A Flip como Ela é... III | Digestivo Cultural

busca | avançada
55740 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Projeto “Equilibrando” oferece oficinas e apresentações gratuitas de circo
>>> Namíbia, Não! curtíssima temporada no Sesc Bom Retiro
>>> Ceumar no Sesc Bom Retiro
>>> Mestrinho no Sesc Bom Retiro
>>> Edições Sesc promove bate-papo com Willi Bolle sobre o livro Boca do Amazonas no Sesc Pinheiros
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Modernismo e além
>>> Pelé (1940-2022)
>>> Obra traz autores do século XIX como personagens
>>> As turbulentas memórias de Mark Lanegan
>>> Gatos mudos, dorminhocos ou bisbilhoteiros
>>> Guignard, retratos de Elias Layon
>>> Entre Dois Silêncios, de Adolfo Montejo Navas
>>> Home sweet... O retorno, de Dulce Maria Cardoso
>>> Menos que um, novo romance de Patrícia Melo
>>> Gal Costa (1945-2022)
Colunistas
Últimos Posts
>>> Lula de óculos ou Lula sem óculos?
>>> Uma história do Elo7
>>> Um convite a Xavier Zubiri
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
Últimos Posts
>>> Assim criamos os nossos dois filhos
>>> Compreender para entender
>>> Para meditar
>>> O que há de errado
>>> A moça do cachorro da casa ao lado
>>> A relação entre Barbie e Stanley Kubrick
>>> Um canhão? Ou é meu coração? Casablanca 80 anos
>>> Saudades, lembranças
>>> Promessa da terra
>>> Atos não necessários
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Surf Hype, o maior blogueiro de São Paulo
>>> Sexta feira, 13
>>> Que seja eterno enquanto dure
>>> The Early Years
>>> Ruy Proença: poesia em zona de confronto
>>> E a Turma da Mônica cresceu
>>> FLIP 2006 III
>>> Franz Kafka, por Louis Begley
>>> Solidariedade é ação social
>>> ¿Cómo sobrevivo?
Mais Recentes
>>> O Grande Conflito 379 de Ellen G. White pela Casa Publicadora Brasileira (2022)
>>> Livro - Os Músicos de Bremen de Flavio de Souza pela Ftd (2010)
>>> 1984 de George Orwell pela Companhia das letras (2019)
>>> Livro - A Sutil Arte de Ligar o F*da-se de Manson Mark pela Intrínseca (2017)
>>> Livro - O Texto: Leitura & Escrita de D. Coste pela Pontes (2002)
>>> O Monte Cinco 379 de Paulo Coelho pela Objetiva
>>> Inteligência Emocional- A Teoria Revolucionária Que Redefine o Que é Ser Inteligente de Daniel Goleman pela Objetiva (1995)
>>> Livro - O Menino de Calça Curta de Flavio de Souza pela Ftd (2018)
>>> Constituição da República Portuguesa Anotada - 1º Volume de J. J. Gomes Canotilho; Vital Moreira pela Coimbra (1984)
>>> Quando o passado não passa 379 de Elisa Masselli pela Vida & Consciência (2001)
>>> Livro - A Educação Física e o Esporte na Escola - Cotidiano, saberes e formação de Silvia Christina Madrid Finck pela Ibpex (2011)
>>> Livro - Caça ao tesouro de A. J. Wood pela Brinque Book (1998)
>>> Cálculo diferencial e integral 379 de Frank Ayres Jr pela Mcgraw Hill (1981)
>>> Livro - A Viagem de Virginia Woolf pela Novo Século (2008)
>>> Livro - Livro de Histórias de Georgie Adams / Outros pela Companhia das Letrinhas (1996)
>>> Livro - Tanatos no Limiar da Loucura de Andre Charak pela Geracao (1995)
>>> Greta 379 de Mônica de Castro pela Vida & Consciência (2005)
>>> Livro - Fazendo Meu Filme 2 Em Quadrinhos - Azar no Jogo, Sorte no Amor? de Paula Pimenta pela Nemo (2015)
>>> Niketche de Paulina Chiziane pela Companhia de Bolso (2021)
>>> Livro - Listas, Guapas, Limpias de Anna Pacheco pela Caballo de Troya (2019)
>>> Michaelis minidicionário Alemão Alemão Português Português Alemão 379 de Michaelis pela Melhoramentos
>>> Política y Estado de Adalberto C. Agozino pela Dosyuna (2009)
>>> Livro - A Cinderela das Bonecas de Ruth Rocha; Mariana Massarani pela Salamandra (2011)
>>> Michaelis minidicionário Francês Francês Português Português Francês 379 de Michaelis pela Melhoramentos
>>> ISO 14001 Sistemas de Gestão Ambiental - Implantação Objetiva e Econômica de Mari Elizabete Bernardini Seiffert pela Atlas (2011)
BLOG >>> Posts

