As redes sociais como ferramentas de mobilização | Blog de Marcio Acselrad

busca | avançada
27903 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOGS >>> Posts

Sábado, 1/8/2015
As redes sociais como ferramentas de mobilização
Marcio Acselrad

+ de 800 Acessos

Ao longo da última década, vimos acontecer uma série de transformações inéditas no universo da política mundial, em que manifestações populares de insatisfação, que tiveram início com a chamada Primavera Árabe, se espalharam por todo o globo. A insatisfação de parcelas consideráveis da população levou primeiramente à queda do presidente egípcio e depois, num efeito dominó, à de vários outros ditadores que se mantinham nos cargos de mando em seus países havia décadas. O movimento não ficou restrito ao mundo árabe do norte da África, tendo se espalhado, como tudo o mais neste mundo globalizado, para os quatro cantos deste redondo planeta, de Wall Street ao Chile, do Brasil à Itália.
Eventos como estes exigem reflexão e não devemos nos furtar a elas. Em primeiro lugar, há que se considerar que manifestações populares, sublevações e rebeliões não são novidade na história política do planeta. A revolução francesa ainda surge como marco sempre que precisamos nos lembrar do poder que a insatisfação tem de mobilizar pessoas em torno de uma causa. De pouco adianta uma causa, por nobre que seja, se ela não alcança as pessoas, se não as toca de alguma maneira. E isto só pode acontecer se há algum tipo de insatisfação, um certo mal estar mobilizador que acaba canalizando as energias de um povo ou grupo em certa direção. Este aspecto é louvável, caso seja produto da conscientização, e veio junto com as transformações por que passou o ocidente no bojo das transformações advindas com a modernidade.
Sabemos também que muitas vezes, como o momento em que vivemos no Brasil de hoje, a insatisfação pode ser manipulada e a opinião pública, levada a seguir interesses meramente golpistas de setores específicos da sociedade, que geralmente não ousam dizer seus nomes, muitas vezes agem na calada da noite e costumam falar em nome de todos. Chegamos ao cúmulo de testemunhar, na última semana de julho, a um atentado a bomba ao Instituto Lula, em São Paulo, inequívoco sinal de que tais grupos estão ultrapassando os limites da ética, do bom senso e, o que é pior, da lei, ferindo as regras mínimas de convivência e, quem sabe, inaugurando um novo e mais violento momento em nossa história. Sabemos bem o que acontece quando o debate dá lugar à violência e ao ódio: a discussão e a argumentação cedem lugar à barbárie.
Barbáries, atentados e radicalismos à parte, este é o preço que se paga pela democracia: escutar as ruas, digam o que disserem. Aprendemos assim que os indivíduos podem e devem agir para aperfeiçoar as formas como são governados, quer através do voto, quer através do protesto. Mas há que se tomar cuidado com a sempre presente capacidade de manipulação que as forças conservadoras e os poderosos conglomerados midiáticos têm, e que muitas vezes rotulam como inimigas do povo as mesmas forças que transformaram para melhor suas condições de vida. Em momentos de crise, é particularmente difícil identificar o inimigo, justamente por que pode parecer muito fácil fazê-lo. Contradições da vida política...
A novidade nos casos em questão é o uso das redes sociais, que vieram para ficar, como ferramentas de mobilização política. Tal participação não pode ser ignorada, e muita tinta já foi usada para tentar compreender o papel destas novas mídias, mais participativas e colaborativas do que as tradicionais formas de comunicação massificada. No entanto é preciso tentar fugir de certo determinismo tecnológico que poderia redundar numa demasiadamente simplista interpretação de causa e efeito em que as mudanças políticas aconteceriam por causa das novas tecnologias de comunicação. É aqui, acredito, que reside o equívoco. Afinal de contas sempre que uma determinada força social surgiu e se fez ouvir, fez uso das tecnologias midiáticas disponíveis em sua época, quer se tratasse da imprensa (livros e jornais, utilizados por intelectuais de diversos matizes e classes sociais para transmitir suas ideias) quer se tratasse do rádio ou da televisão. Estes últimos, ditos meios de comunicação de massa, são geralmente pensados como formas de anestesiar a sociedade, mantendo o status quo tal como ele se apresenta em dado momento, enquanto se vê as redes sociais como plurais e democráticas, duas visões por demasiado ingênuas e simplificadoras. Não se deve esquecer que os dois principais movimentos de insatisfação popular na recente estória do Brasil (antes das manifestações de junho de 2013), o movimento pelas Diretas em 1984 e o movimento pelo impeachment de Fernando Collor em 1992, se deram durante o império destes meios de comunicação, numa época em que a internet nem sonhava em ser inventada. Por outro lado vemos que hoje, em plena era da comunicação globalizada em rede, a opinião pública muitas vezes se mostra incrivelmente alienada, repetindo como se fossem suas idéias e bordões conservadores que só produzem instabilidade e insegurança.
As redes sociais têm sua importância e a mesma não pode ser desprezada, mas daí a concluirmos que as transformações por que estamos passando dependem exclusivamente delas vai uma grande distância. As transformações acontecem por que estamos longe ainda de alcançar o sonho de uma sociedade mais justa e igualitária. As mídias são, como sempre foram, meios. Não mais que meios. Há que saber utiliza-los com sabedoria, e para isso ainda temos muito que caminhar.


Postado por Marcio Acselrad
Em 1/8/2015 às 13h49


Mais Blog de Marcio Acselrad
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




THE HONORARY CONSUL
GRAHAM GREENE
POCKET FICTION
(1974)
R$ 5,00



O CONVÊNIO DO CAFÉ DE 1976
CELSO LAFER
PERSPECTIVA
(1979)
R$ 6,00



O FIASCO
IMRE KERTÉSZ
PLANETA
(2004)
R$ 14,90



ATLANTIS
DAVID GIBBINS
PLANETA
(2006)
R$ 10,00



VASO NOVO - UM SONHO DE VIDA NOVA
MARIA JOSÉ TENÓRIO DE ARAÚJO
GRÁFICA I. SCHERER
(2004)
R$ 10,00



DROGAS QUAL É O BARATO
PALOMA KLISYS
PUBLISHER BRASIL
(1999)
R$ 5,50



ELITE DA TROPA
LUIZ EDUARDO SOARES E OUTROS
OBJETIVA
(2006)
R$ 19,90
+ frete grátis



CURA PELA MEDITAÇÃO - 1ª EDIÇÃO (ACOMPANHA 36 CARTAS)
CHRISTOPHER TITMUSS
PENSAMENTO
(2015)
R$ 49,95



APÓS 1989 - MORAL, REVOLUÇÃO E SOCIEDADE CIVIL
RALF DAHRENDORF
PAZ E TERRA
(1997)
R$ 24,98
+ frete grátis



PADROES DE PROJETO EJB
FLOYD MARINESCU
BOOKMAN
(2003)
R$ 54,00





busca | avançada
27903 visitas/dia
1,3 milhão/mês