O que a literatura nos deixa | Blog do Carvalhal

busca | avançada
37685 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOGS >>> Posts

Segunda-feira, 2/3/2015
O que a literatura nos deixa
Guilherme Carvalhal

+ de 300 Acessos

Uma das perguntas mais antigas e não bem respondidas até os dias atuais é sobre qual a utilidade das artes. Mesmo não havendo algo de taxativo para essa questão - o que é positivo - não faltam sugestões para tentar caçar um efeito prático nessa vertente criativa da humanidade. Por exemplo, a arte é a produção da beleza para a humanidade, a arte eleva as pessoas a esferas mais altas, a arte diverte, a arte faz passar o tempo, a arte divulga ideias, e segue uma lista infinita e que sempre terá algo de bastante subjetivo.

Quando detalhamos especificamente a literatura brasileira, um dos pontos recorrentes é com relação à maneira como a arte retrata histórica e geograficamente a realidade. Não que isso seja uma exclusividade brasileira. Mesmo na altamente inovadora obra O som e a fúria, entre todo estilo de fluxo de pensamentos é possível captar a essência do sul dos Estados Unidos. Da mesma maneira como em Gabriel García Márquez, Jane Austen, Balzac, Lampedusa, e a grande maioria dos escritores. Narrar histórias sempre estará imbuído de registrar uma época.

Na literatura brasileira, não é preciso ir muito longe para captar essa essência. Seja em Aluísio de Azevedo com sua alusão aos problemas de ocupação urbana em O Cortiço, talvez o mais duradouro livro do nosso país por retratar uma realidade imutável, Jorge Amado e seu retrato da Bahia, Érico Veríssimo e o sul, Vinícius de Moraes e o Rio de Janeiro, as letras de nosso país atestam o entendimento de determinadas épocas, mostrando um retrato que, talvez não necessariamente fiel, mas apresentado pelo ponto de vista de figuras que acompanharam e tiveram sensibilidade em retransmiti-las.

Esse viés literário é importante porque funciona como uma ferramenta de percepção de realidades, principalmente quando se pensa na reconstrução de realidades anos após a obra ser escrita. Podemos ler sobre Brasil imperial e até entender as relações sociais da época, mas Machado de Assis em Esaú e Jacó consegue teletransportar o leitor para a época e fazê-lo assimilar o impacto da proclamação da República. Da mesma forma toda a simbologia em torno de Nordeste se relaciona a Euclides da Cunha, Rachel de Queiroz, Graciliano Ramos e José Lins do Rêgo. Ou então o Rio de Janeiro que teve suas memórias marcadas através das crônicas de Nelson Rodrigues.

Portanto, pensar no panorama atual significa também entender o quanto o que se tem produzido no Brasil hoje impacta no nosso entendimento da realidade nacional, essa extremamente difusa e complexa em um país de dimensões continentais. E também procurar entender como essa obra impactará o entendimento futuro do país nesse início de século.

Dentre o panorama atual, podemos selecionar algumas obras que contribuem nesse entendimento. O momento é propício para isso pelo fato da literatura nacional nos últimos anos ter reencontrado um caminho, após anos sem lançar grandes obras a serem lembradas.

Inicialmente, uma pérola nesse aspecto foi Habitante Irreal, de Paulo Scott. História iniciada no final da década de 1980, quando a estrutura política do país se readaptava a novos tempos de democracia, o livro é uma fotografia desses últimos anos do Brasil, em uma visão crua e fria. O protagonista se envolve com uma índia que tira de dentro de uma reserva e a leva para a cidade, e essa história serve de base para uma narrativa concisa e precisa, apesar de ser um universo em um único livro.

Nessa obra estão os desencantos de uma juventude considerada perdida, de um país saído de uma crise econômica e por um terremoto político, em que um novo jeito de ser começava a surgir, oriundo de novos tempos de globalização. O moderno e o arcaico se unem nesse trabalho, que explora as correlações entre urbano e rural, mostra personagens complexos em suas múltiplas relações e aponta uma sociedade um tanto quanto sem empolgação com o que poderia ser, mas não foi. Não apenas o panorama social é captado; Scott consegue colocar em sua obra um pouco do espírito brasileiro desses novos anos de modernidade e de promessas não cumpridas.

Outro trabalho que, apesar de não ter essa intenção, cai como uma luva nessa ideia, é Barba ensopada de sangue, de Daniel Galera. A história é impactante: um rapaz segue para uma cidade litorânea para descobrir sobre o passado do avô após o pai cometer um suicídio anunciado. Nessa cidade ele vai desenterrando histórias do passado e uma série de conflitos de ser vão surgindo, em que a questão da memória é fundamental para uma narrativa perfeitamente amarrada.

Nesse livro, o que se depreende enquanto realidade brasileira é o microcosmo no qual o personagem entra, bem como todas as suas idiossincrasias. Ele chega com um carro e um videogame, frequenta boates, dá aulas de educação física, se envolve amorosamente com uma garçonete, é assediado por uma aluna, conhece figuras exóticas, conversa com pescadores e com a locatária do apartamento onde mora. Esse pequeno mundo é uma amostra cultural brasileira que ganha cores vivas em um livro bastante premiado e que já tem alcance internacional. São os pequenos detalhes que contam aqui: o xis-coração de uma lanchonete, o amigo tentando colocar o carro velho para funcionar, os contatos com a ex-namorada ao fim da trama. Tudo isso reverbera no nosso dia e dia e subsidia um pouco esse entendimento, em muitos momentos fazendo o leitor se identificar com situações pela qual passou.

