Blog | Digestivo Cultural

busca | avançada
99122 visitas/dia
2,5 milhões/mês
Mais Recentes
>>> CLUBE DO DISCO - Inscrições até 19/05
>>> Curso Livre de Formação de Escritores, inédito e exclusivo para todo o Brasil
>>> Desvendando Álbuns Clássicos do Rock
>>> Camila Venturelli e Dani Lima falam sobre os nossos gestos na pandemia
>>> 36Linhas lança Metropolis segunda graphic novel da Coleção Graphic Films
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
Colunistas
Últimos Posts
>>> Carteiros do Condado
>>> Max, Iggor e Gastão
>>> Mandic, por Pedro e Cora
>>> A Separação de Bill e Melinda Gates
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
Últimos Posts
>>> Acentuado
>>> Mãe, na luz dos olhos teus
>>> PoloAC retoma temporada de Os Doidivanas
>>> Em um tempo, sem tempo
>>> Eu, tu e eles
>>> Mãos que colhem
>>> Cia. ODU conclui apresentações de Geração#
>>> Geração#: reapresentação será neste sábado, 24
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Contra a breguice no Facebook
>>> 9 de Setembro #digestivo10anos
>>> Apologia dos Cães
>>> Sou melhor do que Shakespeare
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Há uma cleptocracia instalada
>>> Disparada com Jair Rodrigues
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> Ser intelectual dói
Mais Recentes
>>> Coleção Dedoches - Dinossauros Opostos de Stephanie Hinton pela Brinque Book' (2015)
>>> O Livro de Atividades dos Garotos de Vários Aujtores pela Publifolha (2014)
>>> A Dieta de South Beach Aditivada de Arthur Agatston; Joseph Signorile pela Sextante (2008)
>>> Crônicas de um Criminalista de Paulo José da Costa Jr pela Dpj (2005)
>>> Ganga-Zumba, A Saga dos Quilombolas de Palmares de João Felício dos Santos pela José Olympio (2010)
>>> Milagres em prato de Laurie Albanese; Laura Morowitz; Beatriz Horta pela Record (2011)
>>> A hora de Investir de José Gustavo Araújo pela Brazil Publishing (2021)
>>> Cutting Edge de Jim Davis - Thomas Hirschl e Michael Stack pela Verso (1997)
>>> A História Completa do Mundo de Richard Overy pela Seleções Readers Digest (2012)
>>> Dom Pedro II e o Jornalista Koseritz de Regina Gonçalves e Regis L. A. Rosa pela Viajante do Tempo (2013)
>>> Palavra-chave dicionário semibilingue para brasileiro - italiano de Silvana Cobucci e Carlos Alberto Dastoli pela Martins Fontes (2013)
>>> A Dieta da Barriga Zero! de Liz Vaccariello; Cynthia Sass pela Best Seller (2012)
>>> Luna Caliente - Três Noites de Paixão de Mempo Giardinelli pela Geração Editorial (2012)
>>> Dark Divine - o Santo Perdido de Bree Despain pela Vergara & Riba (2012)
>>> Sagesse Du Tarot de Elisabeth Haich pela Au Signal (1972)
>>> Titília e o Demonão de Paulo Rezzutti pela Geração Editorial (2011)
>>> Sobre Pessoas de Antônio Torres pela Leitura (2007)
>>> Loucos por Jesus - Volume 1 de Lúcio Barreto Jr. pela Central Gospel (2009)
>>> Na Ponta da Língua de Professor Helinho pela Leitura (2010)
>>> O Morro dos Ventos Uivantes de Emily Bronte pela Círculo do Livro
>>> Voo para a Escuridão de Marcelo Simões pela Geração Editorial (2010)
>>> Como Vender Seu Peixe na Internet de Tom Venetianer pela Campus (1999)
>>> Mônica 132 - Dezembro/1997 - o Bichinho Dentro do Ovinho de Maurício de Sousa pela Globo (1997)
>>> Mônica 190 - Maio/2002 - Previsões Astro-ilógicas de Maurício de Sousa pela Globo (2002)
>>> Mônica 143 - Outubro/1998 - Outros Amigos de Maurício de Sousa pela Globo (1998)
BLOG

Terça-feira, 20/8/2002
Blog
Redação

 
Russell sobre Wittgenstein

fonte: Greg O'Keefe

"Um alemão desconhecido apareceu, falando pouquíssimo inglês, mas recusando-se a falar alemão. Era um homem que estudara engenharia em Charlottenburg mas que, durante o curso, adquirira, por si só, uma paixão pela filosofia da matemática e chegava agora a Cambridge com o propósito de acompanhar minhas aulas."

