Papo com Contardo Calligaris | Digestivo Cultural

busca | avançada
73635 visitas/dia
2,1 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Estreia de Pantanal A Boa Inocência de Nossas Origens
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o quarto episódio do Desafinados Entrevista
>>> Unil oferece curso sobre preparação e revisão de texto
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o terceiro episódio do Desafinados Entrevista
>>> Anexo LONA - Interações 1 - Cristina Elias & Thais Stoklos
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Diário oxigenado
>>> Canção corações separados
>>> Relógio de pulso
>>> Centopéia perambulante
>>> Fio desemcapado
>>> Verbo a(fiado)
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Tralha
>>> Cameron Frye: o rapaz que se cansou de sentir medo
>>> Mighty Good Leader
>>> Réquiem
>>> Entrevista com André Fonseca
>>> Blogs, livros e blooks
>>> 8 de março: não aos tapas, sim aos beijos
>>> Universo Elétrico, de David Bodanis
>>> ordinary life: complex stuff
>>> Uma jornada Musical
Mais Recentes
>>> O Propósito da Vida: a história de um buscador de A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupãda pela The Bhaktivedanta Book Trust (2018)
>>> Michel Bréal, Le don de la parole de Sophie Statius (Prés.) pela Institut National de Recherche Pédagogique (2005)
>>> Naître au langage: genèse du sémiotique et psychologie de François Jodelet pela Klincksieck (1979)
>>> A Fórmula da Paz de A. C. Bhaktivedanta Swami Prabhupãda pela The Bhaktivedanta Book Trust (2018)
>>> L'ignorance du peuple: essais sur la démocratie de Gérard Duprat (dir.) pela Puf (1998)
>>> Rhétorique et politique: le pouvoir du discours et le discours du pouvoir de Constatin Salavastru pela L'Harmattan (2005)
>>> Foucault, Governamentalidade e Crítica de Thomas Lemke pela Politéia (2017)
>>> L'énonciation: de la subjectivité dans le langage de Catherine Kerbrat-Orecchioni pela Armand Colin (2006)
>>> Nas Ruínas do Neoliberalismo: a Ascensão da Política Antidemocrática no Ocidente de Wendy Brown pela Politéia (2020)
>>> Les actes de langage: essai de philosophie du langage de John R. Searle pela Hermann (1988)
>>> Alfabetização & Lingüística de Luiz Carlos Cagliari pela Scipione (1989)
>>> Alfabetização & Lingüística de Luiz Carlos Cagliari pela Scipione (2005)
>>> A Condição Pós-colonial: História e Política no Presente Global de Sandro Mezzadra pela Politéia (2020)
>>> Le dire et le dit de Oswald Ducrot pela Les Editions de Minuit (1997)
>>> Experimentos de filosofia pós-colonial de Organização de Victor Galdino e Claudio Medeiros pela Politéia (2020)
>>> O que Faz o Brasil, Brasil de Roberto Da Matta pela Rocco (1986)
>>> Tudo Tem Seu Tempo de Philip Gulley pela Sextante (2005)
>>> As Pedagogias do Conhecimento de Louis Not pela Difel (1981)
>>> Menino Maluquinho O Livro do Sim de Ziraldo pela Melhoramentos (2014)
>>> Mitologia Grego Romana de Abelardo Perseke Junior pela Giostri (2017)
>>> O Primeiro Imperador da China de Frances Wood pela Landscapa (2009)
>>> Domando a Língua - Praticando o Cuidado com o Falar de Josadak Lima pela Santos (2013)
>>> Análise do Homem de Erich Fromm pela Zahar (1961)
>>> Business Dictionary de Michael Greener pela Penguin (1971)
>>> The City Experiment de Theo Walker pela Cambridge (2014)
BLOG >>> Posts

Segunda-feira, 20/6/2011
Papo com Contardo Calligaris

+ de 2500 Acessos



"As ficções, no fundo, nos ensinam a romancear a vida", afirmou Contardo Calligaris, psicanalista e escritor, em entrevista recente.

