O longo sucesso de Guerra nas Estrelas | Blog do Carvalhal

busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Evoluir celebra o mês das crianças com contação de história
>>> Editora H1 chega com proposta de modelo híbrido de apresentação de conteúdo
>>> CONCERTO OSESP MASP TEM NOVA APRESENTAÇÃO GRATUITA DIA 20 DE OUTUBRO
>>> 14ª Visões Urbanas tem Urbaninhas com quatro espetáculos para crianças
>>> Visões Urbanas permanece online em sua 14ª edição
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> José Moutinho
>>> Palavra na Tela – Crítica
>>> Paternidade
>>> Soul Bossa Nova
>>> Walking Dead - O caminho dos mortos na cultura pop
>>> Anomailas, por Gauguin
>>> Público, massa e multidão
>>> Saints and Sinners
>>> Teledramaturgia ao vivo
>>> Os narradores de Eliane Caffé
Mais Recentes
>>> Just in Time Mrp II Opt de Henrique L. Corrêa e Irineu G. N. Gianesi pela Atlas (1996)
>>> Economics de Michael Parkin pela Addison Wesley Longman (1999)
>>> Cold-Case Christianity - A Homicide Detective Investigates the claims of the gospels de J. Warner Wallace pela David Cook (2013)
>>> Operations and Supply Management The Core de F. Robert Jacobs e Richard Chase pela McGraw-Hill (2010)
>>> Orgulho e Preconceito de Jane Austen pela Pé da Letra (2021)
>>> The Wiki Way - Quick Collaboration on the Web de Bo Leuf - Ward Cunningham pela Addison Wesley (2004)
>>> Becky Bloom - Delírios De Consumo Na 5ª Avenida de Sophie Kinsella pela Record (2002)
>>> Gossip Girl Vol. 6- É Você que Eu Quero de Cecily von Ziegesar pela Record (2007)
>>> Curso de Direito Comercial - Direito de Empresa de Fábio Ulhoa Coelho pela Saraiva (2014)
>>> Direito Civil Brasileiro - Contratos e Atos Unilaterais vol. 3 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2012)
>>> Dicionário de Biblioteconomia e Arquivologia de Murilo Bastos da Cunha- Cordélia Robalinho Cavalcanti pela Briquet de Lemos (2008)
>>> A Year of Being Single de Fiona Collins pela Hq (2016)
>>> The Brightest Star in the Sky de Marian Keyes pela Penguin Books (2011)
>>> Contos Sombrios de Gabriel Maia pela Linhas Tortas (2019)
>>> Essentials of Marketing de McCarthy e Perreault pela Sixth Edition
>>> Java como Programar de Deitel pela Prentice Hall (2005)
>>> Leis do Amor de Francisco Candido Xavier pela Feb (1965)
>>> Seara dos Médiuns de Francisco Candido Xavier pela Feb (1985)
>>> Se Eu Não Te Amasse Tanto Assim de Valter Turini pela O Clarim (2009)
>>> Os Segredos do Casarão de Elizabeth Artmann pela Petit (1999)
>>> A Segunda Chance... de Alfredo Pardini pela O Clarim (2009)
>>> O Segredo das Bem Aventuranças de José Lázaro Boberg pela Eme (2009)
>>> Sementes e Contos de Lauro Pereira pela Procriart (1985)
>>> Segue-Me!... de Francisco Cândido Xavier pela O Clarim (1978)
>>> Direito Civil Brasileiro - Direito Família vol. 6 de Carlos Roberto Gonçalves pela Saraiva (2013)
BLOGS >>> Posts

Quinta-feira, 17/12/2015
O longo sucesso de Guerra nas Estrelas
Guilherme Carvalhal

+ de 2300 Acessos



Nunca fui um profundo admirador da série Guerra nas Estrelas. Ela sempre me passou uma ideia de mescla de elementos agradáveis amarrados por uma trama política passada em tempos futuros e com belos efeitos ontem e hoje, porém sem maior profundidade. Um pastiche em níveis mais elevados.

Os elementos apresentados pela série buscam na mitologia e em narrativas clássicas boa parte de sua expressão. O conflito entre pai e filho, o homem bom que se corrompe ao longo do tempo, o mestre sábio que treina o rapaz novato, todos esses são enredos bastante caricatos que tornam a história atrativa. O robô C3PO tem a função de ser o elemento engraçado, ao estilo Sancho Pança (função que Jar Jar Binks também encarnou), Han Solo representa o herói desprendido e sedutor, inspirado em personagens como Robin Hood, D'Artagnan ou Lancelot, que tem a bravura ilimitada.

O elemento político também não tem nada de inovador, basicamente inspirado em Roma e nos demais modelos em que uma república senatorial é fechada por um grupo autoritário que passa a ditar as regras. Nisso, os cavaleiros jedis são o elemento de proteção, como a Távola Redonda do rei Artur. A própria filosofia jedi bebe em fontes do misticismo oriental, como a retidão de caráter para o aprimoramento das artes marciais. Mestre Yoda guarda muitas semelhanças com o senhor Miyagi ou qualquer outro sábio oriental.

