FLIP 2006 IV | Digestivo Cultural

busca | avançada
44238 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOG >>> Posts

Domingo, 13/8/2006
FLIP 2006 IV

+ de 1500 Acessos

Está acabando, está acabando. Sala de imprensa praticamente vazia neste domingo de manhã. O sábado foi de balada forte. Eu e a Carol ficamos só na pizza. Na verdade, eu quase esqueço de dizer que a Flip, em si, é só uma parte de toda a movimentação que se organiza na cidade nesta época. O Off Flip, por exemplo, - que não é uma gozação, nem um protesto, apenas um evento paralelo - hoje cresceu a tal ponto que já tem sua própria assessoria e sua própria sede. Muitos eventos giram em torno da pousada Villas de Paraty, que estava no nosso caminho e que sempre vimos movimentada, principalmente à noite. Também muitas coisas acontecem na Casa de Cultura onde, na verdade, começou a Flip em 2003. Ontem à tarde, um monte de crianças cantavam e dançavam o maior rock'n'roll zoológico sob o olhar embevecido de Paulo Roberto Pires e sob a proteção das mamães, também embaladas pelo som.

* * *

Existe um desejo de participação muito forte em toda a Flip, em toda a Off Flip, em toda a Flipinha e em todo o Off-Off Flip. Eu até quero escrever mais longamente sobre isso. As mesas, da Flip, acabam meio orientadas quase que para uma grande oficina de textos. Muitas perguntas no sentido de: "como você escreve?"; "como você cria seus personagens?"; "quando você dá um livro por terminado?". Perguntas meio sem sentido, conforme apontaram muitos dos próprios perguntados. Eu, Julio, tenho meu método de escrever, mas será que ele interessa a mais pessoas? O Jonathan Safran Foer, por exemplo, respondeu que, na verdade, não tem método. Lê todo o livro todos os dias, antes de começar. Mesmo que esteja na página duzentos e não sei quantos, ele volta na primeira página, lê tudo e (re)começa a escrever de onde parou. Isso me interessa, porque eu escrevo. Mas isso não interessa à Carol, por exemplo.

* * *


Foto de Walter Craveiro

Jonathan ainda disse que um romance é uma espécie de obsessão. Como é que você vai conviver com idéias que devem durar, sei lá, cinco anos? Quando casamentos, ele disse, não duram, hoje, três, quatro anos... Do romance, ele concluiu, fica apenas o que você tem de mais entranhado dentro de você, porque o resto, a cinco anos, não sobrevive. Eu admirei a calma e aparente ordem que emanava na figura do Jonathan: ele parecia tão centrado, tão seguro de si... E eu tinha visto, nestes dias todos, os jornalistas descabelados, desarrumados, ansiosos e mal dormidos. Ser escritor, eu pensei, é muito melhor. Muito mais calmo. O problema é que a Ali Smith não parecia muuuito mais calma. Ela andou aqui, pra cima e pra baixo da Flip, com a mesma calça, com a mesma blusa preta, com um cabelo que não parecia lavar desde a Escócia... Ela não era mais calma e mais "ordenada".

* * *

Essas reflexões interessam a mim, mas interessam às outras pessoas? Às vezes parece que, sutilmente, a organização da Flip "empurra" as pessoas para o ofício de escritor. E, depois, vamos ter de agüentar esses milhares de escrevinhadores que pensam que são escritores, porque viram uma determinada mesa e acharam, de repente, a coisa excitante - mas não é, não. Como disse o Paul Auster, na Flip 2004, é terrivelmente boring. Ir todo dia ao escritório, sentar e escrever. Tardes inteiras, manhãs inteiras. Sempre igual. Chato pra burro. As pessoas estão preparadas para essa conclusão? Não, não estão. Eu acho que não estão. Ontem, de manhã, foi também engraçada uma declaração do André Sant'Anna. Hoje ninguém vai escrever uma Quinta Sinfonia, ele garantiu. Ninguém tem mais cinco, seis horas para passar escrevendo. Telefone, internet, televisão, celular, rádio - são muitas as interrupções. Segundo ele, ninguém mais se concentra. Então escreve só migalhas (blogs?). Eu não sei se concordo, mas é uma boa observação...