"Meu amigo alemão ameaça tornar-se uma inflição; ele voltou comigo após a aula e ficou discutindo até a hora do jantar - obstinado e contumaz, mas não creio que estúpido." [19/10/11]

"Meu bravio alemão apareceu e argumentou comigo após a aula. Ele veste uma armadura contra todas as investidas da razão. É realmente uma grande perda de tempo conversar com ele." [16/11/11]

* * *

"Meu alemão está hesitando entre a filosofia e a aviação; veio me perguntar hoje se eu achava que ele era um caso totalmente perdido em filosofia. Eu lhe disse que não sabia, mas que achava que não. Pedi-lhe que trouxesse alguma coisa por escrito para me ajudar a avaliar. Ele é rico, e está apaixonadamente interessado pela filosofia, mas sente que não deve dedicar sua vida a ela se não for realmente bom. Sinto uma grande responsabilidade, pois de fato não sei o que penso da sua capacidade." [27/11/11]

* * *

"Wittgenstein foi o grande evento em minha vida - o que quer que possa sair disso. Eu o adoro e sinto que irá resolver os problemas que estou velho demais para resolver - toda espécie de problemas que foram levantados pelo meu trabalho, mas que exigem uma mente fresca e o vigor da juventude. Ele é o jovem que eu poderia esperar."

"Wittgenstein é terrivelmente persistente, monopoliza a palavra e, no geral, é considerado um chato. Como eu realmente gosto muito dele, consegui insinuar essas coisas sem ofendê-lo."

* * *

"Sua disposição é a de um artista, intuitiva e temperamental. Diz que todas as manhãs começa seu trabalho com esperança, e todas as noites o encerra em desespero - sente o mesmo tipo de raiva que eu quando não consegue entender as coisas." [16/3/12]

"Sinto a mais perfeita simpatia intelectual por ele - a mesma paixão e veemência, a mesma sensação de que é preciso compreender ou perecer, as súbitas piadas desfazendo a assustadora tensão do pensamento." [17/3/12]

* * *

"Ninguém poderia ser mais sincero do que Wittgenstein, ou mais destituído da falsa polidez que interfere com a verdade; ele deixa transparecer seus sentimentos e afeições, e isso enternece o coração." [10/3/12]

"Ele abomina a ética e a moral em geral; é deliberadamente uma criatura de impulso e acha que se deve ser assim." [17/3/12]

"Ele é capaz de fazer qualquer tipo de coisa por paixão; mas jamais cometera a sangue frio algum tipo de imoralidade. Sua posição é bastante livre; princípios e coisas do gênero parecem-lhe uma insensatez, pois seus impulsos são fortes e nunca vergonhosos."

* * *

"Tem a sensibilidade do artista ao achar que deve produzir algo perfeito ou então absolutamente nada. Eu lhe expliquei que não iria se formar nem conseguiria lecionar se não aprendesse a escrever coisas imperfeitas - o que só o deixou mais furioso. Por fim, implorou-me que eu não desistisse dele mesmo que houvesse me desapontado."

(Trechos extraídos das cartas de Bertrand Russel a Ottoline Morrell, transcritos do livro Wittgenstein - o dever do gênio, de Ray Monk, Companhia das Letras, 1995, 572 págs.)

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
20/8/2002 às 15h25

 
A rocha que voa num labirinto

fonte: Estadão

Arnaldo Jabor sobre Glauber Rocha, hoje no Estadão:

"Há 21 anos, Glauber Rocha nos deixou, no dia 22 de agosto. Eu nunca tinha visto alguém morrendo, nunca vira o momento misterioso da passagem. Em volta da cama de sua agonia, os amigos se agarravam como náufragos nas bordas de um barco que ia partir.

"Estávamos assustados, porque o Glauber era o pulmão por onde respirávamos, o coração que batia por nós e que agora fraquejava. Ele estava ali, ignorando-nos, concentrado não sei em que filme interior, em que roteiro para as estrelas. Parecia mesmo um astronauta, coberto de fios e tubos de respiração. Subitamente, Glauber se ergueu, como se fosse acordar, ressuscitar, como num milagre. Mas era a última convulsão e ele se aquietou e flutuou para longe.

"Vocês, jovens que me lêem, podem pensar: 'Deixe de idealizações com esse tal de Glauber... Afinal de contas, todo mundo morre...' Mas, não é literatura; morria ali a mais rica síntese das idéias de uma época brasileira: melancolia com esperança, a romântica fome de salvar o País, unindo poesia e política."

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
20/8/2002 às 10h18

 
Repercussões

"Uma das maiores revistas eletrônicas da web brasileira, o Digestivo Cultural, agora tem o seu blog. Lá, comentários de seu editor e colunistas sobre mídia, cinema, literatura e cultura em geral." [Blog News, dentro do Espaço Real Universitário]

"oba! o digestivo cultural agora tem um blog também e com direito a tudo de bom que rola por aí. (começou no dia 13, mas só descobri agora.)" [Dizem...]

