O candidato do 'PSDB' é outro | Digestivo Cultural

busca | avançada
57174 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
>>> Dan Stulbach recebe Pedro Doria abrindo o Projeto Diálogos 2024 da CIP
>>> Bert Jr. aponta sintomas de uma sociedade mal-orientada em “Fict-Essays e Contos Mais Leves”
>>> Novo livro de Vera Saad resgata política brasileira dos anos 90 para destrinchar traumas familiares
>>> Festival de Cinema da Fronteira e Sur Frontera WIP LAB abrem inscrições
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
>>> Quando o AlphaGo venceu a humanidade (2020)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Hebe Camargo
>>> Podcast: carta de alforria
>>> Sociedade dos Poetas Mortos
>>> 23º Festival Mix Brasil de Cultura e Diversidade
>>> De Lucia, McLaughlin, Di Meola
>>> Dos portões abertos de Auschwitz, 58 anos depois
>>> A reação do cinemão
>>> Prêmio Nobel de Literatura para um brasileiro - II
>>> Minha história com Marisa Monte
>>> Eu não uso brincos
Mais Recentes
>>> Viajantes do Infinito de Flávia Muniz pela Moderna (1991)
>>> O Fantastico Misterio De Feiurinha de Pedro Bandeira pela Ftd (1999)
>>> O Projeto Rosie de Graeme Simsion pela Record (2016)
>>> O Leitor de Bernhard Schlink pela Record (2009)
>>> Rio Do Meio de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Meu Pescoço É Um Horror E Outros Papos De Mulher de Lia Wyler pela Rocco (2007)
>>> O Confidente de Héléne Grémillon pela Aeroplano (2015)
>>> Michaelis. Dicionário Escolar Inglês de Vários Autores pela Melhoramentos (2009)
>>> A Ditadura Acabada de Elio Gaspari pela Intrinseca (2016)
>>> A Ditadura Envergonhada (as Ilusões Armadas) de Elio Gaspari pela Companhia Das Letras (2002)
>>> Grande Sonho Do Céu de Sam; Viotti, Sergio [traducao Shepard pela Arx (2003)
>>> O Efeito Rosie de Graeme Simsion pela Record (2016)
>>> Cervaja e Comida de Stephen Beaumont pela Publifolha
>>> Cervejas, Brejas E Birras de Mauricio Unknown pela Leya
>>> Carne. El Arte De Cocinar Con Carne de Valéry Drouet pela Moliere Editores Sas
>>> Crise Nas Infinitas Terras de Marv Wofman; George Perez pela Panini Comics (2015)
>>> Sanduiches Especiais de Vinícius Martini Capovilla pela Senac São Paulo
>>> Guerra Dos Tronos: As Cronicas De Gelo E Fogo - Livro 1 de George R. R. Martin pela Leya Brasil
>>> A Camareira de Nita Prose pela Intrínseca
>>> Pan-asian Collective (Shadowforce Archer) de Clayton A Steve; Gearin Scott; pela Alderac Entertainment Group (2024)
>>> Alguém Que Você Conhece de Shari Lapena pela Record (2023)
>>> Destino de Ally Condie pela Suma De Letras (2011)
>>> Contágio de Robin Cook pela Best Bolso (2008)
>>> Garota Infernal de Diablo Cody pela Record (2009)
>>> O Teatro de Um Homem Só de Ademar Guerra pela Senac
BLOG >>> Posts

Quinta-feira, 25/9/2014
O candidato do 'PSDB' é outro
+ de 1500 Acessos

Assim como o camelô, já ferido de morte, corre um pouco, cambaleia e finalmente cai, agonizante, nesta eleição Guido Mantega não é o único "dead man walking".

Assim como o camelô no vídeo, muita gente observa a agonia de perto, se comove, emite um grito, mas o socorro não chega a tempo e o corpo se esvai em sangue, em plena luz do dia, na calçada, com os homens da lei bem ali ao lado.

Aécio Neves não parece que foi escolhido "para perder", como Geraldo Alckmin em 2006, mas parece, sim, abandonado à própria sorte.

