7 bilhões e um réveillon | Digestivo Cultural

busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
>>> O prazer, origem e perdição do ser humano
>>> William Faulkner e a aposta de Pascal
>>> Os Estertores da Razão
Mais Recentes
>>> Psicologia e Dilema Humano de Rollo May pela Zahar (1977)
>>> Cher de Josiah Howard pela Nversos (2014)
>>> empreendedorismo de João Carlos Assis Dornelas pela elsevier Campus (2008)
>>> Metodologia Científica de Amado Luiz Cervo; Roberto da Silva pela Prentice Hall Brasil (2006)
>>> Cher de Josiah Howard pela Nversos (2014)
>>> Java 2 Ensino Didático Desenvolvendo e Implementando Aplicações 6ªed de Sérgio Furgeri pela Érica (2002)
>>> Tomografia computadorizada do corpo em correlação com ressonância magnética de Joseph K T Lee e outros pela Guanabara Koogan (2008)
>>> Cher de Josiah Howard pela Nversos (2014)
>>> Cher de Josiah Howard pela Nversos (2014)
>>> Metodologia Científica de Amado Luiz Cervo; Roberto da Silva pela Prentice Hall Brasil (2006)
>>> Os Arquivos dos Campeonatos Brasileiros de José Renato Sátiro Santiago Jr. pela Panda Books (2006)
>>> Dicionário Socioambiental Brasileiro de Luciano Pizzatto pela Ambientebrasil (2009)
>>> Metodologia Científica de Amado Luiz Cervo; Roberto da Silva pela Prentice Hall Brasil (2006)
>>> Dicionário Socioambiental Brasileiro de Luciano Pizzatto pela Ambientebrasil (2009)
>>> empreendedorismo de João Carlos Assis Dornelas pela elsevier Campus (2009)
>>> Dicionário Socioambiental Brasileiro de Luciano Pizzatto pela Ambientebrasil (2009)
>>> Cinzeiro 17 Obras de João Fabio Cabral de João Fabio Cabral pela Nversos (2013)
>>> As Crianças Aprendem o Que Vivenciam de Dorothy Law Nolte; Rachael Harris; Maria Luiza pela Sextante (2009)
>>> Metodologia Científica de Amado Luiz Cervo; Roberto da Silva pela Prentice Hall Brasil (2006)
>>> Cinzeiro 17 Obras de João Fabio Cabral de João Fabio Cabral pela Nversos (2013)
>>> Sociologia Geral de Reinaldo Dias pela Alínea (2010)
>>> Cinzeiro 17 Obras de João Fabio Cabral de João Fabio Cabral pela Nversos (2013)
>>> Metodologia Científica de Amado Luiz Cervo; Roberto da Silva pela Prentice Hall Brasil (2006)
>>> Cinzeiro 17 Obras de João Fabio Cabral de João Fabio Cabral pela Nversos (2013)
>>> Cinzeiro 17 Obras de João Fabio Cabral de João Fabio Cabral pela Nversos (2013)
BLOG >>> Posts

Quinta-feira, 27/12/2007
7 bilhões e um réveillon
+ de 4100 Acessos
+ 5 Comentário(s)

Após o natal, vem a tranqüilidade da capital mineira. Tranqüilidade que se estende até a quarta-feira de cinzas e toma forma de um enorme marasmo, capaz de fazer os mais nostálgicos sentirem falta do trânsito infernal, da poluição na Avenida Amazonas e daquela quantidade de gente fervilhando nas ruas.

De repente, todo mundo desaparece e BH volta ao que era há vinte anos. Num domingo desses, dá até para descer a Afonso Pena em carrinho de rolimã, ou comer pipoca no Pirulito da Praça Sete.

A cidade conta, oficialmente, com 2,3 milhões de habitantes. Nosso metrô é de fazer dó e, a cada dia, mais gente prefere arrumar um carro para ficar, confortavelmente, preso no engarrafamento, enquanto emite gás carbônico às pampas.

Todos os dias eu acordo e penso que somos muitos no mundo. Todos os meses, faço meu irmão (um douto demógrafo preocupado com a sociedade e o ser humano, ao contrário da irmã) relatar os índices do ibope em pormenores: quantos já somos? A quantos chegaremos em 10 anos? E em 50? Quando começaremos a ser menos? E faço os cálculos de mortes anuais no trânsito. Adiciono os 6 mil brasileiros mortos de tuberculose por ano, 3 milhões ao todo no mundo, mais um tanto por desastres naturais (furacões, tsunamis, terremotos e por aí vai) e chego à conclusão de que a natureza é sábia.

Meu irmão me diz que já chegamos aos 7 bilhões de pessoas em todo o globo. A expectativa caiu, graças a Zeus, nos últimos anos e não chegaremos a 12 bilhões como se acreditava, mas talvez a 10 bi. Ainda acho muito. Mesmo que me digam que a aceleração já parou e que, em 50 anos, o número começará a cair. Ainda assim, às vezes tenho pesadelos e imagino onde e como esses 3 bilhões de pessoas que estão por chegar se acomodarão. Os 3 bilhões de carros que vão querer ter, as casas que terão que ser construídas, a água que deverão usar, a energia e todos os benefícios a que qualquer pessoa deveria ter direito.

Nunca fui boa de números e menos ainda de distribuição espacial. Acabo tendo meus pesadelos, imaginando 3 bilhões de pessoas no meu quarto, dividindo não apenas o espaço, como também o ar que respiro. E me sinto sufocada.

Já convivo com 2 pessoas que se multiplicam exponencialmente durante férias, feriados, sábados e domingos. Após uma semana de convívio, começo a sentir uma comichão, uma vontade de me enclausurar na minha toca espaçosa de 12 metros quadrados. Sozinha. Não sei como conseguiria conviver com mais 3 bilhões de pessoas no mundo.

