Literatura e internet | Digestivo Cultural

busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Conto HAYEK, de Maurício Limeira, é selecionado em coletânea da Editora Persona
>>> Os Três Mosqueteiros - Um por Todos e Todos por Um
>>> Sesc 24 de Maio recebe o projeto Parlavratório - Conversas sobre escrita na arte
>>> Cia Caravana Tapioca faz 10 anos e comemora com programação gratuita
>>> Eugênio Lima dirige Cia O GRITO em novas intervenções urbanas
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
>>> A história de Chieko Aoki
>>> Uma história do Fogo de Chão
>>> BDRs, um guia
>>> Iggor Cavalera por André Barcinski
>>> Dave Brubeck Quartet 1964
Últimos Posts
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
>>> Indistinto
>>> Mais fácil? Talvez
>>> Riacho da cacimba
>>> Mimético
Blogueiros
Mais Recentes
>>> O Pedaço da Pizza: novidades depois de uma década
>>> Felipe Neto no Roda Viva
>>> Fabio Gomes
>>> O Menino que Morre, ou: Joe, o Bárbaro
>>> Sou da capital, sou sem-educação
>>> Uma vida bem sucedida?
>>> A morte da Capricho
>>> Quem é (e o que faz) Julio Daio Borges
>>> Bienal do Livro Bahia
>>> A primeira hq de aventura
Mais Recentes
>>> A interpretação do assassinato de Jed Rubenfeld pela Companhia das Letras (2007)
>>> Os Mistérios da Rosa-cruz de Christopher Mcintosh pela Ibrasa (1987)
>>> Las Glandulas Nuestros Guardianes Invisibles de M. W. Kapp pela Amorc (1958)
>>> Experiências Práticas de Ocultismo para Principiantes de J. H. Brennan pela Ediouro (1986)
>>> As Doutrinas Secretas de Jesus de H. Spencer Lewis pela Amorc (1988)
>>> Amigos Secretos de Anamaria Machado pela Ática (2021)
>>> A Vós Confio de Charles Vega Parucker pela Amorc (1990)
>>> O Segredo das Centúrias de Nostradamus pela Três (1973)
>>> Para Passar em Concursos Jurídicos - Questões Objetivas com Gabarito de Elpídio Donizetti pela Lumem Juris (2009)
>>> Dicionário espanhol + Bônus: vocabulário prático de viagem de Melhoramentos pela Melbooks (2007)
>>> Memorias De Um Sargento De Milicias de Manuel Antônio de Almeida pela Ática (2010)
>>> Turma da Mônica Jovem: Escolha Profissional de Maurício de souza pela Melhoramentos (2012)
>>> Xógum Volume 1 e 2 de James Clavell pela Círculo do Livro
>>> Viva à Sua Própria Maneira de Osho pela Academia
>>> Virtudes - Excelência Em Qualidade na Vida de Paulo Gilberto P. Costa pela Aliança
>>> Vida sem Meu Filho Querido de Vitor Henrique pela Vitor Henrique
>>> Vida Nossa Vida de Francisco Cândido Xavier pela Geem
>>> Vida Depois da Vida de Dr. Raymond e Moody Jr pela Circulo do Livro
>>> Vícios do Produto e do Serviço por Qualidade, Quantidade e Insegurança de Paulo Jorge Scartezzini Guimarães pela Revista dos Tribunais
>>> Viagem na Irrealidade Cotidiana de Umberto Eco pela Nova Fronteira
>>> Uma Só Vez na Vida de Danielle Steel pela Record (1982)
>>> Uma Família Feliz de Durval Ciamponi pela Feesp
>>> Um Roqueiro no Além de Nelson Moraes pela Speedart
>>> Um Relato para a História - Brasil: Nunca Mais de Prefácio de D. Paulo Evaristo pela Vozes
>>> Um Longo Amor de Pearl S Buck pela Circulo do Livro
BLOG >>> Posts

Quarta-feira, 26/9/2007
Literatura e internet

+ de 6000 Acessos
+ 13 Comentário(s)

Considero um total equívoco dizer que a internet faz com que os jovens escrevam de forma errada. No Brasil, por exemplo, saímos de uma era da televisão, que era totalmente ágrafa (vendo televisão, você não vê uma palavra escrita, só ouve). Nos anos 70 aos 90, a televisão foi o grande agente civilizador do Brasil. E a televisão é a cultura da oralidade. O advento da internet foi uma explosão brutal no sentido contrário - qualquer página que você abre na internet está cheia de coisas escritas. Ou seja, a palavra escrita voltou para o palco. As pessoas estão voltando a escrever - chats, e-mails, blogs, etc. A escrita passou a ser o mediador de toda a comunicação, de todo o processo de informação. A palavra escrita voltou com toda força. É um absurdo encarar a internet como um problema. É como se fôssemos acabar com a internet, proibi-la. Isso não tem sentido. Temos de pensar o que há de positivo em todo este fenômeno. Na minha experiência ao corrigir redações do vestibular da UFPR, em mais de 20 mil textos, não se encontra sequer uma abreviatura utilizada na comunicação na internet. O aluno não é burro. Ele sabe perfeitamente a diferença entre escrever num chat e uma redação para a escola. Ele sabe distinguir os registros. Então, nesse aspecto, eu sou otimista. Acho que a internet está exigindo que as pessoas tenham de escrever cada vez melhor. Elas têm de praticar. A escrita voltou a ser um valor social. E quando isso acontece, todas as forças começam a trabalhar nessa direção.

Cristovão Tezza, em entrevista, no último Rascunho.


Postado por Julio Daio Borges
Em 26/9/2007 à 00h18


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Poesia para jovens de Ana Elisa Ribeiro
02. 11 de Abril #digestivo10anos de Julio Daio Borges
03. Festival de Verão UFMG de Ana Elisa Ribeiro
04. How to Discover New Content de Julio Daio Borges
05. 12 ways to upgrade your life de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/9/2007
00h42min
Bastante relativo isso. A internet acostuma muito mal os jovens. Os jovens nascidos de 1990 pra cá, maioria hoje na internet, não lêem tanto quanto quem nasceu na década de 80, por exemplo. Eles não lêem na internet, eles conversam, é diferente. O Cristovão tem razão por um lado, ao falar que a palavra escrita está em evidência. Mas ele não pode utilizar as redações da UFPR como exemplo. Todos sabemos que o Sul é a região mais desenvolvida do País, e que lá a qualidade do ensino é bem melhor que na maior parte do Brasil. Então, é óbvio que não vai acontecer tantos erros. Sem contar que os sulistas são bem mais "literatos" que grande número dos outros estados.
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
30/9/2007
10h58min
Penso que o Tezza está cheio de razão. Não importam que tantos erros aconteçam, as pessoas continuam se tornam críticos e resenhistas. Esse conceito de erro é relativo: existem erros que contribuem e são variações linguísticas e desvios do português padrão.
[Leia outros Comentários de Lúcio Jr]
30/9/2007
21h19min
Sou professor aqui no sul e posso dizer que os alunos que escrevem na internet não conseguem escrever corretamente. Mesmo quando explico que há várias formas de se expressar e que o "internetês" é correto só na web, eles teimam em escrever "q", "ñ", "pq" etc, e não sabem desenvolver uma idéia, apenas reproduzir...
[Leia outros Comentários de Cassionei Petry]
1/10/2007
21h50min
Pessoal, acho que há uma certa obsessão à la Pasquale com o erro. Nesse debate, o Rafael errou. Deveria ter escrito: "é óbvio que não vão acontecer tantos erros" e eu tb: "não importa que tantos erros aconteçam..." Mesmo assim, isso em nada atrapalhou a comunicabilidade. Quem está abreviando, por vício, quem sabe, sem a prática de escrever na internet nem estaria comunicando.
[Leia outros Comentários de Lúcio Jr]
1/10/2007
23h15min
Até onde sei, a minha frase está correta. Tanto faz escrever "vai" ou "vão". Depende do que eu quero que concorde com o quê. Mas, por mais que a frase estivesse errada, isso só comprovaria o que eu disse: quem lê algo errado na rede - ou em qualquer lugar - e não tem conhecimentos maiores sobre a língua, vai achar que aquilo é certo e vai escrever daquele jeito. Existem erros em livros, jornais e revistas, mas, na rede, em chats e sites para jovens, os erros são mais graves. Não estou aqui levantando hipóteses, estou relatando um fato. É assim, e só não vê quem não quer, ou nunca esteve, está, no meio.
[Leia outros Comentários de Rafael Rodrigues]
2/10/2007
11h13min
Pessoal: não estou defendendo aqui o nosso sistema educacional, que sem dúvida precisa melhorar. No entanto, quem conversa no MSN escreve e lê, necessariamente, assim como quem manda um e-mail. Na internet estamos sempre numa página etc. Em se tratando de mau exemplo gramatical, existe um mau exemplo pior do que de Paulo Coelho? E nem por isso uma Pilar Fazito saiu numa cruzada normativa-descritiva contra ele. Há anos, Coelho deixava "ofença" no texto e dizia que não tiraria, pois Deus poderia estar nesse cedilha!
[Leia outros Comentários de Lúcio Jr]
2/10/2007
12h12min
Acho que deve haver um bom senso aí! Corrigi por volta de 4000 redações do Enem e percebi que muitos alunos usaram o "internetês" em sua redações. A linguagem é adequação, portanto, deve-se saber onde, com quem e quando usar determinada linguagem e isso não ocorre, seguramente. Os alunos, além de não lerem ou conseguirirem ler sequer um texto que saia fora do seu campo de linguagem, ainda, quando escrevem, usam termos inapropriados ao que lhes é proposto. Não adianta só dar letra de música de rap ou funk. Em que isso vai ajudá-los no seu desenvolvimento? Eles têm que saber que existe outro tipo de linguagem que é a que vai lhes dar condições de se inserirem no mercado, de fazê-los entender um jornal, por exemplo, escrever uma carta reinvindicando seus direitos e assim vai. A partir da linguagem que usam, devemos mostrar a norma-padrão, sem menosprezar o seu dialeto, ou gírias, ou variações lingúisticas, cada uma em seu lugar. A internet é uma boa ferramenta, como qualquer outra.
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy ]
2/10/2007
13h30min
Sim, os jovens ficam mais sucetíveis a erros... Mas será que não é melhor errar para algum dia vir a aprender? Pois sem a internet, pelo o que vejo nos cursos acadêmicos, os nossos jovens nem errar conseguem. "Abrçs"...rs.
[Leia outros Comentários de Marcos Chediti]
23/10/2007
14h57min
Vou um pouco na linha de Rafael Rodrigues para me expressar. Peguarei o gancho do ser relativo, pois o uso mais ou menos adequado da língua se relaciona com os mais diversos atributos do usuário, tais como: faixa etária, classe (mais relativo ainda), objetivos e a atividade inerente ao uso desta. Muito possivelmente quem vive da escrita, para se comunicar com um determinado público, há de se adequar à linguagem daquele público. Assim se sucederá com os adolescentes que hojem usam em demasia esse tal internetês, e que ainda não estão em idade profissional.
[Leia outros Comentários de Danielle Ribeiro]
25/10/2007
06h08min
Calma, é preciso não fazer confusão da língua em seus aspectos mais formais, diria até normativo, com a sua dinâmica. A gramática tem um ambiente próprio, de registro, e tem um desenvolvimento que vai agregando as evoluções, as experimentações em apropriações consagradas pelo uso, a despeito de quaisquer ponderações. A comunicação cotidiana ocorre nos segmentos que os individuos frequentam, médicos, músicos, advogados e mesmo adolescentes. Os interesses e fatores disponíveis no meio também integram, ainda que de forma colateral, o processo da comunicação. Cristovão Tezza é um bakthiniano e acredito que, por conta disto, perceba a comunicação de forma integrada, os índividuos e o meio; assim trata a normatização com uma representação menor que o valor de certo ou errado, que representa apenas uma frágil convenção. Cada autor produz um texto distante da possibilidade única de leitura, porque leitura se faz com a experiencia individual do leitor, num duo e cada experiencia é única.
[Leia outros Comentários de Carlos E. Oliveira]
26/10/2007
13h20min
Discordo em parte com o Tezza, quando fala da não influência da Internet nas redações escolares. Pode ser até que o público dos vestibulares atuais ainda não estejam fazendo uso dos vícios comuns da linguagem instantânea. Mas espere pelos próximos e verá.
[Leia outros Comentários de Antônio P. Andrade]
26/10/2007
13h38min
A polêmica sobre o português da Net parece interminável. O que não posso admitir é alguém ser tolo o bastante para imaginar que um vestibular em uma de nossas regiões é fervilhante de literatos. Quantos Éricos Veríssimos não estarão se perdendo nessas redações de vestibulares? E esse alguém, depois disso, retratar o meio onde atua?
[Leia outros Comentários de Lúcio Júnior]
26/10/2007
18h49min
Está virando um vício escarnecer das redações de secundaristas e vestibulandos, é mais um vício inconfessável de tomar o todo pela parte e se redimir na brutalidade da gargalhada. As redações são instrumentos de verificação da fluência da escrita em sua forma e seu conteúdo, daí deriva inúmeras possibilidades. Redação, dentro deste contexto não deve ser comparada a peça literária, sob pena de leviandade tal como secundaristas e vestibulandos comparados Veríssimo, qualquer um deles. Estudantes estão se instrumentalizando, experimentando rigores e formatos, logo quaisquer considerações que não inclua este detalhe apresenta vício em sua conclusão. Todos sabemos da influência do meio, e o meio somos todos nós, os que escrevem, bem ou mal, e os que não escrevem. Felizes os que se apresentam para tentar, terão exitido. Alguém já disse que o acerto é só a excessão dentre inúmeros erros e esta história de regionalismo é só mais um cacoete tacanho. Somos todos uma pequena parcela do todo, somente.
[Leia outros Comentários de Carlos E. Oliveira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Anti Sionismo Nova Face do Anti Semitismo
Eliyahu Biletzky
Bnai Brith
(1982)



Vladslav Ostrov, Príncipe do Juruena
Maria José de Queiroz
Record
(1999)



Era uma Vez... Realidade Talvez
Janaina Soares e Susana Nogueira (orgs)
Cbje
(2014)



Lógica Jurídica
Silvio de Macedo
Rio
(1978)



História Geral e Brasil - Nova Ortografia
José Geraldo Vinci de Moraes
Atual
(2009)



Afecções Menos Frequentes Em Gastroenterologia
Paulo Roberto Savassi-rocha e Outros
Medbook
(2007)



A Espécie Divina. Como o Planeta Pode Sobreviver À era dos Seres
Mark Lynas
Alta Books
(2012)



Psicologia da Criança
Arthur T. Jersild
Itatiaia Limitada
(1977)



O Mundo e Eu
João Mohana
Agir
(1984)



Systematic Database of Diptera of the Americas South of the United Sta
J H Guimarães
Pleiade
(1997)





busca | avançada
31 visitas/dia
2,2 milhões/mês