A viuvez da palavra | Ezequiel Sena, BLOG

busca | avançada
31759 visitas/dia
922 mil/mês
Mais Recentes
>>> Caixa Cultural recebe grande mestre de Shakuhachi
>>> Pesquisadores analisam como se forjam as políticas urbanas das metrópoles
>>> Formação on-line de Gramática para preparadores e revisores de texto
>>> Ballet Acadêmico da Bahia apresenta Clássicos Disney no TCA
>>> Sesc Belenzinho apresenta Vertin e seu novo álbum Pásssaro Só
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> A barata na cozinha
>>> Uma Receita de Bolo de Mel
>>> O Voto de Meu Pai
>>> Inferno em digestão
>>> Hilda Hilst delirante, de Ana Lucia Vasconcelos
>>> As pedras de Estevão Azevedo
>>> O artífice do sertão
>>> De volta à antiga roda rosa
>>> O papel aceita tudo
>>> O tigre de papel que ruge
Colunistas
Últimos Posts
>>> Eleições 2018 - Afif na JP
>>> Lançamentos em BH
>>> Lançamento paulistano do Álbum
>>> Pensar Edição, Fazer Livro 2
>>> Ana Elisa Ribeiro lança Álbum
>>> Arte da Palavra em Pernambuco
>>> Conceição Evaristo em BH
>>> Regina Dalcastagné em BH
>>> Leitores e cibercultura
>>> Sarau Libertário em BH
Últimos Posts
>>> Casa de couro IV
>>> 232 Celcius, ou Fahrenheit 451
>>> Mãe
>>> Auto contraste
>>> Os intelectuais e a gastronomia
>>> Cabeças Cortadas
>>> Fiandeiras
>>> A mim importa, e a você?
>>> O INVISÍVEL
>>> Considerações finais: a arte de fazer política
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Cristóbal Balenciaga
>>> Rio das Ostras (II)
>>> Poesia vira imagem: Ronald Polito e Guto Lacaz
>>> O melhor de 2008 ― literatura e cinema
>>> Primeiros copos da noite
>>> O cristianismo para Nietzsche
>>> E Viva a Abolição - a peça
>>> O conto como labirinto em Milton Hatoum
>>> Aos plagiadores em geral
>>> Referências
Mais Recentes
>>> Sarney: a biografia de Echeverria, Regina pela Leya (2011)
>>> Charles Chaplin de Flavia Muniz pela FTD (2017)
>>> Pequeno livro de reflexão de Anônimo pela Wkids (2010)
>>> Este é o dia do seu milagre: experimente o sobrenatural poder criador de Hinn, Benny pela Bompastor (2001)
>>> O fascinante império de Steve Jobs de Michael Moritz pela Universo dos livros (2010)
>>> Tratado de Responsabilidade Civil - Doutrina e Jurisprudência de Rui Stoco pela Revista dos Tribunais (2014)
>>> Mentoring - Abrindo Horizontes, Superando Limites, Construido Caminhos de Rosa Elvira Alba de Bernhoeft pela Gente (2001)
>>> O Direito à Cidade de Henri Lefebvre pela Centauro (2008)
>>> O Direito à Cidade de Henri Lefebvre pela Centauro (2008)
>>> O Direito à Cidade de Henri Lefebvre pela Centauro (2008)
>>> Coração Ferido de Chelsea Cain pela Suma de Letras (2007)
>>> Noturno de Havana de T. J. English pela Pensamento Cultrix (2011)
>>> Luzia-Homem de Domingos Olímpio pela Escala (2007)
>>> Cinco Minutos e a Viuvinha de José de Alencar pela Escala (1999)