Domingo, 8/7/2007
A Flip como Ela é... III
+ de 4100 Acessos
+ 7 Comentário(s)

A maior frustração da FLIP 2007 foi a mesa do J.M. Coetzee, que entrou, leu trechos do seu novo livro, Diary of a Bad Year, e, depois, saiu. Assim. Uma menina que estava atrás, ao lado do Augusto do CPFL Cultural, exclamou em bom carioquês: "Pé-ra-ê! É ih-súúú?". O Augusto, mesmo com toda a experiência de reger uma programação mirabolante em Campinas, fez cara de paisagem e não respondeu nada. A platéia foi saindo, atônica, e só começou a xingar lá pelo meio da Ponte da Amizade. O Guilhermão Conte, que vinha da Praça da Matriz, já plenamente recuperado de sua intoxicação alimentar, exclamou para mim: "Pô, por que ele não mandou logo o livro?". Era verdade. O livro era maravilhoso, com pequenos ensaios sobre Dostoiévski, o corpo humano e a matança de animais, mas dava perfeitamente para ler em casa. Não precisava vir até a Flip para ouvir o Prêmio Nobel com sua voz musical...

* * *

E meio bobinha a leitura dramática de Beijo no Asfalto, de Nélson Rodrigues, logo depois (mesa das 22 horas), com concepção de Bia Lessa e uma porção de nomes famosos, como Nelson Motta (no papel principal), Jorge Mautner (no papel do investigador) e Sérgio Sant'Anna (entre outros escritores). O Mautner foi um dos poucos que valeu a pena, o Nelsinho, talvez, pelas histórias do Nélson, mas os outros, mesmo o Sérgio Sant'Anna, não tinham a menor experiência no negócio. Liam mal, sem impostação, erravam, tinham de voltar (e jogavam um certo "charme", como se "errar" fizesse parte do espetáculo...). E mesmo a participação do Domenico (meu colega de pastel no primeiro dia) foi menor, tocando um pouco de bateria, e lendo trechos, mas ele também não é leitor dramático... Enfim, não estava ensaiado e não deu pra entrar no clima da coisa. Eu e a Carol, à beira de perder os sentidos (interessante como a leitura chocou Samuel Wainer, que pela peça expulsou Nélson do Ultima Hora, porque, ontem, ela dava realmente sono), saímos no meio do segundo ato.

* * *

Boa a mesa "Narrativas de Conflito", imediatamente anterior ao Coetzee, com Lawrence Wright e Robert Fisk. Mais uma daquelas patrocinadas pela Piauí, que manteve o mesmo bom nível das outras do ano passado, embora não fosse tão "histórica" quanto a idéia de trazer Lilian Ross e "queimar o filme" de Christopher Hitchens (em 2006). Apelativa, no entanto, a tentativa de polêmica por parte de Fisk, que lembrou um pouco o Self (no dia anterior), em sua histeria e eloqüência, com todo o british accent. A mediadora, cujo nome não consegui levantar ainda, foi brilhante e propôs que, a partir de certo ponto, um jornalista entrevistasse o outro. O problema foi que Fisk quis provocar Lawrence (que era americano), colocando os Estados Unidos em posição difícil. Lawrence contra-atacou, foi um pouco ingênuo e acabou desistindo do embate. Perguntou a Fisk: "Você acha que os Estados Unidos mereciam ser atacados no 11 de Setembro?" (já que Fisk é especialista em Oriente Médio). "Que pergunta mais idiota, Lawrence!? Você obviamente já sabe a resposta: ninguém nunca merece ser atacado! Você acha que o Iraque merecia ser atacado depois???"

