Metropolis e a cidade | Relivaldo Pinho

busca | avançada
38130 visitas/dia
1,3 milhão/mês
Mais Recentes
>>> Banda GELPI, vencedora do concurso EDP LIVE BANDS BRASIL, lança seu primeiro álbum com a Sony
>>> Celso Sabadin e Francisco Ucha lançam livro sobre a vida de Moracy do Val amanhã na Livraria da Vila
>>> No Dia dos Pais, boa comida, lugar bacana e MPB requintada são as opções para acertar no presente
>>> Livro destaca a utilização da robótica nas salas de aula
>>> São Paulo recebe o lançamento do livro Bluebell
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Rinoceronte, poemas em prosa de Ronald Polito
>>> A forca de cascavel — Angústia (FUVEST 2020)
>>> O reinado estético: Luís XV e Madame de Pompadour
>>> 7 de Setembro
>>> Outros cantos, de Maria Valéria Rezende
>>> Notas confessionais de um angustiado (VII)
>>> Eu não entendo nada de alta gastronomia - Parte 1
>>> Treliças bem trançadas
>>> Meu Telefunken
>>> Dor e Glória, de Pedro Almodóvar
Colunistas
Últimos Posts
>>> Diogo Salles no podcast Guide
>>> Uma História do Mercado Livre
>>> Washington Olivetto no Day1
>>> Robinson Shiba do China in Box
>>> Karnal, Cortella e Pondé
>>> Canal Livre com FHC
>>> A história de cada livro
>>> Guia Crowdfunding de Livros
>>> Crise da Democracia
>>> Banco Inter É uma BOLHA???
Últimos Posts
>>> Uma crônica de Cinema
>>> Visitação ao desenho de Jair Glass
>>> Desiguais
>>> Quanto às perdas I
>>> A caminho, caminhemos nós
>>> MEMÓRIA
>>> Inesquecíveis cinco dias de Julho
>>> Primavera
>>> Quando a Juventude Te Ferra Economicamente
>>> Bens de consumo
Blogueiros
Mais Recentes
>>> Balanceando
>>> Talvez...
>>> 2007 e os meus CDs ― Versão Internacional 1
>>> A felicidade, segundo Freud
>>> Memória das pornochanchadas
>>> Magia além do Photoshop
>>> Meu Telefunken
>>> Meu Telefunken
>>> Vida Virtual? Quase 10 anos de Digestivo
>>> Sombras Persas (X)
Mais Recentes
>>> Comunicando Mensagens Bíblicas de Dennis J. Mock pela Dennis J. Mock (2002)
>>> Comunicando Mensagens Bíblicas de Dennis J. Mock pela Dennis J. Mock (2002)
>>> Guia de Interpretação de Diego Grando pela Leitura XXI (2015)
>>> Princípios e Métodos de Ensino - Curso 8 de Dennis J. Mock pela Dennis J. Mock (2002)
>>> Princípios e Métodos de Ensino - Curso 8 de Dennis J. Mock pela Dennis J. Mock (2002)
>>> Demolidor o Homem sem Medo Nº18 - Confronto Com a Yakuza de Marvel pela Panini (2005)
>>> Cidadania Pequena: Série Polêmicas do Nosso Tempo de Pedro Demo pela : Autores Associados (2001)
>>> Senhor, Faça de Minha Vida um Milagre! de Raymond C. Ortlund pela Mundo Cristão (1986)
>>> Prosperidade Profissional de Luiz Antonio Gasparetto pela Vida e Consciência (1996)
>>> Os Muçulmanos na Península Ibérica de Ruy Andrade Filho pela Contexto (1994)
>>> Monstro do Pântano Especial: a Morte Ronda o Homem-morcego de Bissette / Broderick / Randall / Barreto pela Vertigo/dc. Comics (1999)
>>> Microbiologia Clínica de Roberto A. de Almeida Moura pela Mc Will (1986)
