A crítica de cinema na Amazônia - Acyr Castro | Relivaldo Pinho

busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Novo livro de Nélio Silzantov, semifinalista do Jabuti de 2023, aborda geração nos anos 90
>>> PinForPeace realiza visita à Exposição “A Tragédia do Holocausto”
>>> ESTREIA ESPETÁCULO INFANTIL INSPIRADO NA TRAGÉDIA DE 31 DE JANEIRO DE 2022
>>> Documentário 'O Sal da Lagoa' estreia no Prime Box Brazil
>>> Mundo Suassuna viaja pelo sertão encantado do grande escritor brasileiro
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> O Big Brother e a legião de Trumans
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
Colunistas
Últimos Posts
>>> Glenn Greenwald sobre a censura no Brasil de hoje
>>> Fernando Schüler sobre o crime de opinião
>>> Folha:'Censura promovida por Moraes tem de acabar'
>>> Pondé sobre o crime de opinião no Brasil de hoje
>>> Uma nova forma de Macarthismo?
>>> Metallica homenageando Elton John
>>> Fernando Schüler sobre a liberdade de expressão
>>> Confissões de uma jovem leitora
>>> Ray Kurzweil sobre a singularidade (2024)
>>> O robô da Figure e da OpenAI
Últimos Posts
>>> Salve Jorge
>>> AUSÊNCIA
>>> Mestres do ar, a esperança nos céus da II Guerra
>>> O Mal necessário
>>> Guerra. Estupidez e desvario.
>>> Calourada
>>> Apagão
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Os Doze Trabalhos de Mónika. 2. O Catolotolo
>>> Dá-lhe, Villa!
>>> Controlando o acesso à Web
>>> O escritor está nu
>>> Lamartine Babo e futebol, uma simbiose
>>> Quem é Daniel Lopes
>>> Arte é intriga
>>> Primavera e Jukebox
>>> 20 anos de Trapo
>>> Bonjour, tristesse
Mais Recentes
>>> 4 Vols. Elric - Navegante nos Mares do Destino de Michael Moorcock; Roy Thomas; M. Gilbert pela Abril (1991)
>>> África, Missão Possível: Uma Fantástica Aventura Missionária Pelos Países Da Janela 10/40 de Davi Tavares; Ângela Tavares pela Paradigma (2013)
>>> Victor Hugo - Poèmes de Isabelle Jan, Emmanuel Fraisse pela Nathan (1985)
>>> Talvez Agora de Colleen Hoover pela Galera (2023)
>>> Relações Étnico-raciais Para o Ensino da Identidade e da Diversidade Cultural Brasileira de Mario Sergio Michaliszyn pela InterSaberes (2014)
>>> The postal history research magazine 13 - Chinese de Varios Autores pela Chinesa (1910)
>>> Livro Literatura Brasileira Um Exu Em Nova York de Cidinha da Silva pela Pallas (2018)
>>> Um Porto Seguro de Nicholas Sparks pela Novo Conceito (2012)
>>> Do fracasso ao sucesso na arte de vender de Frank Bettger pela Ibrasa (1978)
>>> Livro Administração A Nova Gestão na era do Conhecimento Visão 16 Mentes Influentes de Marcello Beltrand - Coord. pela Leader (2016)
>>> Bibliocollège - Andromaque, Racine de Jean Racine pela Hachette (2000)
>>> Livro Medicina Laboratorial Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar de Adagmar Andriolo pela Manole (2005)
>>> Direito e Justiça Em Terras D El Rei na São Paulo Colonial 1709 - 1822 de Adelto Gonçalves pela Imprensa Oficial (2015)
>>> Dez Formas De Fazer Um Coração Se Derreter de Sarah Maclean pela Arqueiro (2016)
>>> Livro Administração Building Public Trust the Future of Corporate Reporting de Samuel A. Dipiazza Jr. & Robert G. Eccles pela John Wiley & Sons (2002)
>>> Maior Espetaculo Da Terra, O: 30 Anos De Sambodromo de Luiz Carlos Prestes Filho pela Lacre (2015)
>>> Miles Morales: Homem - Aranha Cai dentro! de Ahmed Garron pela Panini Comics
>>> Esthétique du Cinéma de Gerard Betton pela Presses Universitaires De France (1994)
>>> Livro Administração Fazer Acontecer de Júlio Ribeiro pela Cultura Editores Associados (1994)
>>> Livro Literatura Brasileira Memorial de Maria Moura de Rachel de Queiroz pela Siciliano (1992)
>>> As Coisas Que Nunca Superamos de Lucy Score pela AltaNovel (2023)
>>> O Paciente de Jasper DeWitt pela Planeta Minotauro (2021)
>>> Spy Dog - Volume 2 de Andrew Cope pela Fundamento
>>> Reverbero constitucional fluminense edição fac-similar 1821-1822 3 Volumes de N/a pela Biblioteca Nacional
>>> Livro Literatura Estrangeira O Lado Bom da Vida de Matthew Quick; Alexandre Raposo pela Intrinseca (2012)
BLOGS >>> Posts

