Biografias literárias | Digestivo Cultural

busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um ano de reflexões na Big Apple
>>> Steve Jobs apresentando o iPad
>>> De quantos modos um menino queima?
>>> Mastigar minhas relações
>>> Vaguidão específica
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> Da Poesia Na Música de Vivaldi
>>> Festa na floresta
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
Mais Recentes
>>> Coleção para gostar de ler de Varios pela Atica (1985)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Cor e Pintura de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Meu pequeno fim de Fabrício Marques pela Segrac (2002)
>>> Grande Enciclopédia de Modelismo - Materiais e Ferramentas de Walquir Baptista de Moura - Produção pela Século Futuro
>>> Livro Dicionário Enciclopédico Veja Larousse - Volume 1 de Eurípedes Alcântara , Diretor Editorial pela Abril (2006)
>>> O diário de Larissa de Larissa Manoela pela Harper Collins (2016)
>>> Corpo de delito de Patricia Cornwell pela Paralela (2000)
>>> A Arte da guerra de Sun Tzu pela Pé da letra (2016)
>>> O fio do bisturi de Tess Gerritsen pela Harper Collins (2016)
>>> A garota dinamarquesa de Davdid Ebershoff pela Fabrica 231 (2000)
>>> Uma auto biografia de Rita Lee pela Globo livros (2016)
>>> Songbook Caetano Veloso Volume 2 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> A Sentinela de Lya Luft pela Record (2005)
>>> O teorema Katherine de John Green pela Intriseca (2006)
>>> Louco por viver de Roberto Shiyashiki pela Gente (2015)
>>> A ilha dos dissidentes de Barbara Morais pela Gutemberg (2013)
>>> Sentido e intertextualidade de Emanuel Cardoso Silva pela Unimarco (1997)
>>> Mistérios do Coração de Roberto Shinyashiki pela Gente (1990)
>>> Interrelacionamento das Ciências da Linguagem de Monica Rector Toledo Silva pela Edições Gernasa (1974)
>>> Sociologia e Desenvolvimento de Costa Pinto pela Civilização Brasileira (1963)
>>> O Coronel Chabert e Um Caso Tenebroso de Honoré de Balzac pela Otto Pierre Editores (1978)
>>> O golpe de 68 no Peru: Do caudilhismo ao nacionalismo? de Major Victor Villanueva pela Civilização Brasileira (1969)
>>> Recordações da casa dos mortos de Fiodor Dostoiévski pela Nova Alexandria (2006)
>>> Elric de Melniboné: a traição ao imperador de Michael Moorcock pela Generale (2015)
>>> O Príncipe de Nicolau Maquiavel pela Vozes de Bolso (2018)
>>> Deuses Americanos de Neil Gaiman pela Conrad (2002)
>>> Deus é inocente – a imprensa, não de Carlos Dorneles pela Globo (2003)
>>> Memórias do subsolo de Fiodor Dostoiévski pela 34 (2000)
>>> Songbook - Tom Jobim, Volume 3 de Almir Chediak pela Lumiar (1990)
>>> Comunicação e contra-hegemonia de Eduardo Granja Coutinho (org.) pela EdUFRJ (2008)
>>> Caetano Veloso Songbook V. 1 de Almir Chediak pela Lumiar
>>> Origami a Milenar Arte das Dobraduras de Carlos Genova pela Escrituras (2004)
>>> O vampiro Lestat de Anne Rice pela Rocco (1999)
>>> Nova enciclopédia ilustrada Folha volume 2 de Folha de São Paulo pela Publifolha (1996)
>>> Esperança para a família de Willie e Elaine Oliver pela Cpb (2018)
>>> Leituras do presente de Valdir Prigol pela Argos (2007)
>>> Insight de Daniel C. Luz pela Dvs (2001)
>>> Política e relações internacionais de Marcus Faro de Castro pela UnB (2005)
>>> Harry Potter e a Pedra Filosofal de J. K. Rowling pela Rocco (2000)
>>> Infinite Jest de David Foster Wallace pela Back Bay Books (1996)
>>> Nine Dragons de Michael Connelly pela Hieronymus (2009)
>>> The Innocent de Taylor Stevens pela Crown Publishers (2011)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> The Watchman de Robert Crais pela Simon & Schuster (2007)
>>> Filosofia Para Crianças e Adolescentes de Maria Luiza Silveira Teles pela Vozes (2008)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> O Caminho da Perfeição de A. C. Bhaktivedanta Swami pela The Bhaktivedanta (2012)
>>> Vida de São Francisco de Assis de Tomás de Celano pela Vozes (2018)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
>>> Apóstolo Paulo de Sarah Ruden pela Benvirá (2013)
BLOG >>> Posts