>>> Diferencial Competitivo - o Segredo para Alcançar Nelhores Resultados. de John L. Nesheim pela : Best Seller (2007)
>>> O Direito Humano Fundamental ao Desenvolvimento Social: .. de Sabrina Morais pela Oab/sc (2007)
>>> O Direito Humano Fundamental ao Desenvolvimento Social: .. de Sabrina Morais pela Oab/sc (2007)
>>> O Direito Humano Fundamental ao Desenvolvimento Social: .. de Sabrina Morais pela Oab/sc (2007)
>>> Conhecendo Erval Velho - Dinâmicas e Perspectivas de Maurício A. dos Santos - Org. pela Modelo (2011)
>>> A Saga da Wilson Sons de Patricia Saboia pela Index - Basi (1997)
>>> Paixão por Cabelos: Instruções Passo a Passo para Criar 82 Penteados de Christina Butcher pela Sextante (2015)
>>> Conceitos Sobre Advocacia, Magistratura, Justiça e Direito de B. Calheiros Bomfim pela Oab (2006)
>>> Ouvidos Dominantes Vozes Silenciadas de Noeli Gemelli Reali pela Argos (2001)
>>> O Petróleo é Nosso - 1948/1953 - a Campanha no Paraná de Carlos Alfredo Gomes pela Cefuria (2005)
>>> Glossário de Oceanografia de Argeo Magliocca pela Nova Stella (1987)
>>> A Estratégia da Teia de Aranha de Amit S Mukherjee pela Campus (2009)
>>> Descomplicando a Vida de Christoph Schalk pela Esperança (2005)
>>> Ouvindo os Passos da Memória de Álvaro de Carvalho pela Do Autor
>>> Educar é Apontar Caminhos - Reflexões para o Desenvolvimento de José Zinder pela Autor (2000)
>>> Hipnotismo e Auto-hipnotismo de Indução Rápida de Ana Cristina Massa pela Biruta (2009)
>>> Caminhando para o Cárcere da Liberdade e Outros Escritos de Alexsandro Grola pela Literatura Brasileira (2013)
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Charlottes Web de E. B. White / Garth Williams pela Harper USA (1992)
>>> Fotoleitura de Paul R. Scheele pela Summus (1995)
>>> O Rosto Materno de Deus de Leonardo Boff pela Vozes (2000)
>>> Terapia do Abraço 2 de Kathleen Keating pela Pensamento (2012)
>>> História Resumida da Civilização Clássica - Grécia/Roma de Michael Grant pela Jorge Zahar (1994)
>>> Cães de Guerra de Frederick Forsyth pela Record (1974)
>>> Jogo Duro de Mario Garnero pela Best Seller (1988)
>>> Psicologia do Ajustamento de Maria Lúcia Hannas, Ana Eugênia Ferreira e Marysa Saboya pela Vozes (1988)
>>> Uma Mulher na Escuridão de Charlie Donlea pela Faro (2019)
>>> Pra discutir... e gerar boas conversas por aí de Donizete Soares pela Instituto GENS (2015)
>>> Educomunicação - o que é isto de Donizete Soares pela Projeto Cala-boca já morreu (2015)
>>> Ficções fraternas de Livia Garcia-Roza - organizadora pela Record (2003)
>>> Prisioneiras de Drauzio Varella pela Companhia das Letras (2017)
>>> O diário de Myriam de Myriam Rawick pela Dark Side Books (2018)
>>> Contos de Rubem Fonseca pela Nova Fronteira (2015)
>>> Notícias - Manual do usuário de Alain de Botton pela Intrínseca (2015)
>>> Um alfabeto para gourmets de MFK Fisher pela Companhia das Letrs (1996)
>>> Os Mitos Celtas de Pedro Paulo G. May pela Angra (2002)
>>> A vida que ninguém vê de Eliane Brum pela Arquipélago Editorial (2006)
BLOGS >>> Posts

