Uma pérola poética nas animações brasileiras | Blog do Carvalhal

busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Cia Triptal celebra a obra de Jorge Andrade no centenário do autor
>>> Sesc Santana apresenta SCinestesia com a Companhia de Danças de Diadema
>>> “É Hora de Arte” realiza oficinas gratuitas de circo, grafite, teatro e dança
>>> MOSTRA DO MAB FAAP GANHA NOVAS OBRAS A PARTIR DE JUNHO
>>> Ibevar e Fia-Labfin.Provar realizam uma live sobre Oportunidades de Carreira no Mercado de Capitais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> As maravilhas do modo avião
>>> A suíte melancólica de Joan Brossa
>>> Lá onde brotam grandes autores da literatura
>>> Ser e fenecer: poesia de Maurício Arruda Mendonça
>>> A compra do Twitter por Elon Musk
>>> Epitáfio do que não partiu
>>> Efeitos periféricos da tempestade de areia do Sara
>>> Mamãe falhei
>>> Sobre a literatura de Evando Nascimento
>>> Velha amiga, ainda tão menina em minha cabeça...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Fabio Massari sobre Um Álbum Italiano
>>> The Number of the Beast by Sophie Burrell
>>> Terra... Luna... E o Bitcoin?
>>> 500 Maiores Álbuns Brasileiros
>>> Albert King e Stevie Ray Vaughan (1983)
>>> Rush (1984)
>>> Luiz Maurício da Silva, autor de Mercado de Opções
>>> Trader, investidor ou buy and hold?
>>> Slayer no Monsters of Rock (1998)
>>> Por que investir no Twitter (TWTR34)
Últimos Posts
>>> Parei de fumar
>>> Asas de Ícaro
>>> Auto estima
>>> Jazz: 10 músicas para começar
>>> THE END
>>> Somos todos venturosos
>>> Por que eu?
>>> Dizer, não é ser
>>> A Caixa de Brinquedos
>>> Nosferatu 100 anos e o infamiliar em nós*
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (I)
>>> A primeira ofensa recebida sobre algo que escrevi
>>> 20 contos sobre a pandemia de 2020
>>> Procissão
>>> Mais espetáculo que arte
>>> teu filho, teu brilho
>>> O Medium e o retorno do conteúdo
>>> A Poli... - 10 anos (e algumas reflexões) depois
>>> Web-based Finance Application
>>> Pensando sozinho
Mais Recentes
>>> Historia do Brasil Vol. 1 de Helio Vianna pela Melhoramentos
>>> Livro dos Sonetos: 1500 - 1900 de Sérgio Faraco pela L e Pm (2002)
>>> O Novo Acordo Ortogáfico da Linguaportuguesa de Maurício Silva pela Contexto (2011)
>>> Onze Minutos de Paulo Coelho pela Rocco (2003)
>>> Toda Sua de Sylvia Day; Alexandre Boide pela Paralela (2012)
>>> Solteira - O insuperável fascínio da mulher livre de Patrizia Gucci pela Prestígio (2004)
>>> Filha é Filha de Agatha Christie pela Lpm (2011)
>>> Acima de Qualquer Suspeita de Scott Turow pela Record
>>> Taureg de Alberto Vazquez Figueróa pela L&pm (2002)
>>> A Cidade e as Serras de Eça de Queirós pela Atica (2006)
>>> Bases da Biologia Celular e Molecular de De Robertis & Der Robertis Jr pela Guanabara Koogan (1993)
>>> Nas Asas da Ilusão de Kely Vyanna pela Brasília (2011)
>>> Você é Mais Forte do Que o Câncer de Susan Sorensen e Laura Geist pela Thomas Nelson Brasil (2007)
>>> As Cinco Estações do Corpo de João Curvo & Walter Truche pela Rocco (2001)
>>> The Feast of All Saints de Anne Rice pela Ballantine Books (1991)
>>> Geografia dos Estados Unidos de Pierre George pela Papirus (2010)
>>> The Diamond as Big as the Ritz and Other Stories de F. Scott Fitzgerald pela Longman (1974)
>>> O Caminho dos Sonhos de Mauro Lucido da Silva pela Mauro Lucido da Silva (2010)
>>> The Amen Corner de James Baldwin pela Corgi (1970)
>>> Menino de Engenho - 83ª Edição de José Lins do Rego pela José Olympio (2002)
>>> Em Missão de Socorro de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho pela Lumen Editorial (2012)
>>> Enquanto Houver Vida Viverei de Julio Emilio Braz; Rogério Borges pela Ftd (1996)
>>> Aprenda Ingles Comercial e Turístico de José Luiz Rodrigues pela On Line (2012)
>>> Plenitude de Divaldo Pereira Franco pela Leal (2000)
>>> The Vampire Diaries de L. J. Smith pela Harper Teen (1991)
BLOGS >>> Posts

Segunda-feira, 23/11/2015
Uma pérola poética nas animações brasileiras
Guilherme Carvalhal

+ de 2200 Acessos



A produção nacional de animações tem crescido em qualidade e relevância de maneira significativa nos últimos anos. O filme Rio deu o choque de modernidade ao abordar dentro da visão estética predominante atualmente uma história e uma caracterização plenamente brasileira. Já Uma História de Amor e Fúria é uma animação mais adulta que pega a história do país como fonte de sua história e dá uma brecha para um Brasil ciberfuturista aos moldes de Akira, de Katsuhiro Otomo.

