Uma pérola poética nas animações brasileiras | Blog do Carvalhal

busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Ambulantes faz show de seu novo disco na Casa de Cultura Chico Science
>>> SESI São José dos Campos apresenta a exposição J. BORGES - O Mestre da Xilogravura
>>> Festival gratuito, diurno, 8o.Festival BB Seguros de Blues e Jazz traz grandes nomes internacionais
>>> Bruno Portella ' Héstia: A Deusa do Fogo ' na Galeria Alma da Rua I
>>> Pia Fraus comemora 40 anos com estreia de espetáculo sobre a vida dos Dinossauros do Brasil
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
>>> Felipe Miranda e Luiz Parreiras (2024)
>>> Caminhos para a sabedoria
>>> Smoke On the Water (2024)
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
Últimos Posts
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cinema em Atibaia (III)
>>> Jornalismo de todos para todos
>>> Das boas notícias
>>> Sociologia de um gênio
>>> A arqueologia secreta das coisas
>>> Mahalo
>>> O iPad não é coisa do nosso século
>>> O prazer, origem e perdição do ser humano
>>> William Faulkner e a aposta de Pascal
>>> Os Estertores da Razão
Mais Recentes
>>> Revista Dialética do Direito Tributário de Fernando Durão pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Plt 367 Contabilidade Gerencial de Clóvis Luís Padoveze pela Atlas Anhanguera (2011)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Franscisco Baratti pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Le droit à la paresse de Paul Lafargue pela Mille et une nuits (1994)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Patricia Calmon pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Transcendentes de Luciana Alves da Costa;outros pela Sementes (2000)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de César Romero pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Services Marketing de Christopher H. Lovelock pela Prentice Hall (1996)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Alê Prade pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> África Em Cores de Ana Cristina Lemos pela Htc (2011)
>>> Inculta e Bela - Volume 1 de Pasquale Cipro Neto pela Publifolha (2002)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Selma Daffré pela Oliveira Rocha (2010)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> Revista Dialética de Direito Tributário de Duílio Ramos pela Oliveira Rocha (2010)
>>> O Empresário Criativo de Roger Evans pela Cultrix (1989)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> Iles de France Vues Du Ciel de M. Cotinaud; Dominique Cortesi; Entre Outros pela Chêne (1991)
>>> Reforma do Estado e Administração Pública Gerencial de Luiz Carlos Bresser Pereira;peter Spink pela F G V (2006)
>>> O Empresário Criativo de Roger Evans pela Cultrix (1989)
>>> A Poética de Aristóteles - Mímese e Verossimilhança de Lígia Militz da Costa pela Ática (1992)
BLOGS >>> Posts

Segunda-feira, 23/11/2015
Uma pérola poética nas animações brasileiras
Guilherme Carvalhal
+ de 3100 Acessos



A produção nacional de animações tem crescido em qualidade e relevância de maneira significativa nos últimos anos. O filme Rio deu o choque de modernidade ao abordar dentro da visão estética predominante atualmente uma história e uma caracterização plenamente brasileira. Já Uma História de Amor e Fúria é uma animação mais adulta que pega a história do país como fonte de sua história e dá uma brecha para um Brasil ciberfuturista aos moldes de Akira, de Katsuhiro Otomo.

Em O Menino e o Mundo, do diretor Alê Abreu, temos uma história que não brilha tanto pelo impacto técnico desses dois filmes citados anteriormente. Aqui, o que chama a atenção é o estilo singelo com o qual se apresenta a história, utilizando uma forte carga emocional em traços muitas vezes simples, outras vezes de maneira mais complexa. O filme é mudo, então é uma narrativa que atrai o espectador por todo seu impacto visual, deixando algumas brechas sobre o que ocorre na história.

O enredo mostra uma família que reside em uma propriedade rural. Um dia o pai parte de trem, sugerindo que está indo para a cidade em busca de emprego. O garoto então o segue para tentar encontrá-lo, deixando sua casa e sua mãe, em um choque de realidade que vai levá-lo da infância à maturidade. Nessa jornada atrás do pai ele vai conhecendo realidades diversas. Assiste ao trabalho dos catadores de algodão, entra em uma fábrica de tecidos, vê seus funcionários sendo mandados embora quando o dono automatiza a produção, chega à cidade, vê o trânsito, a praia, a favela, a construção civil.