Quinta-feira, 27/10/2016
A crítica de cinema na Amazônia - Acyr Castro
Relivaldo Pinho
+ de 2000 Acessos


Livro de Acyr Castro. Foto: Relivaldo Pinho


Acyr Castro já não gozava da importância que nas décadas de 1960 e 1970 o transformaram no crítico mais relevante de cinema do Pará. Acyr morreu no último 15 de setembro. Aqui, pela morte, busca-se alguma “atualização”. Em 2003, um projeto de pesquisa sobre o cinema na Amazônia, patrocinado pelo CNPq, buscava aumentar, pela importância histórica que a exibição teve na Amazônia, os estudos sobre o cinema na região.[1] Acyr, já ladeado por um isolamento, foi o entrevistado.

Indagado sobre se o cinema possuía alguma função, a partir de sua opinião em Cinema: um close nos 100 anos (1995) — no qual ele dizia que “o cinema sempre será uma ficção”, criticava a “arte politicamente correta e os guardiões da moral e dos bons costumes” e terminava dizendo: “que o diabo os leve a todos” —, Acyr respondeu: “lá é o lugar deles, a arte, se for levada a sério, não será imutável, mas ela sempre será reconhecida como manifestação de inteligência e de sensibilidade”.

Inteligência e sensibilidade. Palavras gastas hoje. Mas palavras que servem para definir alguns fundamentos do trabalho de Acyr. Não a inteligência que se faz apenas por opiniões enciclopedistas, mediadas pela angústia do agora e determinada pelo vazio da repetição. Não a sensibilidade que se derrama diante de imagens em afetação de irascibilidade ou bonomia. Mas a crítica como inscrição estética que persuade pelo conhecimento e pela interpretação gerativa.

Nem sempre seu texto foi assim compreendido e, em alguns momentos, ele pagaria um preço por isso. O episódio expressivo é a crítica ao filme de Líbero Luxardo, Um dia qualquer (1965). Líbero era personagem influente em Belém e a produção do primeiro longa-metragem do estado causava alvoroço no meio cultural.

Acyr, na década de 1960, tinha uma coluna em “A Província do Pará” e um programa na Tv Marajoara, chamado Tele-Cine, considerado por ele o primeiro programa sobre cinema na televisão brasileira. Do programa participariam, para termos uma ideia da importância da crítica e do cinema no período, dentre outros, Benedito Nunes, Francisco Paulo Mendes, João de Jesus Paes Loureiro.

Não conhecemos os registros do programa. Mas conhecemos o registro do jornal. Acyr, que teria sido consultado para participar do roteiro do filme e fizera uma ponta na película, seria demolidor.

O mais importante crítico, quando isso importava, da época denominaria a produção de um “desperdício de todo um material fotogênico”, que poderia ter sido, pelo menos, um “documentário melhorzinho” e que, pelos problemas estéticos, o filme acabou “resolvendo-se na base do pior dramalhão rádionovelesco”.