* * *

O Edu Carvalho - que bateu em 2007 o recorde mundial em número de posts sobre a Flip - falou uma coisa certa: alguns autores, assim como alguns jogadores de futebol, jogam para a platéia. O Fisk, por exemplo, foi a correção política em pessoa. Era, naturalmente, contra a guerra, contra a violência e contra governos em geral (o que arrancou aplausos e assobios logo no início da sua fala). Mas - a própria mediadora percebeu - era viciado em guerras e provavelmente não conseguiria viver sem elas ("Robert, como é o seu dia quando você não tem nenhuma guerrinha por perto, hein?"). Ou seja, quando tinha público, repetia o que todo mundo queria ouvir (a guerras são desumanas etc.), mas, no íntimo, não agüentava ficar longe das bombas, dos soldados e até da matança. Leu um trecho de um livro seu, sobre um morticídio qualquer (ele colecionava vários), com tanta eloqüência que eu fiquei desconfiado. Se ele se dizia tão chocado com a violência da guerra, como podia se excitar tanto, ao simplesmente reler algo - teoricamente abominável - que antes presenciou? Resultado: se até ver a mesa, eu queria ler o Fisk, perdi o interesse; vou, na verdade, continuar meu Lawrence...

* * *

Cabulei, ontem, as outras mesas da Flip, mas obtive informações privilegiadas, dos meus soldados no front avançado, que confirmaram minhas piores suspeitas. O César Aira se revelou o Diogo Mainardi da Literatura Latino-Americana. Repetiu, aqui, o que já havia dito pelos jornais, que o Carpentier era medíocre e que o Garcia Máquez também era (por exemplo). Queria chamar a atenção para si, evidentemente. Funciona assim: você ataca uma unanimidade, consegue com sorte publicidade e, no momento subseqüente, todo mundo quer saber quem você é; porque: ou você é muito burro (e corajoso) ou você é um gênio (e está apenas falando a verdade). Eu sei que todo mundo lê o Diogo Mainardi na esperança de que ele seja justamente o segundo caso; mas eu só acho o Diogo genial em fazer o que ele faz. Só (repito). É como no xadrez, e na frase do Shaw ou do Millôr: as polêmicas só servem para exercitar a habilidade em criar novas polêmicas - não resolvem os grandes enigmas da humanidade. E com o César Aira, que será esquecido até a próxima Flip, não foi diferente ontem.

* * *

E por falar em correção política (e em xadrez: se você perdeu aqui o raciocínio, retroceda agora dois parágrafos), a mesa da Nadine Gordimer e do Amós Oz começou com um clima de cavalheirismo insuportável. Afinal, em plena Festa Literária (qual seja), quem vai destronar um Prêmio Nobel de Literatura? Certas honrarias eu considero prejudiciais ao ser humano, porque, quer queira quer não, o sujeito fica se achando um semideus na Terra - e não é. Todo mundo, aqui, ficava apontando o Coetzee, como se ele fosse o Dalton Trevisan em Curitiba (vide "Eu vi Deus", ou algo assim, no Digestivo mesmo, assinado pelo Polzonoff...). Nessa mesa, eu ainda entrei numa outra saia justa, porque, de repente, a Liz Calder, idealizadora da Flip, veio sentar do meu lado, e eu, por cavalheirismo também (afinal, sou um gentleman), achei que não poderia sair bem no meio da performance. Para completar, a própria Liz apresentou a mesa (herself), apontando Amos e Nadime como dois dos maiores escritores andando sobre a Terra... (Céus, não são, não!)

