FLIP 2006 V | Digestivo Cultural

busca | avançada
62960 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Senac São Paulo abre as portas para atividades voltadas ao protagonismo juvenil
>>> Ribeirão Preto recebe o Teatro Portátil no Dia das Crianças
>>> SHOPPING GRANJA VIANNA INCENTIVA A ARTE NA REGIÃO COM O GRANJA CULTURAL
>>> Turnê Babi Jaques e Lasserre (PE)
>>> Samantha Dalsoglio e Dan Rosseto protagonizam comédia Relação a Dois dirigida por Hudson Glauber
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rodolfo Felipe Neder (1935-2022)
>>> A pior crônica do mundo
>>> O que lembro, tenho (Grande sertão: veredas)
>>> Neste Momento, poesia de André Dick
>>> Jô Soares (1938-2022)
>>> Casos de vestidos
>>> Elvis, o genial filme de Baz Luhrmann
>>> As fezes da esperança
>>> Quem vem lá?
>>> 80 anos do Paul McCartney
Colunistas
Últimos Posts
>>> Agnaldo Farias sobre Millôr Fernandes
>>> Marcelo Tripoli no TalksbyLeo
>>> Ivan Sant'Anna, o irmão de Sérgio Sant'Anna
>>> A Pathétique de Beethoven por Daniel Barenboim
>>> A história de Roberto Lee e da Avenue
>>> Canções Cruas, por Jacque Falcheti
>>> Running Up That Hill de Kate Bush por SingitLive
>>> Oye Como Va com Carlos e Cindy Blackman Santana
>>> Villa candidato a deputado federal (2022)
>>> A história do Meli, por Stelleo Tolda (2022)
Últimos Posts
>>> Universos paralelos
>>> Deseduquei
>>> Cuidado com a mentira!
>>> E agora? Vai ter pesquisa novamente?
>>> Cabelos brancos
>>> Liberdade
>>> Idênticos
>>> Bizarro ou sem noção
>>> Sete Belo
>>> Baby, a chuva deve cair. Blade Runner, 40 anos
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Dentro da Baleia
>>> 2006, o ano que não aconteceu
>>> Víkingur Ólafsson toca Rameau
>>> E-lovelados
>>> Quanto custa rechear seu Currículo Lattes
>>> Vamos pensar: duas coisas sobre home office
>>> Real tédio
>>> Revolução dos sexos
>>> Entrevista com o poeta Augusto de Campos
>>> Querem proibir as palavras
Mais Recentes
>>> Os Enamoramentos de Javier Marías pela Companhia das Letras (2015)
>>> Tex Almanaque do Faroeste Nº 1 de Bonelli pela Globo (1996)
>>> Persépolis - Completo de Marjane Satrapi pela Quadrinhos Na Cia (2018)
>>> Até Que a Morte os Separe de Nero Blanc pela Ediouro (2005)
>>> Getúlio 1882-1930: Dos Anos de Formação à Conquista do Poder de Lira Neto pela Companhia das Letras (2012)
>>> A Rainha Ginga de José Eduardo Agualusa pela Quetzal (2014)
>>> Escritos - Campo Freudiano no Brasil de Jacques Lacan pela Jorge Zahar (1998)
>>> Star Wars: A Trilogia - Special Edition de George Lucas pela DarkSide (2014)
>>> Squid: The Definitive Guide de Duane Wessels pela O"Reilly (2004)
>>> Tex e os Aventureiros Nº 3 de Bonelli pela Mythos (2005)
>>> O Ritual de Bordeaux de Jean Pierre Alaux e Noel Balen pela Rocco (2008)
>>> Genetic Algorithms in Search, Optimization and Machine Learning de David E. Goldberg pela Addison Wesley (1997)
>>> 1822 - Edição Juvenil Ilustrada de Laurentino Gomes pela Nova Fronteira (2011)
>>> Nem Sempre é Assim de Shunryu Suzuki pela Religare (2003)
>>> O Mundo Emocionante do Romance Policial de Paulo M. E Albuquerque pela Francisco Alves (1979)
>>> Corpo Humano: Fundamentos de Anatomia e Fisiologia de Gerard J. Tortora, Bryan Derrickson pela Artmed (2017)
>>> Os Segredos da Mente Milionária de T. Harv Eker pela Sextante (2020)
>>> Public-Key Cryptography de Arto Salomaa pela Springer-Verlag (1996)
>>> Rainha do Inverno de Boris Akunin pela Objetiva (2003)
>>> A Travessia de William P. Young pela Arqueiro (2012)
>>> Coleção 70º Aniversário da 2ª Guerra Mundial - 30 Volumes de Abril Coleções pela Abril Coleções (2009)
>>> Desvendando Margaux de Jean Pierre Alaux e Noel Balen pela Rocco (2007)
>>> Bio-Inspired Credit Risk Analysis: Computational Intelligence with Support Vector Machines de Lean Yu; Shouyang Wang; Kin Keung Lai; Ligang Zhou pela Springer-Verlag (2010)
>>> A VIda é Cheia de Curvas de Eugenio Mussak pela Abril (2014)
>>> Action Coaching de David L. Dotlich pela Jossey Bass (1999)
BLOG >>> Posts

Segunda-feira, 14/8/2006
FLIP 2006 V

+ de 3200 Acessos
+ 1 Comentário(s)

Como percebeu quem me leu no fim de semana, não cobri 100% o último dia da Flip 2006, pois era, justamente, o Dia dos Pais e eu voltava para São Paulo. Mas o Daniel estava lá - na Adélia Prado e no encerramento -, então, muito gentilmente, escreveu os dois trechos abaixo e enviou para mim. A cobertura fica, agora, completa. Reproduzo aqui na íntegra. E dou todos os créditos ao Daniel Bushatsky. Obrigado, Daniel, mais uma vez. - JDB

* * *


Foto de Walter Craveiro

A última palestra da FLIP, denominada Livro de Cabeceira, poderia não ter existido. Eu sei que a frase é pesada, mas os autores não mereciam a platéia animada que os prestigiavam e esperavam ansiosa uma profunda discussão literária para finalizar a festa.