>>> O Poder da Oração Que Cura de Larry Dossey pela Agir (2015)
>>> Coleção Espetáculos do Galpão - Textos de Rua de Eduardo Moreira (Org.) pela Autêntica (2007)
>>> Zé Carioca - Nº 2395 de Equipe Disney pela Abril (2015)
>>> Zé Carioca - Nº 2394 de Equipe Disney pela Abril (2015)
>>> Zé Carioca - Nº 2392 de Equipe Disney pela Abril (2015)
>>> Zé Carioca - Nº 2371 de Equipe Disney pela Abril (2015)
>>> Pato Donald - Nº 2432 de Equipe Disney pela Abril (2015)
>>> Pato Donald - Nº 2430 de Equipe Disney pela Abril (2015)
>>> Pato Donald - Nº 2429 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Pato Donald - Nº 2428 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Pato Donald - Nº 2410 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Pato Donald - Nº 2406 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Pateta - Nº 48 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Pateta - Nº 37 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Pateta - Nº 36 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Pateta - Nº 35 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Pateta - Nº 04 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Minnie - Nº 39 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Minnie - Nº 34 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Minnie - Nº 02 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Mickey - Nº 881 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Mickey - Nº 848 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Mickey - Nº 837 de Equipe Disney pela Abril (2016)
>>> Novos Andarilhos do Bem de Luciana Chaui-Berlinck pela Autêntica (2012)
>>> Currículo e Políticas Públicas de Luiz Alberto Oliveira Gonçalves pela Autêntica (2003)
>>> A Poesia Vai à Escola de Neusa Sorrenti pela Autêntica (2013)
>>> Segredos de Um Rato de Laboratório - Meninas Não Entram (Cachorros Tudo Bem !) de Trudi Trueit pela Gutenberg (2012)
>>> Segredos de Um Rato de Laboratório - Mamãe, Tem Um Dinossauro no Lago Beeson de Trudi Trueilt pela Gutenberg (2013)
>>> O Homem e a Montanha de João Camillo de Oliveira Torres pela Autêntica (2011)
>>> Ensino Régio na Capitania de Minas Gerais ,1772 - 1814 de Thais Nivia de Lima e Fonseca pela Autêntica (2010)
>>> D. Maria da Cruz e a Sedição de 1736 de Angela Vianna Botelho pela Autêntica (2012)
>>> Inventamos ou Erramos de Simón Rodríguez pela Autêntica (2016)
>>> Estética Filosófica Para o Ensino Médio de Fernando R. de Moraes Barros pela Autêntica (2012)
>>> Melhor é o fim das coisas do que o início delas de Fialho, Cristina pela Getsêmani (2014)
>>> O Ensaio Geral - Marx e a Crítica da Economia Política (1857-1858) de João Antônio de Paula (Org.) pela Autêntica (2010)
>>> A Profecia de Samsara de Leticia Vilela pela Gutenberg (2014)
BLOGS >>> Posts

