O voto na utopia (ou não) | Digestivo Cultural

busca | avançada
83267 visitas/dia
2,3 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Zeca Camargo participa de webserie sobre produção sustentável de alimentos
>>> Valéria Chociai é uma das coautoras do novo livro Metamorfoses da Maturidade
>>> Edital seleciona 30 participantes do país para produção de vídeos sobre a infância
>>> Joca Andreazza dirige leitura de Auto da Barca de Camiri na série 8X HILDA
>>> Concerto Sinos da Primavera
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
Colunistas
Últimos Posts
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
Últimos Posts
>>> Janelário
>>> A vida é
>>> (...!)
>>> Notívagos
>>> Sou rosa do deserto
>>> Os Doidivanas: temporada começa com “O Protesto”
>>> Zé ninguém
>>> Também no Rio - Ao Pe. Júlio Lancellotti
>>> Sementinas
>>> Lima nova da velha fome
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Co-opting creative revolution
>>> Gigantes de Tecnologia na Bolsa dos EUA
>>> Daily Rituals - How Artists Work, by Mason Currey
>>> Quem é o abutre
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> O computador de antigamente
>>> Privacidade
>>> A nova Casa da MPB em São Paulo
>>> Carnaval só ano que vem, da Orquestra Imperial
>>> Os tataravôs da filosofia
Mais Recentes
>>> Não se apega, não de Isabela Freitas pela Intrínseca (2015)
>>> Não se apega, não de Isabela Freitas pela Intrínseca (2015)
>>> Pro Teste nº31/nov/2004 - nº34/Mar/2005 - nº22/Fev/2004 de Vários pela Proteste (2004)
>>> Pro Teste Nº129/2013 (Sabões em pó e líquido) de Vários pela Proteste (2013)
>>> Em busca do tempo perdido Vol 3. Dic Porto Fr-Pt-Pt-Fr c/ CD. O Escafandro e a Borboleta de Marcel Proust / Porto / Jean-Dominique Bauby pela Globo
>>> Pro Teste nº67/2008 - nº48/2006 de Vários pela Proteste (2008)
>>> Pro Teste nº122/mar/2013 - nº49/Jul/2006 de Vários pela Proteste (2013)
>>> Pro Teste nº127 - nº123 de Vários pela Proteste (2013)
>>> Password English Dictionary For Speakers of Portuguese de Martins Fontes pela Martins Fontes (1998)
>>> Vidas Secas de Graciliano Ramos pela Record
>>> New Framework 4a de Richmond pela Richmond
>>> New Framework Student Book 2A de Rich pela Richmond
>>> Livro Salvador , Pinturas 2014/2015 de Salvador Dalí pela Salvador Dal (2014)
>>> Cidades Mortas de Monteiro Lobato pela Globo
>>> Dinheiro & direitos Nº 9 e Nº5 (CARTÕES DE LOJAS) (CARTÕES DE CRÉDITO) de Vários pela Proteste (2007)
>>> Noite Na Taverna de Álvares de Azevedo pela Martin Claret
>>> Rosaflor E A Moura Torta de Pedro Bandeira pela Melhoramentos
>>> Minidionário Espanhol de Michaelis pela Melhoramento (2002)
>>> História Da Civilização Ocidental de Antonio Pedro E Lizanias pela Ftd (2005)
>>> Liderança de Henry Mintzberg E Outros pela Biblioteca De Gestão
>>> Livro Quimica, Volume Unico de Urberco E Salvado pela Saraiva (2006)
>>> Aprender e Praticar Gramática - Edição Renovada de Mauro Ferreira pela Ftd (2007)
>>> Presença Pedagógica V.20 / N. 119 (Educação infantil) de Vários pela Dimensão (2014)
>>> História da Alimentção no Brasil de Luís da Câmara Cascudo pela Global (2011)
>>> O Desaparecimento de Josef Mengele de Olivier Guez pela Intrísseca (2019)
BLOG >>> Posts

Domingo, 12/10/2014
O voto na utopia (ou não)

+ de 1300 Acessos

Em seu curso de Filosofia Política na USP, lembro que o professor Renato Janine Ribeiro começava por Maquiavel e pelo "Príncipe".

Talvez para contrapor ao hiperrealismo de Maquiavel, na sequência o professor emendava com a Utopia, de Thomas Morus.

Steven Pinker, em seu Tábula Rasa, divide as visões de mundo em duas: uma utópica, ou "de esquerda"; outra, "trágica", ou "de direita".

Utopia, como o professor Renato ensinava, é o "não lugar". Basta lembrar de "topografia", que é a "escrita" do lugar. "Topos" é grego.

Utopia, por definição, não existe. Lembro do presidente Fernando Henrique Cardoso falando, durante o seu governo, da "utopia do possível" - uma contradição em termos.

Mas o livro de Morus também é. Porque descreve uma cidade. Se é um "não lugar", como pode ser uma cidade? Renato Janine Ribeiro ressaltava o aspecto arquitetônico, ou melhor, urbanístico, da obra.

