Dois anos de Cinema Independente | Cinema Independente na Estrada

busca | avançada
56607 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> FAAP discute Semana de Arte Moderna de 22
>>> Toda Quinta retoma 1ª edição no Teatro Vivo com menção a Dominguinhos
>>> ENSINAR A FAZER - MARCENARIA
>>> O Peso do Pássaro Morto faz duas sessões online dias 30 e 31/10
>>> Exposição recupera a memória da ditadura brasileira
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Eleições na quinta série
>>> Mãos de veludo: Toda terça, de Carola Saavedra
>>> A ostra, o Algarve e o vento
>>> O abalo sísmico de Luiz Vilela
>>> A poesia com outras palavras, Ana Martins Marques
>>> Lourival, Dorival, assim como você e eu
>>> O idiota do rebanho, romance de José Carlos Reis
>>> LSD 3 - uma entrevista com Bento Araujo
>>> Errando por Nomadland
>>> É um brinquedo inofensivo...
Colunistas
Últimos Posts
>>> Michael Dell on Play Nice But Win
>>> A história de José Galló
>>> Discoteca Básica por Ricardo Alexandre
>>> Marc Andreessen em 1995
>>> Cris Correa, empreendedores e empreendedorismo
>>> Uma história do Mosaic
>>> Uma história da Chilli Beans
>>> Depeche Mode no Kazagastão
>>> Uma história da Sambatech
>>> Uma história da Petz
Últimos Posts
>>> Mundo Brasil
>>> Anônimos
>>> Eu tu eles
>>> Brasileira muda paisagens de Veneza com exposição
>>> Os inocentes do crepúsculo
>>> Inação
>>> Fuga em concerto
>>> Unindo retalhos
>>> Gente sem direção
>>> Além do ontem
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Um homem de Oz
>>> 12 de Junho #digestivo10anos
>>> crônica - ou ensaio - à la hatoum
>>> Prenda-me se for capaz
>>> Sobre futebol e hinos nacionais
>>> Zeitgeist
>>> Capacidade de expressão X capacidade linguística
>>> Silêncio e grito
>>> Sejam Bem-Vindos
>>> A alma boa de Setsuan e a bondade
Mais Recentes
>>> Invisível cativeiro de Roberto De Carvalho pela Aliança (2017)
>>> Putting Peace Into Practice de Nancy Nyquist Potter(editor) pela Rodopi (2004)
>>> Nove Partes do Desejo o Mundo Secreto das Mulheres Islâmicas de Geraldine Brooks pela Gryphus (1996)
>>> Os contos de beedle o bardo de J.K. Rowling pela Rocco (2008)
>>> Saúde Integral de Márcia Regina Colasante Salgado pela Ame (2017)
>>> Iracema em cena de Walcyr Carrasco pela Ática (2008)
>>> A Kabbalah da alma de Leonora Leet pela Madras (2006)
>>> O livro das princesas de Meg Cabot pela Galera Record (2013)
>>> Wicca Para Todos: um Guia Completo Para a Prática da Bruxaria Moderna de Claudiney Prieto pela Alfabeto (2013)
>>> O Acaso Criador- O Poder Criativo do Acaso de Rémy Lestienne pela Edusp (2008)
>>> Prova de fogo de Pedro Bandeira pela Scipione (1999)
>>> Jesus viveu na índia de Holger kersten pela Best Seller (1988)
>>> A mente de Deus de Dr. Jay Lombard pela Cultrix (2018)
>>> Lutando na espanha de George Orwell pela Globo (2006)
>>> Seu universo interior: Você é a história da humanidade de Jiddu Krishnamurti pela Planeta do Brasil (2018)
>>> A História da Filosofia de Anne Rooney pela M.Books (2015)
>>> Carlos Sciliar de Roberto Pontual pela Emanoel Araujo (1983)
>>> Partidos e Modelo Politico de Ismael Gonzalez pela Julex
>>> Dissociação da Sociedade Mercantil de Alberto Gomes da Rocha Azevedo pela Resenha Universitária (1975)
>>> Curso de Direito Penal Volume 1 Parte Geral de Wiliam Wanderley Jorge pela Forense (1986)
>>> Curso de Direito da Criança e do Adolescente de Cristiane Dupret pela Ius (2012)
>>> Osuna de Frente de Alvaro Montoya Gomez pela El Ancora (1983)
>>> Teoria dos Salários de K W Rothschild pela Quadrante (1971)
>>> Sociedades Anônimas 2 Volumes de Aloysio Lopes Pontes pela Forense (1957)
>>> Tutela Especifica de Luiz Guilherme Marinoni pela Resenha Tributária (2001)
BLOGS >>> Posts

Quinta-feira, 9/3/2017
Dois anos de Cinema Independente
Fabio Gomes

+ de 1400 Acessos

No domingo, 26, completaram-se dois anos do lançamento no YouTube do meu primeiro curta-metragem. Ou seja, a rigor, são dois anos de minha atividade como cineasta. É evidente que, numa arte como o Cinema, a confecção da obra antecede (às vezes de muito) a sua comunicação ao público, mas também não há dúvidas de que um filme, ou qualquer obra de arte, só se realiza de fato quando encontra espectadores dispostos a apreciá-lo. 


Exibição do filme Tia Zefa no Dia da Consciência
Negra 2014 em Paraíso (TO) - 22.7.15
(Foto: Cláudio Macagi)


Meu primeiro filme lançado, Tia Zefa no Dia da Consciência Negra 2014, fora filmado pouco mais de três meses antes do lançamento - mais exatamente em 20 de novembro de 2014, no Centro de Cultura Negra do Amapá, em Macapá. Este curta inaugurou a série "As Tias do Marabaixo", que abrangeu mais quatro filmes (Tia Chiquinha, Tia Biló, Natalina e Tia Zezé no Encontro dos Tambores). Ainda em 2015, rodei o sexta curta, Você é África, Você é Linda, em Jequié (BA). O sétimo filme, um nanometragem (filme cuja duração é menor que 1 minuto), foi disponibilizado há apenas nove dias: Vê se Vê, produzido em Porto Velho em 2014 e o único lançado no Vimeo. 

