A boa mentira em F for fake, de Orson Welles | Blog de Cassionei Niches Petry

busca | avançada
20340 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOGS >>> Posts

Quarta-feira, 6/5/2015
A boa mentira em F for fake, de Orson Welles
Cassionei Niches Petry

+ de 800 Acessos

Em A marca da maldade, de 1957, o policial Quinlan, vivido por Orson Welles (1915-1985), que também dirige o filme, forja provas para prender ladrões e assassinos. Segundo o personagem, eles eram realmente culpados. Falsificar para representar o real. Com essa premissa, pode-se comparar Quinlan com um documentarista que forja fatos para mostrar uma realidade que ele quer transmitir? Sim, responderia Welles, pois "é tudo verdade", conforme o título de seu primeiro documentário, gravado no Brasil, que pode representar uma grande ironia do autor, já que suas armas de documentarista são apresentadas em seu último filme lançado em vida: F for fake, de 1973, que na versão brasileira recebeu o nome Verdades e mentiras.

"Nossas fantasias e nossos desejos são estruturados como roteiros", escreveu o cineasta Jean-Lous Comolli. Esse poderia ser o lema de Orson Welles. Sua trajetória no cinema é a comprovação disso, mas bem antes, com seus trabalhos para o teatro e para o rádio, o diretor já trazia suas inquietações e, principalmente, suas tentativas de enganar o espectador. Mostrar a ficção como verdade, ou esconder a verdade por meio da ficção, eis os desejos que Welles estruturou como roteiro durante toda a vida.

"Tudo em Orson Welles passava pela mentira", afirmou o crítico de cinema Inácio Araújo. Para ele, a ruptura com o tradicional a partir dos anos 40, "isso o que se convencionou chamar modernidade em cinema, passa toda por aí: o falso o verdadeiro, o real e o irreal". Welles é um dos protagonistas dessa ruptura.

O falso está presente na sua obra desde a histórica transmissão radiofônica de de um drama teatral. Em 1938, Welles dirigia um programa semanal na rádio CBS, em que eram adaptados grandes clássicos da literatura. Uma das obras escolhidas foi o romance de ficção científica A guerra dos mundos, de H. G. Wells, que narra a invasão de marcianos em diversos lugares do mundo. Num tom de noticiário, a história foi ao ar no dia 30 de outubro daquele ano, causando pânico em boa parte da população dos EUA. Muitos ouvintes fugiram de suas casas e alguns chegaram a cometer suicídio, imaginando que tudo fosse real. Horas antes, Welles havia passado "a noite a remanejar a adaptação a fim de lhe infundir um caráter de autenticidade, situando a situação em diferentes partes dos Estados Unidos", conforme André Bazin. Essa aparente realidade construída e que depois é transmitida pelas ondas do rádio prova a genialidade do autor, já que conseguiu convencer milhares de pessoas de que tudo estava de fato acontecendo. André Bazin, no entanto, alerta: "embora o acontecimento tenha deixado vestígios objetivos e seja tema de verdadeiros estudos científicos, hoje é difícil acreditar em sua realização e, sobretudo, em sua amplitude. Esse extraordinário fenômeno de esquizofrenia coletiva na escala de uma nação parece-nos exageradamente inflado pela publicidade ou pela lenda wellesiana."

Portanto, ainda jovem, Orson Welles provou que podia falsificar e convencer de que tudo era real.

Seu primeiro filme — e primeira obra-prima —, Cidadão Kane, de 1941, foi uma criação ficcional, mas baseada na história verídica de um magnata da comunicação. Há cenas que aproximam o filme de um documentário. Segundo Eduardo Escorel, o diretor "não se acanhou em encenar cinejornais, supostamente documentais, para servirem de propósito de sua narrativa ficcional". O início do filme corresponde justamente a vários minutos de notícias que são transmitidas no cinema, dando conta da vida de Charles Foster Kane.

Mais tarde, começou a realizar no Brasil as gravações de cenas de It's all true, um dos tantos projetos do diretor que sofreu com as imposições do mercado e das discordâncias de Welles com os produtores. O filme permaneceu inédito até 1993, quando outros três diretores reuniram o material gravado para realizar um documentário.

Verdades e mentiras, por sua vez, foi seu último filme plenamente realizado. Vendido como um documentário, na verdade é um metadocumentário, pois aborda justamente a maneira como se realiza esse gênero. Ou melhor, não se pode exatamente dizer que o filme é do gênero documental, uma vez que, como frisa Fernão Pessoa Ramos, Orson Welles engana "de forma explícita (o narrador menciona claramente o fato) o espectador em uma narrativa em que asserções falsas e verídicas se sobrepõe."

Welles faz o espectador desconfiar do que vê na tela. O que se vê é um simulacro do que poderia ser real. O cineasta é um manipulador, que distrai quem assiste enquanto esconde os seus truques.

