O que é que deu no Alckmin? | Digestivo Cultural

busca | avançada
50174 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Vera Saad resgata política brasileira dos anos 90 para destrinchar traumas familiares
>>> Festival de Cinema da Fronteira e Sur Frontera WIP LAB abrem inscrições
>>> O Pequeno Príncipe in Concert
>>> Estreia da Orquestra Jovem Musicarium ocorre nesta quarta, dia 21, com apresentação gratuita
>>> Banda Yahoo se apresenta na Blue Note SP
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
>>> Quando o AlphaGo venceu a humanidade (2020)
Últimos Posts
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
>>> HORA MARCADA
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A Loja de Tudo - Jeff Bezos e a Era da Amazon, de Brad Stone
>>> De perto, ninguém é normal
>>> 14 de Outubro #digestivo10anos
>>> Scott Henderson, guitarrista fora-de-série
>>> O primeiro parágrafo
>>> O prazer da literatura em perigo
>>> Aulas de filosofia on-line
>>> Mezzo realidade, mezzo ficção
>>> Telemarketing, o anti-marketing dos idiotas
>>> Esquema Dilma opta por Russomano
Mais Recentes
>>> Pântano De Sangue - Coleção Os Karas de Pedro Bandeira pela Moderna (2013)
>>> Droga de Americana! - Os Karas de Pedro Bandeira pela Moderna (1999)
>>> O Livro da sua Vida de Osho pela Cultrix (2019)
>>> Inveja - O Inimigo Oculto de Alexandre Bez pela Juruá (2011)
>>> O Livro Do Tibete de M. Nilsa Lopes e J. C Alarcon pela Caioá (1996)
>>> Rituais Celtas de Andy Baggott pela Madras (2002)
>>> Apresentaçao da Poesia Brasileira de Manuel Bandeira pela Ediouro (2001)
>>> Tarô de Stefanie Caponi pela Mantra (2022)
>>> Livro de Tarefas Pense Magro de Judith Beck pela Artmed (2009)
>>> Calendário Cósmico de Stellarius pela Nova era (2000)
>>> A Magia dos Metais de Mellie Uyldert pela Pensamento (1990)
>>> Multiletramentos na Escola de Roxane Rojo pela Parábola (2012)
>>> Dicionário do doceiro brasileiro de Dr Antonio José de Souza Rego pela Senac (2010)
>>> Video Marketing. Como Usar O Dominio Do Video Nos Canais Digitais Para Turbinar O Marketing De Produtos Marcas E Negocios de Jon Mowat pela Autêntica Business (2018)
>>> O livro de Gizé de M. Nilsa Lopes e J. C Alarcon pela Caioá (1996)
>>> Salmos - Misterios Revelados de Moacyr Martins pela Empório do Livro (1998)
>>> Gastroenterologia Pancreatites de José Galvão Alves pela Rubio (2002)
>>> O livro do Brasil 2 de M. Nilsa Lopes pela Humi (2007)
>>> Apertada E Sem Espaço de Julia Donaldson pela Brinque-book (2003)
>>> Ícaro Redimido de Gilson Freire pela Inede (2020)
>>> Gestao Do Design de Cyntia Malagutti pela Belas Artes (2008)
>>> Dinossauros de Paul Barret pela Wmf Martins Fontes (2011)
>>> Pai rico, pai pobre de Robert Kiyosaki, Sharon Lechter pela Elsevier (2000)
>>> Italian Folktales de Italo Calvino pela Mariner Books (1980)
>>> Introdução Ao Novo Testamento de Douglas Moo, Leon Morris, D.A. Carson pela Vida Nova (1992)
BLOG >>> Posts

Quinta-feira, 13/11/2014
O que é que deu no Alckmin?
+ de 1400 Acessos

Como todo mundo sabe, desde 2002 que o PSDB disputa e perde eleição para o PT, para a Presidência da República. Foi assim em 2002 com José Serra, em 2006 com Geraldo Alckmin, em 2010 com José Serra (de novo) e agora, em 2014, com Aécio Neves.

A eleição de 2014 foi um raro momento de paz entre os líderes do PSDB. Principalmente porque Serra se elegeu para o Senado, Alckmin se reelegeu governador de São Paulo, para seu quarto mandato, e Aécio parecia o candidato consensual - todos se uniram para apoiá-lo.

Perdida a eleição, elencados os primeiros nomes para concorrer em 2018, a paz começou a se esvanecer. O nome de Aécio não era mais consensual, ainda que o PSDB nunca tivesse chegado tão perto da vitória. Começou a surgir o nome de Alckmin...

Até aí, faz parte do jogo. Como 2018 está muito longe, no horizonte político, as especulações vão prosseguir...

O problema começou há poucos dias. Enquanto o senador Aloysio Nunes, candidato a vice na chapa de Aécio, praticamente chamava a ex-candidata de "mentirosa" e a presidente reeleita de "estelionatária" no plenário, Alckmin se reunia com a dita cuja no Palácio do Planalto.

