Na Campus Party 2009 II | Digestivo Cultural

busca | avançada
86234 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> ZapMusic, primeiro streaming de músicos brasileiros, abre inscrições para violonistas
>>> Espetáculo de dança em homenagem à Villa-Lobos estreia nesta sexta
>>> Filó Machado comemora 70 anos de vida e 60 de carreira em show inédito com sexteto
>>> Série 8X HILDA tem sessões com leitura das peças As Aves da Noite e O Novo Sistema
>>> Festival Digital Curta Campos do Jordão chega a todo o território nacional com 564 filmes inscritos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> A TETRALOGIA BUARQUEANA
>>> Bom de bico
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
Blogueiros
Mais Recentes
>>> À propos de Nice (1930)
>>> Sonhos olímpicos nos Lençóis Maranhenses
>>> Lifestyle Media
>>> A voz de Svetlana em Paraty
>>> São João del-Rei
>>> Convite para as coisas que não aconteceram
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Where I End and You Begin
>>> Nós, os afogados, de Carsten Jensen
>>> Dias de Luta, de Ricardo Alexandre
Mais Recentes
>>> Amêndoa de Nedjma pela Objetiva (2004)
>>> Tatu - Balão de Sônia Barros pela Alegria (2014)
>>> Papai! (Livro infantil) de Philippe Corentin pela Cosac Naify (2014)
>>> Documentos historicos municipais de Valeria agra pela C E H m (2011)
>>> Jurisdição Comunitária de Marcelino Meleu pela Lumen Juris (2014)
>>> O Estado e a Revolução de Lenin pela Expressão Popular (2007)
>>> Pedagogia e estética do teatro do oprimido: Marcas da arte teatral na gestão pública de Dodi Leal pela Hucitec (2015)
>>> Constitucionalismo Latino-Americano: Tendências Contemporâneas de Antonio Carlos Wolkmer , Milena Petters Melo pela Juruá (2013)
>>> Qu'est-ce que la démocratie? de Alain Touraine pela Le Livre de Poche (1997)
>>> Sobre a questão judaica de Karl Marx pela Boitempo (2010)
>>> O direito dos oprimidos de Boaventura de Sousa Santos pela Cortez (2015)
>>> La domination masculine de Pierre Bourdieu pela Éditions du Seuil (2002)
>>> Le citoyen de Marie Gaille (Apres.) pela Flammarion (1998)
>>> Le langage silencieux de Edward T. Hall pela Éditions du Seuil (2000)
>>> O 18 Brumário de Luis Bonaparte de Karl Marx pela Escriba (1968)
>>> Citoyenneté et politiques sociales de Annick Madec; Numa Murard pela Flammarion (1995)
>>> Sociologie de la vie politique française de Michel Offerlé pela La Découverte (2004)
>>> Du contrat social de Jean-Jacques Rousseau pela Le Livre de Poche (1996)
>>> Brasil: Uma Biografia de Lília Schwarcz , Heloisa Starling pela Cia das Letras (2015)
>>> Origens do totalitarismo: anti-semitismo, imperialismo, totalitarismo de Hannah Arendt pela Cia das Letras (2012)
>>> Gramatologia de Jacques Derrida pela Perspectiva (2011)
>>> O Espaço Dividido: os Dois Circuitos da Economia Urbana dos Países Subdesenvolvidos de Milton Santos pela Edusp (2008)
>>> Repensando a Pesquisa Jurídica. de Miracy Barbosa de Sousa Gustin pela Del Rey (2014)
>>> Cavaleiros do zodíaco Saint seiya volume 8 de Masami Kurumada pela Conrad (1997)
>>> samurai x volume 3 Rurouni Kenshin de Nobuhiro Watsuki pela Jbc (1997)
BLOG >>> Posts

Quinta-feira, 22/1/2009
Na Campus Party 2009 II

+ de 4700 Acessos
+ 3 Comentário(s)