As cenas iniciais do filme são reveladoras nesse sentido, mostrando o próprio Welles no papel de um mágico, realizando uma apresentação para duas crianças, fazendo com que uma chave desapareça e depois apareça no bolso da criança. Seríamos nós espectadores comparados a esses seres inocentes que pouco sabem sobre o que estão vendo? Estaria Welles nos dando a chave para a interpretação do seu filme? "Ah, uma chave então. Ótimo Sr., levante-a sobre sua cabeça... E atente para qualquer sinal de truques da minha parte. Contemple, diante de seus olhos... uma transformação." Welles nos dá a pista de que haverá vários truques durante o documentário ou que o documentário é um truque. "Sou um charlatão", ele diz. Depois, afirma que o espectador será apresentado a "um filme sobre artimanha e fraude... sobre mentiras".

O tema revela o que há por trás do filme. A história de um dos maiores falsificadores de quadros, Elmir de Hory, que enganou durante anos compradores de arte de todo mundo, é dividida com a aparição de outros falsificadores. Clifford Irving, por exemplo, que teria escrito uma biografia de um magnata, Howard Hughes, na verdade falsa, e o próprio Welles, quando afirma que a história contada no documentário sobre Picasso e seu envolvimento com uma mulher — interpretada por Kodar, esposa do diretor na época — é falsa. "Será que os últimos vinte minutos de mentiras, em Verdades e mentiras, fazem com que o documentário deixe de ser um documentário? Mas... e se tivéssemos uma situação inversa? Vinte minutos de verdade e 78 de mentiras? E será que as verdades, no prazo que a narrativa se dá para contar verdades, são realmente verdades? Os quadros falsos são realmente os falsos? Não estaria Elmyr queimando na lareira um verdadeiro Picasso?", escreve Fernão Pessoa Ramos.

Estamos diante da grande questão do que é falso ou verdadeiro. A arte eleva a potencialidade da falsidade, afirmação corroborada pela frase de Picasso, citada no filme: "A arte é uma mentira. Uma mentira que nos faz ver a verdade."

Ramos discute esse filme justamente para falar sobre as fronteiras do gênero documentário: "Constatamos, ainda uma vez, a fragilidade dos conceitos de verdade, realidade, objetividade para lidar com o campo do documentário. Verdades e mentiras é simplesmente um documentário por sua forma de enunciação características dos documentários, embora estabeleça asserções ambíguas (algumas verdadeiras, outras falsas) sobre a vida de Elmy de Hory e sobre a fragilidade da dimensão autoral, (sua relatividade) nas artes pictóricas e em outras artes."

Pauline Kael, uma das maiores críticas de cinema dos Estados Unidos, afirmou que Orson Welles teria sido um farsante, ao se apropriar do roteiro de Cidadão Kane, sendo que o texto era de Herman J. Mankiewicz. Para Inácio Araújo, no entanto, Welles não era um farsante. "Era, sim, alguém que tomava a farsa como questão e a arte como uma espécie de farsa."

Como dissemos antes, Welles realizou seus desejos através de seus filmes. Fez de sua vida a sua própria obra. Ao estabelecer o falso como um dos seus temas, nada mais fez do que dizer que sua vida tinha muito de falso, de mentira, de ilusão. Transpor isso para a tela de cinema é transpor-se a si mesmo, e ele o fez tanto encarnando personagens quanto espelhando suas fantasias na tela grande. E o cinema nada mais é do que mostrar a ilusão na tela e, num documentário, vemos a ilusão de que aquilo se vê é real.

Para Truffaut, "Verdades e mentiras mostra que um chefe montador deve ser um chefe mentiroso." Welles é um mentiroso, mas é muito bom assistir às suas mentiras na tela.


Postado por Cassionei Niches Petry
Em 6/5/2015 às 14h48


Mais Blog de Cassionei Niches Petry
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




DIRETRIZES PARA A CATEQUESE DA CRISMA
DIOCESE DE GUAXUPÉ
DIOCESE DE GUAXUPÉ
(1998)
R$ 6,00



PERCEPÇÃO O PROCESSO BÁSICO DO DESENVOLVIMENTO COGNITIVO
R. H. FORGUS
HERDER
(1971)
R$ 13,00



RUA DA DESILUSÃO
JACQUELYN MITCHARD
RECORD
(2007)
R$ 23,00



HO CHI MINH
JEAN LACOUTURE
NOVA FRONTEIRA
(1979)
R$ 25,00
+ frete grátis



SOR ÉS TEA
W SOMERSET MAUGHAM
IRODALMI KONYVKIADO
(1967)
R$ 20,00



LADINOS E CRIOULOS - ESTUDOS SOBRE O NEGRO NO BRASIL
EDISON CARNEIRO
CIVILIZAÇÃO BRASILEIRA
(1964)
R$ 40,00



A IMAGINAÇÃO SIMBÓLICA
VERA LUCIA G. FELICIO
EDUSP
(1994)
R$ 50,00



OUTRAS DICAS DE ESTÚDIO PARA ARTISTAS E DESIGNERS
BILL GRAY
EDIOURO
(1983)
R$ 9,80



BOTÂNICA
BOTANICA ELEMENTAR
FRANCISCO ALVES
(1911)
R$ 70,00



BRICK BRADFORD Nº 04 8135
BÁRTOLO FITTIPALDI
PALADINO
(1972)
R$ 27,00





busca | avançada
20340 visitas/dia
1,3 milhão/mês