ESCAVAÇÕES NO TEMPO | Impressões Digitais

busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Terreiros Nômades leva arte, história e saberes das culturas africanas e originárias a escolas
>>> Luarada Brasileira lança primeiro EP com participação especial de Santanna, O Cantador
>>> Quilombaque acolhe 'Ensaios Perversos' de fevereiro
>>> Espetáculo com Zora Santos traz a comida como arte e a arte como alimento no Sesc Avenida Paulista
>>> Kura retoma Grand Bazaar em curta temporada
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Garganta profunda_Dusty Springfield
>>> Susan Sontag em carne e osso
>>> Todas as artes: Jardel Dias Cavalcanti
>>> Soco no saco
>>> Xingando semáforos inocentes
>>> Os autômatos de Agnaldo Pinho
>>> Esporte de risco
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> Sim, Thomas Bernhard
>>> The Nothingness Club e a mente noir de um poeta
Colunistas
Últimos Posts
>>> Bill Ackman no Lex Fridman (2024)
>>> Jensen Huang, o homem por trás da Nvidia (2023)
>>> Philip Glass tocando Opening (2024)
>>> Vision Pro, da Apple, no All-In (2024)
>>> Joel Spolsky, o fundador do Stack Overflow (2023)
>>> Pedro Cerize, o antigestor (2024)
>>> Andrej Karpathy, ex-Tesla, atual OpenAI (2022)
>>> Inteligência artificial em Davos (2024)
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> O maior programador do mundo? John Carmack (2022)
Últimos Posts
>>> Napoleão, de Ridley de Scott: nem todo poder basta
>>> Sem noção
>>> Ícaro e Satã
>>> Ser ou parecer
>>> O laticínio do demônio
>>> Um verdadeiro romântico nunca se cala
>>> Democracia acima de tudo
>>> Podemos pegar no bufê
>>> Desobituário
>>> E no comércio da vida...
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Ler muito e as posições do Kama Sutra
>>> Lockdown Sessions No. 3
>>> Mundo negro, branco na capa
>>> Puro Guapos no Tom Jazz
>>> Google Music Search
>>> Nostalgia do país inventado
>>> Manifesto Infeliz
>>> Bill Gates entrevista Sam Altman, da OpenAI (2024)
>>> Tito Leite atravessa o deserto com poesia
>>> A música que surge do nada
Mais Recentes
>>> Infanto Juvenis a Arca de Noé de Vinicius de MOraes pela Companhia das Letrinhas (1991)
>>> Da Locação do Imóvel Urbano de Sylvio Campanema Souza pela : Forense (2000)
>>> Livro de Bolso Poesia Caleidoscópio Antologia de Poemas de Beth Cury; Eliana Nagamini e Magali Sparano pela Andross (2006)
>>> Talismã Do Tibet de Anna Flora pela Ftd (2000)
>>> Des-burocra-tização de Francisco Gomes pela Biblioteca do Exército (1978)
>>> O Segredo da Flor De Ouro de Richard Wilhelm, Carl Gustav Jung pela Vozes (2013)
>>> Livro Administração Individuo na Organização Dimensões Esquecidas Volume 1 de Jean-francois Chanlat pela Atlas (2012)
>>> Iogurtes de Alexandre Nicolas; Aurélie Rouquette; Laure Sirieix pela CookLovers (2010)
>>> Estorias de quem gosta de ensinar de Rubem alves pela Ars Poetica (1995)
>>> Livro Literatura Brasileira O Homem do Furo na Mão de Não Encontrado pela Atica (1987)
>>> Tributação no Sistema de cartões de Crédito de Marcelo Marques Roncaglia pela Quartier Latin (2004)
>>> Geração 2010 : O Sertão é o mundo de Reformatorio pela Reformatorio (2021)
>>> Livro Direito O Comportamento do Indivíduo na Organização Dimensões Esquecidas Volume II de Jean-François Chanlat pela Atlas (2012)
>>> Livro Infanto Juvenis O Ladrão de Sonhos e Outras Histórias de Ivan ângelo pela Ática (1997)
>>> Do Fracasso ao Sucesso em Vendas de Frank Bettger pela Record (2011)
>>> Escola e Família numa Rede de (des)encontros - um Estudo das Repres... de Lelia de Cassia pela Cabral (2002)
>>> Livro de Bolso Psicologia Feminino / Masculino de Maria Cristina Poli pela Zahar (2007)
>>> Técnicas de impacto na sala de aula: 88 atividades para envolver seus alunos de Danie Beaulieu pela Vozes (2008)
>>> Livro Literatura Estrangeira Howard Jacobson A Novel de Não Identificado pela Vintage (2014)
>>> Marcel And The Mona Lisa de Stephen Rabley pela Longman (1991)
>>> Gerenciamento do escopo do projeto de Varios AUtores pela Fgv (2014)
>>> The Emotionally Intelligent Office: 20 Key Emotional Skills For The Workplace de The School Of Life pela The School Of Life (2019)
>>> Livro Literatura Brasileira Mais Comédias para Ler na Escola de Luis Fernando Verissimo pela Objetiva (2008)
>>> Iniciação Viagem Astral de João Nunes Maia pela Fonte Viva (2000)
>>> O Muro de Jean-Paul Sartre pela Nova Fronteira (2005)
BLOGS >>> Posts

Quarta-feira, 14/6/2017
ESCAVAÇÕES NO TEMPO
Ayrton Pereira da Silva
+ de 1100 Acessos

A casa paterna, em Niterói, não existe mais, dela não restou uma foto sequer. Naqueles idos, era raro quem possuísse uma máquina de retrato, que, na verdade, não nos fazia falta, pois tudo parecia eterno e o tempo não iria passar.

