Lembrança de Paulo Brossard | Digestivo Cultural

busca | avançada
56543 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
>>> Dan Stulbach recebe Pedro Doria abrindo o Projeto Diálogos 2024 da CIP
>>> Bert Jr. aponta sintomas de uma sociedade mal-orientada em “Fict-Essays e Contos Mais Leves”
>>> Novo livro de Vera Saad resgata política brasileira dos anos 90 para destrinchar traumas familiares
>>> Festival de Cinema da Fronteira e Sur Frontera WIP LAB abrem inscrições
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
>>> Minha história com o Starbucks Brasil
Colunistas
Últimos Posts
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
>>> Quando o AlphaGo venceu a humanidade (2020)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ler e o DC
>>> A alegria da música - Ella Fitzgerald
>>> 5 de Novembro #digestivo10anos
>>> A arte da ficção política
>>> Hebe Camargo
>>> Podcast: carta de alforria
>>> Sociedade dos Poetas Mortos
>>> 23º Festival Mix Brasil de Cultura e Diversidade
>>> De Lucia, McLaughlin, Di Meola
>>> Dos portões abertos de Auschwitz, 58 anos depois
Mais Recentes
>>> Em estado de choque sobrevivendo em Gaza sob ataque israelense de Mohammed Omer pela Autonomia Literária (2016)
>>> A Historia Do Mundo Para Quem Tem Pressa de Emma Marriott pela Valentina (2016)
>>> Teia Da Vida, A de Fritjof Capra pela Cultrix (2006)
>>> O Segredo Da Flor De Ouro de Richard Wilhelm, Carl Gustav Jung pela Vozes (2021)
>>> Educação, cultura e luta de classes crônicas brasileiras de Justina de Sousa Junior pela Nova Civilização (2018)
>>> Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia de Ana M. Bahia Bock / Odair Furtado / Maria de Lourdes T. Teixeira pela Saraiva (1991)
>>> Diga Ao Povo Que Avance!: Movimento Indígena No Nordeste de Kelly (author.) Oliveira pela Fundação Joaquim Nabuco, Massangana, (2013)
>>> Viajantes do Infinito de Flávia Muniz pela Moderna (1991)
>>> O Fantastico Misterio De Feiurinha de Pedro Bandeira pela Ftd (1999)
>>> O Projeto Rosie de Graeme Simsion pela Record (2016)
>>> O Leitor de Bernhard Schlink pela Record (2009)
>>> Rio Do Meio de Lya Luft pela Record (2004)
>>> Meu Pescoço É Um Horror E Outros Papos De Mulher de Lia Wyler pela Rocco (2007)
>>> O Confidente de Héléne Grémillon pela Aeroplano (2015)
>>> Michaelis. Dicionário Escolar Inglês de Vários Autores pela Melhoramentos (2009)
>>> A Ditadura Acabada de Elio Gaspari pela Intrinseca (2016)
>>> A Ditadura Envergonhada (as Ilusões Armadas) de Elio Gaspari pela Companhia Das Letras (2002)
>>> Grande Sonho Do Céu de Sam; Viotti, Sergio [traducao Shepard pela Arx (2003)
>>> O Efeito Rosie de Graeme Simsion pela Record (2016)
>>> Cervaja e Comida de Stephen Beaumont pela Publifolha
>>> Cervejas, Brejas E Birras de Mauricio Unknown pela Leya
>>> Carne. El Arte De Cocinar Con Carne de Valéry Drouet pela Moliere Editores Sas
>>> Crise Nas Infinitas Terras de Marv Wofman; George Perez pela Panini Comics (2015)
>>> Sanduiches Especiais de Vinícius Martini Capovilla pela Senac São Paulo
>>> Guerra Dos Tronos: As Cronicas De Gelo E Fogo - Livro 1 de George R. R. Martin pela Leya Brasil
BLOG >>> Posts

Domingo, 12/4/2015
Lembrança de Paulo Brossard
+ de 2500 Acessos

Nesta manhã de domingo, aos 90 anos, Paulo Brossard nos deixou. Há muito que se dizer do jurista, do político, do ministro de Estado, do colunista político, do liberal clássico formado sob Raul Pilla que combateu a ditadura militar na sua memorável passagem pelo senado, enfim, do homem público na acepção mais ampla que a expressão pode ter. Muito foi e será dito neste 12 de abril sobre este homem que deve ser lembrado pela posteridade, com todo o merecimento e sem nenhum favor, como um dos principais artífices do Brasil democrático.

Por isso, em meio a tanto que será dito em homenagem a Brossard, quero também dizer algo sobre ele. Será uma pequena, breve contribuição. Mas uma contribuição que, tenho certeza, só poderá ser feita por mim. E por uma razão muito simples, que passa longe de qualquer delírio pretensioso: porque trata-se de uma lembrança pessoal. Uma lembrança que fala pouco de mim, muito dele e dará, creio, bem a medida do homem Brossard. Por isso, e só por isso, é que a deixo aqui.

