O voto na utopia (ou não) | Digestivo Cultural

busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Clube do Conto Apresenta: Criaturas, de Carol Bensimon
>>> Vancouver Animation School apresenta webinário gratuito de animação
>>> Núcleo Menos1 Invisível evoca novas formas de habitar o mundo em “Poemas Atlânticos”
>>> Cia O Grito faz intervenção urbana com peças sonoras no Brás
>>> Simbad, o Navegante está na mostra online de teatro de Jacareí
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Ao pai do meu amigo
>>> Paulo Mendes da Rocha (1929-2021)
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Das construções todas do sentir
>>> Entrevista com o impostor Enrique Vila-Matas
>>> As alucinações do milênio: 30 e poucos anos e...
>>> Cosmogonia de uma pintura: Claudio Garcia
>>> Silêncio e grito
>>> Você é rico?
>>> Lisboa obscura
Colunistas
Últimos Posts
>>> Blue Origin's First Human Flight
>>> As últimas do impeachment
>>> Uma Prévia de Get Back
>>> A São Paulo do 'Não Pode'
>>> Humberto Werneck por Pedro Herz
>>> Raquel Cozer por Pedro Herz
>>> Cidade Matarazzo por Raul Juste Lores
>>> Luiz Bonfa no Legião Estrangeira
>>> Sergio Abranches sobre Bolsonaro e a CPI
>>> Fernando Cirne sobre o e-commerce no pós-pandemia
Últimos Posts
>>> Renda Extra - Invenção de Vigaristas ou Resultado
>>> Triste, cruel e real
>>> Urgências
>>> Ao meu neto 1 ano: Samuel "Seu Nome é Deus"
>>> Rogai por nós
>>> Na cacimba do riacho
>>> Quando vem a chuva
>>> O tempo e o vento
>>> “Conselheiro do Sertão” no fim de semana
>>> 1000 Vezes MasterChef e Nenhuma Mestres do Sabor
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cartier-Bresson: o elogio do olhar
>>> O lugar certo
>>> Profissionais do Texto III
>>> Sessão de Análise
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Literatura Falada (ou: Ora, direis, ouvir poetas)
>>> No rala-rala
>>> Guerra de Egos
>>> Duas noites, dois momentos culturais
>>> Falta alguma coisa ali no meio
Mais Recentes
>>> Creative Divorce de Mel Krantzler pela A Signet Book (1975)
>>> Letras de Músicas Cavc Idiomas 2º Semestre 1999 de Vários Autores pela Cavc Idiomas (1999)
>>> Cinquanta sfumature di rosso de E L James pela Mondadori (2012)
>>> Diccionario de Bolsillo Portugués - Español - Español - Portugués de Lexicon Sopena pela Ramón Sopena (1978)
>>> Hausbuch fur die deutsche familie de Frankfurt pela Standesamtswesen (1956)
>>> Um Cidadão do Mundo que Ama a Paz de Sun Myung Moon pela Parma Gráfica (2012)
>>> Rainer Maria Rilke de J. F. Angelloz pela Nymphenburger Verlagshandlung - munchen (1955)
>>> Seleções de Livros 3 em 1 de Varios autores pela Reader's Digust
>>> Deutsch Fur Auslander 2 de Hermann Kessier pela Leichte (1955)
>>> Die jungfrau von orleans de Schiller pela Reclam (1961)
>>> Spider's Web de Agatha Christie pela Samuel French (2011)
>>> Elelal all - Uenekus de José Nicolau Gregorin Filho pela Falenica Book (1967)
>>> Venha até nós de Corporation of the president of the church of jesus christ pela Corporation of the president of the church of jesus christ (1988)
>>> Vinte Suratas do Alcorão de Samir El Hayek pela Samir El Hayek
>>> Our perfomance in 2010 de Ubs pela Ubs (2010)
>>> Ano acadêmico de 1984 de Faculdade de teologia nossa senhora da assunção pela Faculdade de teologia nossa senhora da assunção (1984)
>>> Sidur para Minchá e Cabalat Shabat Zichron Nissim de Vários Autores pela Sinagoga de moema
>>> Sujeito: da sintaxe ao discurso de Eunice Souza Lima Pontes pela Ática (1986)
>>> Comentários sobre purim e Meguilat Ester transliteraria de Congregação Mekor Haim pela Congregação Mekor Haim
>>> O Novo Testamento de Nosso Senhor Jesus Cristo de Os Gideões Internacionais pela Os Gideões Internacionais (1987)
>>> Índice de assuntos das monografias rosa-cruzes 7 de Vários Autores pela Amorc
>>> Índice de assuntos das monografias rosa-cruzes 5 e 6 grau de Vários Autores pela Amorc
>>> Cidade dos ossos de Cassandra Clare pela Galera (2021)
>>> Índice de assuntos das monografias rosa-cruzes 1,2 3 e 4 grau de Vários Autores pela Amorc
>>> Novo Testamento de Ave-maria pela Ave-maria (1992)
BLOG >>> Posts

Domingo, 12/10/2014
O voto na utopia (ou não)

+ de 1400 Acessos

Em seu curso de Filosofia Política na USP, lembro que o professor Renato Janine Ribeiro começava por Maquiavel e pelo "Príncipe".

Talvez para contrapor ao hiperrealismo de Maquiavel, na sequência o professor emendava com a Utopia, de Thomas Morus.

