Uomini di poca fede! | Digestivo Cultural

busca | avançada
40230 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOG >>> Posts

Quarta-feira, 18/4/2007
Uomini di poca fede!

+ de 3500 Acessos
+ 5 Comentário(s)

A páscoa é o período em que brasileiros ficam loucos para aproveitar uma praia, crianças ficam loucas para ganhar ovos de chocolate, a igreja fica louca para que os fiéis compareçam às encenações da paixão de Cristo e os canais de TV ficam loucos para conquistar eventuais telespectadores por meio de programas voltados... não para Meca, mas para a religiosidade cristã ou para a vida secreta das celebridades (que de secreta não tem nada).

Eu mesma não estava louca por nada disso, mas apenas por um descanso numa cidade interiorana. Entretanto, como essa loucura toda envolve a gente desde a rodoviária até o destino final, resolvi dedicar meu sacro-ócio à leitura na tentativa de abstrair-me desse turbilhão de informações inúteis.

Inspirada no estudo antropológico-lingüístico sobre os hábitos de leitura que a talentosa poeta Ana Elisa Ribeiro publicou no Digestivo Cultural, escolhi a dedo um livro que me acompanhasse durante a Semana Santa. E no meio da muvuca de desesperados da rodoviária, refugiei-me naquele ambiente minúsculo e pouco procurado: a livraria da rodoviária de Belo Horizonte.

Depois de meia hora de busca - sim, porque escolher um livro para ler merece o mesmo ritual da escolha de um filme numa locadora, afinal, tem dias que a gente não tá a fim de ver comédia, mas aventura e vice-versa... Onde eu estava mesmo? Ah, sim... Depois de meia hora de busca, acabei me decidindo por um formato de bolso, "óóótemo" para viagens. E o vencedor foi: A mulher que escreveu a Bíblia (Companhia de Bolso, 2007, 168 págs.), do Moacyr Scliar, aproveitando o período propício ao exercício de uma leitura... er, digamos, bíblica.

Nunca fui aspirante à santa e, embora tenha sido batizada, não cheguei a fazer a primeira comunhão. Sempre tive dificuldades em compreender a história das religiões e, quando pequena, misturava tudo. Eu via aqueles filmes românticos e pálidos da Sessão da Tarde, sempre com os mesmos atores, e não entendia o que a Fúria de Titãs e o Ali Babá tinham a ver com os vendilhões do templo ou com o cara barbudo que abria o Mar Vermelho. Tá bom, eu confesso: durante muito tempo, achei que quem havia segurado os dez mandamentos tinha sido o Matusalém. Aliás, Moisés, Maomé e Matusalém... era tanto M que eu nunca soube quem fez o quê (Isso é que dá ter um pai comunista... Em vez dos salmos da Bíblia eu decorava os quadrinhos da Mafalda. Em castelhano!). Só quando essa alienação toda começou a me fazer passar vergonha é que fui pesquisar melhor sobre o tema. Mesmo assim, muita pesquisa na base da gozação e do pastiche.

Minha idéia inicial para a Semana Santa era degustar o livro do Moacyr Scliar com calma, mas acabei devorando-o em menos de dois dias. A grosso modo, o enredo é o seguinte: após uma regressão à vida passada, uma mulher descobre ter sido uma das 700 esposas de Salomão. O dom da escrita compensa sua feiúra inata e faz dela a responsável pelo registro da história da humanidade, desde a criação - quando tudo era verbo - até as previsões pós-Salomão. Enquanto ela se dedica à tarefa que o rei e marido havia lhe incumbido, espera, ansiosa e desesperadamente, pelo momento em que ele deverá abstrair a feiúra dela e dar um trato na macaca, ou seja, consumar o casamento.

O livro é bem engraçado e merece destaque a forma como o Moacyr brinca com a linguagem, misturando o erudito a gírias e palavrões. Em meio a "Porra, Salomão!" e "Afinal, cara, o que queres de mim?", A mulher que escreveu a Bíblia vai se mostrando como uma heresia. Uma deliciosa e divertida heresia cujo mote - a possibilidade de a Bíblia ter sido escrita por uma mulher - foi uma excelente sacada que o autor pegou emprestado do crítico Harold Bloom.

Em Jesus e Javé, Bloom analisa os diversos nomes, bem como as diferenças de temperamento, atribuídos ao Todo Poderoso em diversos textos religiosos. A conclusão, se é que se pode chegar a alguma, é a de que o Inominável é um ser multifacetado, polivalente e completo, composto por diversos "eus" e personagens. Enfim, uma espécie de "Gita", do Raul Seixas, que é o tudo e o nada ao mesmo tempo e está contido na letra A. Quase um "Aleph". Ou talvez o "Aleph" esteja contido nele.

A certa altura, Bloom parece entrar em parafuso e questionar a própria existência. Mais ou menos nessa hora, ele lança a dúvida: e se a Bíblia foi escrita por uma mulher?

Lembro que essa passagem me chamou bastante a atenção. Tenho uma amiga que acha que Deus não é Deus, mas Deusa. Mas daí a uma mulher escrever a Bíblia... Achava mais difícil conceber essa idéia do que o fato de Deus ser Deusa. Afinal, como os homens deixariam uma mulher escrever naquela época? Ainda mais a Bíblia. Além disso, o texto bíblico exala um machismo tão forte que uma mulher não poderia tê-lo escrito.

