Uma História da Tecnologia da Informação- Parte 3 | Blog de Claudio Spiguel

busca | avançada
48247 visitas/dia
1,4 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOGS >>> Posts

Sábado, 6/6/2015
Uma História da Tecnologia da Informação- Parte 3
Claudio Spiguel

+ de 1400 Acessos

Parte 3! Não vou gastar muito o verbo aqui sumarizando as Partes 1 e 2. Se você, leitor, está pegando o bonde andando e não as leu, vá ao rodapé deste texto e clique em Mais Claudio Spiguel e lá estarão os links para as Partes 1 e 2. Boa leitura!

Antes de retomarmos nossa jornada através das décadas, cabem alguns comentários historicamente relevantes sobre o computador mainframe do Instituto de Física da USP, e o seu uso:
1) Não havia (no Brasil) ainda o conceito de rede; o computador mainframe era uma máquina estanque, ou seja, não se comunicava com nenhum outro computador. Tudo acontecia dentro dela, da entrada de dados e dos comandos que diziam o que fazer com os dados (os tais cartões perfurados) à saída e impressão dos resultados em papel contínuo (aquele formulário ladeado por duas fitas picotadas com furinhos em intervalos constantes, os quais sincronizavam com engrenagens que assim moviam o papel para frente na impressora), E SÓ!! O que acontece hoje através da Internet não era mais do que um sonho, um objetivo de pesquisas avançadas, por muitos descartada como ficção científica.
2) Cabe então a questão: por que toda essa excitação para usar o computador? Em outras palavras, por que uma instituição faria o investimento considerável para adquirir a máquina, e qual o atrativo para usá-la?

Em poucas palavras, era algo chamado de capacidade de processamento, uma combinação de quantidade de instruções (o que fazer com os dados) com o tempo para executar cada instrução, ambos infinitamente superiores à capacidade comparável do cérebro humano. Para vocês terem uma ideia, uma medida comum dessa capacidade naquela época era o MIPS - MILHÕES de Instruções POR SEGUNDO!! O computador mainframe do Instituto de Física da USP era um IBM 360-44PS, e operava com uma capacidade da ordem de UM MIPS. Ou seja, para fazer o que a máquina fazia em um segundo, um de nós levaria anos e anos a fio.

A foto acima mostra uma instalação típica de uma mainframe IBM 360, e deixa transparecer claramente o descrito na Parte 2 quanto à sua magnitude, o espaço enorme e amplo necessário, controle rígido de temperatura e humidade através de ar condicionado (saída visível no teto), um bando de unidades volumosas incluindo:
1) a Central de Processamento e memória transiente (visível à esquerda do operador no centro da foto sentado em frente ao console tipo teletype);
2) a leitora de cartões perfurados (visível à frente do operador) que lia programas (conjunto de instruções e dados) que ocupavam TODA a máquina, um por vez;
3) unidades de memória permanente como fitas magnéticas (visíveis ao fundo com uma assistente de operação para montar e desmontar as fitas conforme requerido pelas instruções sendo processadas), e discos rígidos (visíveis à direita do operador), e
4) as impressoras do papel formulário contínuo que não aparecem na foto.
Tudo isso dissipando uma quantidade enorme de calor pela sala, e como não havia na época conexões sem fio, tudo interligado por um emaranhado interminável de cabos estendidos sob um piso falso montado sobre o piso real de TODO o espaço!

Por isso, o tempo de uso do computador era extremamente valioso, pois em pouco tempo (digamos, 15 minutos), ele prestava um serviço enorme, e somente um usuário por vez (um programa por vez) podia usá-lo. Dado o grande investimento para instalá-lo e operá-lo, e a enormidade e a exclusividade do serviço prestado, o minuto de uso comandava um custo altíssimo, viável também, regra geral, apenas a instituições, e não a indivíduos. No nosso caso, a Escola Politécnica contratava um certo tempo de uso do computador (horas), uma pequena parte do qual (minutos) era usado pelo Departamento de Engenharia Naval (nós), em um ou dois dias específicos da semana. Havia, portanto, uma preocupação muito grande em usar aqueles minutos da maneira mais efetiva possível, sem muita tolerância para erros nos dados ou nas instruções para o que fazer com os dados, desde que a próxima oportunidade para uso só viria depois de alguns DIAS, ou SEMANAS, dependendo da demanda. Isso além do desperdício de recursos: o computador em si, e o alto custo do uso.