Já em Pornopopeia, de Reinaldo Moraes, o centro da história está em São Paulo capital. O livro todo tem tom de galhofa, contando a jornada de Zeca em um mundo de drogas e sexo, feito Ulisses tentando voltar para casa. Porém, ao invés de sereias, ciclopes e bruxas, diante de seu caminho estão prostitutas, traficantes e até mesmo a polícia. O livro parece um roteiro de filme de pornochanchada da Boca do Lixo com alto teor literário.

Apesar do enredo bem imaginário e de boa parte possuir um caráter simbólico em referência à obra de Homero, as experiência vividas referem-se bastante à metrópole, principalmente com seu lado B. Zeca circula por vários locais: anda pelo submundo atrás de mulheres e cocaína parando em biroscas e entrando em hotéis desconhecidos, acorda e se depara com a empregada asiática e religiosa que lhe frita bacon e ovos, encontra com o amigo que ainda se encontra na década de 1970 tomando ácido e tocando cítara. As situações surreais ligam-se com o cotidiano, com as pessoas que circulam pelas ruas e pelas cenas tipicamente urbanas.

Para finalizar, um livro que destoa um pouco dos demais, que é Nihonjin, de Oscar Nakasato. Destoa porque, diferente dos outros aqui citados, esse não é uma narrativa do presente, mas no passado. O autor não fala de uma realidade vivenciada por ele, mas de uma que conhece pelo conhecimento familiar.

Nihonjin fala sobre a migração japonesa para o Brasil, em uma referência à tradição étnica do autor. O ponto alto desse livro é a abordagem de um tema não tão comum no país, que é a presença desse povo. Esse é sim um livro com finalidade de retrato histórico, mostrando os choques culturais, as inovações, as dificuldades de adaptação e toda a riqueza imaterial ganha pelo país com sua presença. Por exemplo, ele constroem um ofurô e se recusam a aceitar a derrota do Japão na guerra, além de se apegarem a todas as suas raízes. Então é mais um microcosmo dentro desse grande universo brasileiro.

Esses livros fazem parte de um mudança cultural do país, indicando um modelo novo, mais urbano, moderno e globalizado na literatura. A literatura brasileira tem indicado um caminho após alguns anos sem grandes obras surgirem. A cultura do capitalismo cada vez se faz mais presente, até porque falar de Brasil atualmente significa falar de hábitos cada vez mais entranhados pelo consumo. Se a literatura regionalista mostrava pomares no quintal e pessoas bebendo cachaça, essa literatura moderna está envolta a marcas de carro e Coca-Cola.

Esse comparativo no ajuda a entender ainda mais como os escritos do nosso país sucedem-se as mudanças sociais, econômicas e culturais do mesmo. Mesmo assim, querer analisar a fundo em tempo presente equivale a trocar o pneu com o carro andando. Há apenas impressões e a relevância deles para nós atualmente. Seu impacto maior e qual papel vão representar dentro de toda conjuntura da literatura brasileira apenas o tempo irá dizer.


Postado por Guilherme Carvalhal
Em 2/3/2015 às 17h16


Mais Blog do Carvalhal
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




HISTÓRIAS APAIXONADAS
PEDRO BANDEIRA
ÁTICA
(2006)
R$ 24,00



NAS PELE DA CEBOLA
GUNTER GRASS
RECORD
(2007)
R$ 15,00



PAULO E A LUTA PELA LIBERDADE - COLEÇÃO BÍBLIA E CULTURA POPULAR
ANA FLORA ANDERSON E GILBERTO DA SILVA GORGULHO
CEPE
R$ 13,00



LES BERBERES (HISTOIRE ET INSTITUTIONS)
G. H. BOUSQUET
PUF (PARIS)
(1957)
R$ 18,28



MUNDO SEM FRONTEIRAS
KENICHI OHMAE
MAKRON BOOKS
(1974)
R$ 5,50



IMPERIALISMO, FASE SUPERIOR DO CAPITALISMO
LÊNIN
GLOBO LIVROS
(1987)
R$ 50,00



TIENDAS: TOP SHOPS 2
EDUARD BROTO
CHINCHILLA MINGUET
(2007)
R$ 92,70
+ frete grátis



PARA GOSTAR DE LER VOL 15 A CADEIRA DO DENTISTA
CARLOS EDUARDO NOVAES
ATICA
(1995)
R$ 6,00



LOUVEMOS O SENHOR EDIÇÃO 91
NÃO INFORMADO
LOYOLA
R$ 6,00



REUMATISMO: A CAMINHO DA CURA
EVELIN GOLDENBERG
SEGMENTO FARMA
(2011)
R$ 34,69
+ frete grátis





busca | avançada
37685 visitas/dia
1,3 milhão/mês