"Mais um blog. O Digestivo Cultural saiu da fila e já estreou o seu." [Tá na Tela]

"Lendo o blognews eu descobri que o digestivo cultural agora tem um blog! ;-)" [Wumanity]

"O Julio Daio Borges - Editor do Digestivo Cultural - colocou um blog no ar. Tá muito legal... valeu!" [Marketing Hacker]

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
20/8/2002 à 00h00

 
Minhas conclusões de Gramado

Eis meu último post sobre Gramado, mas volto ao tema na minha coluna de quinta-feira. Quem acompanhou minhas informações no decorrer da semana viu que minhas previões falharam. TODAS menos a vitória de EDIFÍCIO MASTER como melhor documentário (coisa que todos sabiam que ia acontecer).
Mesmo assim, quero deixar aos leitores minha indignação com as premiações. A organização do festival resolveu distribuir kikitos a todas as produções, o que causou injustiças e enormes surpresas entre a crítica que acompanhava. Cada vencedor anunciado era seguido por espantos meus e de colegas.
Na minha opinião, DURVAL DISCOS, o grande vencedor, não é o melhor. Tem suas qualidades, a diretora tem um ar de seriedade (e segurança) excessiva e tem estilo, mas seu filme não supera a dramaticidade e as atuações contidas em DOIS PERDIDOS NUMA NOITE SUJA. Ana Muylaert talvez tenha surgido como uma promessa do cinema paulista para os próximos anos. Seu DURVAL DISCOS indica isso.
DOIS PERDIDOS, sim, merecia muitos prêmios e ficou só com música original e montagem. José Joffily, seu diretor, conseguiu fazer um filme maduro com a obra de Plínio Marcos, e Débora Falabella deu vida e sensualiade ao personagem Paco. Injustiça de um festival que desde o início priorizou o espetáculo ao cinema em si. Perdeu-se em cinema, credibilade, mas ganhou em glamour e visibilidade nas revistas do estilo Caras, QUEM e cia... Cada um escolhe seu destino. Gramado parece ter optado por este... Infelizmente.

[Comente este Post]

Postado por Lucas Rodrigues Pires
19/8/2002 às 14h41

 
Ojos sí, orejas no

fonte: ClubCultura

Uma entrevista perdida de Luis Buñuel a Gonzalo Suárez, percursor do New Journalism espanhol:

"Me fastidia el periodismo, que capta la mayor parte de las veces el lado falso y superficial de las cosas. Tampoco creo en las entrevistas. Me avergüenza exhibirme. He concedido muy pocas en mi vida, las imprescindibles. En Norteamérica por ejemplo trataron de convencerme de que la publicidad era algo muy importante y que yo debía someterme a las preguntas de un enviado del 'New York Times'.

"Veo la vida como nunca, con mucha serenidad, con total serenidad. Lamento mi sordera, porque me aísla de los amigos, de los ruidos... A mí no me parece demasiado grave el que se quede más o menos sordo (otra vez como Goya, ¡diablos!) un hombre cuya profesión y cuyo genio reside en haber y hacer ver. 'Ojos sí, orejas no' me parece un buen lema. Cada vez es más apasionante 'ver', cada vez es más aburrido 'oír'.

"Odio el simbolismo razonado. Existe siempre, es inevitable, un simbolismo inconsciente. El público y la crítica ven símbolos por todas partes. Pero yo no soy un simbolista. Si tengo algo que decir, lo sigo sin rodeos, de la manera más directa posible."

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
19/8/2002 às 10h52

 
Read newspapers and socialize

Deu no Times, Wired Students Prefer Campus News on Paper:

"Here's news. Even though college campuses are some of the most wired places on Earth, printed versions of college newspapers remain far more popular than their online editions.

"'Some students want to read the news before it gets to print,' said Matt Donnelly, editor in chief of The Daily Northwestern. 'They make reading the online newspaper part of their morning routine along with checking e-mail and national news'.

"But for most students, the print version of the college paper remains part of campus life."

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
19/8/2002 às 10h40

 
Puccini, Giacosa e Illica

fonte: Estadão

Lauro Machado Coelho, dando uma aula sobre Madama Butterfly, em Um Puccini rumo à maturidade:

"Não são poucas as favoritas do público, hoje - a Traviata, a Carmen - que, na estréia, foram um fracasso, e precisaram de um tempo para conquistar o público, aí, sim, enraizando-se em seu coração de forma inabalável. Esse foi também o destino de Madama Butterfly, vaiada no Scala na noite de 17 de fevereiro de 1904; mas aplaudida no Teatro Grande de Brescia, em 28 de maio do mesmo ano, depois que Giacomo Puccini a submeteu a revisões que a tornaram mais densa e cenicamente eficiente."