* * *


Foto de Walter Craveiro

"Nem vai pelo lado da Quinta Sinfonia, que não é uma boa...", aconselhou o Lourenço Mutarelli. Meio na base da brincadeira, porque ser como Beethoven era - no seu linguajar - uma piração. A mesa deles, mais o Reinaldo Moraes, foi quase uma mesa lisérgica. Eu anotei algumas declarações (ou leituras de "obras" deles): "uma balada de pó", "orgias junk-putanhescas", "estrangulando uma loira" e "refrescando o saco no rasinho". Foi uma mesa meio catártica, cheia de palavrões, expressões chulas - um pai de família, um dos poucos que aparecem na Flip, se acabava em gargalhadas. Subitamente, alguém no palco protagonizava todas as baixezas que ele identificava mas não tinha coragem de praticar (ou de pensar). Deu a impressão de que o Mutarelli e o Moraes não vão sobreviver muito tempo a si próprios. Já o André, no seu jeito mineiro, mais calmo, vai viver cem anos. Lembrei, ainda, do texto da Andrea Trom sobre O natimorto. A Carol quer ler O cheiro do ralo. Eu quero ler o Sant'Anna desde que o Daniel Galera me indicou.

* * *

E por falar em mineiros, eu vi poucos. É muito longe; é muito caro - eu entendo. Parece que tinha mais gente do Rio do que de São Paulo neste ano. Principalmente socialites na fila da Tenda dos Autores. Algumas com os maridos a tira-colo (ou tiracolo?). Como as pessoas se cumprimentam na fila da Tenda dos Autores...! Parece que, nas classes altas, se você for e não vir os outros (e não for visto) é como se não tivesse valido. "Você estava lá? Mas eu não vi você lá...! Vi fulano, vi beltrano, vi até sicrano mas não vi você lá. Você foi mesmo?" Muitas Cicaréias, como diz o Paulo Lima, de "boca nova". Com aquele brilho na boca. Fazendo bico como se mascasse(m) chiclete. Aperta o bico, arrebita o bico, volta pra trás, mastiga... Que trabalho pra ser bonita! Pobres mujeres, como eu digo sempre pra minha mãe. Mas isso não tem nada a ver com a Flip. Ou tem? Não sei. Me perdi.

* * *

Eu conversava com a Renata, da assessoria, e ela acha que, por ser agosto, a Flip está mais calma. E eu acho que, por ser agosto, tem menos paulistas. Os cariocas até podem vir e passar o fim de semana, mas os paulistas vão pagar caro por isso. Não só em dinheiro, claro. Parece que, na Flip 2006, teve menos oba-oba, menos gente que veio porque estava sem nada pra fazer... Universitários; de férias. A assessoria estava mais calma como um todo. E a sala de imprensa. Apesar do Hitchens. Alías, ele não apareceu mais por aqui. Ele não apareceu mais em Parati. Deve ter saído de helicóptero. Não sei como deu os autógrafos ontem. Até tive pesadelos com aquela mesa... "Why don't go and buy the fucking book?", ele bradava no final. Não sei se de brincadeira, não sei se a sério. Faz diferença? Seu ídolo, Oscar Wilde, teria sido mais condescendente com os americanos... Como foi.