Qua, 21hs. ― Ainda estou "pilhado" terminada a mesa que mediei com Juliano Spyer, Rogério Bonfim (da VirtualNet) e Soninha Francine. A última, que assumiu a subprefeitura da Lapa ontem, chegou atrasada, mas não prejudicou, em nada, o andamento dos trabalhos. Nossa mesa era sobre "Mídias Sociais nas Eleições", dentro do espaço Campus Blog, na Campus Party 2009. Continuo aqui ― no meio da balbúrdia ― e posso escrever ainda um relatório porque serviram Red Bull na mesa, e vai ser difícil dormir depois de "ganhar aaasas"... "E este 'merchan' aqui, hein?", foi o comentário da mesma Soninha sobre a bebida, imediatamente antes de abrir sua lata... O Interney me cumprimentou por ter mediado a mesa mais longa do Campus Blog. Começou, pontualmente, às 17h50; era para terminar, oficialmente, por volta das 19; mas, com o delay da Soninha, excepcionalmente fechamos às 20 horas.

* * *


Em seguida, o Inagaki me chamou para gravar alguma coisa (que eu não sei o que é) no estande da TV Cultura. Cheguei lá en retard ― corri o máximo que pude, Ina ― e ele estava com o Merigo, o Ian Black, e o Manoel do BlogBlogs, entre outros, gravando, possivelmente, um depoimento para o já famoso documentário sobre blogs... Como eles estavam se apresentando, um a um, concluí que iria demorar e voltei pra cá. Estou próximo à equipe da Pólvora Comunicação, agência do Ina e do Edney. Concluo que a Campus Party tem, pelo menos, três turnos: manhã, tarde e noite. A galera na minha frente, do meu lado e atrás não parece que está cronologicamente no fim do dia, como eu, mas apenas no começo da noite... Ontem, o Wagner Cocadaboa Martins me contou que grava, com o saudoso Chico Barney (comprador de cerveja lá na Casa Mário de Andrade), personagens esdrúxulos da Campus Party, a partir da uma da manhã. "Só à uma da manhã, porque a idéia, justamente, é registrar quem ainda circula nesse horário". Parece que gravaram um índio; sim, os há na Campus Party. Agora há pouco estavam numa rodinha, perto da Agência Click, dançando ou cantando, o que me lembrou uma roda de capoeira, mas tudo bem.

* * *


O Gilberto Gil também estava por lá. Antes dos índios, diga-se de passagem. Assistia a uma roda de um pessoal que parecia dos pontos-de-cultura, que criou em sua gestão no MinC. Confesso que me impressionou o fato de ele estar aqui, na Campus Party, porque já não é mais ministro... Seu interesse por internet é, realmente, genuíno? Depois me ocorreu, é claro, que seu último disco tem alguma relação com a internet na temática ― não parei para ouvir, contudo ―, mas aí é outra história... Foi a maior "celebridade" que avistei por estas plagas, fora a Soninha, talvez. Mas o pessoal de internet ― comme il fault ― parece não ligar muito. "Ah, o Gilberto Gil", alguém observou, quase num muxoxo nerd. Mesmo a Soninha, que eu achei que ia atrair uma pequena multidão, atraiu, efetivamente, quem gostaria de ouvi-la ― e não eram muitas pessoas. A mesa dos podcasts, com os Jovens Nerds, e a mesa sobre publicidade em blogs, hoje à tarde, estavam mais cheias. Acho saudável esse "desinteresse" pelas celebridades. É ― dizem ― a tal da "horizontalidade" da WWW.