O ambiente cultural e burocrático reagiu. Acyr disse que, ao contrário do que se poderia imaginar, sua crítica fora realizada com o maior cuidado, “com luvas de pelica”.

Em Proteção contra a inocência (1985), ele reproduziria alguns textos sobre a polêmica. Em um deles, para termos uma noção de sua ideia de crítica, ele dizia que “bem consideradas as coisas, criticar ‘Um dia qualquer’ é, sob determinado ponto de vista, uma atitude corajosa (no nosso caso: coerente, lógica, consequente, absolutamente normal e rotineira), e impossível será não compreender a posição acomodado-sentimental de certas pessoas, no fundo boazinhas e de excelente caráter, que acham difícil a situação do cronista ao cumprir sua tarefa de analisar”.

Além de seu fascínio por A paixão de Joana D`arc (1928), de Carl Dreyer, em sua entrevista, ele falaria sobre a geração de realizadores das décadas de 1960 e 1870 que, em Belém, se dedicou a fazer filmes de caráter tecnicamente amador, mas, em alguns casos, esteticamente inovadores: “com o mesmo rigor que eu falo dos filmes dos outros eu falo dos filmes dos meus amigos. Daquela geração a melhor coisa, na minha opinião, foi um filme chamado Sombras (1977), do Vicente Cecim. Comoveu-me ao mostrar a velhice”.

Parte dessa trajetória crítica do cinema paraense já foi exposta como tema de pesquisa.[2] Mas ainda é uma pequena parte, para tema com o qual, através da crítica de Acyr, por exemplo, se pode ler uma época, uma história. A pesquisa, como crítica, atualização, precisa se voltar para as histórias ladeadas por um isolamento.

A crítica para Acyr não se isolava em termos técnicos, uma comparação acumuladora de referências fílmicas ou uma justificativa sociológica. Para ele, como escrevi na dedicatória do livro Amazônia, cidade e cinema (2012), “a crítica era uma forma de ler o mundo”.


*Uma versão deste texto foi publicada em O Liberal, em 16 de setembro de 2016.

[1] O projeto chamava-se “Processos Comunicacionais, Cinema e Identidade: subsídios para políticas culturais na Amazônia”. Integrantes: Oswaldo Coimbra (Coordenador), Relivaldo Pinho, Raphael Silveira, Gláucio Lima, Artur Arias Dutra. Dentre outras atividades o projeto editou dois livros: Cláudio Barradas: o lado invisível da cultura amazônica, de Oswaldo Coimbra; e Cinema na Amazônia: textos sobre exibição, produção e filmes, organizado por Relivaldo Pinho.
[2] Como, por exemplo, minha abordagem sobre esse tema em: Antropologia e filosofia: experiência e estética na literatura e no cinema da Amazônia. ed.ufpa, 2015. E
MESQUITA, Maria José do S. Monteiro. Libero Luxardo: o cineasta da Amazônia. Monografia apresentada como pré-requisito para a conclusão do curso de Comunicação Social.


Postado por Relivaldo Pinho
Em 27/10/2016 à 00h11

Mais Relivaldo Pinho
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Meals For Good Health
Karen Graham
Canadian Diabetes Association
(1998)



Às Margens do Sena
Reali Jr.
Ediouro
(2007)



Milho pra Galinha, Mariquinha
Marisa Raja Gabaglia
Sabiá
(1972)



Pérola e a Bolsa Perdida
Wendy Harmer
Fundamento
(2006)



A Revolução Dos Bichos
George Orwell
Companhia Das Letras
(2007)



Cultura e Comunicação
Edmund Leach
Edições 70
(2009)



O Primo do Amigo do meu Irmão
Angela CArneiro
Quinteto
(1994)



Arbitragem e Poder Judiciário - Proposta para um Diálogo
Maria Carolina Nery
Revista dos Tribunais
(2020)



Passageiro do Fim do Dia
Rubens Figueiredo
Companhia das Letras
(2010)



Livro Literatura Brasileira Surpresa
Fernando Alberto
Mente Cerebro
(2010)





busca | avançada
84380 visitas/dia
2,0 milhão/mês