. (Soava melhor que o dito americano: por que criar uma vaca quando o leite é tão barato?) Ela usaria a observação sobre o Bois para justificar o comportamento de alguns homens dos quais gostava, sem gostar, porém, do seu comportamento. Somente nos últimos três ou quatro anos se sentira tentada a aplicá-la de mulher para homem. Bem, não desposaria um homem como Watterson, mas já que existiam homens como Watterson, por que não investigá-los? Por que não sondar pelo menos outro homem? Ela conhecia cada pêlo do corpo de Paul; conheciam tudo um do outro que gostassem de aprender com naturalidade. Um homem novo seria um completo estranho e Nancy tinha curiosidade a respeito de si mesma, também. Talvez fosse estranha, para si mesma e para qualquer outro homem. A oportunidade era boa para descobrir. Assim, calmamente, ela pôs na cabeça que teria um caso com John Watterson, o ator.

Mais uma vez, John O'Hara, no mesmo livro. Porque esse cara tem futuro (já morreu).

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
15/4/2005 às 12h52

 
Ficar ou não ficar?

Devo terminar? Suponho que sim. É terrível a gente se envolver com tantos homens e fazer da vida uma bagunça, e depois aparece alguém, com quem a gente de fato quer ficar, porque ama essa pessoa, no entanto ela é a única com que não se pode ficar porque, nesse caso, ela imediatamente ficará igual aos outros, e a gente não quer que essa pessoa se assemelhe ao resto. Essa pessoa especial tem uma coisa que os outros homens não têm - e essa coisa nos impede de ficar com ela.

Uma escritora da nova literatura feminina brasileira? Não, um escritor da velha literatura masculina norte-americana. John O'Hara, em BUtterfield 8.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
15/4/2005 às 12h42

 
Ele, Cardoso

Como eu cursava jornalismo há pouco menos de um ano e havia todo um FUZZ a respeito da INTERNET, houve a coincidência de haver arrecadado muito mais E-MAILS do que telefones dos meus COLEGAS. Certa tarde de ÓCIO, escrevi algo muito parecido com uma COLUNA e mandei para toda a minha lista de contatos. Eram comentários sobre livros, discos e filmes, além de alguns poemas, microcontos, opiniões sobre o mundo, filosofia barata e histórias que havia vivenciado nos últimos tempos. Por CHISTE jornalístico, eu montei o texto de modo a parecer algo que pudesse ter sido publicado em uma REVISTA, um jornal. No fundo, era uma forma ENGRAÇADINHA de me COMUNICAR ao mesmo tempo com todas aquelas pessoas, mas a resposta que eu obtive foi TÃO impressionante que resolvi fazer uma SEGUNDA edição, no dia seguinte. Dessa vez, dividi o e-mail em SEÇÕES, e incluí textos que os amigos me mandaram em resposta ao primeiro e-mail. Lá pelo QUARTO número, o genial FELIPE BECKER me disse que devia batizar aqueles DEVANEIOS diários de CardosOnline, em alusão ao meu APELIDO adquirido ainda nos primeiros dias de aula de maneira DEVERAS constrangedora. Pois batizei-o, e permaneci enviando os e-mails a uma lista que crescia progressivamente, à medida que os recipientes ORIGINAIS encaminhavam para os seus amigos, e para os amigos de seus amigos, e assim por diante. Um belo dia, Daniel Galera me respondeu um COL [CardosOnline] propondo que UNÍSSEMOS forças e montássemos algo naquele formato, mas de uma forma mais REGULAR. Convidei Marcelo Träsel, ele convidou Guilherme Pilla: estava criado o STAFF original. Uma vez estabelecido no formato de PUBLICAÇÃO, a popularidade do troço foi tomando proporções absurdas, e se espalhou de uma forma INCONTROLÁVEL. Dois COLaboradores destacaram-se logo nos primeiros números: Daniel Pellizzari (o popular Mojo) e Hermano Freitas. Após rápida CONFABULAÇÃO, decidimos incluir os dois no staff oficial. O troço continuou crescendo. Só o Pellizzari levou pro COL cerca de 300 assinantes, num fenômeno que ficou conhecido como EFEITO MOJO. Nos meses seguintes, procuramos loucamente por uma MULHER para escrever no zine, até que o próprio Mojo nos apresentou essa sua amiga recém-chegada de São Paulo. Era Clarah Averbuck. Pra fechar o time em número PAR, convidamos ainda o colaborador mais assíduo, Guilherme Caon. A essa altura o COL já havia virado um MONSTRO. Tínhamos mais de 4 mil assinantes em todos os estados brasileiros; jornais, revistas, rádios e TVs nos entrevistavam e havia dezenas de iniciativas semelhantes na rede.