A regra, nesta apresentação, era clara: cada um dos autores, eram sete, deveriam falar sobre o livro que escolheriam para levar a uma "ilha deserta", pelo tempo de cinco a oito minutos. Ainda dentro deste tempo deveriam ler o trecho mais representativo da obra escolhida.

Infelizmente para os organizadores e para a platéia, os escritores não estavam preparados. Não conseguiram cumprir a simples instrução. Alguns não trouxeram sequer uma parte da obra para leitura, outros confessaram que pensaram em cima da hora sobre o tema proposto e não sabiam muito bem sobre o que falar.

Nesta imensa decepção, a única que se salvou foi Adélia Prado que, mesmo substituindo Carlos Heitor Cony, na véspera, trouxe seu livro de cabeceira, explicou o motivo de sua escolha e terminou seus 8 minutos mais uma vez aplaudida pela pelos ouvintes (da mesma forma que ocorreu durante e depois de sua apresentação [trecho a seguir]) .

Uma pena que isto ocorreu. O tema é interessante tanto para o público quanto para os profissionais da área, iniciantes ou não, saberem como seus ídolos se inspiram e qual é a obra que para eles deve sempre ser consultada independentemente de que hora for.

* * *


Foto de Walter Craveiro

Simbolismo. Fantástico. A primeira palavra define o objeto da palestra ministrada pela poetisa Adélia Prado, na Flip - Festa Literária Internacional de Parati - no domingo, ensolarado, de dias dos pais, 13 de agosto de 2006.

A segunda palavra diz respeito às emoções que a escritora despertou nos ouvintes, que os levaram a arrepios, lágrimas, risos, contagiosos aplausos e um fanático, mas vibrante, grito de liiinda!

Adélia, de início, estava nervosa. Recitou alguns poemas para se acalmar. Ficou mais emocionada, menos nervosa e à vontade, paradoxalmente. O público incentivava a leitura de mais obras e enchia o mediador de questões sobre a criação de obras literárias, caminhando sobre temas desde "o que é arte" até "se é necessário uma terceira margem para o desenvolvimento literário".

A autora acredita que a terceira margem é essencial para nos distanciarmos do cotidiano, da rotina e vermos no ordinário o especial, mistificando e desmistificando os símbolos que nos acompanham pela vida.

A artista, porque Adélia é uma artista, ressaltou que vivemos em um mundo sem valores onde até um copo de água e limão é considerado arte e falta-nos uma utopia para lutar, o que ela poeticamente chamou repetidamente de "muro".

Realmente em um mundo em que nascemos carentes, apoiamo-nos em símbolos para sobreviver, nada mais gratificante do que coroar a mineira que encantou Parati com seu jeito humilde de ser e simples de entender o mundo, como a melhor palestra da Flip.


Postado por Daniel Bushatsky
Em 14/8/2006 à 00h27


Quem leu este, também leu esse(s):
01. Olavo de Carvalho por João Cezar de Castro Rocha de Julio Daio Borges
02. Van Halen ao vivo em 2015 de Julio Daio Borges
03. Ambulante teve 3 mil livros queimados de Julio Daio Borges
04. Live: tecnologia e escola de Ana Elisa Ribeiro
05. Chilli Beans, IBM e Falconi de Julio Daio Borges


Mais Daniel Bushatsky no Blog
* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

ENVIAR POR E-MAIL
E-mail:
Observações:
COMENTÁRIO(S) DOS LEITORES
27/8/2006
16h04min
Como sempre, meu comentário é tardio, mas não podia deixar de dizer que concordo contigo, Daniel. Adélia é sempre uma inspiração, "um tacho de inspiração". A primeira vez que a ouvi foi há muitos anos, no Tuca em SP, em um evento que falava justamente sobre o simbólico e o diabólico. Foi um deslumbramento ouvir, naquela ocasião, tanta sabedoria, que faz eco na gente, dita com tanta simplicidade. Um abraço.
[Leia outros Comentários de silvia nogueira]
COMENTE ESTE TEXTO
Nome:
E-mail:
Blog/Twitter:
* o Digestivo Cultural se reserva o direito de ignorar Comentários que se utilizem de linguagem chula, difamatória ou ilegal;

** mensagens com tamanho superior a 1000 toques, sem identificação ou postadas por e-mails inválidos serão igualmente descartadas;

*** tampouco serão admitidos os 10 tipos de Comentador de Forum.



Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Cristianismo - Fraude Ou Fato Histórico?
Josh Mcdowell
Candela
(1999)



Abelhas e Mel - Criação - Extração
Nelson Mello da Lima
Ediouro



No Verão, a Primavera
Lucília J de Almeida Prado
Melhoramentos
(1980)



O Mundo Mágico de Harry Potter
David Colbert
sextante
(2001)



Bandeirismo: Dominacão e Violência
Julio Jose? Chiavenato
Moderna
(1991)



Aristóteles para Todos
Mortimer J. Adler
Realizações
(2010)



Livro - Sequestrado
Robert L. Stevenson
Nova Alexandria
(1996)



Meu Nome não é Johnny
Guilherme Fiuza
record
(2004)



Alma Paulista
Arnaldo Antunes
Abooks



O Livro Vermelho do Sexo sem Vergonha
Rose Villela
Novo Século
(2019)





busca | avançada
62960 visitas/dia
2,0 milhão/mês