Mas aí vem o Moacyr de novo, com sua heroína precursora do feminismo já na Antigüidade. Além de dominar a escrita (atividade exclusiva de homens sábios), a protagonista exige de Salomão o cumprimento das obrigações maritais, promove um levante no harém, reinventa o papel de Eva e de diversas passagens bíblicas e, ao fim de tudo, ainda deixa a condição de 700ª esposa do rei para ir atrás de um pastorzinho maltrapilho e da própria liberdade.

A personagem de Moacyr faz, nesse livro, as indagações que eu sempre quis fazer. O mais legal é que, embora lúdicas e sem compromisso com a verdade dos fatos, as respostas que a narrativa dá a essas perguntas satisfazem nossa inquietação - a minha e a da protagonista.

Num mundo imaginário em que a seriedade histórica encontra o humor contemporâneo, o que fica é a certeza de que, desde sempre, tudo gira em torno do egocentrismo humano e que a pior idéia ocorrida desde a Pangéia foi a invenção de um Deus único.

O peso da tradição sempre emperrou a reformulação do pensamento e levou a humanidade a persistir em absurdos históricos, como os 300 anos de Inquisição da Igreja Católica, ou a Guerra Santa. Parece que toda atrocidade cometida coletivamente em nome de Deus é passível de perdão, ao contrário dos hereges isolados que desenham caricaturas de Alá, de humoristas que retratam Jesus cantando e dançando na cruz ou de escritores que atribuem a escrita da Bíblia a uma mulher.

A mulher que escreveu a Bíblia é um texto despretensioso que põe a gente para pensar em outras possibilidades: afinal, foi Deus quem nos criou ou nós quem O criamos?

Que Ele me perdoe essa pergunta. Que Zeus nos proteja uns dos outros! E que o Buzz Light Year proteja o Moacyr Scliar.

Ao infinito e amém!*

* Direitos autorais a Pedro Fazito Morais, que aos quatro anos adaptou o original "ao infinito e além", com um tiro acidental, inocente e certeiro.


Postado por Pilar Fazito
Em 18/4/2007 à 00h41


Mais Pilar Fazito no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
18/4/2007
09h36min
Pilar, um depoimento original! Só acrescentando que o que Harold Bloom supõe é que o autor de partes do Velho Testamento seja uma mulher, que ele chama de a "Javista", ou seja, a responsável pela figura passional do velho Jeová. Bloom reconhece a mão feminina na criação de um personagem digno do "Morro dos Ventos Uivantes"; haja drama e paixão... Lembrando também que, se somar tudo, a Inquisição dura por volta de setecentos anos. De qualquer maneira, escrevo para elogiar seu ótimo texto. Parabéns pela originalidade.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
20/4/2007
11h00min
Ainda bem que tem gente como eu, que confunde Moisés com Maomé e coisa e tal. Gostei de seu texto pela sinceridade/originalidade e pela forma como foi escrito. Que Zeus perdoe a todos nós e salve Moacyr Scliar do mármore do inferno!
[Leia outros Comentários de Adriana]
20/4/2007
15h32min
Adorei o seu texto e o comentário de Adriana. Hehehe!
[Leia outros Comentários de Anna]
21/4/2007
22h59min
Belíssimo e ousado, um texto feminino sem o sexismo dos axiomas da vez, engraçado por nos fazer jocoso diante da fragilidade do protagonismo masculino. É muito bom rir da convicção formal da sociedade masculina e perceber quanto desses espaços estão sendo dividido generosamente por sensibilidades como Moacyr Scliar e mesmo Bloom. Texto conciso com ritmos e imagens vibrantes, Pilar.
[Leia outros Comentários de Carlos E. F. Oliveir]
27/4/2007
19h28min
Cara amiga... você é ótima! Parabéns! Que Deus (feminino ou masculino - whatever) te abençoe sempre e amém! bjm, Tania
[Leia outros Comentários de Tania]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PACTO SINISTRO
ALFRED HITCHCOCK
FOLHA DE SÃO PAULO
(2009)
R$ 14,90



NERO - MONSTRO SANGUINÁRIO OU IMPERADOR VISIONÁRIO
JOËL SCHMIDT
TEXTO & GRAFIA
(2011)
R$ 10,00



DOSSIÊ
JERONYMO RIBEIRO
FESPE
(1993)
R$ 9,00



O ABADE NEGRO - COLEÇÃO CRIME & CASTIGO
EDGAR WALLACE
EDIOURO
(1983)
R$ 7,90



CHAMADO DA SELVA
ATTILIO GATTI
MELHORAMENTOS
R$ 6,90



ARTAUD E O TEATRO
ALAIN VIRMAUX
PERSPECTIVA
(1978)
R$ 35,00



A DAMA DAS CAMELIAS
ALEXANDRE DUMAS FILHO
MP
R$ 10,00



FORA DE ÓRBITA
WOODY ALLEN
AGIR
(2007)
R$ 12,00



DIREITO PROCESSUAL DO TRABALHO VOLUME 2
JOSÉ SALEM NETO
BRASILIENSE
R$ 10,00



INSTITUIÇÃO DE DIREITO PROCESSUAL CIVIL VOLUME 1
CÂNDIDO RANGEL DINAMARCO
MALHEIROS
(2005)
R$ 30,00





busca | avançada
40230 visitas/dia
1,3 milhão/mês