Era um jantar na casa de meu tio, amigo do ministro desde os tempos de MDB, numa noite fria de junho.de 2011. Lá estavam, entre muitos outros convidados, Brossard, sua esposa e uma de suas filhas. Enquanto estas últimas conversavam com os demais convidados o ministro pediu, gentilmente, para sentar-se em outra mesa. E ali acomodou-se. Tive então a oportunidade de conversar com ele.

Comentei que, havia poucos dias, tinha lido o seu prefácio a "Pequena história territorial do Brasil", de Ruy Cirne Lima. Foi o suficiente para que um discreto sorriso se abrisse no rosto no ministro, talvez pela oportunidade de conversar sobre um tema de sua predileção. Falou então longamente sobre a impressionante familiaridade de Cirne Lima com a tradição jurídica ibérica e ibero-americana, em especial os juristas portugueses e espanhóis do fim da Idade Média e do Renascimento, e lamentou que esta tradição já não fosse tão conhecida dos jovens de hoje.

Perguntou-me então o que estava cursando. Respondi que, naquele ano, concluía o curso de Direito e logo depois o de Letras (este, na verdade, teria de esperar até 2013). Outro sorriso se abriu. Perguntou então quais as minhas áreas de preferência dentro do Direito. Respondi que tinha especial atração pelos temas de Direito Público, Direito Internacional e Teoria do Estado (que seriam, aliás, objeto de minha monografia de conclusão). "Excelente, excelente", disse ele. Sugeriu então - "se lhe posso sugerir algumas leituras", foram suas exatas palavras - que lesse aqueles autores citados por ele com muita atenção. Agradeci e apontei que, no prefácio ao livro de Cirne Lima, ele, Brossard, lembrara que o autor costumava dizer que "as novidades jurídicas têm, em geral, trezentos anos idade". Outro sorriso, desta vez mais aberto, menos comedido: "É verdade, mas não podemos dizer isso por aí".

A conversa estendeu-se por mais umas duas horas e adentrou o jantar. Falamos sobre o estado atual das faculdades de Direito, as exigências que hoje se faz para ingresso na carreira acadêmica (exageradas e tolhedoras, segundo ele), de alguns episódios da política do Império e da República, da importância de Raul Pilla para a formação dos políticos de sua geração e muito mais. Após falar e ensinar muito, interrompido por algumas perguntas minhas - a isso limitei-me - ele virou-se para mim e perguntou: "você está terminando o curso de Letras, não é?". "Sim", respondi. Perguntou então o que achava da crítica que Machado havia feito à obra de Eça de Queirós na famosa resenha de "O Primo Basílio", publicada quando o brasileiro ainda era um iniciante e Eça um nome já consagrado. Respondi que concordava, em parte, e que, embora tivesse apreciado imensamente "O Mandarim", "A Cidade e as Serras" e alguns de seus contos, achava que faltava o conflito interior e autonomia às personagens de Eça, razão pela qual não me sentia tão tentado a lê-lo novamente.

Brossard ouviu tudo atentamente e em silêncio, assentindo aqui e ali. Quando terminei, indagou: "Já leu os artigos de opinião dele?". Respondi que, salvo um ou outro ensaio, não havia lido. Ele sugeriu que os procurasse. "Ali está algo do que melhor se escreveu em português no que se refere ao humor e à sátira", disse ele. Agradeci a indicação. Logo depois, Brossard foi chamado pela esposa e a filha para irem para casa. Já passara da meia noite. Levantamos e nos despedimos, não sem antes o ministro agradecer a companhia e a conversa e eu a imensa generosidade da companhia, das lições e da oportunidade única. Oportunidade que agora recordo, certo de que o homem que a concedeu fará uma irreparável falta.



Postado por Celso A. Uequed Pitol
Em 12/4/2015 às 15h27

Quem leu este, também leu esse(s):
01. Bienal do Livro Bahia de Rafael Rodrigues
02. la caminadora de Julio Daio Borges


Mais Celso A. Uequed Pitol no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Contribuições Para Seguridade Social
Sacha Calmon Navaro; Maria Alice Zarur Coelho
Quartier Latin
(2007)



Treinamento, Desenvolvimento e Educação em Organizações e Trabalho
Jairo Borges-Andrade, Gardênia da Silva Abbad, Luciana Mourão
Artmed
(2006)



O Segredo Judaico de Resolução de Problemas
Ídiche Kop
Imago
(1995)



A Arca do Tesouro
Flávia Savary
Salesiana
(2006)



Tesouros Peculiares
Robin Jones Gunn
Planeta
(2015)



Antes que a terra acabe
John Kerry Teresa Heinz Kerry
Saraiva
(2008)



Neruda@hamlet
Delia María Césaris; Trelma Guimarães Castro Andrade
Santillana
(2018)



Livro - Alexandre, o Grande
Claude Mossé
Estação Liberdade
(2001)



Viva bem - Com a dor e a Doença
Vidymala Burch
Summus Editorial
(2011)



/História do Povo Brasileiro
Jânio Quadros e Afonso Arinos
J. Quadros
(1967)





busca | avançada
56543 visitas/dia
1,8 milhão/mês