Terça-feira, 14/2/2017
A viuvez da palavra
Ezequiel Sena

+ de 700 Acessos

Texto vencedor do Prêmio Nacional Assis Chateaubriand de Redação - 16ª edição/2010 -, em homenagem ao poeta Carlos Drummond de Andrade.

Pela fresta da janela entreaberta, côa-se uma luz fêmea, de manhã nascitura. Raio sorrateiro pousa rasante sobre “A Rosa do Povo” em cima da mesa desarrumada do escritório. Abre-se o livro, bebe-se o cálice diário de poesia.

Lá fora, o sol ladrilha o dia, escancarado em luzes e cores, e o calendário do relógio lembra que é 17 de agosto. Há 23 anos, morria Carlos Drummond de Andrade. De tão multifacetado, até dizem por aí que a morte emendou a Gramática: “Morreram Carlos Drummond de Andrade”.

Uma concordância ideológica para os tantos poetas que trazia em si. Morta Julieta, filha e razão da sua vida, coração se esvaziou, resolveu pedir licença, fechar a porta e ir-se, morrer-se. Nesta inusitada transitividade do verbo morrer – aí proposital – evoca-se o modernismo transgressor, de cujas águas, um dia, bebeu o poeta.

Farmacêutico por formação, jornalista por sobrevivência, poeta por sina, não mais gastaria “uma hora pensando num verso que a pena não quer escrever”. “Pássaro […] livre na prisão do ar”, por certo, poderá, agora, penetrar “surdamente o reino das palavras” à cata das suas íntimas parceiras numa metalinguagem recorrente.

Pois bem, sem Drummond sobra uma dormência no território das palavras: um tanto de viuvez, um tanto de deserto. Elas se recolhem dicionarizadas, cobertas de pó, expostas nas prateleiras, à espera de um demiurgo que as ressuscite, que as reinvente, que as desperte do estado letárgico de hibernação.

É verdade: palavras rasas se esgotam no estro de outro, menos no de Drummond, que lhes resgata um significado novo com a lógica de uma semiótica ousada. Sem ele, palavra é pássaro de gaiola, é terra lavada e estéril, perde a liga, não dá tijolo para o verso, mergulha-se na trivialidade do óbvio, perde o brilho da alegoria, não insufla de alma o poema.

Sem ele, palavras são velhas prostitutas que não suportam a luz da manhã a lhes expor as rugas, a lhes desmascarar o viço postiço de uma maquiagem barata. Sem Drummond, sobra um outono sombrio e temporão na estação dos versos. Vestiu palavras gastas com tecidos novos – chitas ou sedas – e fê-las crer-se vestais nunca dantes manipuladas, ataviadas em pedrarias.

Assim, rompeu-lhes a maldição de “estado de dicionário” e as dicotomias denotação/conotação, significado/sentido. Soprou-lhes espírito de animação e fê-las pairar como a onda antes de arrebentar-se nas pedras da escarpa e, assim, postarem-se coaguladas, num instante eterno, à espera que sua pena as colhesse na plenitude da essência para o cio alquímico do poema, espraiando-se num mar de significados e vida, pois que, de cara lavada, palavra não gesta poesia e descamba para a noite eterna da insignificância.

Palavra na tinta de Drummond é bicho vivo, pulsa, queima, sangra, veste-se das mais inimagináveis metáforas, para decantar a angústia humana nas cenas triviais de uma “vida besta, meu Deus”. Conquanto armado de misterioso alçapão de pegar momentos, o fazer poético em Drummond era uma quase contrição, tão natural como o germinar de sementes; tão despojado, a ponto de decantar a flor plebéia, tímida, insegura e amedrontada que “furou o asfalto, o tédio, o nojo, o ódio”. Tudo tinha a duração de uma vírgula pausando a eternidade de um minuto.

Drummond transitava entre o destecer de significados e o entretecer de outros, até que elas (as palavras) saltassem novinhas em folha para dentro do poema. Um mesmo vocábulo, corpo morto em lavra pobre, enraíza-se na seara do poeta e viça com vigor de ineditismo. Assim como, no dizer de Octávio Paz, “a pedra triunfa na escultura e humilha-se na escada, e a matéria, vencida ou deformada no utensílio, recupera seu esplendor na obra de arte”, na estética drummondiana, as palavras flutuam num campo semântico de sentidos vários, e se transubstanciam.

Hábil, Drummond sabia cortejar as emoções, de modo a cristalizá-las em versos, para o regalo e banquete do leitor. Há um abismo intransponível entre a poesia do momento e o ato de registrá-la, porque a matéria-prima do poema é etérea, fugaz, insubstancial, intangível, embora com intermitência de vaga-lume. Entanto, ante Carlos Drummond de Andrade, o fio do tempo – bicho arisco – estanca-se num coágulo poético, sem, paradoxalmente, deixar de fluir na sua sina e sede de eternidade.

Bem que Drummond poderia ter-se atido, tão somente, a decantar as mísulas das janelas barrocas, o cheiro de incenso fumegando nos turíbulos das novenas, a métrica dos pilões batendo cantigas nos quintais mineiros. Mas seu evangelho de versos era um tanto desmesurado a não caber no paroquialismo de sua aldeia. Havia de chegar, sim, o tempo do saudosismo, do tom afetuoso, em que, marcando sua poesia com o fogo da lembrança, “Itabira é apenas uma fotografia na parede”, a doer desatinada na alma do poeta, pois “Minas não há mais. José, e agora?”