Sábado, 25/10/2008
Biografias literárias

+ de 4700 Acessos

Você é daquele tipo de leitor que fica se questionando ao longo da leitura de um livro sobre a influência da vida do autor em sua escrita e na história em que conta? Claro que existe uma relação entre as duas coisas, mas nem sempre ela é perceptível ou proposital. Em seu seminário no curso de Criação Literária na Academia Internacional de Cinema (AIC), o poeta, ensaísta e tradutor Rodrigo Petrônio, autor de livros como Pedra de Luz, apresentou aos alunos alguns casos em que a biografia do escritor influenciou formas de linguagem e histórias clássicas da literatura. Na entrevista que segue abaixo, Petrônio lançou um olhar mais analítico sobre essa relação entre ficção e realidade.

Como preparou este seminário?

Na verdade, fui desenvolvendo esse tema de modo muito pessoal, tateando, tangenciando, vendo o que realmente me interessava nele. Os grandes biógrafos acabam conseguindo reintegrar vida e obra. Mas às vezes eles carecem de profundidade analítica ou tendem a se ocupar mais dos dados biográficos do que da significação simbólica que esses dados tenham para a obra do autor tratado. Este conceito de biografia que desenvolvo se expande para todos os gêneros. Trata-se do "eu" entendido como matriz mítica de produção literária, em outras palavras, como matéria-prima da ficção. Dessa maneira, como intersecção dos planos do real e do imaginário, da vida e da ficção, ele transcende a concepção estrita de gênero e acaba desaguando em todas as modalidades literárias, de acordo com o uso consciente desses recursos pelos autores.

Gostaria de entender melhor como é essa abordagem do "eu"; o quanto (e o que) de autobiográfico há nas obras e de que forma os fatos reais, vividos pelos autores, são inseridos nos escritos?

A princípio, a relação entre biografia e literatura nos soa como um aparente truísmo, na medida em que sempre há algum componente pessoal naquilo que se escreve. Entretanto, há uma diferença entre um uso ocasional e um uso programático. No primeiro caso, temos uma espontaneidade na criação e um mero acidente entre o discurso ficção e os fatos empíricos. No segundo, essa relação é motivada. Não digo que haja uma hipotética e equivocada intenção do autor. Vou mais além. Há estruturas narrativas biográficas implicadas na própria obra. Nesse caso, os termos de vida e obra tornam-se conversíveis uns nos outros e complementares. Por outro lado, creio que estejamos um pouco viciados em um tipo de referencial moderno. Também a própria estrutura poética é organizada por meio de regras retóricas e poéticas que são impessoais, de domínio coletivo. Há uma primazia da matéria de que se trata, considerada mais importante do que a expressão ou a vida íntima do autor.

Como se dá esse processo com autores como Cervantes, Dante, Kafka, Proust, Joyce, citados nas aulas?

A partir do século XV essa relação começa a se tornar complexa e ocorre uma guinada substanciosa. Começamos a ter a presença do "eu" fático do autor, estruturando a experiência literária e demarcada com mais ênfase a partir de A divina comédia, e, sobretudo, a partir de Montaigne. Com os ensaios, esse "eu" passa a ocupar o papel de protagonista e de centro irradiador do discurso literário. Com Montaigne temos, na literatura, uma espécie de inauguração de um "eu" que se pretende genuíno, a um só tempo discursivo e empírico, literário e biográfico, bem como o jogo entre essas duas dimensões, ou seja, entre a poesia e a história, entre a realidade e forma ficta. O Dom Quixote não é nada mais do que uma grande bufonaria em torno desse deslocamento original, no qual a literatura ganha espessura humana, fisionômica e biográfica, mas sempre afirmando seu estatuto de "ficção".

Você citou em uma das aulas algumas formas de abordagem: testamento, testemunho, confissão, expressão e auto-retrato. Há mais alguma? Qual a principal característica de cada uma delas? É possível relacionar algum desses autores acima com alguma dessas "classificações"?

