FLIP 2006 IV | Digestivo Cultural

busca | avançada
97126 visitas/dia
2,6 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sesc 24 de Maio apresenta o último episódio do Música Fora da Curva
>>> Historiador Russell-Wood mergulha no mundo Atlântico português da Idade Moderna
>>> Livro ensina a lidar com os obstáculos do Transtorno do Déficit de Atenção
>>> 24 e 25/04: últimas apresentações do projeto 48h_48min acontecem neste fim de semana
>>> João Trevisan: Corpo e Alma || Museu de Arte Sacra
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Cem encontros ilustrados de Dirce Waltrick
>>> Poética e política no Pântano de Dolhnikoff
>>> A situação atual da poesia e seu possível futuro
>>> Um antigo romance de inverno
>>> O acerto de contas de Karl Ove Knausgård
>>> Assim como o desejo se acende com uma qualquer mão
>>> Faça você mesmo: a história de um livro
>>> Da fatalidade do desejo
>>> Cuba e O Direito de Amar (3)
>>> Isto é para quando você vier
Colunistas
Últimos Posts
>>> Hemingway by Ken Burns
>>> Cultura ou culturas brasileiras?
>>> DevOps e o método ágil, por Pedro Doria
>>> Spectreman
>>> Contardo Calligaris e Pedro Herz
>>> Keith Haring em São Paulo
>>> Kevin Rose by Jason Calacanis
>>> Queen na pandemia
>>> Introducing Baden Powell and His Guitar
>>> Elon Musk no Clubhouse
Últimos Posts
>>> Geração# terá estreia no feriado de 21 de abril
>>> Patrulheiros Campinas recebem a Geração#
>>> Curtíssimas: mostra virtual estreia sexta, 16.
>>> Estreia: Geração# terá sessões virtuais gratuitas
>>> Gota d'agua
>>> Forças idênticas para sentidos opostos
>>> Entristecer
>>> Na pele: relação Brasil e Portugal é tema de obra
>>> Single de Natasha Sahar retrata vida de jovem gay
>>> A melancolia dos dias (uma vida sem cinema)
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Pra entender a Lei Rouanet
>>> Uma baby boomer no Twitter
>>> No pé da orelha
>>> Machado e a AR-15
>>> Notas confessionais de um angustiado (V)
>>> Festival de interatividades
>>> O melhor de Steve Jobs
>>> Jane Fonda em biografia definitiva
>>> Leituras, leitores e livros – Parte I
>>> Abertura de Guillaume Tell
Mais Recentes
>>> Retalhos de Agonia (Teatro Brasileiro) de Luiz de Assis Monteiro pela Confraria da Paixão (2021)
>>> Construindo um Blog de Sucesso no Wordpress 3 + Cd de Daniella Borges de Brito pela Brasport (2011)
>>> Revolução em Mim de Marcia Kupstas pela Moderna (1995)
>>> Lutas Do Povo Brasileiro de Julio Jose Chiavenato pela Moderna (1996)
>>> Agua Origem Uso e Preservacao de Samuel Murgel Branco pela Moderna (1998)
>>> Sexo, Sexualidade e Doenças Sexualmente Transmissíveis de Ruth Gouvêa Duarte pela Moderna (1995)
>>> O Grande Livro da Saúde Natural - 73 Segredos da Cura Sem Remedio de Agora Inc pela Jolivi (2018)
>>> Vinha de luz de Francisco Cândido Xavier pela Feb (2015)
>>> História da Riqueza do Homem de Leo Huberman pela Guanabara (1986)
>>> Por que os Homens Amam as Mulheres Poderosas? de Sherry Argov pela Sextante (2009)
>>> A Mágica de Pensar Grande de David J. Schwartz pela Record (1995)
>>> Abolição: Um Suave Jogo Político? de Leonardo Trevisan pela Moderna (1991)
>>> A Revolução Industrial de Roberto Antonio pela Moderna (2002)
>>> Globalização Estado Nacional e Espaço Mundial de Demétrio Magnoli pela Moderna (1998)
>>> A Marca de Uma Lágrima de Pedro Bandeira pela Moderna (1992)
>>> Evolução Das Espécies de Samuel Murgel Branco pela Moderna (2003)
>>> Plastico Bem Superfluo Ou Mal de Eduardo Leite do Canto pela Moderna (1995)
>>> História da Literatura Brasileira -2ª ed. revista e ampliada de Luciana Stegagno Picchio pela Nova Aguilar- Lacerda- ABL (2004)
>>> O Meio Ambiente em Debate de Samuel Murgel Branco pela Moderna (1998)
>>> Sentidos Da Vida Uma Pausa P Pensar de Flavio Gikovate pela Moderna (1998)
>>> A Industrialização Brasileira - de Sonia Medonças pela Moderna (2000)
>>> Multinacionais Desenvolvimento Ou Exploração? de Paulo Martinez pela Moderna (1987)
>>> Um Amor Alem Do Tempo de Leila R. Iannone pela Moderna (1990)
>>> O Novo Mapa do Mundo de Demétrio Magnoli pela Moderna (1999)
>>> Olhinhos de gato de Cecília Meireles pela Modernao (1983)
BLOG >>> Posts