Em O Menino e o Mundo, do diretor Alê Abreu, temos uma história que não brilha tanto pelo impacto técnico desses dois filmes citados anteriormente. Aqui, o que chama a atenção é o estilo singelo com o qual se apresenta a história, utilizando uma forte carga emocional em traços muitas vezes simples, outras vezes de maneira mais complexa. O filme é mudo, então é uma narrativa que atrai o espectador por todo seu impacto visual, deixando algumas brechas sobre o que ocorre na história.

O enredo mostra uma família que reside em uma propriedade rural. Um dia o pai parte de trem, sugerindo que está indo para a cidade em busca de emprego. O garoto então o segue para tentar encontrá-lo, deixando sua casa e sua mãe, em um choque de realidade que vai levá-lo da infância à maturidade. Nessa jornada atrás do pai ele vai conhecendo realidades diversas. Assiste ao trabalho dos catadores de algodão, entra em uma fábrica de tecidos, vê seus funcionários sendo mandados embora quando o dono automatiza a produção, chega à cidade, vê o trânsito, a praia, a favela, a construção civil.

O estilo com o qual a obra é feita vai mostrando o impacto. No começo, quando no conforto da família, o clima é mais onírico, quando ele consegue escalar árvores até se deitar nas nuvens. À medida em que ele se afasta desse recinto seguro, o clima de fantasia vai se perdendo. Na zona rural os traços são muito coloridos e simples. Na cidade tudo é monocromático e complexo. As atividades profissionais são mostradas como repetitivas, mostrando uma automação dos movimentos do corpo. É o choque entre o rural e o urbano, entre o simples e o complexo, entre o belo e o funcional que vão levando o menino a essa viagem pelo mundo, não o mundo inteiro, mas particularmente um mundo brasileiro.

Tudo no filme remete ao país, como as desigualdades sociais, as vestimentas, a favela, a migração rural. Além de ser uma obra de inovação artística de alto lirismo e de mostrar um mergulhar no processo de amadurecimento de uma criança, ele também tem seu lado político. Os funcionários demitidos quando são substituídos pelas máquinas, o desmatamento, as pessoas morando no lixão, tudo isso soa como uma crítica, em caráter de conflito com a beleza inicial do ambiente rural, fruto de qualidade de vida e tranquilidade para o garoto. A presença dos militares é apresentada conjuntamente à esse processo de modernização, trocando as cores vivas pelas frias do metal e do cimento.

Em contraponto a esse processo maquinal, o filme utiliza muito das expressões dos personagens, das cores e da música para mostrar um contraponto popular a essa opressão. Por todos os locais onde o garoto percorre surge alguma sonoridade, algum tipo de festejo, sendo a vivacidade popular uma oposição à mecanização. Os rostos das pessoas pobres sempre expressam algo, seja alegria, consolo ou tristeza, enquanto os rostos dos militares ou dos empresários tem expressões mais frias, tão mecânicas quanto aquilo que representam na obra. As cores, como já dito, são a expressão desse mesmo conflito. E a música tem caráter especial na obra.

Do começo ao fim o garoto possui uma relação delicada com os sons. Desde quando pega a música tocada pelo seu pai e guarda em uma caixa (uma excelente metáfora à memória do pai que um dia partirá) até a todas as manifestações musicais, ele se envolve afetivamente com as pessoas através da música, sendo que ela está em todos os estilos: no carnaval, na banda de um homem só do artista de rua, na flauta do pai. A expressão musical é ricamente trabalhada para participar da estrutura desse filme mudo.

É difícil dizer qual o impacto que esse filme pode causar. Apesar de ser uma das mais belas obras cinematográficas do Brasil, ela é triste, mostrando a fantasia infantil que se perde ao contato com a realidade e que, de uma criança sonhadora, o mundo fará um adulto mecanizado e igual a todos os outros. Por outro lado, por trás dessa tristeza há certa esperança, como se dessas agruras que exibe pudesse surgir algo. É isso que o filme parece sugerir: uma constante mudança de cores e formas, como se isso fosse uma alusão a toda a vida.


Postado por Guilherme Carvalhal
Em 23/11/2015 às 12h40


Mais Blog do Carvalhal
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Um Sedutor sem Coração - Box 5 Livros
Lisa Kleypas
Arqueiro
(2018)



Psicologia da Criança
Karl G. Garrison & Outros
Ibrasa
(1971)



Turma da Mônica Jovem Nº 70- Nosso Filhote
Mauricio de Sousa
Panini
(2014)



Minha 1ª Biblioteca Larousse Enciclopédia 2
Larousse
Laurousse
(2007)



Quem Tem Medo de Vampiro?
Dalton Trevisan
Ática
(2013)



Elo
James Capelli
Escritorio de Midia



Como Ganhar Mais Dinheiro e Viver Melhor!
Fernando Veríssimo
Seles
(2003)



Independência ou Morte - A emancipação política do Brasil
Ilmar Rohloff e Luis Affonso
Atual
(1991)



O Leão e o Rato
Maria Espluga (ilustrações)
Sm
(2000)



Cheiro de Goiaba - 8ª Ed.
Gabriel Garcia Marquez
Record
(2014)





busca | avançada
51839 visitas/dia
1,8 milhão/mês