FLIP 2006 IV | Digestivo Cultural

busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
>>> Leminski, estações da poesia, por R. G. Lopes
>>> Crônica em sustenido
Colunistas
Últimos Posts
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
>>> Não Aguento Mais a Empiricus
>>> Nubank na Hotmart
>>> O recente choque do petróleo
>>> Armínio comenta Paulo Guedes
>>> Jesus não era cristão
>>> Analisando o Amazon Prime
>>> Amazon Prime no Brasil
>>> Censura na Bienal do Rio 2019
>>> Tocalivros
Últimos Posts
>>> O céu sem o azul
>>> Ofendículos
>>> Grito primal V
>>> Grito primal IV
>>> Inequações de um travesseiro
>>> Caroço
>>> Serial Killer
>>> O jardim e as flores
>>> Agradecer antes, para pedir depois
>>> Esse é o meu vovô
Blogueiros
Mais Recentes
>>> A crítica musical
>>> 26 de Julho #digestivo10anos
>>> Por que escrevo
>>> História dos Estados Unidos
>>> Meu Telefunken
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O apanhador no campo de centeio
>>> Curriculum vitae
>>> O Salão e a Selva
>>> Ed Catmull por Jason Calacanis
Mais Recentes
>>> At Risk de Patricia Cornwell pela Little Brown And Company (2006)
>>> Gone For Good de Harlan Coben pela Na Orion Paperback (2007)
>>> When The Wind Blows de James Patterson pela Little Brown And Company (1998)
>>> Windmills Of The Gods de Sidney Sheldon pela William Morrow And Companhy (1987)
>>> If Tomorrow Comes de Sidney Sheldon pela William Morrow And Companhy (1985)
>>> Pearl Dakotah Treasures 2 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2004)
>>> Pearl Dakotah Treasures 2 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2004)
>>> Children Of The Lamp Book One de P. B. Kerr pela Orchard Books (2004)
>>> The Tale Of Despereaux de Kate Di Camillo pela Candlewick Press (2003)
>>> What She Left For Me de Tracie Peterson pela Bethany House (2005)
>>> Mulher (Trilingue) de Orestes Campos Barbosa pela Sografe, Belo Horizonte (2009)
>>> Mulher (Trilingue) de Orestes Campos Barbosa pela Sografe, Belo Horizonte (2009)
>>> A Christmas Carol de Charles Dickens pela Bendon (2014)
>>> A Christmas Carol de Charles Dickens pela Bendon (2014)
>>> Ruby Dakotah Treasures 1 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2003)
>>> Opal Dakotah Treasures 3 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> Amethyst Dakotah Treasures 4 de Lauraine Snelling pela Bethany House (2005)
>>> The 1999 - John Dinkeloo Memorial Lecture de Will Bruder pela The Univ. Michigan/ USA (1999)
>>> Não estamos abandonados de Eliana Machado Coelho pela Lúmen (2016)
>>> This Charming Man de Marian Keyes pela Penguin Books (2009)
>>> Anybody Out There de Marian Keyes pela Penguin Books (2007)
>>> The Undomestic Goddess de Sophie Kinsella pela A Dell Book (2005)
>>> A voz do fogo de Alan Moore pela Conrad (2002)
>>> The Innocent Man de John Grisham pela A Dell Book (2006)
>>> The Innocent Man de John Grisham pela A Dell Book (2006)
>>> Bluebonnet Belle de Lori Copeland pela Steeple Hill (1997)
>>> Bluebonnet Belle de Lori Copeland pela Steeple Hill (1997)
>>> Tratado de comunicação organizacional e política de Gaudêncio Torquato pela Cengage Learning (2011)
>>> Catálogo de Periódicos Brasileiros Microfilmados de Coord. Ana Fanda/ A. Romano de Sat' Anna:Presid. pela Biblioteca Nacional/ RJ. (1994)
>>> Vá em frente não deixe para depois de Zibia Gasparetto pela Vida e Consciencia (2016)
>>> Regimes de historicidade - presentismo e experiencias do tempo de François Hartog pela Autentica (2013)
>>> Amazônia: 20 Lendas e Mitos/ Legends And Myths from Amazônia (5 lín de Gea: Coordenadoria Editorial pela Graf. Ed. da Amazônia
>>> La Amada Inmóvil de Amado Nervo pela Soc. Edit. Latino- Americana (1950)
>>> Um (One) de Richard Bach pela Record/ RJ.
>>> Um (One) de Richard Bach pela Record/ RJ.
>>> Amando Uns aos Outros: o Desafio das Relações Humanas de Leo Buscaglia pela Record/ RJ.
>>> A força do entusiasmo de Prof.Gretz pela Viabilização de Talentos Humanos (2005)
>>> Legislação Penal Especial : Crimes Contra a Economia Popular.- Crimes Falimentares.- Crimes Contra a Liberdade de Imprensa de Manoel Pedro Pimentel (Min. Trib. Alçada Criminal / Sp) pela Revista dos Tribunais (1972)
>>> Os tomadores de decisão de Robert Heller pela Makron (1991)
>>> Farmácia de pensamentos de Sonia de Aguiar pela Relume Dumará (2000)
>>> Hipnotizando Maria de Richard Bach pela Integrare (2019)
>>> Tudo Sobre Finanças - Guia Prático de A a Z ( Exame) de Tim Hindle pela Nobel (2002)
>>> Estranho À Terra de Richard Bach pela Hemus
>>> Estranho À Terra de Richard Bach pela Hemus
BLOG >>> Posts