Contudo, em seu segundo livro, A Mulher de Vermelho e Branco (Companhia das Letras, 2011), Contardo demonstra ter aprendido também a embriagar o romance de vida. As lembranças do autor vão se misturando a ficção e formando a renda que envolve Carlo Antonini, protagonista de seu primeiro trabalho, O Conto do Amor, que reaparece em A Mulher de Vermelho e Branco.

Enquanto Antonini se perde nos traços de duas mulheres e três cidades, Nova York São Paulo e Paris, nós nos perdemos no ranger das tábuas que dividem lucidez e loucura, realidade e ficção e outros opostos que, unidos, movem esta entrevista.

A sua experiência pessoal é a principal matéria-prima dos seus livros?
Sim, e acho que isso é o caso da imensa maioria dos autores de ficção. Escrever ficção é costurar fragmentos que, de uma maneira ou de outra, fazem parte de nossa experiência.

Muitos escritores da nova geração começaram com blogs e seus livros são assumidamente autobiográficos; em sua opinião, o que separa uma obra literária de um diário?
Um blog e um diário virtual podem ser autobiográficos e ficcionais ao mesmo tempo. Aliás, quase sempre são. A história que a gente se conta como se fosse a nossa é, em geral, apenas a ficção na qual preferimos acreditar.

A escritora Hilda Hilst, afirma: "As pessoas fantasiam muito com a loucura, ficam imaginando só um lado poético, genial de ser louco. Mas não é só isso. Padecer de loucura é terrivelmente doloroso. E não sei até onde a loucura garante a boa qualidade de sensibilidade ou percepção de alguém." O que você pensa sobre a glamorização da loucura?
É incrível, e é sempre assim: glamorizamos a alteridade, mas, se possível, a segregamos. Só glamoriza a loucura quem nunca se deparou com ela.

Como a psicanálise influencia no seu processo de criação?
O protagonista do livro é terapeuta e talvez psicanalista, mas não tem nada de teórico nisso. Não uso a psicanálise no que escrevo, embora ela seja parte substancial do que sou.

Você se considera um personagem de si mesmo?
Considero que a vida de cada um deveria ser uma boa história, uma história que vale a pena ser contada. E vivo mesmo minha vida como uma aventura. Agora, ser um personagem não me agradaria, porque me sentiria um pouco previsível. Prefiro me surpreender de vez em quando.

Para ir além






Postado por Daniela Lima
Em 20/6/2011 às 08h04


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Entrevista com Paulo F.M. de Carvalho de Julio Daio Borges
02. Daphne Koller do Coursera de Julio Daio Borges
03. Psiu Poético 30 anos de Ana Elisa Ribeiro
04. Por que voto em Aécio de Julio Daio Borges
05. Era uma vez de Julio Daio Borges


Mais Daniela Lima no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Temas Contemporâneos de Sociologia do Direito
Olga Jubert Gouveia Krell
Lumen Juris
(2017)
R$ 64,00



Português Passo a Passo Vol 2
Pasquale Cipro Neto
Gold
(2007)
R$ 5,00



Economia Fácil
Marco Antonio Vasconcellos, Sérgio Sakurai
Saraiva
(2015)
R$ 32,00



E - Logistics & e - Business uma Referência Única Em Estratégia
José Mexia Crespe de Carvalho Eurico
Sílabo
(2000)
R$ 72,87



Trattato Teorico-pratico Di Lettura e Divisione Musicale Parte I
Aldo Lazzari
Ricordi
R$ 12,50



Resgatado pelo Amor
Nora Roberts
Bertrand Brasil LTDA
(2007)
R$ 20,00



Revista Geográfica Universa Nº 113 Challenger - Rodeio Crioulo da V...
Geográfica Universal
Bloch
(1984)
R$ 5,92



Identidade e Violência - a Ilusão do Destino
Amartya Sen
Iluminuras
(2015)
R$ 33,00



Seria Esta a Maçonaria do III Milênio Coleção Biblioteca do Maçom
Osvaldo Ortega
Maçônica A Trolha
(2006)
R$ 23,88



Comer, Rezar, Amar
Elizabeth Gilbert
Objetiva
(2008)
R$ 15,00





busca | avançada
73635 visitas/dia
2,1 milhões/mês