Quando indagado sobre isso, Alckmin tergiversou. Evocou a governabilidade. Como foi pedir R$ 3,5 bilhões a Dilma Rousseff para combater a crise hídrica, disse que a oposição deveria ser feita no Parlamento. Deu a entender que não era essa a função de quem ocupava "cargos executivos"...

Foi estranho. Mas ele podia estar sendo "prático". Ou pragmático. PSDBistas logo acudiram...

Agora, a coisa ficou um pouco mais séria, porque Alckmin foi a Nova York proclamar que "pessimismo é exagerado" em relação ao Brasil. E a Folha logo estampou: "Alckmin critica pessimismo na economia".

Descontando a malicia recorrente da Folha, a crise econômica não é mais uma questão de gosto. Ou de ponto de vista. Inflação descontrolada, juro real mais alto do mundo, crescimento próximo de zero e desemprego à vista... não são opiniões, são fatos. E devem ser encarados como tais.

Alckmin foi correto ao afirmar que se deve enfrentar "rápido" a questão fiscal. Até porque, como sabemos, o governo federal está à beira de se tornar um "fora da lei". Virtualmente incapaz de cumprir a meta para 2014, fixada em lei, apelou para o Congresso, querendo "revisar" a meta. Algo como mudar a média para passar de ano, quando o aluno ameaça levar pau... A oposição não quer "revisar", claro. E com razão. Sendo assim, o que quis dizer Alckmin?

Para completar, Geraldo Alckmin entoou, nos Estados Unidos, o canto da "reforma política", a mesma evocada por Dilma no discurso da vitória. Para não soar dúbio, levantou o problema do excesso de partidos, que ameaça a governabilidade. (Ele gosta dessa palavra.) Apesar de que, quando o PT fala em reforma política, a relação que se faz é com a tal "democracia direta" - que tiraria poderes do Congresso... para dar, em última instância, à militância (ao PT, de novo).

Como se percebe, com esses movimentos, Alckmin está adentrando em terreno pantanoso. Se no início parecia só uma disputa pela candidatura à Presidência em 2018, de repente o governador começou a melindrar a oposição encampada por seu próprio partido, no Congresso... E agora, fora do Brasil, defende o governo federal - e, mais do que isso, os *projetos* desse governo, cujo partido, conforme documentos oficiais deste, não morre de amores pela democracia...

Como se diz na gíria, depois de conquistar o quarto mandato, Alckmin está "se achando". Mas se esquece de que o primeiro mandato foi herança de Mário Covas, o segundo foi inércia de Covas. O terceiro foi por mérito próprio, OK. Mas neste quarto, apesar de existir mérito também, houve o fator "anti-PT", e a ausência candidatos competitivos. Paulo Skaf, o mais próximo disso, foi muito criticado pelo uso pessoal que fez da estrutura da Fiesp, e por não ter uma ideologia muito bem definida (sendo frequentemente comparado a Gilberto Kassab).

PSDBistas exaltados proclamam, nas redes sociais, que seu partido "não deve satisfação a ninguém" (sobre suas rusgas internas). Mas deve. Pior que deve. No mínimo, deve a quem votou nele. E isso inclui eleitores de Geraldo Alckmin.

Num momento em que até quadros representativos do próprio PT, como Marta Suplicy, vêm a público fazer críticas à condução da política econômica do governo federal, e até ao governo em si, não faz sentido que o governador reeleito de São Paulo, pelo partido da oposição, venha defender esse governo, indiretamente sua política econômica, e até obscuras "reformas" - em nome da "governabilidade", da crise hídrica, ou, pior, em nome de um suposto protagonismo numa longínqua disputa presidencial...

Geraldo Alckmin, com essa postura, desrespeita seus eleitores. Desrespeita a população de São Paulo, que fez questão de não eleger o PT em nenhuma instância. E desrespeita, além do posicionamento de seu partido, o voto de, no mínimo, 51 milhões de brasileiros - que decididamente não concordam com este estado de coisas...

Para ir além
Compartilhe


Postado por Julio Daio Borges
Em 13/11/2014 às 15h00

Quem leu este, também leu esse(s):
01. O encontro marcado de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Curso Em Milagres
Lilian Salles de Oliveira Paes
Foundation for Inner Peace
(1996)



Livro Administração A Cabeça De Steve Jobs As Lições Do Líder Da Empresa Mais Revolucionaria Do Mundo
Leander Kahney
Harpercollins Brasil
(2008)



Haitian Vodou: Spirit, Myth & Reality
Patrick Bellegarde-smith and Claudine Michel
Indiana
(2006)



Relações Assessorias e Redações
Varios
Cubic
(1999)



De volta para casa
Mary Sheldon
Record
(2003)



Correntezas da Maldade
Michael Connelly
Record
(2006)



An Analysis of Anti Money Laundering Systems in Brazil
Fernanda Emília Costa Campos
Sergio Antonio Fabris
(2010)



Onde Esta Tudo Aquilo Agora?
Fernando Gabeira
Companhia das Letras
(2012)



/Benditos Hormônios!
Dr. J. Ron Eaker
Graça
(2000)



Livro Literatura Brasileira O Negociador
Frederick Forsyth
Record
(1989)





busca | avançada
50174 visitas/dia
1,8 milhão/mês