Todos esses itens que você menciona integram aquilo que podemos chamar de biografemas, marcas da vida programaticamente usadas na obra. É claro que não é possível captar de maneira transparente essa relação. Afinal, nem nós mesmos detemos a totalidade de relações possíveis e tangíveis de nossas próprias vidas. Mas a possibilidade literária de deixar um relato mais ou menos próximo de uma vivência pode ser aferida, de acordo com a própria organização da linguagem literária. Com Dante temos uma tal intersecção entre poesia e história, entre tempo e eternidade, entre particular e geral, entre biografia e destino humano coletivo, entre plano natural e plano sobrenatural, que ele permanece até hoje insuperável, um modelo sem parâmetro em nenhuma outra época ou literatura. Cervantes também, na dimensão da prosa, mas em uma dimensão menos profunda de integração de vida e de obra do que Dante. Por outro lado, Kafka produz um fenômeno curioso, que eu chamo de antibiografia, terceiro termo de um ternário, cujos correlatos seriam a biografia e a autobiografia propriamente ditas. Kafka inaugura uma negação sistemática do sujeito da escrita e do próprio princípio de singularização dos personagens. Seus personagens são sempre categorias genéricas vazias, sem enraizamento na experiência, carentes de qualquer confronto com as singularidades circundantes. Falando em termos filosóficos, a obra de Kafka se desdobra em um movimento puramente horizontal, de gêneros a gêneros, nunca desce às espécies e aos indivíduos. Procedimento rigorosamente oposto ao de Proust, cuja vida e obra atingem uma unidade sinfônica tão inextricável que podemos considerar impossível a divisão genérica de Em busca do tempo perdido, em termos de ficção e autobiografia. James Joyce faz uma mise-en-scène de história, literatura e biografia. Sabemos que todos os seus livros têm alter egos e máscaras, como Stephen Dedalus, Leopold Bloom, Shem, entre outros. Não é à toa que Joyce é um dos maiores devotos de Dante no século XX.

Quando você escreve, como você se coloca em seus escritos? Como está o seu "eu" inserido em seus poemas?

Gosto muito da poesia lírica, que tende a irradiar a sua voz e desdobrá-la em diversas metamorfoses. Tenho alguns trabalhos em prosa, mas nos quais esses aspectos biográficos entram de forma muito sub-reptícia, indireta. Gosto de explorar mais o imaginário do que os dados empíricos. Mas ando amadurecendo alguns escritos em prosa e tenho também começado a usar, conscientemente, esses recursos biográficos.

Para ir além
Criação Literária na AIC


Postado por Débora Costa e Silva
Em 25/10/2008 às 21h34


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Nick Drake by Brad Pitt de Julio Daio Borges
02. Companhia das Letras responde de Julio Daio Borges
03. Mint, Scoble, TechCrunch 40 de Julio Daio Borges


Mais Débora Costa e Silva no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




GENÉTICA BASEADA EM EVIDÊNCIAS: SINDROMES E HERANÇAS
ZAN MUSTACCHI E SERGIO PERES
CID
(2000)
R$ 130,00



AS FABULOSAS ÁGUAS QUENTES DE CALDAS NOVAS - ANTOLOGIA
TAYLOR ORIENTE ORG.
ORIENTE
(1982)
R$ 9,59



TRIAGEM VIRTUAL DE IMAGENS DE PATOLOGIA USANDO CBIR E REDES NEURAIS
HIGOR NETO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 251,00



ADMIRÁVEL MUNDO NOVO VERSÃO BROCHURA
ALDOUS HUXLEY
BIBLIOTECA AZUL - GLOBO
(2014)
R$ 35,83



CAPITALIZAÇÃO: HISTÓRICO, CONCEITOS, PERSPECTIVAS
EDMILSON GAMA DA SILVA E OUTROS
FUNENSEG (BRASÍLIA)
(2006)
R$ 24,99



A ESTRELA
JAVI ARAGUZ ISABEL HIERRO
RAI
(2012)
R$ 14,00



A ARCA DE NOÉ
CEDIC
CEDIC
(2013)
R$ 9,00



VOCÊ NÃO É UMA ILHA: DINÂMICAS DE GRUPO
MIGUEL GONZALEZ
ED. PAULINAS
(1993)
R$ 14,00



ALFABETIZAÇÃO UM PROJETO BEM SUCEDIDO
SÉRGIO ANTONIO DA SILVA LEITE
EDICON
(1982)
R$ 4,90



O NEGÓCIO DO SÉCULO XXI
ROBERT KIYOSAKY
CAMPUS ALTABOOK
(2009)
R$ 50,00





busca | avançada
46024 visitas/dia
1,1 milhão/mês