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
19/8/2002 às 09h52

 
Deu tudo errado

É indispensável para quem, com aproximadamente 40 anos, está também assustado com a situação dos amigos intelectualóides dos anos 60 e 70. De agressivos rebeldes se converteram em empregados conformados, engolidos pelo "sistema" que acreditavam criticar. Serve inclusive, para os mais novos, como vacina ao discurso oposicionista oco, que, neste país, está sempre na moda, atravessando gerações. Não vai adiantar muito, é claro, mas o novo filme de Ugo Giorgetti, O Príncipe, pode ser pelo menos um consolo a quem pensava que crítica social, no Brasil, significa apenas atacar burgueses manipulados. Pois bem: manipulada e estragada foi, como mostra Giorgetti, quase toda a geração da qual ele faz parte. Deu tudo errado, definitivamente.

[Comente este Post]

Postado por Eduardo Carvalho
18/8/2002 às 21h03

 
Vecchie foto di me stesso

fonte: Corriere della Sera

Homenagem do Corriere della Sera a Calvin e Hobbes:

"La prima volta di 'Calvin and Hobbes' è datata 18 novembre 1985, l'ultima 31 dicembre 1995. Da quel giorno il fumetto è uscito dalla vita di Bill Watterson, che oggi ha 43 anni e riprende in mano un lavoro realizzato quando ne aveva 28: 'Far passare le mie vecchie tavole è come guardare vecchie foto di me stesso: sono personali e familiari, ma nello stesso tempo con qualcosa di bizzarro'

"Dopo aver dedicato dieci anni a Calvin e Hobbes, l'autore ha deciso di chiudere i suoi personaggi in una scatola, per occuparsi a tempo pieno di musica e pittura, senza l'assillo e le limitazioni dei giornali. Qualcosa però è restato degli anni trascorsi a disegnare vignette: 'Per la loro apparente semplicità, le possibilità espressive del fumetto rivaleggiano con quelle di ogni altra espressione artistica. Cinque anni dopo Calvin and Hobbes amo il fumetto come sempre', conclude il cartoonist."

[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
18/8/2002 às 19h15

 
Civilizações Diferentes

Mario Amato, em impagável entrevista à Veja:

"Sempre empreguei mulheres em meus negócios, com bons resultados. Mas precisamos admitir: elas são diferentes dos homens. Não têm a mesma capacidade física para agüentar o trabalho. Têm as regras e aqueles calores... a menopausa. Aí faltam ao serviço três dias, dez dias. O homem é um cavalo, tem outra força física. Eu, como patrão, sempre tratei as mulheres com mais delicadeza, senão elas choram. O homem, não. Ele grita, berra. São duas civilizações diferentes.

"Acho um horror essa mania de mulher nua em tudo que é lugar. Antigamente, quando a gente via o joelho de uma mulher, aquilo funcionava como uma motivação erótica. Lembro de uma moça muito bonita, a Zilá, que quando descia do bonde mostrava o joelho, e eu aproveitava o momento o máximo que podia. Hoje, com tanta mulher nua, o homem está perdendo o estímulo. É por isso que os homens estão impotentes. O que eles podem fazer? O pudor da mulher era um negócio que funcionava. Agora já tem até exposição de homem nu, e homossexualismo virou currículo.

"Qualquer que venha a ser o novo presidente do Brasil, não tenho planos de ir para casa dormir. De mais a mais, quero continuar a dar meus palpites."

fonte: Veja, foto: Claudio Rossi



[Comente este Post]

Postado por Julio Daio Borges
18/8/2002 às 15h11

Mais Posts >>>

Julio Daio Borges
Editor

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Virus Hunters
Greer Williams
Alfred A. Knopf
(1967)



Irmãos de Sangue 9ª Edição
Francisco Mibielli e Silvio Wonsovicz
Sophos
(2006)



Falsas Imagens
Julia James e Dani Collins
Harlequim
(2017)



Xenon 2006 - o Livro de Concursos Médicos 1
William James Xenon
Atheneu
(2005)



A Bíblia Em 100 Minutos
Michael Hinton
Sextante
(2014)



Guia de viagem nova york michelin
michaelis tour
Melhoramentos
(2000)



Livros Que Abalaram o Mundo
Cruz Costa, Hernâni Donato e Outros
Cultrix
(1963)



A Verdadeira Paz
Presidente Emílio Garrastazu Médici
Din
(1971)



Pensamento Comunicacional Brasileiro o Grupo de São Bernardo
José Marques de Melo Samantha Castelo Branco
Umesp
(1999)



A Construção da Estrutura Conceitual da Física Clássica
Polito, Antony M. M.
Livraria da Física
(2016)





busca | avançada
99122 visitas/dia
2,5 milhões/mês