No InterCon 2009 I | Digestivo Cultural

busca | avançada
57441 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOG >>> Posts

Segunda-feira, 9/11/2009
No InterCon 2009 I

+ de 4500 Acessos
+ 2 Comentário(s)

Conheço o iMasters há algum tempo. É da idade do Digestivo? É mais velho que o Digestivo? Não sei dizer. Mas fiquei contente de receber o convite para assistir ao InterCon 2009. Cheguei no horário, "sem ter feito a lição de casa", como brincou o René de Paula Jr. (que encontrei logo na entrada). A piada interna queria dizer que estávamos descobrindo "na hora" o que ia, realmente, acontecer. O Ambiente Tecnologia me pareceu muito específico, com ferramentas que eu talvez nunca vá usar, logo, não assisti a nenhuma palestra dessa área. O Ambiente Criação e Inovação me chamou a atenção, mas só na parte da tarde, portanto, passei a manhã no Ambiente Business, que era, efetivamente, o que me interessava.

* * *

Logo na abertura, o Gil Giardelli, curador, me provocou aquela sensação: "Conheço ele de algum lugar..." Claro! Era um dos participantes do NewsCamp do ano passado: "Meu primeiro Camp". (Lembram?) Tudo bem que ele estava mais tímido, em abril de 2008, e que agora estava mais "produzido", comandando o show ― mas era o mesmo cara. No meio da plateia do Teatro do Renaissance, me bateu igualmente aquela sensação de "veterano" (olhando os "calouros"): fora o Gil, que estava no palco, eu não conhecia nenhuma outra pessoa. Se mal conheço os principais blogueiros, como vou conhecer os principais "tuiteiros"? (Nem sempre são os mesmos nomes...) Para completar ― com a febre dos smartphones ―, o grosso da audiência estava literalmente com a cara no celular: tuitando, "feicibucando", checando e-mails ― não podiam perder nada: no palco do Renaissance e no palco da internet.

* * *


Gil Giardelli em foto de barbutti

Da apresentação meio corrida do Gil, pesquei a palavra "inventivos", associada ao Pedro Markun, também a palavra "genialidade", associada ao Manoel Lemos, e uma frase que me pareceu boa, mas não sei se é dele (Gil): "Não use velhos mapas para descobrir novas terras". (Alguma referência ao mainstream media?) Achei engraçado porque o Pedro era um sujeito que participou do primeiro Palavra na Tela, e que ficou berrando, lá do fundo (da plateia), suas intervenções. Pensei na época: "Quem é esse cara? Por que se intromete com tanta veemência?" E o Manoel Lemos era o sujeito que fez uma bela careta quando falei, no evento da revista Bites (em junho do ano passado), que o Buscapé usava tabelas diferentes de remuneração (para diferentes sites). Ou seja: conheço eles, sei do que são feitos, conheço o Gil também, portanto confesso que achei os "adjetivos" (acima) um pouco exagerados... (C'mon, não fomos nós que inventamos o Twitter, nem o Blogger, nem a Wikipedia...)

* * *


Sérgio Amadeu em foto de Vagnão

A primeira palestra foi do Sérgio Amadeu, da Cásper Líbero, que eu poderia ter encontrado quando estive lá, neste ano, mas infelizmente não encontrei. Seu tema, no InterCon, era "Além das Redes de Comunicação" (um título não muito promissor). Começou falando de Linux, Apache, "top-down versus bottom-up", Benkler... até aí, nenhuma grande novidade. Foi melhorando quando retomou o significado do verbo to hack: cortar madeira com precisão. Para disparar que "os hackers estão no cerne da construção da internet". Foi acelerando o ritmo, e quando eu pensava que ia me perder no raciocínio dele, o pessoal mostrava que estava acompanhando de perto. Evocou o Grateful Dead, a oposição entre "ter propriedade(s)" e "ter relacionamento(s)" ("algo que é muito bonito, mas, na prática, o Google não concorda 100%...", anotei). Depois observou que software é muito mais difícil de manter do que de fazer (lembrei das mudanças no Digestivo, que estou implementando há meses...). Para encerrar com uma boa conclusão (a meu ver): "O que vale na rede é a cultura da liberade: para fazer algo, eu não tenho de pedir autorização".

* * *


Marcelo Coutinho em foto de Genésio

Depois da utopia, veio o outro lado do Muro de Berlim. Marcelo Coutinho, ex-executivo e atual consultor do Ibope, com "Sociedade Digital". Eu não sabia naquela altura, mas todo mundo meio que recontaria, ao longo do dia, a história da internet. A do Coutinho foi a mais bem estruturada. Ele desenterrou, por exemplo, a declaração de Bill Gates, sobre os investimentos de James Clark na Netscape (em meados da década de 90): "São uma bobagem, porque nenhuma empresa sobrevive dando coisas de graça. E ninguém vai usar essa tal de internet, que é um negócio para acadêmicos..." (Vai ver que, neste momento, alguém na Microsoft teve a feliz ideia de aposentar Bill Gates.) Coutinho sacou, também, uma boa expressão da cartola: socialcast, para se opor ao velho broadcast (da velha mídia). Revelou, ainda, que a principal preocupação de grandes executivos de comunicação, hoje, é a "perda do poder para o usuário" (leia-se: user-generated content). Questionou a fatia ínfima da internet no bolo publicitário brasileiro, de aproximadamente 4%, apesar de o Brasil ser uma das maiores audiências mundiais da Grande Rede. E opôs a sociedade industrial (controlada, hierarquizada, burocrática... alguém conhece?) à sociedade do conhecimento (a da internet). Mostrou, ainda, que o "mundo do bazar" (da 25 de Março?) não é, necessariamente, um caos. (The Cathedral and the Bazaar seria, igualmente, uma das referências mais citadas no Renaissance.)

* * *

Se a manhã começou mais "sonhadora", com o Amadeu, e foi pousando na realidade, com o Coutinho, a palestra do Carlos Nepomuceno, por sua vez, caiu como uma bomba sobre as pretensões dos irternautas brasileiros de "mudar o mundo". Ele abriu endossando o Coutinho: com 7 bilhões de pessoas no planeta, seria impossível manter o mesmo ambiente "comunicacional" (anterior à sociedade do conhecimento). Ou seja: hierarquia, controle, burocracia não funcionavam mais com bilhões de pessoas, que explodiriam ― como numa panela de pressão comunicacional ― quando surgisse a internet... Mas Nepomuceno tirou sarro do Twitter, dizendo que quem, efetivamente, inventou o microblog foi Jesus, com seus 12 seguidores, depois outros seguidores desses 12, e assim por diante... (A plateia caiu na gargalhada.) Apontou, sabiamente, que a nossa sociedade, hoje, se divide entre "tecno-otimistas" e "tecnofóbicos". E foi filosófico ao citar um francês desses aí: "Quanto mais conectados estamos, menos nos comunicamos". E para cunhar uma máxima própria: "Não tem como entender a internet sem uma visão histórica". Anotei outras boas: "Nossa sociedade foi toda ela estruturada no orkut de papel"; "Agora, só vale a turma que eu tenho no meu bolso? (No meu celular)?". Resumindo: para Carlos Nepomuceno ― como para tantos outros ―, a natureza humana não muda (apesar de toda a tecnologia).

* * *


Suzana Apelbaum em foto da Fenêtre

Depois da saída de Amadeu, Coutinho e Nepomuceno, o nível, durante a manhã, não se manteria mais o mesmo. Suzana Apelbaum (a "palestrante a confirmar") entrou pilhadíssima, falando sobre "mundo trans" e evocando termos interessantes, mas que não devem ser de sua autoria, como "mr. nobody" e "über repercussão". Também outras sacadas (que talvez sejam suas, mas nada de mais): "Cliente não passa briefing, cliente desabafa". (Enfim, eu não tenho muita paciência para publicitários falando sobre internet.) Mesmo o Michel Lent, que em geral é bastante inspirado, repetiu alguns clichês como: "poucos veículos para muita gente", "múltiplas plataformas e múltiplos formatos". E trocou a oposição "muita informação versus pouca atenção" pela oposição "muito conteúdo versus pouco tempo". Melhorou quando falou de idle time (o tempo ocioso que os nossos celulares, atualmente, preenchem), resumindo tudo com: "O valor, hoje, está em oferecer algo que justifique um pedaço de tempo do consumidor/cliente". A Márcia Matos, embora do Sebrae, provocou sono e evasão da sala, com seus slides do começo do século. E o Hernani Dimantas já foi mais inovador ― até me xingou um dia no Marketing Hacker (!) ―, mas acabou se tornando ".gov", e me pareceu meio acomodado (sem a mesma esperança de antes)... Perdi o Gil (na verdade, nem sei se ele falou o que estava programado) e perdi o Cazé (porque já o havia visto, sobre o Gengibre, na Campus Party...).