O fio narrativo dos três primeiros filmes (no caso, os episódios IV, V e VI) focou no conflito entre os rebeldes contra o Império e na formação pessoal de Luke Skywalker, que de jovem iniciante se torna um verdeiro guerreiro ao final. Elemento típico da jornada do herói, um modelo narrativo bem antigo que é marcado por um jovem que rompe com seu lar e trilha um longo caminho até se tornar um herói completo. Nesse caminho, há o confronto edipiano de Luke com seu pai Anakin, agora convertido no vilão Darth Vader, com direito à redenção desse personagem maléfico ao final.

Já a sequência (os episódio I, II e III) mostrou o que se passou previamente à trilogia inicial, com os conflitos que puseram fim à república, expurgaram os jedis e formaram o império. Como principal gancho, há a trajetória de Anakin, que de poderoso jedi acabou se rendendo ao lado negro e trilou o caminho do mal. Aqui, há um caminho inverso: o do soldado puro que vai à queda, uma nova referência a mitos antigos, como o de Lúcifer, que de anjo radiante vai em oposição a Deus e é condenado.

Se os episódios IV, V e VI puderam dispor de liberdade criativa, o I, II e III ficou atrelado ao sucesso da série original. Houve a necessidade de criar personagens que suprissem a leva inicial, como o bobo da corte, a mocinha indefesa e o herói intrépido. O roteiro ficou preso por precisar explicar o que se passou e trazer os elementos que fizeram a primeira trilogia um sucesso de público. Houve a explicação, festival de efeitos especiais, porém não atingiu o mesmo nível de interação como os primeiros. Darth Maul não supera o Vader, Jar Jar Binks não é melhor bobo da corte e o Anakin Skywalker não convence em nenhuma de suas fases.

Guerra nas Estrelas é uma produção divertida e sofisticada, apesar de estar longe de ser algo de profundidade. O roteiro é costumeiramente previsível (no caso do I, II e III, já se sabia de antemão o que aconteceria ao final) e não se sustenta pela criatividade, mas pelo universo todo criado. Ele bebe em muitas produções de ficção científicas existentes previamente sem ser algo de totalmente novo. Alienígenas de nomes exóticos, robôs inteligentes, batalhas espaciais, nada disso foi uma novidade.

Reitera-se que o modelo de produção inaugurado por George Lucas juntamente com Spielberg, os filmes denominados arrasa-quarteirão (blockbuster, no termo original), é altamente pautado por uma estratégia de marketing, sendo produções mais próximas da indústria do que da arte. Bonecos dos personagens, animações exibidas na TV, todo tipo de atrativo foi utilizado para atrair novos públicos. Tudo influi para alcançar o máximo de pessoas, até mesmo a data de lançamento.

O sucesso da série se estende no atual momento, quando o episódio VII está prestes a ser lançado. As estratégias de marketing já estão funcionando (como nos perfis de Facebook com as pessoas empunhando sabre de luz) e as polêmicas já ajudaram a ganhar espaço na imprensa. O lançamento agora prestes ao fim de ano com certeza foi fruto de uma forte estratégia publicitária. Tudo indica que o filme será um grande sucesso de bilheteria, mostrando como arrasar quarteirões continua sendo uma estratégia forte.

A mescla desses elementos explica muito o porquê de Guerra nas Estrelas fazer tanto sucesso. Ela usa e abusa de narrativas que historicamente se mostraram atraentes, traz cenas de ação empolgantes e tem uma fortíssima indústria de marketing por trás. Ao longo de tanto ano a produção angariou uma grande quantidade de fãs, o que garante um público fixo. A força publicitária é tão grande que é bastante provável que uma nova leva de fãs surja agora com esse novo episódio.


Postado por Guilherme Carvalhal
Em 17/12/2015 às 13h50


Mais Blog do Carvalhal
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




1808: como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a história de Portugal e do Brasil
Laurentino Gomes
Planeta do Brasil
(2007)



A Historia Mais Longa Do Mundo - Infanto
Rosane Pamplona
Brinque book
(2009)



Fort of Apocalypse 2
Yu Kuraishi e Kazu Inabe
Jbc
(2017)



Paisagem Vista do Trem
Antonio Calloni
Papirus 7 Mares
(2008)



Como Sair Dessa
Márcia Prado Sartorelli e Outros
Ftd
(1999)



O Direito é Legal
Lamartino Franca de Oliveira
Ltr



Transformando Crise Em Oportunidade
João Paulo dos Reis Velloso
José Olympio
(2007)



Yakuza - Um levantamento explosivo do submundo japonês do crime
David Kaplan & Alec Dubro
Record
(1986)



Um Artista do Mundo Flutuante
Kazuo Ishiguro
Rocco
(1989)



Werner Herzog: o Cinema Como Realidade
Lúcia Nagib
Estação Liberdade
(1991)





busca | avançada
51146 visitas/dia
1,8 milhão/mês