Steven Pinker, em seu Tábula Rasa, divide as visões de mundo em duas: uma utópica, ou "de esquerda"; outra, "trágica", ou "de direita".

Utopia, como o professor Renato ensinava, é o "não lugar". Basta lembrar de "topografia", que é a "escrita" do lugar. "Topos" é grego.

Utopia, por definição, não existe. Lembro do presidente Fernando Henrique Cardoso falando, durante o seu governo, da "utopia do possível" - uma contradição em termos.

Mas o livro de Morus também é. Porque descreve uma cidade. Se é um "não lugar", como pode ser uma cidade? Renato Janine Ribeiro ressaltava o aspecto arquitetônico, ou melhor, urbanístico, da obra.

Me lembra agora a Cidade de Deus de Santo Agostinho. O Paraíso também é um "não lugar", porque não está na Terra. E o "paraíso terrestre", para o cristianismo, é uma contradição em termos.

Tudo isso para falar que sempre me impressiona o voto na utopia. E não só no Brasil. Barack Obama encarnava, em sua primeira aparição, a "utopia" de um presidente negro nos Estados Unidos. Um candidato com a marca da mudança. "Change".

Mudança virou a palavra-chave também nas nossas eleições. Até a candidata do governo usa o termo. E uma de suas plataformas é, justamente, o "Muda Mais". Marina Silva queria mudar toda a política (descartando a "velha" em nome de uma "nova"). E Aécio Neves se coloca como a "mudança segura".

A única constante é a mudança. Heráclito, um filósofo pré-socrático, cunhou essa máxima. Adotada largamente pela turma do Vale do Silício. Veja como soa bem em inglês: "Change is the only constant".

O fato é que a vontade de "mudar" é tamanha que as pessoas se agarram a uma candidata que mal consegue costurar acordos, demora toda a vida para decidir, ficando historicamente em cima do muro... No fundo, alguém que não sabe... fazer... política?

Ou então outros eleitores preferem se agarrar, com todas as suas forças, a um governo que está demoronando. Simplesmente porque acreditam que seu partido foi "eleito", "ungido" - com seu respectivo Moisés, para libertar o povo da opressão...

No primeiro caso, a candidata politicamente inapta representa, justamente, a "pureza" na política. Os bons sentimentos (de que o inferno está cheio). "Ela é tão boa, tão santa, que não consegue nem lidar com as velhas raposas", condescendem.

Já a presidente-candidata, agora, se diz vítima de "golpe". Golpe é quando se rompe com a ordem vigente. Eleição não é golpe. É democracia. É vontade popular. Aliás, "cracia" é poder e "demo" evoca... povo.

Também se fala bastante em Junho de 2013. Nas tais manifestações. Dizem que elas não estariam, devidamente, refletidas nas urnas...

Talvez devêssemos ler mais Maquiavel. Chamá-lo de "maquiavélico" é muito simplista. Maquiavel fez o contrário da teoria política convencional: ele não imaginou um "sistema", ele estudou "principados" (governos), na História, e tirou conclusões.

Maquiavel, anacronicamente falando, não tinha preferência por ideologia nenhuma. Ele simplesmente observava e apontava o que funcionava mais. O que não funcionava, ele justificava por quê, e desaconselhava.

Olhando para o nosso espectro político, qual candidato está mais perto das lições de Maquiavel (no bom sentido)?

Post-scriptum
Estou lendo "O Príncipe" pela terceira vez. Recomendo a tradução da Martins Fontes. Que preserva os termos "virtù" e "fortuna", no original.

A edição da Penguin Companhia tem participação do presidente Fernando Henrique Cardoso. Por incrível que pareça, não acrescenta muito.

O presidente, aliás, participou de um debate sobre "O Príncipe" com Salman Rushdie - onde disse que entendia mais que Maquiavel do assunto, com a justificativa de que Maquiavel nunca fora príncipe e ele, FHC, fora...

Presidente, eu gosto muito de você, mas, desta vez, você exagerou.


Postado por Julio Daio Borges
Em 12/10/2014 às 11h13


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Estratégia das Privatizações de Julio Daio Borges
02. Count Basie 1965 de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Saxofone e Flauta Escalas e Acordes 1
J. C. Prandini
Zimbo
(1983)



Messe - Poesias
Vidalino Torrano
Voz do Oeste
(1987)



Caricatura dos Tempos
Belmonte
Melhoramentos/circulo do Livro
(1982)



Diga Não À Violência Sexual Contra Crianças e Adolescentes ...
Maria Conceição O. Costa (coord.)
Do Autor
(2012)



Almanaque 02 Neurônio Guia da Mulher Superior
Jô Hallack / Nina Lemos / Raq Affonso
Record
(2002)



Primate Evolution and Human Origins
Russell L. Ciochon e John G. Fleagle
Aldine de Gruyter
(1987)



Doenças do Pulmão Correlaçao Radiologica e Patologica
Nestor L. Muller / Ricard S. Fraser
Revinter
(2005)



Retalhos de uma República
Nelson Valente
Panorama
(1999)



Vade Mecum Prática Oab - Tributário
Guuilherme Sacomano Nasser e Outro
Revista dos Tribunais
(2013)



O Rio de Janeiro no Tempo dos Vice-Reis (1763 a 1808)
Luís Edmundo
Senado federal
(2000)





busca | avançada
88566 visitas/dia
2,4 milhões/mês