A Ilha Desconhecida | O Equilibrista

busca | avançada
33835 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Revisores de Texto em pauta
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ser intelectual dói
>>> O Tigrão vai te ensinar
>>> O hiperconto e a literatura digital
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Se for viajar de navio...
>>> Incompatibilidade...
>>> Alguns Jesus em 10 anos
>>> Blogues: uma (não tão) breve história (II)
>>> Picasso e As Senhoritas de Avignon (Parte I)
>>> Asia de volta ao mapa
Mais Recentes
>>> O Livro da moda de Alexandra Black pela Publifolha (2015)
>>> Rejuvelhecer a saude como prioridade de Sergio Abramoff pela Intrinseca (2017)
>>> O livro das evidencias de John Banville Tradução Fabio Bonillo pela Biblioteca Azul - globo (2018)
>>> O futebol explica o Brasil de Marcos Guterman pela Contexto (2014)
>>> O Macaco e a Essencia de Aldous Huxley pela Globo (2017)
>>> BATISTAS, Sua Trajetória em Santo Antônio de Jesus: o fim do monopólio da fé na Terra do Padre Mateus de Jorgevan Alves da Silva pela Fonte Editorial (2018)
>>> Playboy Bárbara Borges de Diversos pela Abril (2009)
>>> Sarah de Theresa Michaels pela Nova Cultural (1999)
>>> A Bela e o Barão de Deborah Hale pela Nova Cultural (2003)
>>> O estilo na História. Gibbon & Ranke & Macaulay & Burckhardt de Peter Gay pela Companhia das Letras (1990)
>>> Playboy Simony de Diversos pela Abril (1994)
>>> Invasão no Mundo da Superfície de Mark Cheverton pela Galera Junior (2015)
>>> José Lins Do Rego- Literatura Comentada de Benjamin Abdala Jr. pela Abril Educação (1982)
>>> A modernidade vienense e as crises de identidade de Jacques Le Rider pela Civilização Brasileira (1993)
>>> Machado De Assis - Literatura Comentada de Marisa Lajolo pela Abril Educação (1980)
>>> A Viena de Wittgenstein de Allan Janik & Stephen Toulmin pela Campus (1991)
>>> O Velho e o Mar de Ernest Hemingway pela Círculo do livro (1980)
>>> Veneno de Alan Scholefield pela Abril cultural (1984)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2007)
>>> Os Dragões do Éden de Carl Sagan pela Francisco Alves (1980)
>>> O Espião que sabia demais de John Le Carré pela Abril cultural (1984)
>>> Administração de Materiais de Jorge Sequeira de Araújo pela Atlas (1981)
>>> Introdução à Programação Linear de R. Stansbury Stockton pela Atlas (1975)
>>> Como lidar com Clientes Difíceis de Dave Anderson pela Sextante (2010)
>>> As 3 Leis do Desempenho de Steve Zaffron e Dave Logan pela Primavera (2009)
>>> Curso de Educação Mediúnica 1º Ano de Vários Autores pela Feesp (1996)
>>> Recursos para uma Vida Natural de Eliza M. S. Biazzi pela Casa Publicadora Brasileira (2001)
>>> Jesus enxuga minhas Lágrimas de Elza de Almeida pela Fotograma (1999)
>>> As Aventuras de Robinson Crusoé de Daniel Defoe pela LPM Pocket (1997)
>>> Bulunga o Rei Azul de Pedro Bloch pela Moderna (1991)
>>> Menino de Engenho de José Lins do Rego pela José Olympio (1982)
>>> Terra dos Homens de Antoine de Saint-Exupéry pela Nova Fronteira (1988)
>>> O Menino de Areia de Tahar Ben Jelloun pela Nova Fronteira (1985)
>>> Aspectos Endócrinos de Interesse à Estomatologia de Janete Dias Almeida pela Unesp (1999)
>>> Nociones de Historia Linguística y Estetica Literaria de Antonio Vilanova- Nestor Lujan pela Editorial Teide/ Barcelona (1950)
>>> El Estilo: El Problema y Su Solucion de Bennison Gray pela Editorial Castalia/ Madrid (1974)
>>> El Cuento y Sus Claves de Raúl A. Piérola/ Alba Omil (profs. Univ. Tucumán pela Editorial Nova, Buenos Aires (1955)
>>> Las Fuentes de La Creacion Literaria de Carmelo M. Bonet pela Libr. del Collegio/ B. Aires (1943)
>>> As Hortaliças na Medicina Doméstica/ Encadernado de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar (1976)
>>> A Flora Nacional na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Arlington Park de Rachel Cusk pela Companhia das Letras (2007)
>>> Muitas Vidas, Muitos Mestres de Brian L Weiss pela Salamandra (1991)
>>> As Frutas na Medicina Doméstica de Alfons Balbach pela A Edificação do Lar
>>> Coleção Agatha Christie - Box 8 de Agatha Christie; Sonia Coutinho; Archibaldo Figueira pela HarperCollins (2019)
>>> As Irmãs Aguero de Cristina García pela Record (1998)
>>> Não Faça Tempestade Em Copo Dágua no Amor de Richard Carlson pela Rocco (2001)
>>> Um Estudo Em Vermelho - Edição De Bolso de Arthur Conan Doyle pela Zahar (2013)
>>> Eu, Dommenique de Dommenique Luxor pela Leya (2011)
>>> Os Cavaleiros da Praga Divina de Marcos Rey pela Global (2015)
>>> O Futuro da Filosofia da Práxis de Leandro Konder pela ExpressãoPopular (2018)
BLOGS >>> Posts

