Os argentinos saem na frente | Digestivo Cultural

busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Projeto “Sala de Visita” recebe Mauricio Virgulino para falar sobre Educomunicação e arte
>>> ZapMusic, primeiro streaming de músicos brasileiros, abre inscrições para violonistas
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Tiro ao alvo
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
Blogueiros
Mais Recentes
>>> À beira do caminho
>>> William Faulkner e a aposta de Pascal
>>> Modernismo e Modernidade
>>> O último a sair que apague a luz
>>> Entretenimento dá dinheiro, sim!
>>> Teatro para todos
>>> Creating a profitable startup
>>> Cinemateca, Cinemateca Brasileira nossa
>>> Itaúnas não será esquecida e nem Bento
>>> Que exemplo arrebatador a Colômbia dá ao mundo
Mais Recentes
>>> Un Negocio Arriesgado de Nora Roberts pela Harlequin Ibérica
>>> A Mulher Só de Harold Robbins pela Abril Cultural (1985)
>>> Um Estranho Segredo de Marcos Diego Mogami pela Db (2014)
>>> Jesus, o Maior Líder Que já Existiu de Laurie Beth Jones pela Sextante (2006)
>>> Ley de Contrato de Trabajo Anotada de Mariano H Mark pela Lexisnexis (2005)
>>> Romeu e Julieta de Ganymedes José pela Ediouro (2004)
>>> 1984 de George Orwell pela Principis (2021)
>>> História dos Hebreus de Flávio Josefo pela Cpad (2004)
>>> O Fiel e a Pedra de Osman Lins pela Círculo do Livro
>>> Space Boy Volume 1 de Stephen Mccranies pela Dark Horse Books
>>> Cleópatra de Arlete Salvador pela Contexto (2011)
>>> 1984 de George Orwell pela Tricaju (2021)
>>> La Bodega de Noah Gordon pela Rocco (2008)
>>> O Espião Que Sabia Demais de John Carré pela Circulo do Livro
>>> A História do Brasil Em 50 Frases de Jaime Klintowitz pela Leya (2014)
>>> A Morte é um Dia Que Vale a Pena Viver de Ana Claudia Quintana Arantes pela Leya Casa da Palavra (2016)
>>> The Book of Why de Judea Pearl pela Basic Books (2018)
>>> O Morro das Ilusões de Zibia M Gasparetto pela Vida e Consciência
>>> Arraia de Fogo de José Mauro de Vasconcelos pela Melhoramentos
>>> The Book of Lost Tales II (the History of Middle-earth, Book 2) de J. R. R. Tolkien pela Harper Tolkien (2002)
>>> Nas Ruas do Brás de Drauzio Varella; Maria Eugênia pela Companhia das Letrinhas (2000)
>>> As Pompas do Mundo & o Retrato na Gaveta de Otto Lara Resende pela Círculo do Livro
>>> Shakespeare e o Amor de Arx pela Arx
>>> Direito Internacional Público - Curso elementar de J F Rezek pela Saraiva (1994)
>>> The Book of Lost Tales (the History of Middle-earth, Book 1) de J. R. R. Tolkien pela Harper Collins (2002)
BLOG >>> Posts

Domingo, 7/9/2008
Os argentinos saem na frente

+ de 3700 Acessos
+ 2 Comentário(s)

...de novo

ou O revisionismo de Alan Pauls


Numa entrevista para o portal G1, realizada no ano passado, o diretor Hector Babenco disse que andava lendo muitas novidades da literatura brasileira, mas nada que chamasse sua atenção como algumas obras de escritores espanhóis e argentinos. Na época, ele acabava de lançar O passado, filme baseado no romance do portenho Alan Pauls, e sabia bem do que estava falando.

Nascido em Buenos Aires, em 1959, Alan Pauls escreveu O passado em 2003. O livro vendeu bem e teve boa repercussão entre os críticos. Agora, seguindo a mesma linha intimista, História do pranto (Cosac Naify, 2008, 88 págs.), seu mais recente livro, é distribuído no Brasil pela editora Cosac Naify. Trata-se de uma aposta editorial ousada, dado o estilo próprio do autor ― um livro de palavras, associações, pensamentos e reflexões ― e, por isso mesmo, certeira.

História do pranto é um livro muito bem escrito e parte de um argumento bastante original. Mesclando um formato próprio ao romance psicológico e a novela política, Alan Pauls apresenta o testemunho vertiginoso de um garoto que acredita ser o Super-Homem para recuperar a história da esquerda argentina dos anos 70.

A transição da infância para a adolescência marca a revisão ideológico-sentimental de um menino bastante sensível, filho de pais divorciados da classe-média de Buenos Aires. "Um repugnante cantor de protesto, uma namorada chilena de direita, um oligarca torturado, um vizinho militar que talvez não seja o que parece, e um inusitado polvo no fundo de uma piscina..." são outros personagens e elementos que gravitam em torno do protagonista, criando um universo estranho e alvo das análises do garoto.