As pessoas precisam de um mínimo de distância para não enlouquecerem umas às outras. Até essa típica overdose familiar mineira irrita. E como irrita! Família é bom. Mas é melhor ainda quando há distância porque a gente passa a sentir falta e, quando encontra, não tem tempo para brigar.

Ok, nenhum homem é uma ilha. É verdade que depois de 8 meses de isolamento e falta de um abraço ou aperto de mão em país frio e franco, voltei ao Brasil com uma estranha e bizarra vontade de "me jogar para a galera". Nunca fui muito de futebol, mas realizei meu grande desejo num clássico com 80 mil pessoas no Mineirão: Cruzeiro e Flamengo em... 2003? Naquele ambiente único em que o contato físico é tão intenso que a gente sai do lugar sem precisar por o pé no chão. Flutuei, literalmente, enquanto a massa de torcedores me levava para a arquibancada. E, nessas horas, a "sobaqueira" toda vira perfume de rosas orvalhadas aos primeiros raios de sol da manhã. O suor da classe operária, dos trabalhadores braçais e dos intelectuais esportivos de domingo... Nunca pensei que pudesse cheirar tão bem. Como diria o Peter Gabriel, I have the touch.

Depois de saciada a necessidade tátil, voltei à condição sociopata, à ojeriza de atitudes pegajosas e a fugir de viagens de ônibus em horário de rush acebolado.

Sendo assim, eu deveria adorar a situação desértica de BH nesta entressafra de feriados e ficar por aqui. Por isso mesmo, não consigo entender essa tentação de passar o réveillon em meio a 2 milhões de criaturas que se estapearão nas areias de Copacabana ao som de fogos de artifício, mandingas e pedidos de paz e tranqüilidade.

Devo ser masoquista.

Masoquista ou não, feliz 2008 para todos, um abraço e... chega, já tá bom. Agora arreda um pouquinho prá lá, por favor.


Postado por Pilar Fazito
Em 27/12/2007 à 00h31

Mais Pilar Fazito no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/12/2007
22h10min
Muuuuuito bom... como sempre! Feliz 2008 e pode passar aqui perto que o Papai Noel deixou um nigucim procê.... bjm Tania
[Leia outros Comentários de Tania]
28/12/2007
09h26min
Sua crônica metropolitana, ao contrário de ser preconceituosa, revela fobias que são partes do nosso próprio inconsciente. Realmente, Belo Horizonte é mais humana e mais bela sem tantos humanos nela. O problema maior é que, os excedentes demográficos são produzidos longe do turbilhão das ruas. Resta-nos aderir e rezar... Sds. Antônio Pimenta de Andrade
[Leia outros Comentários de Antônio P. Andrade]
28/12/2007
14h48min
um texto inteligente, auto-crítico, sincero consigo mesmo... gostei... sociopatia ou não, o fato é que qualquer "homo urbanus" normal é assim... temos nossos momentos em que nos rendemos à instintiva necessidade de "tocar e ser tocado", à satisfação do irresistível prazer (ou desprazer) tátil. Mas, em nossos muitos outros momentos de "lucidez urbana civilizada", o que mais queremos mesmo é o nosso espaço "intocado", "esterilizado" até! faz parte...
[Leia outros Comentários de silvio]
29/12/2007
11h13min
Como belorizontina típica, concordo e me identifico plenamente com suas colocações. A cidade se torna mais nossa nesse intervalo e, à parte nossos devaneios, o que queremos é estar no nosso canto e poder, quando sentirmos necessidade, alcançar os nossos, de alguma forma. Esse ano não me rendi aos apelos insistentes de amigos e família para passar o ano novo na praia. Não, Não, Não. Quero ficar aqui, com um grupo especial de amigos, tomando um champanhe, se possível, sem aquela agitação peculiar. Curtindo uma boa música, boas conversas, e se der, um beijo na boca, à meia-noite. É pedir muito? Adorei o seu texto e pra você, um 2008 muito feliz. Abraço. Adriana
[Leia outros Comentários de Adriana Godoy ]
1/1/2008
18h08min
Minha cara Pilar, talvez quando o mundo chegar a 15 bilhões de pessoas ou mais, e o planeta Terra já estiver bastante destruído, talvez até lá já estaremos de posse de outro planeta, com toda característica e meios de sobrevivência que existe na Terra. Um, não, mas talvez dois. Ou simplesmente o Homem deixará para sempre de exstir, assim como aconteceu com os dinossauros. Concordo quando você diz que as pessoas precisam de espaço para não enlouquecer. É verdade, precisam de silêncio e meditação para poderem colocar as idéias no lugar. E na Terra isto parece que vai ser uma raridade. Abraços.
[Leia outros Comentários de Delton L. martins]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Babel - Entre a Incerteza e a Esperança
Zygmunt Bauman / Ezio Mauro
Zahar
(2015)



Livro Sociologia Ideologia e Utopia Biblioteca de Ciência Sociais
Karl Mannheim
Zahar
(1972)



The Herder Symbol Dictionary
Vários Autores
Chiron Publications
(1987)



Por Que Esses Padres Deixaram a Batina
Syr Oliveira Evangelista Martins
A. D. Santos
(2004)



Livro Sociologia Elitismo, Autonomia, Populismo
Milton Lahuerta
Andreato
(2014)



O Piano Das Cores
Massin
Companhia Nacional
(2022)



Quando o Amor é Eterno
Nelson Moraes
Wpaz
(2008)



As Consequências do Amor
Sulaiman Addonia
Record
(2009)



Oscar: Arquiteto de Sonhos - Infantil
Neide Duarte e Mércia M. Leitão
Scipione
(2004)



O Símbolo Perdido
Dan Brown
Arqueiro





busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês