Musica erudita e os bibelôs | Digestivo Cultural

busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Documentário inédito sobre Luis Fernando Verissimo estreia em 2 de maio nos cinemas
>>> 3ª Bienal Black abre dia 27 de Abril no Espaço Cultural Correios em Niterói (RJ)
>>> XV Festival de Cinema da Fronteira divulga programação
>>> Yassir Chediak no Sesc Carmo
>>> O CIEE lança a página Minha história com o CIEE
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Linger by IMY2
>>> A hora certa para ser mãe
>>> Cenas de abril
>>> Por que 1984 não foi como 1984
>>> A dicotomia do pop erudito português
>>> Coisas nossas
>>> Caso Richthofen: uma história de amor
>>> Apresentação autobiográfica muito solene
>>> Nem Aos Domingos
>>> Aprender poesia
Mais Recentes
>>> Livro Saúde Avc Acidente Vascular Cerebral Protocolos Gerenciados do Hospital Israelita de Zukerman/eliova e Outros pela Manole (2009)
>>> História do Pensamento Ocidental de Bertrand Russell pela Nova Fronteira (2016)
>>> Tensão Máxima de Szanne Brockmann pela Landscape (2005)
>>> Quem Me Dera Ser Feliz de Julio Emilio Braz pela Do Brasil (2001)
>>> 1919 de John Dos Passos pela Abril (1980)
>>> Livro Literatura Estrangeira O Repouso do Guerreiro Grande Sucessos de Christiane Rochefort pela Abril Cultural (1980)
>>> O Médico e o Monstro de Lígia Cademartori pela Ftd (2004)
>>> Caiu Do Céu de Heidi W. Durrow pela Leya (2012)
>>> O Efeito Lucifer de Philip Zimbardo pela Record (2013)
>>> Os Miseráveis de Walcyr Carrasco pela Ftd (2002)
>>> Encontro Em Samarra de John O'hara pela Ediouro (2004)
>>> A Ilha Perdida de Maria José Dupre pela Ática (2002)
>>> Os 25 hábitos Em Vendas Dos Mais Bem-Sucedidos Vendedores de Stephan Schiffman pela Record (1994)
>>> Fazendo Meu Filme 4 - Fani em Busca do Final Feliz de Paula Pimenta pela Gutenberg (2019)
>>> A Cruz E O Crepúsculo de Beth Felker Jones pela Thomaz Nelson Brasil (2010)
>>> Contos de Machado de Assis pela Ftd (2002)
>>> Como Fazer Amigos E Influenciar Pessoas de Dale Carnegie pela Companhia Nacional (2003)
>>> A Cruz E O Crepúsculo de Beth Felher Jones pela Thomaz Nelson Brasil (2010)
>>> Inglês Para Falar Em Qualquer Situação de Chris Tunwell pela Universo dos Livros (2019)
>>> O Que Se Perdeu de Catherine Flynn pela Record (2009)
>>> Jogo De Damas de David Coimbra pela L&pm (2008)
>>> Rod: The Autobiography de Rod Stewart pela Crown Archetype (2012)
>>> O Que Se Perdeu de Catherine Flynn pela Record (2009)
>>> Michaelis Dicionário Escolar: Francês Francês-Português | Português-Francês de Jelssa Ciardi Avolio; Mara Lucia Faury pela Melhoramentos (2008)
>>> Segredos e Virtudes das Plantas Medicinais de Readers Digest pela Readers Digest (1999)
BLOG >>> Posts

Sexta-feira, 3/9/2010
Musica erudita e os bibelôs
+ de 2300 Acessos

É atribuída a Antonio Lizárraga (1924-2009), artista plástico argentino radicado no Brasil, a afirmação de que a arte não tem que ser bonita: quem desejar coisas bonitinhas deve procurar bibelôs na esquina. A advertência poderia ter sido afixada à entrada do auditório do SESC Pinheiros, na noite de 25 de agosto de 2010, quando a apresentação do conjunto Percorso Ensemble serviu de fecho à programação dedicada à música erudita, levada a cabo ao longo dos meses de julho e agosto deste ano.

O Percorso Ensemble é uma formação camerística criada em 2002, voltada para a interpretação do repertório erudito dos séculos XX e XXI. Integrado por três percussionistas (Márcia Fernandes, Herivelto Brandino e Ricardo Bologna, seu fundador), além de um violoncelista, Douglas Kier, a audição no SESC Pinheiros concentrou-se na execução de peças de diferentes compositores, reunidas sob o instigante rótulo de teatro musical. Afinal, a ópera Otelo, de Verdi (1813-1901), por exemplo, baseada na obra homônima de Shakespeare (1564-1616) para teatro não deixa, de certo modo, de ser acolhida dentro dessa mesma rubrica (como todo gênero operístico, por sinal). No caso particular do Percorso Ensemble, o que ocorreu no palco revelou-se como algo muito próximo das conhecidas performances.

O espetáculo foi precedido das palavras do grande violonista Fábio Zanon, curador do evento, que didaticamente sintetizou sua proposta. Em primeiro lugar, ele observou que as peças a serem executadas tinham sua âncora no questionamento dos limites da arte ― aqui compreendidas as fronteiras da tela, do texto, do palco e da partitura ―, iniciado na passagem do século XIX para o século XX e que chegou ao clímax no pós Segunda Guerra Mundial.

No campo musical, segundo Zanon, a música, além de ater-se a seus elementos tradicionais (melodia, harmonia e ritmo), passou a levar em conta outros aspectos como o gesto, a textura sonora, o visual e, remetendo-se a John Cage (1912-1992), o próprio silêncio.