Domingo, 13/8/2006
FLIP 2006 IV

+ de 1900 Acessos

Está acabando, está acabando. Sala de imprensa praticamente vazia neste domingo de manhã. O sábado foi de balada forte. Eu e a Carol ficamos só na pizza. Na verdade, eu quase esqueço de dizer que a Flip, em si, é só uma parte de toda a movimentação que se organiza na cidade nesta época. O Off Flip, por exemplo, - que não é uma gozação, nem um protesto, apenas um evento paralelo - hoje cresceu a tal ponto que já tem sua própria assessoria e sua própria sede. Muitos eventos giram em torno da pousada Villas de Paraty, que estava no nosso caminho e que sempre vimos movimentada, principalmente à noite. Também muitas coisas acontecem na Casa de Cultura onde, na verdade, começou a Flip em 2003. Ontem à tarde, um monte de crianças cantavam e dançavam o maior rock'n'roll zoológico sob o olhar embevecido de Paulo Roberto Pires e sob a proteção das mamães, também embaladas pelo som.

* * *

Existe um desejo de participação muito forte em toda a Flip, em toda a Off Flip, em toda a Flipinha e em todo o Off-Off Flip. Eu até quero escrever mais longamente sobre isso. As mesas, da Flip, acabam meio orientadas quase que para uma grande oficina de textos. Muitas perguntas no sentido de: "como você escreve?"; "como você cria seus personagens?"; "quando você dá um livro por terminado?". Perguntas meio sem sentido, conforme apontaram muitos dos próprios perguntados. Eu, Julio, tenho meu método de escrever, mas será que ele interessa a mais pessoas? O Jonathan Safran Foer, por exemplo, respondeu que, na verdade, não tem método. Lê todo o livro todos os dias, antes de começar. Mesmo que esteja na página duzentos e não sei quantos, ele volta na primeira página, lê tudo e (re)começa a escrever de onde parou. Isso me interessa, porque eu escrevo. Mas isso não interessa à Carol, por exemplo.

* * *


Foto de Walter Craveiro

Jonathan ainda disse que um romance é uma espécie de obsessão. Como é que você vai conviver com idéias que devem durar, sei lá, cinco anos? Quando casamentos, ele disse, não duram, hoje, três, quatro anos... Do romance, ele concluiu, fica apenas o que você tem de mais entranhado dentro de você, porque o resto, a cinco anos, não sobrevive. Eu admirei a calma e aparente ordem que emanava na figura do Jonathan: ele parecia tão centrado, tão seguro de si... E eu tinha visto, nestes dias todos, os jornalistas descabelados, desarrumados, ansiosos e mal dormidos. Ser escritor, eu pensei, é muito melhor. Muito mais calmo. O problema é que a Ali Smith não parecia muuuito mais calma. Ela andou aqui, pra cima e pra baixo da Flip, com a mesma calça, com a mesma blusa preta, com um cabelo que não parecia lavar desde a Escócia... Ela não era mais calma e mais "ordenada".