História do pranto é um livro que consolida Alan Pauls como um dos maiores escritores contemporâneos da Argentina. Dono de um estilo próprio, o autor tem um excelente domínio vocabular e sintático, capaz de traduzir todo o sentimento de inadequação do protagonista por meio de um intenso fluxo de consciência. Para chegar a esse resultado, ele se vale de períodos gigantescos, à la Proust, e justifica a preferência: "Gosto de trabalhar a frase como se fosse um transe, e não há dimensão mais narcótica na literatura que a sintaxe. Uma frase longa transforma a literatura numa arte ambiental: o leitor pode viver dentro da frase, como se estivesse num ecossistema raro, cheio de prazeres e perigos." Mas, diferentemente do autor francês, os períodos de Alan Pauls, permeados de apostos e orações explicativas, contêm uma visão crítica e irônica que transita entre o pessimismo adulto e a ingenuidade infantil, própria ao personagem.

O ritmo da narrativa é bastante ágil e esse é um efeito próprio ao recurso dos fluxos de consciência. Conseqüentemente, há um distanciamento entre o protagonista e o mundo exterior ali representado: às vezes, tem-se a impressão de estar dentro de uma bolha, ao lado do garoto, enquanto os outros personagens encenam um circo de horrores do lado de fora.

Observado à distância, o retrato do período da ditadura argentina é questionado pela criança, que não entende bem o que está acontecendo, mas sabe que não quer chorar a dor dos outros. Desse modo, tanto o cantor de protesto que volta do exílio anos mais tarde, quanto o suposto vizinho militar lhe despertam mais a revolta por ceder sua compaixão sem querer do que a compaixão em si.

Essa revolta por sentir-se obrigado a sofrer a dor de gerações anteriores também está presente nos contos do israelense Etgar Keret, que retrata a juventude judaica, farta com a herança da Shoah. Mais do que "revisionismo", essa postura parece querer encerrar de uma vez por todas o cultivo de tradições culturais e ideológicas nocivas ao surgimento do novo. Uns poderiam chamar essa atitude de anárquica, outros de alienada. Polêmica à parte, parece inaugurar um novo estilo literário que, talvez, marcará o início do século XXI.

A História do pranto, de Alan Pauls, não é para qualquer um. Trata-se de um livro exigente que requer um leitor atento, perseverante e crítico, alguém disposto a captar a ironia mordaz e os pontos de vista que fogem do senso comum, mas que, ainda assim, não tenha perdido a ternura. Em troca, oferece uma história muito bem narrada, reflexões edificantes e a visão de um novo movimento literário ― infelizmente, ainda ausente no Brasil.


Postado por Pilar Fazito
Em 7/9/2008 às 16h08


Quem leu este, também leu esse(s):
01. O Império da Amazon de Julio Daio Borges


Mais Pilar Fazito no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
9/9/2008
06h43min
E inclua-se Antonio Lobo Antunes, além de Amós Oz! Eu penso que o breve ensaio de Afonso Romano (publicado aqui, no Digestivo) sobre a poesia brasileira também vale para a prosa.
[Leia outros Comentários de Sílvio Medeiros]
15/9/2008
11h44min
Estou no comecinho do livro e achando a leitura excelente. Salvei seu texto para ler "postumamente". Li o começo e já gostei da resenha. De qualquer modo, muito bom ler sobre o argentino Alan Pauls, aqui. Que, ao menos na literatura, brasileiros e argentinos não sejam rivais... Desde já, meus parabéns, Pilar! Abraço cordial, Isa
[Leia outros Comentários de isa fonseca]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Como Reparar Avarias na Estrada sem Ser um Especialista
Miguel de Castro
Platano
(1994)
R$ 77,00



Os Pensadores -rousseau
Nova Cultural
Nova Cultural
R$ 11,00



Empreendedorismo
Kls
S/n
R$ 5,00



Poemas Trocados do Tempo
Martinho Abreu Ferreira
Esposende
(2000)
R$ 16,50



Um Salto no Escuro - uma Questão de Fé
Lourdes Addiléa Goulart de Miranda
Thesaurus
(2001)
R$ 10,00



Os direitos fundamentais e a (in) certeza do direito
Menelick de Carvalho Netto , Guilherme Scotti
Fórum
(2012)
R$ 39,30
+ frete grátis



Não Faça Nada, Só Fique Sentado
Sylvia Boorstein
Agora
(1996)
R$ 29,90



Inspiração Nordestina.
Patativa do Assaré
Hedra
(2003)
R$ 32,00



Vladslav Ostrov, Príncipe do Juruena
Maria José de Queiroz
Record
(1999)
R$ 12,00



O Mulato - Coleção Travessias
Aluísio Azevedo
Moderna
(2014)
R$ 15,00





busca | avançada
77579 visitas/dia
2,1 milhões/mês