* * *


À mesa, pois. (Está tudo embaralhado, ainda, na minha cabeça, perdoem a(s) delonga(s)...) Aproveitamos bastante o Spyer e o Bonfim, antes da Soninha desembarcar, porque era, praticamente, óbvio que ela monopolizaria as atenções (como, de fato, monopolizou). Tivemos quase uma hora para falar da experiência do Spyer com mídias sociais na campanha do Kassab e da experiência do Bonfim criando ferramentas para o todo-poderoso Google. O Spyer me pareceu mais politizado e começou descendo o sarrafo na lei eleitoral. Já o Bonfim é um grande realizador em ambientes como o Orkut e focalizou suas ações nas comunidades. Eu queria que o Spyer falasse mais dos projetos Leia Livro e Radar Cultura, que, igualmente, coordenou, mas ele preferiu focar nas eleições propriamente ditas (e com razão). E eu queria que o Bonfim desse uma dica de como pegou o cliente mais desejado do planeta, mas ele preferiu abordar as complicações da legislação (que obrigaram sua empresa a ir até o congresso, por exemplo). Gostei de conhecê-los pessoalmente. O Spyer tem uma larguíssima experiência ― e, inclusive, conhece bastante o Digestivo ― e o Bonfim é de se admirar como empreendedor.

* * *


A Soninha, porém, desestabilizou tudo. Eu senti que ela estava chegando porque começaram a aparecer luzes na minha cara e câmeras de televisão. Logo, ela estava do lado da mesa, com seu traje de motoboy (é verdade, ela veio mesmo de moto) e eu a convidei a participar conosco. Não fui de todo cavalheiro e antes que ela pudesse se acomodar ― sem o casacão (ia dizer "jaco") ― tasquei-lhe uma pergunta. (A novidade aqui, hoje, são os megafones, para ajudar a poluir o som...) A Soninha é muito desenvolta e, apesar de respeitar a minha mediação (obrigado, Soninha), poderia, facilmente, ter engatado uma primeira ― como o Noblat, ontem ― e ninguém a interromperia, até amanhã. Fora o que estava no menu, procurei trazer a política, em si, para a discussão, perguntando a ela sobre as "esperanças" para o Obama e as "expectativas" para as eleições brasileiras em 2010.

* * *


Sobre o Obama, Soninha disse que ele tem tudo para nos decepcionar, porque é quase impossível, no caso dele, não decepcionar seus "eleitores" (no mundo tudo). Não por que seja culpa dele, Obama, mas porque sua posição ― de Presidente dos United States ―, em algum momento, obriga-o a dizer "não". Soninha falou ainda do slogan "Yes We Can", que foi uma grande sacada, já que poderia, muito bem, ser "Yes He Can" ("Ele" em vez de "Nós"). Eu lembrei que o tal do "We" evoca, justamente, a constituição americana ― "We the People..." ― mas não obtive eco na minha observação. Sobre as eleições do ano que vem, Soninha não se mostrou nada melindrada e apostou na confirmação do Serra, na oposição, e de algum outro candidato ― que pode não ser a Dilma ―, pelo lado do governo. Perguntei sobre o Aécio, mas Soninha não crê que ele seja um "nome", na disputa majoritária, talvez no senado... Enfim, a mesa tocou outros pontos, mas, para não ficar só nisso, é bem provável que eu disponibilize o áudio. E talvez entreviste a Soninha, numa próxima oportunidade. Ela se mostrou animada com a possibilidade. Legal.

* * *


E eu não poderia deixar de abordar a relação "internet e obesidade" (ou sedentarismo), com a qual fiz piada no Twitter ontem, mas que me parece séria pacas. Computador engorda, mas ninguém fala. Computador em excesso leva à obesidade mórbida. Sem brincadeira, se alguma academia de ginástica organizasse uma ação na Campus Party, seria muito eficiente, porque todos estão precisando. Mesmo. Quase todo mundo me pareceu mais magro na foto que disponibiliza na WWW. E eu não me excluo. Mais gordo e mais velho. (E não só eu!) Computador envelhece, rapazes. (Sempre penso no Steve Jobs. Tudo bem que ele sofreu, ou ainda sofre, um câncer...) Enfim, "campuseiros" e geeks em geral, cuidem-se. Ninguém quer vê-los com problemas de colesterol, de pressão ou com diabetes nos próximos anos. (Isto não é uma maldição; é um alerta.)