* * *

Essas reflexões interessam a mim, mas interessam às outras pessoas? Às vezes parece que, sutilmente, a organização da Flip "empurra" as pessoas para o ofício de escritor. E, depois, vamos ter de agüentar esses milhares de escrevinhadores que pensam que são escritores, porque viram uma determinada mesa e acharam, de repente, a coisa excitante - mas não é, não. Como disse o Paul Auster, na Flip 2004, é terrivelmente boring. Ir todo dia ao escritório, sentar e escrever. Tardes inteiras, manhãs inteiras. Sempre igual. Chato pra burro. As pessoas estão preparadas para essa conclusão? Não, não estão. Eu acho que não estão. Ontem, de manhã, foi também engraçada uma declaração do André Sant'Anna. Hoje ninguém vai escrever uma Quinta Sinfonia, ele garantiu. Ninguém tem mais cinco, seis horas para passar escrevendo. Telefone, internet, televisão, celular, rádio - são muitas as interrupções. Segundo ele, ninguém mais se concentra. Então escreve só migalhas (blogs?). Eu não sei se concordo, mas é uma boa observação...

* * *


Foto de Walter Craveiro

"Nem vai pelo lado da Quinta Sinfonia, que não é uma boa...", aconselhou o Lourenço Mutarelli. Meio na base da brincadeira, porque ser como Beethoven era - no seu linguajar - uma piração. A mesa deles, mais o Reinaldo Moraes, foi quase uma mesa lisérgica. Eu anotei algumas declarações (ou leituras de "obras" deles): "uma balada de pó", "orgias junk-putanhescas", "estrangulando uma loira" e "refrescando o saco no rasinho". Foi uma mesa meio catártica, cheia de palavrões, expressões chulas - um pai de família, um dos poucos que aparecem na Flip, se acabava em gargalhadas. Subitamente, alguém no palco protagonizava todas as baixezas que ele identificava mas não tinha coragem de praticar (ou de pensar). Deu a impressão de que o Mutarelli e o Moraes não vão sobreviver muito tempo a si próprios. Já o André, no seu jeito mineiro, mais calmo, vai viver cem anos. Lembrei, ainda, do texto da Andrea Trom sobre O natimorto. A Carol quer ler O cheiro do ralo. Eu quero ler o Sant'Anna desde que o Daniel Galera me indicou.

* * *

E por falar em mineiros, eu vi poucos. É muito longe; é muito caro - eu entendo. Parece que tinha mais gente do Rio do que de São Paulo neste ano. Principalmente socialites na fila da Tenda dos Autores. Algumas com os maridos a tira-colo (ou tiracolo?). Como as pessoas se cumprimentam na fila da Tenda dos Autores...! Parece que, nas classes altas, se você for e não vir os outros (e não for visto) é como se não tivesse valido. "Você estava lá? Mas eu não vi você lá...! Vi fulano, vi beltrano, vi até sicrano mas não vi você lá. Você foi mesmo?" Muitas Cicaréias, como diz o Paulo Lima, de "boca nova". Com aquele brilho na boca. Fazendo bico como se mascasse(m) chiclete. Aperta o bico, arrebita o bico, volta pra trás, mastiga... Que trabalho pra ser bonita! Pobres mujeres, como eu digo sempre pra minha mãe. Mas isso não tem nada a ver com a Flip. Ou tem? Não sei. Me perdi.

* * *

Eu conversava com a Renata, da assessoria, e ela acha que, por ser agosto, a Flip está mais calma. E eu acho que, por ser agosto, tem menos paulistas. Os cariocas até podem vir e passar o fim de semana, mas os paulistas vão pagar caro por isso. Não só em dinheiro, claro. Parece que, na Flip 2006, teve menos oba-oba, menos gente que veio porque estava sem nada pra fazer... Universitários; de férias. A assessoria estava mais calma como um todo. E a sala de imprensa. Apesar do Hitchens. Alías, ele não apareceu mais por aqui. Ele não apareceu mais em Parati. Deve ter saído de helicóptero. Não sei como deu os autógrafos ontem. Até tive pesadelos com aquela mesa... "Why don't go and buy the fucking book?", ele bradava no final. Não sei se de brincadeira, não sei se a sério. Faz diferença? Seu ídolo, Oscar Wilde, teria sido mais condescendente com os americanos... Como foi.