Me lembra agora a Cidade de Deus de Santo Agostinho. O Paraíso também é um "não lugar", porque não está na Terra. E o "paraíso terrestre", para o cristianismo, é uma contradição em termos.

Tudo isso para falar que sempre me impressiona o voto na utopia. E não só no Brasil. Barack Obama encarnava, em sua primeira aparição, a "utopia" de um presidente negro nos Estados Unidos. Um candidato com a marca da mudança. "Change".

Mudança virou a palavra-chave também nas nossas eleições. Até a candidata do governo usa o termo. E uma de suas plataformas é, justamente, o "Muda Mais". Marina Silva queria mudar toda a política (descartando a "velha" em nome de uma "nova"). E Aécio Neves se coloca como a "mudança segura".

A única constante é a mudança. Heráclito, um filósofo pré-socrático, cunhou essa máxima. Adotada largamente pela turma do Vale do Silício. Veja como soa bem em inglês: "Change is the only constant".

O fato é que a vontade de "mudar" é tamanha que as pessoas se agarram a uma candidata que mal consegue costurar acordos, demora toda a vida para decidir, ficando historicamente em cima do muro... No fundo, alguém que não sabe... fazer... política?

Ou então outros eleitores preferem se agarrar, com todas as suas forças, a um governo que está demoronando. Simplesmente porque acreditam que seu partido foi "eleito", "ungido" - com seu respectivo Moisés, para libertar o povo da opressão...

No primeiro caso, a candidata politicamente inapta representa, justamente, a "pureza" na política. Os bons sentimentos (de que o inferno está cheio). "Ela é tão boa, tão santa, que não consegue nem lidar com as velhas raposas", condescendem.

Já a presidente-candidata, agora, se diz vítima de "golpe". Golpe é quando se rompe com a ordem vigente. Eleição não é golpe. É democracia. É vontade popular. Aliás, "cracia" é poder e "demo" evoca... povo.

Também se fala bastante em Junho de 2013. Nas tais manifestações. Dizem que elas não estariam, devidamente, refletidas nas urnas...

Talvez devêssemos ler mais Maquiavel. Chamá-lo de "maquiavélico" é muito simplista. Maquiavel fez o contrário da teoria política convencional: ele não imaginou um "sistema", ele estudou "principados" (governos), na História, e tirou conclusões.

Maquiavel, anacronicamente falando, não tinha preferência por ideologia nenhuma. Ele simplesmente observava e apontava o que funcionava mais. O que não funcionava, ele justificava por quê, e desaconselhava.

Olhando para o nosso espectro político, qual candidato está mais perto das lições de Maquiavel (no bom sentido)?

Post-scriptum
Estou lendo "O Príncipe" pela terceira vez. Recomendo a tradução da Martins Fontes. Que preserva os termos "virtù" e "fortuna", no original.

A edição da Penguin Companhia tem participação do presidente Fernando Henrique Cardoso. Por incrível que pareça, não acrescenta muito.

O presidente, aliás, participou de um debate sobre "O Príncipe" com Salman Rushdie - onde disse que entendia mais que Maquiavel do assunto, com a justificativa de que Maquiavel nunca fora príncipe e ele, FHC, fora...

Presidente, eu gosto muito de você, mas, desta vez, você exagerou.


Postado por Julio Daio Borges
Em 12/10/2014 às 11h13


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Português para o Segundo Grau Língua e Literatura Vol. 2
Álvaro Cardoso Gomes / Outros
Cultrix
(1985)
R$ 7,00



Arco do Triunfo
Carlos Castello Branco
Aché
(1959)
R$ 4,48



Os Militares no Poder, uma Análise Histórico-política do Liberalism...
Joaquim Manuel Croca Caeiro
Hugin
(1997)
R$ 15,63



Dicionário enciclopédico Tubino do esporte
Manoel José Gomes Tubino, Fábio Mazeron Tubino, Fernando Antonio Cardoso Garrido
Senac
(2007)
R$ 65,00



Comentários ao novo Código de Processo Civil: Lei nº 13.105/2015, atualizada de acordo com a Lei nº 13.256/2016
Elaine Harzheim MACEDO, Cristiana Zugno PINTO RIBEIRO
Prismas
(2017)
R$ 110,00



Os anões de Mântua (Literatura Infantil)
Gianni Rodari
Edições SM
(2004)
R$ 12,00



Investimentos Inteligentes (Para Conquistar e Multiplicar o Seu Primeiro Milhão)
Gustavo Cerbasi
Thomas Nelson Brasil
(2008)
R$ 18,00



Emoções Em Prosa e Verso
Suely Abardes
Ler Editorial
(2017)
R$ 15,00



A Verdade Sobre o Caso Harry Quebert
Joël Dicker
Intrinseca
(2014)
R$ 22,00



Um Triênio de Judicatura - Volume V Direito Processual - 9469
Philadelpho Azevedo
Max Limonad
R$ 23,00





busca | avançada
83267 visitas/dia
2,3 milhões/mês