* * *


Queria falar um pouco, também, da mesa "Uso de mídias sociais na publicidade". Foi uma das melhores. Os publicitários da iThink, da LiveAD, da Bullet e da Espalhe soltaram várias pérolas. A seguir, algumas. "O Estadão tem uma página sobre marketing por semana; se eu quiser ler sobre o assunto, não vou esperar todo esse tempo, vou acessar o blog do Merigo, que escreve todo dia". "Não existem mais mídias principais hoje, todas as mídias são coadjuvantes". "O grande anunciante se ilude [dando um tiro de canhão, por exemplo, na novela das oito da Globo] e achando que todo mundo vai escutar sua mensagem...". "Seu consumidor [o alvo da sua campanha] aparentemente não lê blog, não tá no Orkut? Não interessa, meu amigo: ele vai pelo Google. E ninguém escapa da indexação do Google". "Mesmo quando o consumidor fala mal [em mídias sociais], o consumidor propicia o diálogo sobre a marca". "[Se você gasta 90% da sua verba no mainstream] Se você tem de 'comprar' a pessoa para ela 'falar' de você, então você é um péssimo anunciante e seu produto deve ser uma porcaria".

* * *


Qui, 11hs. ― Fui interrompido, no meio da minha narrativa (acima), ontem à noite, para finalmente participar da tal gravação. Era um depoimento, para o Ian Black (e não para o Inagaki), sobre uma pesquisa que ele está fazendo, a respeito das ligações entre literatura e internet. Para vocês saberem como esses campuseiros são malucos, ele se dispôs a me entrevistar quase 11 horas da noite de ontem. E fomos até a meia-noite na conversa. A Campus Party me lembrou um cassino, no bom sentido da palavra: nunca pára. É como a própria internet, aliás. Não sei se vou incluir o conteúdo da gravação aqui, nem sei se posso, mas tem um ponto, "em off", que posso abordar. Lembramos de como a blogosfera do Brasil foi "literária" há uns 5 anos e como isso se evaporou... Até a Geração 90 blogava!

* * *


Assim como os jornalistas quiseram tomar conta da Web no início ― nos anos em torno da bolha ― os escritores brasileiros quiseram se apropriar da blogosfera tupiniquim na aurora dos anos 2000. A literatura era um issue. "Onde foram parar esses autores?", eu e o Ian nos perguntávamos, de repente, ontem, após a gravação. Evoquei, inclusive, um post do Inagaki, citado pela Daniela Castilho, em que ele dizia que não seria (nem queria ser mais) o próximo Guimarães Rosa etc. e tal. Como se desabafasse da pressão por ter de fazer literatura, que imperava na blogosfera de então... O mesmo Inagaki e o Edney, indiretamente, criaram um "monstro", concatenando a blogosfera do Brasil, como ninguém mais. Porém, a literatura passou, ou as ambições literárias e, com elas, os jovens autores...

* * *


Antes do Ian, conversei com o mesmíssimo Inagaki, mas não sobre isso (porque la disparission da literatura não havia me ocorrido ainda ― estou um mala, com esses galicismos, não estou?). Eu e o Ina fizemos uma avaliação ― em meia hora? ― destes anos todos, de "militância", por assim dizer, na internet brasileira. Como foi duro, como foi custoso, como foi desafiador... Suddenly, ontem à noite, no meio da Campus Party, concluíamos que a ficha tinha finalmente caído. Que aquelas pessoas, em volta de nós, estavam vivendo o que passamos anos pregando. Era o nosso dream-come-true... Devíamos estar felizes? Talvez sim, mas estávamos, quase à meia-noite, trabalhando. A "troca da guarda" trouxe um monte de trabalho pra nós. Que bom! Que legal poder ― no meio da balbúrdia ― concluir isso com o grande Alexandre Inagaki...