Domingo, 23/10/2016
A Ilha Desconhecida
Heberti Rodrigo

+ de 800 Acessos



"Quero encontrar a ilha desconhecida, quero saber quem sou quando nela estiver" José Saramago


Não estava muito claro o que faria de minha vida quando abandonei a universidade. Somente depois de decorridos alguns meses em que estive completamente desorientado, descobri a escrita e, com ela, algo óbvio, embora nem sempre fácil de reconhecer, que para se encontrar, um homem há de se perder e, mais do que isso, precisa ter a humildade de admitir que se perdeu, ou que errou. Ao admitir que em algum momento me perdera, tornei a vivenciar sentimentos e sonhos que me acompanharam durante a infância e a adolescência, e pareciam-me terem ficado para trás. À medida que eles iam retornando, de um modo que ainda não sei explicar, ia me sentindo menos perdido. Era como se eu fosse me reencontrando comigo mesmo, com meu destino. Enquanto tudo isso acontecia, eu ganhava força, e recrudescia em mim a intuição de que em algum momento precisaria de dinheiro para ir além do ponto em que havia me perdido. Foi um tempo de recomeço, de reaprendizado, de preparação para tentar novamente. Intimamente sabia que uma hora chegaria novamente a este ponto. Sentia que ao atingi-lo teria de fazer uma aposta, tomar uma decisão incomum, e não poderia recuar ou protelá-la por muito tempo pelo simples medo de errar novamente ou pela dificuldade em relação ao dinheiro. Aliás, de modo algum, aceitaria que o dinheiro se tornasse uma desculpa para deixar de realizar o meu sonho. Não me esconderia atrás desta justificativa. Eu sabia que com um pouco de planejamento e sorte ele deixaria de representar um problema. Assim, ao longo de todos esses anos economizei sempre que pude, fazendo eu mesmo a limpeza da casa e com um orgulho terrível, semelhante ao descrito por Balzac em suas cartas, pouco tempo depois de sua chegada à Paris, em que dizia ter ele próprio de fazer a faxina em sua mansarda. Em 2012, quando respirei o ar de Paris pela primeira vez, fui tomado pela convicção de que era para lá que deveria voltar nos anos seguintes. Sem diplomas ou trabalho de carteira assinada, não imaginava como isso seria possível. Tinha que eu mesmo dar um jeito de encontrar como ir. Planejei e, com a ajuda da Namorada, tudo começa a se concretizar. Daqui em diante, sinto como se não dependesse mais de mim. É com o destino, com a vida. Não estou mais no controle, se é que se possa dizer que temos o controle sobre nossas próprias vidas. Quando se quer alargar os horizontes - e eu quero - temos de deixar a terra firme e nos atirarmos ao mar, às incertezas. É no mar que sentimos nossa pequenez, nossa insignificância, mas é também navegando em suas águas que descobrimos que o horizonte está um pouco mais além do que pensávamos, que podemos avançar mais do que acreditávamos que ser capazes. Se ficarmos em terra firme, levando nossas vidas como todos, não viveremos isso, e encolheremos. É navegando nossos próprios sonhos que grandes conquistas e descobertas pessoais se tornam reais, e, quando alcançamos uma delas, nos sentimos, também, maiores. Nossas vidas parecem se tornar maiores. A primeira das descobertas que fiz desde que aceitei as incertezas e dúvidas de ser quem sou, de desejar o que desejo, enfim, de viver como vivo foi a minha fé de que cedo ou tarde alcançarei meu destino. Com essa descoberta, descobri, também, que, às vezes, é preciso duvidar para se encontrar a própria fé. É preciso se perder para se encontrar, como disse. Quero mais descobertas. Quero ir à Paris. "Por quê?", perguntam-me. Porque busco na companhia de minha mulher e de nosso filho sentir que estou tornando minha vida maior. Quero dividir isso com eles, viver isso ao lado deles. Espero que bons ventos me levem a novas descobertas, a despeito do risco de tempestades e naufrágios. Viver também é isso: colocar a vida em risco para salvá-la, para não amesquinhá-la. Seja como for, estou pronto para navegar, para a vida, para perdas e reencontros, e é isto que responderei a todo aquele que me perguntar o que faremos em Paris. É um tanto vago, alguns dirão, no entanto, mais do que isso não posso dizer. Se insistirem em saber mais, direi que cabe a cada um descobrir por si mesmo o que tudo isto significa. O que significa viver? Que cada um procure a sua resposta. Que cada um procure a si mesmo e por si mesmo, se isso lhe for necessário. Para mim, é.