* * *

Dessa manhã, concluí que já fui tão sonhador quanto o Amadeu, e que, portanto, não o condeno. Apenas acho que estamos construindo empresas agora sobre a plataforma do Google, assim como construimos antes sobre a plataforma da Microsoft. Ou seja: são grandes empresas, que querem dominar o mundo ― então qual é, no fim das contas, a grande novidade e a grande "revolução"? Dependemos ainda delas, ou não? Concordei mais com o Coutinho, porque ― pelo que entendi da mensagem dele ― alguém tem de fazer a "ponte" entre a internet e o mundo off-line. No Brasil, esse foi o fator de sucesso de empresas como Buscapé, que cadastrava pequenos comerciantes, MercadoLivre, que cadastrou pequenos vendedores (e compradores), e, mais recentemente, a Estante Virtual, que conecta livreiros e leitores (e que começou com velhos sebos cheios de mofo). O Nepomuceno funcionou como um balde de água fria sobre a Web brasileira, mas não concordo 100% com ele. A internet não muda o mundo tanto quanto o Amadeu gostaria, mas, ainda assim, muda o mundo, se juntarmos o pragmatismo do Coutinho (otimista na ação) com ceticismo do Nepomuceno (pessimista na avaliação).

Nota do Autor
(Continua aqui...)


Postado por Julio Daio Borges
Em 9/11/2009 às 19h16


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Chris Martin em casa de Julio Daio Borges
02. Uma cidade se inventa de Ana Elisa Ribeiro
03. Eduardo Galeano (1940-2015) de Celso A. Uequed Pitol
04. Alguns filmes do Oscar 2015 de Yuri Vieira
05. Jornal da Cultura - 17/11/2014 de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
14/11/2009
09h58min
Julio, ótima cobertura! Vou voltar sempre! Mas não deixei de ser um sonhador! Lógico que podemos mudar o mundo! Abs.
[Leia outros Comentários de Gil Giardelli]
18/11/2009
11h05min
Gostei do post, principalmente das considerações finais, quando se refere aos fatores de modificação da sociedade através da internet... Talvez, nos próximos dez anos, a internet mude uma parcela mais abandonada da sociedade: é nisto que prefiro crer. (Não sei se pra melhor ou pra pior...)
[Leia outros Comentários de N]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




A LITERATURA NO BRASIL VOL. 1 TOMO 1
AFRÂNIO COUTINHO
SUL AMERICANA
(1956)
R$ 6,90



TRATADO DE FISIOLOGIA MÉDICA
GUYTON & HALL
ELSEVIER
(2011)
R$ 180,00



COM LICENÇA, EU VOU À LUTA
ELIANE MACIEL
CIRCULO DO LIVRO
R$ 5,00



PRÉCIS DE PATHOLOGIE CHIRURGICALE TOME III GLANDES MAMMAIRES - ABDOMEN
PIERRE DUVAL A. GOSSET E. JEANBRAU P. LEC...
MASSON ET CIE
(1914)
R$ 50,60



SATIRICON
PETRÔNIO
CÍRCULO DO LIVRO
R$ 9,00



PÔQUER PHIL HELLMUTH APRESENTA:LER E TIRAR PROVEITO
JOE NAVARRO / MARVIN KAR /PHIL HELLMUTH
MADRAS
(2013)
R$ 59,13



O DIREITO E OS ADVOGADOS NOS EUA
ERWIN N. GRISWOLD
FORENSE (RJ)
(1967)
R$ 31,28



A REINVENÇÃO DO BAZAR - UMA HISTÓRIA DOS MERCADOS
JOHN MCMILLAN
ZAHAR
(2004)
R$ 30,00



MARIA DA PAZ
ARNALDO NISKIER
MONDRIAN
(2001)
R$ 9,33



O JOVEM PASTOR DE NUVENS
SAMIR MESERANI
ATICA
(1996)
R$ 5,65





busca | avançada
57441 visitas/dia
1,8 milhão/mês