O estilo com o qual a obra é feita vai mostrando o impacto. No começo, quando no conforto da família, o clima é mais onírico, quando ele consegue escalar árvores até se deitar nas nuvens. À medida em que ele se afasta desse recinto seguro, o clima de fantasia vai se perdendo. Na zona rural os traços são muito coloridos e simples. Na cidade tudo é monocromático e complexo. As atividades profissionais são mostradas como repetitivas, mostrando uma automação dos movimentos do corpo. É o choque entre o rural e o urbano, entre o simples e o complexo, entre o belo e o funcional que vão levando o menino a essa viagem pelo mundo, não o mundo inteiro, mas particularmente um mundo brasileiro.

Tudo no filme remete ao país, como as desigualdades sociais, as vestimentas, a favela, a migração rural. Além de ser uma obra de inovação artística de alto lirismo e de mostrar um mergulhar no processo de amadurecimento de uma criança, ele também tem seu lado político. Os funcionários demitidos quando são substituídos pelas máquinas, o desmatamento, as pessoas morando no lixão, tudo isso soa como uma crítica, em caráter de conflito com a beleza inicial do ambiente rural, fruto de qualidade de vida e tranquilidade para o garoto. A presença dos militares é apresentada conjuntamente à esse processo de modernização, trocando as cores vivas pelas frias do metal e do cimento.

Em contraponto a esse processo maquinal, o filme utiliza muito das expressões dos personagens, das cores e da música para mostrar um contraponto popular a essa opressão. Por todos os locais onde o garoto percorre surge alguma sonoridade, algum tipo de festejo, sendo a vivacidade popular uma oposição à mecanização. Os rostos das pessoas pobres sempre expressam algo, seja alegria, consolo ou tristeza, enquanto os rostos dos militares ou dos empresários tem expressões mais frias, tão mecânicas quanto aquilo que representam na obra. As cores, como já dito, são a expressão desse mesmo conflito. E a música tem caráter especial na obra.

Do começo ao fim o garoto possui uma relação delicada com os sons. Desde quando pega a música tocada pelo seu pai e guarda em uma caixa (uma excelente metáfora à memória do pai que um dia partirá) até a todas as manifestações musicais, ele se envolve afetivamente com as pessoas através da música, sendo que ela está em todos os estilos: no carnaval, na banda de um homem só do artista de rua, na flauta do pai. A expressão musical é ricamente trabalhada para participar da estrutura desse filme mudo.

É difícil dizer qual o impacto que esse filme pode causar. Apesar de ser uma das mais belas obras cinematográficas do Brasil, ela é triste, mostrando a fantasia infantil que se perde ao contato com a realidade e que, de uma criança sonhadora, o mundo fará um adulto mecanizado e igual a todos os outros. Por outro lado, por trás dessa tristeza há certa esperança, como se dessas agruras que exibe pudesse surgir algo. É isso que o filme parece sugerir: uma constante mudança de cores e formas, como se isso fosse uma alusão a toda a vida.


Postado por Guilherme Carvalhal
Em 23/11/2015 às 12h40

Mais Blog do Carvalhal
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Odisseia
Ruth Rocha
Salamandra
(2011)



Centenário do Hospital Nossa Senhora das Dores de Ponte Nova
Desconhecido
Imprensa Oficial
(1973)



Um Estranho no Ninho
Ken Kesey
Best Bolso
(2013)



Frauen der liebe Hortense Von Beauharnais
Freundin des Zaren Alexandres I
Druck und Verlag



Não se apega, não
Isabela Freitas
Intrínseca
(2014)



Guia de Conversação Langenscheidt - Italiano
Monica Stahel
Martins Fontes
(1999)



Operations Research
Wayne Winston
Thomson Brooks Cole
(2004)



Virus Clans
Michael Kanaly
Ace Charter
(1998)



Volumes 1, 2, 3 e 4: Grandes Fatos do Século XX vinte
Barnabé Medeiros Filho et al
RioGráfica



Livro Literatura Estrangeira Moon Palace
Paul Auster
Penguin Books
(1990)





busca | avançada
69048 visitas/dia
2,0 milhão/mês