* * *

O papo melhorou sobremaneira quando eles pararam de discutir coisas sérias como o futuro da humanidade (leia-se: Oriente Médio e África do Sul) e passaram às futilidades. Amós disse que acha a família uma das instituições mais absurdas, risíveis e contraditórias da História - mas que, mesmo assim, elas continuam a existir (e os seres humanos continuam lutando para preservá-las - apesar de todo sofrimento embutido). Amós teve milhões de problemas com seu pai, e pode-se dizer que, em todos os seus livros, ele volta à famigerada figura do pai (father figure). E falou, portanto, do pai, antes de ontem. Disse que, quando este tinha 93 anos, chamou Amós, então com trinta e tantos, para ter, como ele, uma conversa de homem pra homem, sobre as mulheres (Amós já era casado e com três filhos). "Descobri, nas minhas investigações, que, em certas coisas, as mulheres são exatamente iguais aos homens; e em outras, elas são completamente diferentes de nós - agora, só falta eu separar umas das outras..."

* * *

Amós não resistiu ao clichê, de todo escritor, afirmando que gostaria de, de repente, tirar umas férias, e parar de escrever, sei lá, por dois anos... "Para quê, Amós? Pra quê isso?", não agüentou Nadine. "Você iria ficar fazendo o quê, nesses dois anos?". "Ah, de repente, eu poderia tentar outra profissão...", retrucou humildemente Amós. "Sempre quis ser bombeiro, poderia ser uma oportunidade de recomeçar...". "Mas você já é bombeiro, Amós - você sempre foi bombeiro", fechou lindamente Nadine, e o céu brilhou mais estrelado lá em cima... Então eu pensei que, de certa maneira, é isso que algumas pessoas vêm buscar na Flip e, em certa medida, nos escritores, uma "mensagem" que possa transcender o evento em si, e que possa ser carregada para além daquela noite (para a vida). Porque os livros, certamente, serão esquecidos, os escritores, possivelmente, em alguns anos, e uma mensagem, num dia bonito em Parati, pode ficar. Ou não? [Continua...]