* * *

Quê mais? Uma mesa que eu sempre esqueço de mencionar mas que foi muito legal. A do Miguel Sanches Neto, com Ignácio de Loyola Brandão e Wilson Bueno (no lugar do Cony, adoentado). Foi uma mesa exemplar; com a mediação exemplar da Beatriz Resende (continuo sem saber se é com "s" ou com "z"...). Gosto das crônicas do Loyola. Mas os livros dele me parecem todos de crônicas (também); não me parecem literatura. Pessoalmente, ele é simpático, magnético e fala bem para platéias. O Sanches Neto foi uma boa surpresa, porque admiro sua crítica, atualmente na Carta Capital, gostei de seu primeiro romance e tenho mais vontade de lê-lo em livro. Foi bom vê-lo pessoalmente, em resumo. Mas o Wilson Bueno dominou a mesa, porque sempre alguém tem de dominar... Destruiu, com uma sátira a Machado e ao século XIX. O momento de humor mais inteligente e refinado da Flip. O livro é Amar-te a ti nem sem sei com carícias (um decassílabo perfeito!). Ótima aquisição para a Flip. Até parabenizei a Ruth na saída. (Ela estava preocupada com a saúde do João em São Paulo. Melhoras ao João!)

* * *


Foto de Walter Craveiro

Para encerrar, eu gostaria de dizer que foi uma honra para a Festa Literária de Parati ter, em 2006, o maior poeta brasileiro vivo. Ferreira Gullar. Era a literatura viva. A nossa literatura. (Todos os clichês valem aqui...) E ninguém vai esquecer o momento em que ele leu, mais uma vez, o Poema Sujo (1975). Também a participação de Mourid Barghouti - tão grandiosa quanto. Evocando a novilíngua de Orwell, disse que o mainstream transformou o sentido das palavras. Hoje, "matar pessoas" são "danos colaterais"; "ocupação" é "auto-defesa"; "guerra" é "preparar as pessoas para a democracia"; "bombardeio" é "modernização"; e "resistência" é "terrorismo". Estava se referindo, logicamente, ao conflito atual no Extremo Oriente... E eu fiquei com vontade de ler Eu vi Ramallah. Qualquer dia conto, para vocês, as minhas experiências literárias com os banheiros de Parati. Fica, para terminar, meu agradecimento ao restaurante Ganges, em que almoçamos todos os dias da Festa. Até a próxima! (As imagens vão melhores porque eu descobri um esquema com o Flickr...)


Postado por Julio Daio Borges
Em 13/8/2006 às 12h11


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Eu não vou deixar, de Lobão de Julio Daio Borges
02. Outras ideias para os 500 mi de Julio Daio Borges
03. 12 de Abril #digestivo10anos de Julio Daio Borges
04. Sobre Moacyr Scliar de Julio Daio Borges
05. Gripe Suína por Nani de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Mandado de Segurança: Ação Popular, Ação Civil Pública, Mandando de I
Hely Lopes Meirelles
Malheiros
(1990)



Immunopathology of Tropical Diseases (capa Dura)
Ernesto Mendes
Sarvier
(1981)



Esquizofrenia
Cristiano S. Noto e Outros
Artmed



A Língua da Serpente
Jeter Neves

(1993)



Tom Sawyer - Huckleberry Finn
Mark Twain
Wordsworth



Pescadores de Coracoes
Antônio Maria
Universo dos Livros
(2011)



Como Aumentar as Vendas da Pequena Empresa
Carlos João Santos Pereira
Mercosul
(1998)



Information Engineering Planning & Analysis Book Ii
James Martin (book 2)
Prentice Hall
(1990)



Empresário: Pessoa e Patrimônio Vol. 1 Tratado de Direito Empresa
José da Silva Pacheco
Saraiva (sp)
(1979)



Todo Enem
Vários Autores
Ftd
(2015)





busca | avançada
97126 visitas/dia
2,6 milhões/mês