Domingo, 13/8/2006
FLIP 2006 IV

+ de 1500 Acessos

Está acabando, está acabando. Sala de imprensa praticamente vazia neste domingo de manhã. O sábado foi de balada forte. Eu e a Carol ficamos só na pizza. Na verdade, eu quase esqueço de dizer que a Flip, em si, é só uma parte de toda a movimentação que se organiza na cidade nesta época. O Off Flip, por exemplo, - que não é uma gozação, nem um protesto, apenas um evento paralelo - hoje cresceu a tal ponto que já tem sua própria assessoria e sua própria sede. Muitos eventos giram em torno da pousada Villas de Paraty, que estava no nosso caminho e que sempre vimos movimentada, principalmente à noite. Também muitas coisas acontecem na Casa de Cultura onde, na verdade, começou a Flip em 2003. Ontem à tarde, um monte de crianças cantavam e dançavam o maior rock'n'roll zoológico sob o olhar embevecido de Paulo Roberto Pires e sob a proteção das mamães, também embaladas pelo som.

* * *

Existe um desejo de participação muito forte em toda a Flip, em toda a Off Flip, em toda a Flipinha e em todo o Off-Off Flip. Eu até quero escrever mais longamente sobre isso. As mesas, da Flip, acabam meio orientadas quase que para uma grande oficina de textos. Muitas perguntas no sentido de: "como você escreve?"; "como você cria seus personagens?"; "quando você dá um livro por terminado?". Perguntas meio sem sentido, conforme apontaram muitos dos próprios perguntados. Eu, Julio, tenho meu método de escrever, mas será que ele interessa a mais pessoas? O Jonathan Safran Foer, por exemplo, respondeu que, na verdade, não tem método. Lê todo o livro todos os dias, antes de começar. Mesmo que esteja na página duzentos e não sei quantos, ele volta na primeira página, lê tudo e (re)começa a escrever de onde parou. Isso me interessa, porque eu escrevo. Mas isso não interessa à Carol, por exemplo.

* * *


Foto de Walter Craveiro

Jonathan ainda disse que um romance é uma espécie de obsessão. Como é que você vai conviver com idéias que devem durar, sei lá, cinco anos? Quando casamentos, ele disse, não duram, hoje, três, quatro anos... Do romance, ele concluiu, fica apenas o que você tem de mais entranhado dentro de você, porque o resto, a cinco anos, não sobrevive. Eu admirei a calma e aparente ordem que emanava na figura do Jonathan: ele parecia tão centrado, tão seguro de si... E eu tinha visto, nestes dias todos, os jornalistas descabelados, desarrumados, ansiosos e mal dormidos. Ser escritor, eu pensei, é muito melhor. Muito mais calmo. O problema é que a Ali Smith não parecia muuuito mais calma. Ela andou aqui, pra cima e pra baixo da Flip, com a mesma calça, com a mesma blusa preta, com um cabelo que não parecia lavar desde a Escócia... Ela não era mais calma e mais "ordenada".