Embora distantes da guerra que se travava do outro lado do Atlântico, ceifando milhões de vidas, seus reflexos nos chegavam nas filas da padaria para comprar um pão escurecido e racionado; nos enormes cilindros de gasogênio que os carros usavam à falta de gasolina; no hemisfério das lâmpadas pintado de preto na parte voltada para o mar, ao longo de todo o cais, devido ao blecaute imposto pela presença de submarinos inimigos na costa; e, ainda, nas transmissões carregadas de estática das ondas curtas dos rádios transmitindo as notícias longínquas do front pela BBC de Londres. Isto sem falar no famoso Repórter Esso, na voz inconfundível de Heron Domingues, reportando despachos de última hora sobre o teatro das operações bélicas.

Para nós, meninos, isso não passava de mais um capítulo da eletrizante aventura de viver, como se fosse um seriado do Cinema Mandaro ou um episódio da telenovela de mistério que a Rádio Nacional levava ao ar diariamente. Aventura cujo clima de suspense era acentuado pelo semblante grave dos adultos, preocupados com o desenrolar das batalhas sangrentas que iriam selar a sorte do mundo livre, ameaçado pela terrível máquina de destruição da Alemanha nazista.

Às vezes, nos chegavam aos ouvidos retalhos das conversas que meu pai mantinha ao entardecer com os vizinhos mais próximos, e que não raro resvalavam em acesos debates, dividindo as opiniões entre francófilos e germanófilos, aqueles evocando a tradição de cultura e democracia do espírito gaulês, e alguns glorificando os feitos bélicos de uma nação que havia sido submetida aos termos do tratado de Versailles depois que perdera a primeira guerra mundial.

Foi num tempo anterior à eclosão dos edifícios de inúmeros pavimentos que emparedaram as ruas, barrando o sol e o vento, encaixotando os moradores e privando-os do direito a um pedaço de terra ou uma nesga de céu, em contraste com as ruas daquela época, quando só havia casas de no máximo dois andares e uma vizinhança que se conhecia pelos nomes e se solidarizava nos momentos de tristeza e celebrava os de alegria, sem embargo de suas eventuais diferenças, próprias do convívio em sociedade.

De lá para cá já se vai mais de meio século. Tudo mudou. Hoje a infância foi sequestrada pelo avassalador progresso alavancado pela internet e pelo espantoso avanço das ciências e da tecnologia.

Cerca de três décadas depois, voltei a morar na mesma rua onde no passado jogava bola de gude, disputava animados rachas de futebol, brincava de bandido e mocinho, soltava pipa, via e ouvia as meninas cantando cirandas e pulando amarelinha. Eram momentos de puro alumbramento: admirava as tranças das meninas, seus gestos delicados e a beleza de serem assim.

São relembranças gravadas na pedra das paredes da memória que, enquanto eu viver, jamais se apagarão.

Sou um sobrevivente dos tempos de antanho e um forasteiro no mundo de agora, tão diferente do mundo em que vivi, embora pise o mesmo chão, veja a mesma praia, mas não vejo mais a paisagem de outrora. E isso me deixa triste, embora saiba que a face do tempo é multiforme e se adapta às circunstâncias que moldam as diversas fases da história da existência humana.

Claro que todas as gerações têm seu tempo e sua história e é impossível compará-las, pela singela razão que o olhar de cada criança ante o seu quoditiano detém a magia que se esvai como um aroma, deixando um acervo inavaliável e intransferível de lembranças que vem a constituir um patrimônio particular que todos carregamos, para nutrir de paz e de sublimação o nosso espírito ou, se preferirem, a nossa mente.

Porém, se realizarmos um corte epistemológico, chegaremos à inevitável conclusão de que, mesmo evoluindo, na verdade, involuímos. Basta um olhar para a inimaginável barbárie que permeia e contamina a realidade dos dias de hoje. É algo brutal, uma espécie de determinismo que nos faz regredir, com requintes de crueldade agravados pela possibilidade de uma guerra nuclear, qual uma espada de Dâmocles pendente sobre nossas cabeças.

Se André Breton, autor do Manifesto Surrealista, voltasse agora ficaria perplexo por sentir-se totalmente ultrapassado...

Ayrton Pereira da Silva



Postado por Ayrton Pereira da Silva
Em 14/6/2017 às 14h05

Mais Impressões Digitais
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




O Teatro Brasileiro Moderno
Déciode Almeida Pignatari
Perspectiva
(1988)



Pratica de Tênis Apos os 50 Seu Guia para Estratégias Técnicas,
Kathy Woods e Ron Woods
Manole
(2010)



A revolução Russa - Cinquenta Anos de história
Vários Autores
Companhia Gráfica Lux
(1967)



Demonstração das virtudes humanas
Mohsen Shariat
O farol
(2018)



Comment bien faire l'amour à homme
Régine Dumay
Livre Essor
(1982)



O Círio Perfeito - Memórias 6
Pedro Nava
Nova Fronteira
(1983)



Avatar e a Psicologia
Raphael Guimarães
Madras
(2013)



Livro Literatura Estrangeira Um
Richard Bach
Record
(1988)



La Nueva Arquitectura En Alemania
Bruno E. Werner
F. Bruckmann Minich



Ruah Quebrando os Paradigmas de Que Gordura é Saúde e Magreza é Doença
Padre Marcelo Rossi
Principium
(2015)





busca | avançada
83119 visitas/dia
1,8 milhão/mês