Cardoso contando, ao Marcelino Freire, como tudo começou (uma dica do Inagaki, que lá do seu blog linca pro nosso).

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
15/4/2005 às 08h37

 
Os blogs e os macaquitos

Marcelo Tas, a quem respeito e admiro, publicou o seguinte post hoje e que muito me fez pensar: RACISMO OU TEMPESTADE EM COPO D`AGUA?.

Os blogs possibilitaram que as pessoas escrevessem o que quisessem. Podem dizer que o jogador Grafite realmente é um negro sujo, que o Tas é branco feito leite, ou que a imprensa argentina nos chama de macaquitos por brincadeira, apenas. O fato é que os blogs se tornaram as vozes das pessoas. E cada um tem uma voz diferente...

Sempre fui contra os blogs - apesar de ter um - mas, agora, começo a mudar de ideia. Blogs, como o supra citado, podem me mostrar vozes bem distintas da minha, e isso os tornam interessantes...

[Comente este Post]

Postado por Marcelo Maroldi
14/4/2005 às 20h35

 
Faroeste Caboclo

(...) num momento (...) ficou claro para mim que aquilo que eu chamava de poesia era, na verdade, prosa. Imagine: meus poemas tinham personagens e até mesmo tramas. A prosa era a minha praia. Tanto que cheguei a transformar um poema (...) num conto (...) Parei de vez com a poesia. Parei por respeito à poesia e aos poetas que respeito. De vez em quando, alguns de meus contos acabam se desenhando, do ponto de vista da forma, quase como poemas. Mas não é poesia. É prosa. Tudo isso, porém, não me impede de continuar a dar atenção especial, como leitor, à poesia. Acho que qualquer prosador que se preze precisa ir à poesia. É lá a oficina onde se gesta a linguagem.

* * *

A literatura, assim como toda forma de arte, é a grande esperança contra a barbárie. A arte, que deve sempre causar algum tipo de desconforto, serve pra que não nos esqueçamos nunca de que somos humanos. Se, ao escrever, eu olhasse para a realidade sem nenhum tipo de filtro, certamente não estaria fazendo literatura, mas jornalismo. E isso não iria me interessar. Acho que também está ligado ao meu processo de criação. Veja: nunca sei muita coisa sobre o que vou contar no momento em que começo a escrever. Investigo, avanço, e vou "me contando" aquela história.

* * *

Este nem é o pior momento do jornalismo cultural brasileiro, embora espaços importantes continuem a ser fechados (...) Há, é claro, o problema crônico do número de leitores no Brasil - é só pensar nas tiragens dos livros em relação ao contingente populacional. Lê-se muito no Brasil, mas quase nunca literatura. Outro dia, conversando com o Fernando Paixão, (...) falamos sobre a perda da importância social que se abateu sobre a literatura. É assustador. (...) há uma série de outros apelos muito mais sedutores para corações e mentes do que o livro. (...) No que acredito: vão sempre existir leitores e profissionais de mídia, não sei em que quantidade, que devotarão um amor absoluto à literatura e aos livros. Talvez vire uma espécie de seita, não sei. (...) É com essa gente que nós, escritores, vamos dialogar.