Sete filmes em dois anos me parece um saldo extremamente positivo, ainda mais se considerar que todos são totalmente independentes, sem financiamento público ou privado para sua realização (como costumo brincar, são "100% Meu Bolso Produções"). De toda essa safra, os mais vistos são os da série "As Tias do Marabaixo", que além de inúmeras exibições em Macapá entre 2015 e 2016, foram apresentados também ao público de Paraíso (TO), Salvador e Porto Velho. Houve ainda exibições para os participantes da minha Oficina de Cinema Independente, que teve duas edições até o momento - Jequié, 2015 e Belém, 2016. Em breve, deverão acontecer novas apresentações, já que o projeto foi selecionado em editais para exibição este ano em Belém e Porto Alegre. O curta Tia Biló abriu a Mostra Cine Redemoinho em Angra dos Reis (RJ) em novembro passado. 

A própria Oficina de Cinema, bem como o lançamento de seu texto-base (Cinema Independente) como e-book, é um desdobramento natural do meu trabalho como cineasta. Não basta produzir e exibir, é preciso deixar um legado - o que aprendi com o produtor cultural André Donzelli, o Porkão, grande agitador cultural de Palmas. 

Mas, ok, efetivamente são dois anos do primeiro lançamento. O que eu nunca contei antes foi que minha ideia de fazer cinema não começou quando decidi iniciar o projeto "As Tias do Marabaixo", em abril de 2014. O primeiro projeto de filme que escrevi foi em 2005, num edital do Prêmio Odebrecht de Pesquisa Histórica Clarival do Prado Valadares. O edital contemplaria o financiamento de uma pesquisa, com pelo menos um desdobramento obrigatório (a publicação em livro), porém o proponente ficava livre para sugerir outros produtos derivados. Propus então contar a história do Barra 69, como ficou conhecido o show da despedida de Caetano Veloso e Gilberto Gil, em julho de 1969, quando a ditadura militar os obrigou a deixar o Brasil. Caetano e Gil foram acompanhados no show realizado no Teatro Castro Alves (Salvador) pela banda Lief''s, integrada por, entre outros, os irmãos Pepeu e Jorginho Gomes; consta que ao final do show Pepeu foi oficialmente convidado por Moraes Moreira e Galvão para fazer parte dos Novos Baianos. O projeto se chamaria "Aquele Abraço (Barra 69)" - Gil gravou o samba "Aquele Abraço" na véspera de partir para o exílio, e lançou a música no show. 

Até onde eu saiba, nunca houve um livro no Brasil dedicado a falar de um único show (e, como meu projeto não foi aprovado, continua não havendo - risos). Pois bem: além do livro, resolvi incluir no projeto a realização de um longa-metragem de animação contando a história do show! Um projeto relativamente caro, que de fato só poderia ter sido feito caso eu houvesse vencido aquele edital. Lembro que cheguei a comentar o projeto com o próprio Gil, então ministro da Cultura, na reunião que tivemos no Teatro Apolo, no Recife, em fevereiro de 2007. Também falei dele a Moraes Moreira, quando o entrevistei por ocasião de sua apresentação na Feira do Livro de Porto Alegre de 2008 (inclusive Moraes me disse que ele e Galvão já sacavam o Pepeu antes desse show). Enfim, hoje sei que o projeto não só seria muito caro como envolveria um mar de autorizações de pessoas vivas e de herdeiros de pessoas já falecidas, sem falar nos direitos autorais da trilha sonora (minha ideia era usar como base o LP Barra 69, com o áudio de parte do show). 

Agora, a considerar o depoimento de minha mãe, minha vontade de fazer cinema vinha de muuuuito antes de 2005. Lembro que, quando lhe contei do projeto Barra 69, ela recordou uma fala minha ainda muito pequeno, da qual realmente eu não me lembrava, dizendo algo no estilo "Mãe, quando crescer eu quero fazer cinema!". E ela acrescentou que me ouviu e não respondeu, mas ficou pensando: Mas cinema é uma coisa tão cara, como é que a gente vai fazer? 

:)





Postado por Fabio Gomes
Em 9/3/2017 às 20h02


Mais Cinema Independente na Estrada
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Tutorial do J2ee Enterprise Edition 1. 4
Stephanie Bodoff Prefacio de Jef Jackson
Ciencia Moderna
(2005)



Dois Mundos um Herói
Pedro Afonso Rezende
Suma de Letras
(2015)



O Amor Me Trouxe de Volta
Carol Bowman
Sextante
(2005)



La Política de los Militares Argentinos 1900-1971
Darío Canton
Siglo XXI
(1971)



Coleção Biblioteca Educação e Cultura - Carvão Vol. 3
Elmar Fonsêca
Coleção Biblioteca Educação
(1980)



Língua e Estilo Ironia e Humor Nas Crônicas de Veríssimo
Roberto Carlos Borges
Velocípide
(2002)



História Verdadeira
Montesquieu
Scrinium



O Sequestro das Emoções
Luiz Lobo
Lacerda
(1999)



O Cativeiro (Teatro brasileiro)
Ivan Camargo
Scortecci
(2008)



Ferrão do Escorpião Aventuras Radicais
Justin Dath
Fundamento
(2010)





busca | avançada
56607 visitas/dia
1,8 milhão/mês