Comparem isso com o uso que você, leitor, faz hoje de máquinas muito mais poderosas que aquela do Instituto de Física da USP em 1971, como esse laptop, ou computador pessoal, que fica no seu escritório, ou na sua sala de visita, ou no seu quarto, que você pode usar quando bem entender, e sem muita preocupação de desperdício de recursos além do seu próprio tempo em ter de reparar erros e repetir comandos uma vez corrigidos. Admito que o tipo de uso que estamos comparando é diferente, mas isso também faz parte dessa evolução tecnológica que estamos acompanhando ao longo dos últimos 70 anos, algo que tem a ver com a digitização das transmissões analógicas, mencionada na Parte 1 desta série, a qual viabilizou o uso do computador como veículo de comunicação, além de ser uma simples calculadora gigante, rapidíssima, e caríssima.

Isto me lembra que há outra característica relevante para expor a vocês antes de seguirmos viagem no tempo... a comunicação entre o homem e a máquina. Nos idos de 1971 no Brasil, lembrem-se, acessávamos essa tal calculadora estanque gigante, rapidíssima, e caríssima, portanto nada mais justo que o fizéssemos apenas para cálculos científicos e/ou administrativos complicados. A linguagem, então, que regia os tais cartões perfurados com os quais passávamos para a máquina os dados a serem manipulados e as instruções do que fazer com eles tinha a ver com a tradução de fórmulas matemáticas e lógicas. Condizentemente, a linguagem rígida (tolerância ZERO para erros) usada na perfuração dos cartões era chamada FORTRAN (FORmula TRANslator - TRAdutor de FÓRmulas). Anos mais tarde, na Universidade de Michigan nos Estados Unidos, eu voltei ainda mais no tempo, como veremos, na história da comunicação entre o homem e a máquina. Mas comparem tudo isso ao teclado, e ao mouse do seu computador de hoje, e a sua comunicação com a máquina praticamente na sua linguajem do dia-a-dia.

Mas tudo a seu tempo... parece que só retomaremos a viagem propriamente dita na Parte 4. Digo isso porque é necessário deixá-los com mais alguns pensamentos de pano de fundo, para podermos continuar "viajando" juntos. Pensem no contexto do descrito nesta Parte 3: a diferença MONUMENTAL de capacidade de tradução de fórmulas e manipulação de dígitos entre o computador mainframe e o cérebro humano. Ainda que fôssemos extremamente cuidadosos, fica claro que a capacidade da máquina era subutilizada. A evolução se deu no sentido de, primeiro, melhor utilizá-la, dividindo toda aquela capacidade extra no sentido de torná-la acessível a vários usuários humanos ao mesmo tempo. E segundo, mais tarde, conectá-la a outras máquinas de modo a ampliar o seu alcance, e a riqueza de dados e informações disponíveis, e garantir a disponibilidade do serviço a ser prestado, evitando que "todos os ovos fossem colocados na mesma cesta" (máquina estanque). Seguimos viagem na Parte 4...


Postado por Claudio Spiguel
Em 6/6/2015 à 00h48


Mais Blog de Claudio Spiguel
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




PESQUISA - ORIENTAÇOES E NORMAS PARA ELABORAÇAO
MARIA SERGIO MICHALISZYN; RICARDO TOMASINI
VOZES
(2007)
R$ 12,00



MAIS DO QUE BOAS INTENÇÕES
DEAN KARLAN E JACOB APPEL
CAMPUS
(2011)
R$ 34,00
+ frete grátis



COMO FICAR RICO UTILIZANDO O PRINCÍPIO-ESTRELA
RICHARD KOCH
EDIOURO
(2008)
R$ 29,00



PESCADOR - É TEMPO DE NAVEGAR...
ROBERTO LAGES
O LUTADOR
(2012)
R$ 13,00



O LIVRO DOS MANUAIS
PAULO COELHO
DO AUTOR
(2008)
R$ 7,00



PEDAGOGIA
EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR A CONSTRUÇAO SOCIAL DA MORALIDADE
TEXTO EDITORES
(2001)
R$ 38,77



A PSICOLOGIA DA INFÂNCIA E DA ADOLESCÊNCIA
C. I. SANDSTROM
ZAHAR
(1971)
R$ 14,88



IEMANJÁ: A GRANDE MÃE AFRICANA DO BRASIL - 1ª EDIÇÃO
ARMANDO VALLADO
PALLAS
(2006)
R$ 53,95



O ESPECTADOR ENGAJADO
RAYMOND ARON
NOVA FRONTEIRA
(1982)
R$ 10,00



BUSINESS BENCHMARK PRE-INTERMEDIATE TO INTERMEDIATE STUDENTSBOOK
NORMAN WHITBY
CAMBRIDGE UNIVERSITY PRESS
(2006)
R$ 20,50





busca | avançada
48247 visitas/dia
1,4 milhão/mês