Marçal Aquino, num entrevista velha que encontrei só hoje.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
14/4/2005 às 17h20

 
Orkuto, logo existo

Dia desses, faz pouco tempo, fiz 32 anos. Logo antes do tal dia chegar, insisti que não deviam mais me dar presentes nem parabéns. "Tou chegando na idade em que a gente começa a dar pêsames, não parabéns" e "em que a gente começa a fazer aniversário a cada 2 anos" foram meus auto-sarcasmos prediletos no período. Pois bem: nunca recebi tantos parabéns na vida como nestes 32 anos. Só no Orkut, foram mais de 30 recadinhos de pessoas mais ou menos próximas - e olha que não sou daquelas figuras ultrapopulares da comunidade, que parecem querer concretizar o desejo do Roberto Carlos ("eu quero ter 1 milhão de amigos..."). E foi assim que esta balzaquiana cética - a mesma que já prometeu um artigo anti-Orkut nesta página, que já deu entrevista apontando mais contras do que prós na ferramenta, que sempre achou invasivo e constrangedor o tal recurso de enfiar foto e data de aniversário das pessoas, a cada login, na cara do usuário - passou a ter fé no tal do Orkut. Orkuto, logo existo!

Gabi Dias no interessante pero caótico Pessoas do Século Passado.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
14/4/2005 às 14h48

 
Agostinho e Davi

Santo Agostinho, no livro XII, de "Confissões", diz a Deus que, fosse ele o escritor do "Gênesis", o faria melhor que Moisés: "Quereria eu, se então estivesse em lugar de Moisés (...), se eu fosse o que ele foi, e Vós me tivésseis encarregado de escrever o 'Gênesis', eu quereria receber de Vós uma tal arte de expressão e uma tal modalidade de estilo que até esses que não podem compreender como é que Deus cria se não recusassem a acreditar nas minhas palavras, por ultrapassarem as suas forças", num arroubo de vaidade de escritor. Pouco antes, pedia humildade. Como Davi, que abandonava em prece todo o corpo no chão: "põe em mim um coração puro", mas matou um homem para viver um amor com a mulher que cobiçava. Como punição, Deus mata-lhe o filho. Davi aceita e continua orando e pedindo o tal coração puro. No fim da vida, confessa à esposa, por quem precisou assassinar dois homens, considerando a morte do filho com que foi punido: "por ti, eu faria tudo novamente". A alma ansiava pelo divino, o corpo vencia. Graças a Deus.

[Comente este Post]

Postado por Andréa Trompczynski
14/4/2005 às 14h29

 
Alminha

Sou brasileira e portuguesa por parte dos pais, alemã e árabe por parte dos avós, e paulistana por opção. Uma salada. Que, aliás, está até presente no meu último nome, Vinagre. Sou uma quase jornalista, quase balzaquiana e quase escritora. Meus amigos costumam reclamar de algumas manias e sumiços, mas acabam entendendo que um bipolar às vezes não é muito coerente em suas atitudes. Amo literatura e gatos. E sou mais ou menos normal algumas vezes por dia...

Patrícia Köhler do Striptease Cerebral, que linca pra nós.

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
14/4/2005 às 08h04

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Direito Penal: Parte Especial - Artigos 121 a 234 do Código Penal
Paulo Cesar Busato (volume 2 ) 2ª Edição
Atlas; Grupo Gen
(2016)



A Decoração de Escritórios, Consultórios e Lojas Em Geral
Edmundo Rodrigues
Edições de Ouro
(1963)



Contabilidade Geral
Hilário Franco
Atlas
(1983)



Paris era Ontem 1925-1939
Janet Flanner
José Olympio
(2006)



Recreio Nas Férias
Vários Autores
Imk
(2004)



Qualidade Total Em Informática
Antonio de Loureiro Gil
Atlas (sp)
(1992)



As Aventuras do Capitão Pirilampo e do Comandante Noita
Flávio Rezende - Suzana Gasparian
Girafinha
(2011)



Contratos de Crédito Bancário - 2a edição
Arnaldo Rizzardo
Revista dos Tribunais
(1994)



As Ostras Estao Morrendo
Walmir Ayala
Leitura
(2007)



Helba Nogueira - uma Vida a Serviço da Dança
Ivan Ribeiro Barbosa
Não Identificado
(1988)





busca | avançada
69435 visitas/dia
2,6 milhões/mês