O tom silencioso de “Infância”, a presença antitética da “preta velha No meio dia branco de luz”, a ingenuidade daquele “menino que ao sol posto perde a sabedoria das crianças” nem lhe davam conta de que sua “história era mais bonita que a de Robinson Crusoé”.

Drummond, uma caravela de seguidores navega nas águas abissais dos teus versos, vezes confessa como Adélia do Prado com “Quando nasci um anjo esbelto…”, vezes velada no “Brejo da Cruz” de Chico Buarque, vezes outras ignotas nos anônimos discípulos que fizeste. É fato que ainda há leiteiros, virgens ou não, varando a solidão das madrugadas; Minas cristalizadas nos retratos empoeirados de um casarão qualquer por entre montanhas num silêncio quase litúrgico; histórias de desamor em vestidos pendurados; josés perdidos na “Máquina do Mundo”; o tempo, em fatais, ainda “industrializa a esperança” de ano-novo; e a “Verdade”, recolhe-se na geometria das metades, num contínuo desafiar que a vejam “conforme seu capricho, sua ilusão, sua miopia”.

Na sua oblíqua relação com o “Bruxo do Cosme Velho”, teria Drummond herdado um jeito Capitu de trair as palavras, saindo de cena silenciosa e sorrateiramente? Ou foram elas que, por não acompanhá-lo, zanzam loucas de orfandade farejando “faces secretas sob a face neutra”? Quem se arriscaria a dizer?

O certo é que Drummond deixou viúva a palavra e não levou apenas “Alguma Poesia”, mas carregou consigo, entre “Versiprosa”, todo o “Sentimento do Mundo”.

(Texto gentilmente cedido pelo poeta: Esechias Araújo Lima)


Postado por Ezequiel Sena
Em 14/2/2017 às 10h04


Mais Ezequiel Sena, BLOG
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




UM AMOR DE CINEMA: UMA LISTA, DOIS CARAS, DEZ FILMES
VICTORIA VAN TIEM
VERUS
(2014)
R$ 8,00



BAÍA DE GUANABARA: DESCASO E RESISTÊNCIA
EMANUEL ALENCAR
MÓRULA EDITORIAL
(2016)
R$ 20,00



COMO TRANSFORMAR SONHOS EM REALIDADE
NERIVALDO LIRA ALVES
THOMAS NELSON BRASIL
R$ 20,17



GUIA DO ESTUDANTE VESTIBULAR + ENEM HISTÓRIA 2018
JOSE CESAR DE SOUZA
ABRIL
(2018)
R$ 19,90



IMAGINE AN ENGLISH COURSE FOR BEGINNERS Nº 1 + EXTRA ACTIVITIES 2 VOL
COORD RITA DE CÁSSIA TRAFANE SANTOS
CENTRO CULTURAL AMERICANO
(1995)
R$ 25,00



DINÁMICAS DE RECREACIÓN Y JUEGOS - SILVINO JOSÉ FRITZEN
SILVINO JOSÉ FRITZEN
LUMEN
(1995)
R$ 15,00



RUPTURAS POSSÍVEIS: REPRESENTAÇÃO E COTIDIANO NA SÉRIE OS ASSUMIDOS (QUEER AS FOLK)
SOFIA ZANFORLIN
ANNABLUME
(2005)
R$ 39,48



TODAS AS MULHERES DE HITLER
ERICH SCHAAKE
LAFONTE
(2012)
R$ 7,00



IMAGINÁRIO DA MAGIA. MAGIA DO IMAGINÁRIO
MONIQUE AUGRAS
VOZES
(2009)
R$ 32,00



GRETA GARBO(BIOGRAFIA)
ALFREDO STEMHEIM
SAMPA
(2016)
R$ 7,00





busca | avançada
31759 visitas/dia
922 mil/mês