* * *

Essas reflexões interessam a mim, mas interessam às outras pessoas? Às vezes parece que, sutilmente, a organização da Flip "empurra" as pessoas para o ofício de escritor. E, depois, vamos ter de agüentar esses milhares de escrevinhadores que pensam que são escritores, porque viram uma determinada mesa e acharam, de repente, a coisa excitante - mas não é, não. Como disse o Paul Auster, na Flip 2004, é terrivelmente boring. Ir todo dia ao escritório, sentar e escrever. Tardes inteiras, manhãs inteiras. Sempre igual. Chato pra burro. As pessoas estão preparadas para essa conclusão? Não, não estão. Eu acho que não estão. Ontem, de manhã, foi também engraçada uma declaração do André Sant'Anna. Hoje ninguém vai escrever uma Quinta Sinfonia, ele garantiu. Ninguém tem mais cinco, seis horas para passar escrevendo. Telefone, internet, televisão, celular, rádio - são muitas as interrupções. Segundo ele, ninguém mais se concentra. Então escreve só migalhas (blogs?). Eu não sei se concordo, mas é uma boa observação...

* * *


Foto de Walter Craveiro

"Nem vai pelo lado da Quinta Sinfonia, que não é uma boa...", aconselhou o Lourenço Mutarelli. Meio na base da brincadeira, porque ser como Beethoven era - no seu linguajar - uma piração. A mesa deles, mais o Reinaldo Moraes, foi quase uma mesa lisérgica. Eu anotei algumas declarações (ou leituras de "obras" deles): "uma balada de pó", "orgias junk-putanhescas", "estrangulando uma loira" e "refrescando o saco no rasinho". Foi uma mesa meio catártica, cheia de palavrões, expressões chulas - um pai de família, um dos poucos que aparecem na Flip, se acabava em gargalhadas. Subitamente, alguém no palco protagonizava todas as baixezas que ele identificava mas não tinha coragem de praticar (ou de pensar). Deu a impressão de que o Mutarelli e o Moraes não vão sobreviver muito tempo a si próprios. Já o André, no seu jeito mineiro, mais calmo, vai viver cem anos. Lembrei, ainda, do texto da Andrea Trom sobre O natimorto. A Carol quer ler O cheiro do ralo. Eu quero ler o Sant'Anna desde que o Daniel Galera me indicou.

* * *

E por falar em mineiros, eu vi poucos. É muito longe; é muito caro - eu entendo. Parece que tinha mais gente do Rio do que de São Paulo neste ano. Principalmente socialites na fila da Tenda dos Autores. Algumas com os maridos a tira-colo (ou tiracolo?). Como as pessoas se cumprimentam na fila da Tenda dos Autores...! Parece que, nas classes altas, se você for e não vir os outros (e não for visto) é como se não tivesse valido. "Você estava lá? Mas eu não vi você lá...! Vi fulano, vi beltrano, vi até sicrano mas não vi você lá. Você foi mesmo?" Muitas Cicaréias, como diz o Paulo Lima, de "boca nova". Com aquele brilho na boca. Fazendo bico como se mascasse(m) chiclete. Aperta o bico, arrebita o bico, volta pra trás, mastiga... Que trabalho pra ser bonita! Pobres mujeres, como eu digo sempre pra minha mãe. Mas isso não tem nada a ver com a Flip. Ou tem? Não sei. Me perdi.

* * *

Eu conversava com a Renata, da assessoria, e ela acha que, por ser agosto, a Flip está mais calma. E eu acho que, por ser agosto, tem menos paulistas. Os cariocas até podem vir e passar o fim de semana, mas os paulistas vão pagar caro por isso. Não só em dinheiro, claro. Parece que, na Flip 2006, teve menos oba-oba, menos gente que veio porque estava sem nada pra fazer... Universitários; de férias. A assessoria estava mais calma como um todo. E a sala de imprensa. Apesar do Hitchens. Alías, ele não apareceu mais por aqui. Ele não apareceu mais em Parati. Deve ter saído de helicóptero. Não sei como deu os autógrafos ontem. Até tive pesadelos com aquela mesa... "Why don't go and buy the fucking book?", ele bradava no final. Não sei se de brincadeira, não sei se a sério. Faz diferença? Seu ídolo, Oscar Wilde, teria sido mais condescendente com os americanos... Como foi.