* * *


Hoje ― quinta-feira ― estou aqui, no escritório. (Trabalhando!) E eu sei que é brega, mas eu ia dizer que o meu coração ficou lá na Campus Party. Porque ficou, de verdade. Como eu disse, no meu primeiro relato, já fui a muitas feiras ― de músicos, bienais do livro, até festas literárias...! Gozei os nerds no primeiro dia, mas percebi, como outras vezes (na verdade), que a minha turma é, mais do que todas, a da internet e, neste instante, está lá na Campus Party... A Web brasileira, com todos os seus problemas, com tudo o que há para melhorar ainda, com todas as críticas que eu mesmo faço, é o nosso legado agora. É o que nós mesmos construímos. É a principal "obra" da nossa geração. É o que vamos deixar para as próximas... Amigos, eu me emocionei de ver. (E, agora, vocês podem chorar...) A gente se vê na Campus Party.

Para ir além
Minha cobertura da Campus Party via Twitter


Postado por Julio Daio Borges
Em 22/1/2009 às 11h22


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Contos Clássicos de Fantasma de Julio Daio Borges
02. A primeira formatura de Julio Daio Borges
03. O Quarto da Sexta de Schubert de Julio Daio Borges
04. 2 de Junho #digestivo10anos de Julio Daio Borges
05. 29 de Dezembro #digestivo10anos de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
24/1/2009
11h22min
Muito estranha a sensação que tive ao ler seu texto. Explico: nos primeiros dias de CParty li aqueles twitts desenfreados q vc foi mandando e tive uma impressão do evento. Agora, lendo o texto, fico pensando como é diferente ler os mesmo eventos/impressões, porém com um número maior de caracteres. Não sei se a quantidade de texto é responsável pela interpretação/entendimento que fazemos de algo. Por ora, só sei q é muito diferente (até pq eu era outra naquele dia). Bjo e valeu pela cobertura.
[Leia outros Comentários de Biulismo]
24/1/2009
17h14min
Que cobertura, Julio. Parabéns!
[Leia outros Comentários de Eduardo]
26/1/2009
08h56min
É bom ler outros olhares de história que a gente também viveu. Passei a semana no CP, blogando para o EducaRede. Assisti a mesa sobre Mídias Sociais e eleições e vibrei em ter uma subprefeita apostando no 2.0 para gerir uma parte da cidade. Isso vai ser show. Difícil encontrar quem estivesse de corpo e alma na CP e que não tenha sido tomado pela adrenalina coletiva, pelo sentimento de que encontros absolutamente valiosos aconteciam seguidamente por lá. E 'bora se encontrar cada vez mais na Rede! abços e muito prazer!
[Leia outros Comentários de Lilian Starobinas]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Juventude e Rumos Sociais
Carlos Frederico Vaz de Carvalho
Do Autor
(2013)
R$ 5,00



Cinquenta Tons de Prazer
Marisa Bennett
Best Seller
(2012)
R$ 21,30
+ frete grátis



The Mobile Wave
Michael Saylor
Vanguard Press
(2012)
R$ 15,00



Quem Matou Nola Payne? 1ª Reimpressão
Walter Mosley
Landscape
(2005)
R$ 23,00



Revelação e Diálogo Intercultural: Nas Pegadas do Vaticano II
Afonso Maria Ligorio Soares
Paulus
(2015)
R$ 17,00



Razão do Poema: Ensaios de crítica e de estética
José Guilherme Merquior
É Realizações
(2014)
R$ 40,00



Lide Cautelar
Luciano Caseiro
Leud
(1996)
R$ 9,42



Mera Fotografia
Carlos Eduardo de Magalhães
Rocco
(1998)
R$ 5,00



21 Contos Inéditos
Carlos Lacerda
Unb
(2003)
R$ 11,00



Aristofanes Las Nubes Lisistrata Dinero
Elsa García Novo
Alianza Editorial
(1987)
R$ 407,95
+ frete grátis





busca | avançada
86234 visitas/dia
2,1 milhões/mês