Postado por Julio Daio Borges
Em 8/7/2007 às 11h30

Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/7/2007
10h48min
Oi, Julio! Li o blog do Marcelo Tas sobre a Flip, agora na Uol. Parece que vocês tiveram a mesma impressão sobre os autores citados. A diferença é que ele pôde entrevistar o Fisk, em sua pousada, em um momento de sossego. Surpreendeu-se ao saber que Fisk não usava internet (mesmo duvidando) e viu diversas reportagens em um álbum que trazia consigo, segundo Marcelo "internet à lenha". Achei interessante a sua colocação (Julio): será que esse cara conseguiria viver sem uma guerrinha aqui e acolá? Por que tanta excitação com tal assunto??? Quanto à perfomance de J.M.Coetzee, segue no comentário seguinte um trecho do que Tas escreveu... Bj. Dri
[Leia outros Comentários de Adriana]
9/7/2007
10h55min
Só pra confirmar: Marcelo Tas em seu blog: "A tão esperada atração da Flip: a aparição do Prêmio Nobel que não dá entrevistas, o sul-africano J.M. Coetzee, se tornou uma frustração. O escritor permaneceu imóvel, de pé num púlpito, por uma hora, lendo trechos do seu novo livro, 'Diário de um Ano Ruim'. Não permitiu a presença de um mediador, nem perguntas da platéia. Será que é minha implicância ou vocês são capazes de me dizer que intenção tem um autor recluso em se deslocar até o Brasil e não se permitir a ouvir seus próprios leitores? Mais, para que se aventurar a ler um texto se ele próprio não tem bagagem dramática ou mesmo vocal para fazê-lo de forma adequada (lembro que a leitura não se limitou a um trecho curto da obra, como os outros autores regularmente fazem na Flip: a leitura monocórdia durou cerca de UMA hora!)? Consegui permanecer exatos dezoito minutos na sala (para vocês verem como eu tentei)..." Dri
[Leia outros Comentários de adriana]
9/7/2007
11h53min
Julio, espero que essa reportagem se transforme numa coluna (tudo junto) pra registro e consulta. Bom demais. Quem não foi, pode ler e sentir como se estivesse lá. Gostei do Coetzee frustrando a expectativa dos debates (ótimo isso), da peça do Nelson Rodrigues ficar meio sonífera com a canastrice dos "atores" (hehe) e gostei especialmente da sua percepção (bastante aguda) do prazer do Fisk com as "carnificinas" literárias... Os santos têm pés de barro, o show deve continuar - dois chavões que poderiam caber na Flip... De novo: excelente a reportagem! Abraços.
[Leia outros Comentários de Guga Schultze]
10/7/2007
09h41min
Gostei da frase sobre polêmicas e da sensação de que as pessoas podem estar buscando resolver os grandes enigmas da humanidade na FLIP, em vez do espetáculo, de um breve contato com ídolos considerados magníficos, quase deuses. Gostei muito das frustrações ocorridas em relação a algo sensacional que deveria ter ocorrido, mas não ocorreu, o que me lembrou um outro texto seu, Julio, sobre as contradições da FLIP, onde você reflete sobre a principal característica de um escritor, a sua introversão, sua solidão (por, de certo modo, não se conformar com o mundo), sua diferenciação pelo não ajustamento aos modelos e padrões da maioria; isso o torna avesso a exibições "festivas", espetaculares, massificantes, que retiram a força da sua obra, o seu poder conscientizador, a sua influência nas reflexões sobre sentidos maiores, por serem questões íntimas, para serem faladas olho no olho, afetando mesmo, pra ter sentido a reflexão, pra esta causar mudanças. Escritores não são artistas, ou são?
[Leia outros Comentários de Cristina Sampaio]
10/7/2007
15h37min
otimo texto
[Leia outros Comentários de esther ludmer]
11/7/2007
12h43min
Estando na Flip pela primeira vez fiquei encantada com as palestras em geral e com o movimento e a energia que rolam em Paraty. Gostei muito dos posts aqui publicados sobre a FLIP. Uma ótima oportunidade para eu revivê-la e repensar algumas opiniões. Ótimas suas sugestões sobre novos nomes. Uma festa desta importância deveria apresentar todos os segmentos. Uma pequena correção: quem chamou Amos Oz para uma conversa de homem pra homem foi o avô dele (seu pai já havia falecido àquela altura...), conforme ele relata em sua biografia.
[Leia outros Comentários de Viva]
12/7/2007
17h04min
Não fui à FLIP e li apenas um livro do Coetzee, então não sei se o meu pensamento faz sentido, mas... Eu li, acho que foi no Globo, que o Coetzee já teria anunciado antes de vir a FLIP que não faria debates, conversas e não aceitaria perguntas. Viria para ler seu livro. E ponto. Chato? Sim, é chato que um vencedor de Nobel, Booker Prize, e, além de tudo isso, bom escritor, não aceite de falar com o (seu?) público. Mas se é uma opção dele, devemos respeitá-la. Se ele não o faz por não gostar da dimensão comercial dessas "palestras" ou porquê não teria nada a dizer além do que está nos seus livros, devemos respeitá-lo. Há lugar aqui para à decepção? Sim, mas apenas para aqueles que não tinham lido seus avisos prévios de que não debateria nada, que eu acho que é o caso aqui... Fora isso, o texto está ótimo, e me motivou à ir na FLIP do ano que vem. Dependendo de quem estiver lá, também estarei.
[Leia outros Comentários de Bruno Larragoiti]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Os Livros da Fuvest Unicamp I (veja os Titulos na Relação) Vestib
Varios
Objetivo
(2009)



Cresça e Apareça
Luiz Alberto Alves dos Santos
Semente
(1996)



Coleção Frajola e Piu-piu - a Maldição do Nilo. Looney Tunes
Sid Jacobson
Babel
(2011)



Moderna Plus Literatura Tempos, Leitores e Leituras Unico Aluno
Maria Luiza M. Abaurre
Moderna
(2011)



Primeiro Mataram Meu Pai / 1ª Ed - Condira !!!
Loung Ung
Harper Collins
(2017)



The "early Times" Book of Unsolved Mysteries
Keith Brumpton(illustrator)
Puffin Books
(1993)



Abc de Castro Alves
Jorge Amado
Martins



Mangá Blade 26
Hiroaki Samura
Conrad
(2004)



Asas Brancas
Carlos Queiroz Telles
Moderna
(1997)



A Linguagem do Bebê
Lynne Murray e Liz Andrews
Publifolha
(2004)





busca | avançada
55740 visitas/dia
1,4 milhão/mês