Segue um trecho lido ontem à noite, numa daquelas leituras ao acaso que tanto me surpreendem pela ligação com o que ando vivendo:

"Pedi demissão da IBM", diz.

"Que bom. O que vai fazer agora?"

"Não sei. Vou ficar ao léu um pouquinho, acho."

Ela espera ouvir mais, espera ouvir seus planos. Mas ele não tem mais nada a oferecer, nenhum plano, nenhuma idéia. Como é simplório. Por que uma garota como caroline se dá o trabalho de mantê-lo a reboque dela, uma garota que se aclimatou na Inglaterra, fez de sua vida um sucesso, que o passou para trás em todos os sentidos?

...não há despedida em seu último dia de trabalho. Ele esvazia sua mesa em silêncio, despede-se de seus colegas programadores. "O que você vai fazer?". pergunta um deles, com cautela. Evidentemente, todos ouviram a história da amizade; isso os deixa rígidos e incomodados. "Ah, vamos ver o que aparece", ele responde.

É um sentimento interessante, acordar na manhã seguinte sem ter de ir para nenhum lugar. Um dia de sol: pega o trem para Leicester Square, faz uma excursão pelas livrarias da Charing Cross Road. Está com a barba de um dia; resolveu deixar crescer a barba. Com uma barba talvez não pareça tão deslocado entre rapazes elegantes e garotas bonitas que saem das escolas de línguas e pegam o metrô. E que aconteça o que tiver de acontecer.

De agora em diante, decidiu, sempre vai se colocar no caminho do acaso. Os livros estão cheios de encontros casuais que levam ao romance - ao romance ou à tragédia. Está pronto para o romance, pronto até para a tragédia, pronto para qualquer coisa, de fato, contanto que seja consumido por isso e refeito. É por isso que está em Londres afinal: para se livrar do seu velho eu e se revelar em seu novo, verdadeiro, apaixonado eu; e agora não há impedimento à sua busca.

Paira no horizonte o problema do dinheiro. Suas economias não vão durar indefinidamente...Tudo o que pode fazer é esperar em prontidão o dia em que o acaso por fim lhe sorrir.

Trecho do livro Juventude, de J. M. Coetzee

Contato: [email protected]


Postado por Heberti Rodrigo
Em 23/10/2016 às 12h34


Mais O Equilibrista
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




OS PAÍSES BAIXOS
B. G. L. M. TOSSERAM
ND
(1950)
R$ 17,51



MACHADO DE ASSIS: DO FOLHETIM AO LIVRO
ANA CLÁUDIA SURIANI DA SILVA
NVERSOS
(2015)
R$ 60,00



NOUVELLE - ROMANCE
J. HUMBERTO HENRIQUES
DO AUTOR
(2009)
R$ 7,19



TRISTE FIM DE POLICARPO QUARESMA
LIMA BARRETO
ATELIÊ
(2001)
R$ 12,90



ROYAL BRIAR
MARCIANO LOPES
ARMAZÉM DA CULTURA
(2012)
R$ 35,00



ASSIM QUE PASSAREM CINCO ANOS - FEDERICO GARCÍA LORCA (TEATRO ESPANHOL)
FEDERICO GARCÍA LORCA
IMPRENSA OFICIAL
(2000)
R$ 8,00



NUNCA DESISTA DE SEUS SONHOS
AUGUSTO CURY
SEXTANTE
(2004)
R$ 46,83



PRÉCIS D OBSTÉTRIQUE EN 28 LEÇONS
DR. ERNEST BUMM
A MALOINE
(1912)
R$ 90,64



FILHO ADOTIVO - ROMANCE ESPÍRITA
ANTÔNIO CARLOS / VERA LÚCIA M. DE CARVALHO
PETIT
(1993)
R$ 10,00



PORTUGUÊSLÍNGUA E CULTURA
CARLOS ALBERTO FARACO
BASE
(2003)
R$ 15,00





busca | avançada
33835 visitas/dia
1,3 milhão/mês