Os mais conformistas dirão que seu destino já estava selado, junto com o de Eduardo Campos: enquanto um morria de fato, o outro morria como candidato. Mas essa explicação não é o bastante.

Seu partido também não ajudou. Aliás, que partido? Ou: o que sobrou dele? Fernando Henrique Cardoso é o único que ainda dá "suporte", pela imprensa ― porque suas sugestões não parecem chegar ao "núcleo duro" da campanha.

José Serra só comenta a eleição presidencial quando nega seu apoio a Marina Silva logo no primeiro turno. Nega afirmando. E Geraldo Alckmin tem, igualmente, uma desculpa para se ocupar: sua própria reeleição (que, afinal, já está ganha). Derrota, como presidenciável, cada um deles teve a sua. Que Aécio tenha a sua também ― parecem, na sua indiferença, afirmar...

O melhor quadro do PSDB nesta campanha é, ironicamente, um ex-quadro: Walter Feldman. Percebendo que o barco iria afundar, pulou fora antes, e se reinventou como mentor de Marina Silva. Acusou, recentemente, João Santana, o marqueteiro, de ser o verdadeiro candidato, no lugar de Dilma. Mas o mesmo poderia ser dito sobre ele, Feldman. Até as socialites paulistanas já sacaram: é ele quem "traduz" Marina.

E Feldman bate em Dilma como Aécio deveria ter batido. Ele diz, por exemplo, que a "presidenta" é um "equívoco" na História do Brasil (no mínimo, um erro de português), e que o que aconteceu na Petrobrás ― no suposto escândalo do "Petrolão" ― foi um "crime histórico". Por que Aécio nunca disse assim?

Feldman abraçou, oportunamente, o legado de Eduardo Campos, o da "terceira via". Quando explica que a disputa PT-PSDB está superada, como Campos fazia, nos convencemos em definitivo. E joga-se o bebê Aécio fora, junto com a água suja do banho, como naquela história.

Dilma teve Lula em 2010; Marina tem Feldman em 2014. Aécio não tem ninguém; achou que ele próprio se bastava.

O PSDB está abandonado à própria sorte agora.

Feldman, pelo seu lado, faz um pouco de charme. Quando perguntado se ocuparia o cargo de Ministro Chefe da Casa Civil ― num possível governo Marina ―, resiste mas sorri para a câmera: "Se ela me convocar..."

Assim como outros "conselheiros" de Marina ― Giannetti e "Neca" à frente ―, não parece ser de bom tom aceitar um ministério ou sequer considerar essa hipótese.

Muitas vezes prestamos atenção nos candidatos. Mas, às vezes, não é nos candidatos que devemos prestar atenção. Esta eleição é uma eleição de bastidores.

Para ir além
Walter Feldman fala à Veja


Postado por Julio Daio Borges
Em 25/9/2014 às 09h42

Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Star Wars - Knights of the Old Republic - 18
Lucas Books
On Line



Livro Ensino de Idiomas 21st Century Communication 1
Laurie Blass; Lida Bake
Cengage do Brasil
(2017)



A Moreninha
Joaquim Manuel de Macedo
Saraiva Didáticos
(2008)



Olavo Holofote - Limelight Larry
Leigh Hodgkinson
Companhia Das Letrinhas
(2011)



Um Sonho de Liberdade:a Conjuração de Minas
Rubim Santos Leão de Aquino
Moderna
(1998)



O Lobinho bom
Nadia Shireen
Brinque Book
(2013)



Classe Operária e Literatura - Ensaio sobre as Representações e os Fenômenos de Aculturação
Diana Cooper-Richet
Fap-Unifesp
(2013)



Louvre the Collections
Daniel Alcouffe e Outros
Réunion des Musées Nationaux
(1993)



Comunicação e Expressão Em Português 6ª
Varios
Ed. do Brasil



Mercosul e a Livre Circulação de Pessoas
Augusto Jaeger Junior
Ltr
(2000)





busca | avançada
57174 visitas/dia
1,8 milhão/mês