* * *

Quê mais? Uma mesa que eu sempre esqueço de mencionar mas que foi muito legal. A do Miguel Sanches Neto, com Ignácio de Loyola Brandão e Wilson Bueno (no lugar do Cony, adoentado). Foi uma mesa exemplar; com a mediação exemplar da Beatriz Resende (continuo sem saber se é com "s" ou com "z"...). Gosto das crônicas do Loyola. Mas os livros dele me parecem todos de crônicas (também); não me parecem literatura. Pessoalmente, ele é simpático, magnético e fala bem para platéias. O Sanches Neto foi uma boa surpresa, porque admiro sua crítica, atualmente na Carta Capital, gostei de seu primeiro romance e tenho mais vontade de lê-lo em livro. Foi bom vê-lo pessoalmente, em resumo. Mas o Wilson Bueno dominou a mesa, porque sempre alguém tem de dominar... Destruiu, com uma sátira a Machado e ao século XIX. O momento de humor mais inteligente e refinado da Flip. O livro é Amar-te a ti nem sem sei com carícias (um decassílabo perfeito!). Ótima aquisição para a Flip. Até parabenizei a Ruth na saída. (Ela estava preocupada com a saúde do João em São Paulo. Melhoras ao João!)

* * *


Foto de Walter Craveiro

Para encerrar, eu gostaria de dizer que foi uma honra para a Festa Literária de Parati ter, em 2006, o maior poeta brasileiro vivo. Ferreira Gullar. Era a literatura viva. A nossa literatura. (Todos os clichês valem aqui...) E ninguém vai esquecer o momento em que ele leu, mais uma vez, o Poema Sujo (1975). Também a participação de Mourid Barghouti - tão grandiosa quanto. Evocando a novilíngua de Orwell, disse que o mainstream transformou o sentido das palavras. Hoje, "matar pessoas" são "danos colaterais"; "ocupação" é "auto-defesa"; "guerra" é "preparar as pessoas para a democracia"; "bombardeio" é "modernização"; e "resistência" é "terrorismo". Estava se referindo, logicamente, ao conflito atual no Extremo Oriente... E eu fiquei com vontade de ler Eu vi Ramallah. Qualquer dia conto, para vocês, as minhas experiências literárias com os banheiros de Parati. Fica, para terminar, meu agradecimento ao restaurante Ganges, em que almoçamos todos os dias da Festa. Até a próxima! (As imagens vão melhores porque eu descobri um esquema com o Flickr...)


Postado por Julio Daio Borges
Em 13/8/2006 às 12h11


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Homenagem a Pipol de Julio Daio Borges
02. Legião Urbana 1994 de Julio Daio Borges
03. Por que eu vou no dia 15 de Julio Daio Borges
04. Aloysio Nunes sobre a mentira de Julio Daio Borges
05. Lula: 'O mensalão não existiu' de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




ESTATÍSTICA PARA ECONOMISTAS
RODOLFO HOFFMANN
PIONEIRA THOMSON LEARNING
(2002)
R$ 15,00



TUDO O QUE VOCÊ NUNCA QUIS SABER SOBRE YÔGA
DE ROSE
MARTIN CLARET
(2003)
R$ 4,00



AS REGRAS DO METODO SOCIOLOGICO
EMILE DURKHEIN
AFILIADA
(2004)
R$ 15,00



NINOTCHKA - A HEROÍNA DAS ESTEPES
HEINZ G. KONSALIK
RECORD
R$ 4,00



O BUDISMO NA CHINA
DAISAKU IKEDA
RECORD
(1973)
R$ 110,00



NEOLIBERAL NAO, LIBERAL
SARDENBERG
GLOBO CBN
R$ 15,00



INTRODUÇÃO À ECONOMIA: PRINCÍPIOS DE MICRO E MACROECONOMIA - 2ª EDIÇÃO
NICHOLAS GREGORY MANKIW
CAMPUS
(2001)
R$ 135,95



THE PLAYBOY CARTOON ALBUM (HARDCOVER)
HUGH HEFNER
CROWN PUBLISHERS - NY
(1959)
R$ 600,00



O PROCESSO DA COMUNICAÇÃO
DAVID K. BERLO
FUNDO DE CULTURA
(1972)
R$ 12,00



AMÉRICA EM CHAMAS DA MESMA AUTORA DE O FIM DE ALICE E TERRA...
A. M. HOMES
NOTÍCIAS EDITORIAL
(2000)
R$ 74,70





busca | avançada
44238 visitas/dia
1,1 milhão/mês