* * *

Quê mais? Uma mesa que eu sempre esqueço de mencionar mas que foi muito legal. A do Miguel Sanches Neto, com Ignácio de Loyola Brandão e Wilson Bueno (no lugar do Cony, adoentado). Foi uma mesa exemplar; com a mediação exemplar da Beatriz Resende (continuo sem saber se é com "s" ou com "z"...). Gosto das crônicas do Loyola. Mas os livros dele me parecem todos de crônicas (também); não me parecem literatura. Pessoalmente, ele é simpático, magnético e fala bem para platéias. O Sanches Neto foi uma boa surpresa, porque admiro sua crítica, atualmente na Carta Capital, gostei de seu primeiro romance e tenho mais vontade de lê-lo em livro. Foi bom vê-lo pessoalmente, em resumo. Mas o Wilson Bueno dominou a mesa, porque sempre alguém tem de dominar... Destruiu, com uma sátira a Machado e ao século XIX. O momento de humor mais inteligente e refinado da Flip. O livro é Amar-te a ti nem sem sei com carícias (um decassílabo perfeito!). Ótima aquisição para a Flip. Até parabenizei a Ruth na saída. (Ela estava preocupada com a saúde do João em São Paulo. Melhoras ao João!)

* * *


Foto de Walter Craveiro

Para encerrar, eu gostaria de dizer que foi uma honra para a Festa Literária de Parati ter, em 2006, o maior poeta brasileiro vivo. Ferreira Gullar. Era a literatura viva. A nossa literatura. (Todos os clichês valem aqui...) E ninguém vai esquecer o momento em que ele leu, mais uma vez, o Poema Sujo (1975). Também a participação de Mourid Barghouti - tão grandiosa quanto. Evocando a novilíngua de Orwell, disse que o mainstream transformou o sentido das palavras. Hoje, "matar pessoas" são "danos colaterais"; "ocupação" é "auto-defesa"; "guerra" é "preparar as pessoas para a democracia"; "bombardeio" é "modernização"; e "resistência" é "terrorismo". Estava se referindo, logicamente, ao conflito atual no Extremo Oriente... E eu fiquei com vontade de ler Eu vi Ramallah. Qualquer dia conto, para vocês, as minhas experiências literárias com os banheiros de Parati. Fica, para terminar, meu agradecimento ao restaurante Ganges, em que almoçamos todos os dias da Festa. Até a próxima! (As imagens vão melhores porque eu descobri um esquema com o Flickr...)


Postado por Julio Daio Borges
Em 13/8/2006 às 12h11


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Fabio Gomes de Julio Daio Borges


Mais Julio Daio Borges no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




CÉLULAS A COMBUSTÍVEIS
KELLEN CRISTINA MESQUITA BORGES, ROSANA F. GONÇALVES UND MARIO J. GODINHO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



AYRTON SENNA E A MÍDIA ESPORTIVA
RODRIGO FRANÇA (AUTOGRAFADO)
AUTOMOTOR
(2010)
R$ 24,00



USABILIDADE E ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO PARA ESTRUTURAÇÃO DE PORTAIS
THIAGO MARINHO
NOVAS EDIÇÕES ACADÊMICAS
R$ 349,00



AMOR A ROMA
AFONSO ARINOS DE MELO FRANCO
NOVA FRONTEIRA
R$ 41,00



SOLUÇÃO GRADUAL
CARL HONORÉ
RECORD - GRUPO RECORD
(2016)
R$ 46,20



MEMÓRIAS DA SAUNA FINLANDESA
MEMÓRIAS DA SAUNA FINLANDESA
34
(2010)
R$ 20,00
+ frete grátis



TAPETES E TAPEÇARIAS ARRAIOLOS NR 10 ANO 2 PUBLICAÇÃO TRIMESTRAL
CASA MIDÕES

R$ 24,88



ÊSSE CONTINENTE CHAMADO BRASIL
EDUARDO TOURINHO
JOSÉ OLYMPIO
(1964)
R$ 7,38



CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL - 05 DE OUTUBRO DE 1988
EQUIPE DA EDITORA ATLAS
ATLAS
(1988)
R$ 7,00



INSTITUIÇÃO E RELAÇÕES AFETIVAS
MARLENE GUIRADO
SUMMUS EDITORIAL
(1986)
R$ 70,00





busca | avançada
34554 visitas/dia
1,1 milhão/mês