Depois de recordar que, de uma certa forma, essas considerações já haviam sido tecidas na Renascença, época em que veio à luz, entre os séculos XVI e XVII, o gênero operístico, em uma ruptura dos limites ditados pelas polifonias medievais, Fábio Zanon discorreu sobre cada uma das peças do programa: Bravo, de autoria do brasileiro Tim Rescala (1961- ); Siegrifiedp, de Mauricio Kagel (1931-2008); Les guetteurs de sons, de Georges Aperghis (1945- ); Vous avez du feu? e Musique de table, respectivamente sob as assinaturas de Emmanuel Séjourné (1961- ) e Thierry de Mey (1956- ).

O espetáculo traduziu-se em um desafio a ser encarado com humor e por ouvidos bem informados, daí a pertinência das explicações de Fábio Zanon.

Em Bravo, os quatro intérpretes mimetizaram uma plateia, tirando sonoridades das palmas, dos brados de "Bravo", dos pedidos de "Bis" e de outros ruídos que habitam, com os fantasmas, as salas de concerto: o papel da bala desembrulhada, a tosse irritante e o espirro inconveniente.

No único solo da noite, o violoncelista Douglas Kier interpretou Siegfriedp, aproximadamente cento e vinte variações criadas por Kagel, compositor argentino-alemão, sobre o anagrama musical formado pelas letras do nome do cellista Siegfried Palm. A partitura ― uma tabela montada nas seis faces de um cubo ― apareceu desdobrada sobre a estante do músico e integrou a performance. A interpretação, além das cordas dos instrumentos, incluiu tanto a respiração como a voz do intérprete.

Por seu turno, Les Guetteurs de sons ("Os espreitadores" ou "vigilantes" ― como quis Fabio Zanon ― "de sons") revelou-se como um estudo sobre o gesto do músico ao tocar seu instrumento. Os três percussionistas, de forma dramática, assumiram cada qual o seu tambor, soltando frases sobre a escuta do silêncio e a música que provém da natureza, não apenas da água que corre como das entranhas das conchas do mar.

Em Vous avez du feu? ("Você tem fogo?"), diante da plateia deixada às escuras, o Percorso Ensemble, com os integrantes vestidos de negro, acendeu e apagou repetidas vezes oito isqueiros, criando a ilusão de pequenas estrelas luziluzindo no palco.

Finalmente, a última peça da noite foi Musique de tables ("Música de mesas"), em uma alusão ao gênero praticado nos séculos XVII e XVIII, de composições escritas para acompanhar banquetes. Para interpretá-la, os mesmos percussionistas postaram-se diante de mesas e delas tiraram sons dos mais diversos, desde a passagem ritmada da ponta dos dedos e das palmas das mãos até o batuque.

Da mesma forma que grande parte do público tem dificuldade em aceitar como expressão artística certa parcela da produção visual contemporânea (considerando contemporâneos artistas já tidos pelo olhar especializado como canônicos, a exemplo de Jackson Pollock, 1912-1956), parte expressiva dos frequentadores das salas de concerto são refratários à música erudita atual.

Se, no quesito artes visuais, o desdenhoso espectador médio, afirma que "qualquer criança pode fazer aquilo" ou que "um pincel molhado em tinta e amarrado no rabo de um burro pode produzir algo semelhante a aquilo", a desqualificação, na música, chega por meio de observações de que a criação é barulho.

Sim, naquela noite nenhum dos presentes saiu do auditório do SESC Pinheiros cantarolando, ainda que mentalmente, trecho de uma das peças interpretadas, como contrariamente aconteceria ao fim de um concerto de Rachmaninoff (1873-1943). Mas, por outro lado, a música daquela noite, apesar de cerebrina ao excesso, exigindo a companhia de explicações prévias, à guisa de bula indicativa de seu modo de uso, é a canção de nosso tempo. Dissonante, agressiva, por vezes capaz de despertar discreto riso, porém, no todo patética, como um míope conduzido por um cego, à procura de redenção em um labirinto escuro.

Parafraseando Oscar Wilde (1854-1900), no prefácio do romance O retrato de Dorian Gray, a música do Percorso Ensemble pode ter instigado na plateia os complexos sentimentos de Caliban ao olhar para o espelho do palco e, ao mesmo tempo, reconhecer-se e não se reconhecer.

Nota do Editor
Eugenia Zerbini venceu o Prêmio SESC Literatura 2004 na categoria romance, com o livro As netas da Ema. Tem contos publicados no jornal Rascunho, revista Cult e no blog do caderno "Prosa e Verso" de O Globo.


Postado por Eugenia Zerbini
Em 3/9/2010 à 00h16

Mais Eugenia Zerbini no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Palmistry - How to Discover Success, Love, & Happiness
Sasha Fenton, Malcolm Wright
Crescent Books
(1996)



À Noite
Helga Bansch
Posigraf
(2020)



E no Final a Morte
Agatha Christie
Nova Fronteira
(1979)



Tuiuiu Sob os Céus do Pantanal
Paulo de Tarso Z. Antas-inês de Lima S. Nascimento
Empresa das Artes
(1996)



Time Out - Madri - Guia Estadão
Guia Estadao
Estadão
(2008)



Cura pela Medicina Naturista
Jaime Scolnik
Circulo do Livro
(1986)



Organizações da Sociedade Civil: Protagonismo e Sustentabilidade
Armani Domingos
Instituto C&a
(2013)



Tobias Barreto e a Filosofia Alemã
Newton Sucupira
Gama Filho
(2001)



Portugal e Seus Filhos
Giacomo Ammirato
Forense
(1970)



El Maestro Mason y Sus Misterios
Dr. Jorge Adoum
Kier
(2001)





busca | avançada
63898 visitas/dia
2,0 milhão/mês