Segunda-feira, 11/9/2017
Metropolis e a cidade
Relivaldo Pinho

+ de 400 Acessos

Embed from Getty Images

Com um crescente som orquestrado surge um nome: Metropolis. Ele se mistura com a imagem que vai aparecendo da cidade-Babel e, em seguida, várias engrenagens fundindo-se em imagens. O som é rápido, angustiante, temeroso, como se as máquinas estivessem a nos perseguir. Surge o relógio impiedosamente girando seu ponteiro, aparecem novamente as engrenagens e o apito da fábrica soa anunciando a troca de turno.

Essa é a clássica abertura do nonagenário filme Metropolis (1927), de Fritz Lang, uma das mais importantes obras que se relacionam ao Expressionismo alemão. Importante por vários motivos conhecidos, por pertencer a esse movimento, pelo seu contexto histórico e social (a Alemanha pós-guerra, o desemprego e a inflação), por sua inovação técnica e dramática e por ser uma narrativa real e distópica, profética e consumada.

Esses elementos sempre são evocados para se falar do expressionismo e de Metropolis, o filme que mostra uma cidade futurista dividida entre os que moram confortavelmente na superfície em gigantescos prédios e aqueles que trabalham e vivem no subterrâneo, trabalhadores eternizados na sequência síntese na qual eles andam mecanicamente ao entrar e sair da fábrica.

“Os expressionistas não tinham por objetivo representar a realidade concreta. Interessavam-se mais pelas emoções e reações subjetivas que objetos e eventos suscitavam no artista e que ele tratava de ‘expressar’ por meio do amplo uso da distorção, da exageração e do simbolismo”, diz Luiz Carlos Merten em “Cinema: entre a realidade e o artifício”.

Com todas essas características, não por acaso, o movimento ficaria conhecido como um aviso, ou uma premonição, do que se seguiria na Alemanha, posteriormente, com o Nazismo. Na edição do filme lançada em 2010, já restaurada com o acréscimo de 30 minutos, há uma cena na qual, dentro de uma casa, elevadores sobem e descem, como cápsulas, e nos quais o habitante deve entrar para seguir o seu destino.



É uma cena aparentemente simples, mas ela pode muito bem ser pensada como um fragmento de uma sociedade na qual o indivíduo é parte de um sistema mecanizado que o condiciona como elemento orgânico, substituível, da cidade.

Em uma pequena nota de rodapé, Deleuze (1925-1995), em A imagem-tempo, faria alusão a essa relação entre massa e indivíduo nas formas estéticas, como teatro, cinema e ópera.

Diz Deleuze: “O teatro e a ópera se deparavam com o seguinte problema: como evitar reduzir a multidão a uma massa compacta e anônima, mas também a um conjunto de átomos individuais? Piscator, no teatro, impunha às multidões um tratamento arquitetural e geométrico que o cinema expressionista, e Fritz Lang, em especial, também adotará: é o caso das organizações retangulares, triangulares ou piramidais de ‘Metropolis’, só que é uma multidão de escravos”.

Não, não podemos ver unicamente essa relação como uma arquitetura maniqueísta, lembrando Freder (par de Maria) que vê Moloc, o deus, monstro-máquina, a devorar as pessoas. Mas, caminhando para o final do filme, desponta a cena na qual Freder alucinado vê a morte, o ceifeiro, a carregar a foice em sua direção. As plaquetas anunciam: “A morte desce sobre a cidade”.

A cidade então parece caminhar, inevitavelmente para o apocalipse, para o caos. Como aquela Metropolis tão sistematicamente organizada, arquitetonicamente erigida, sucumbe, justamente às maquinas que lhes construíram e aos homens que lhes sustêm, é o cerne dessa narrativa.

Não se trata de ver, hoje, uma luta, recorrente no cinema, entre homem e máquina. Mas trata-se de observar como a cidade surge como templo, em adoração e castigo. Continuamos a erguer uma maquinaria da qual nos glorificamos e com a qual nos sentimos, cada vez mais, impotentes e, antiteticamente, dominadores.

As cidades não são mais unicamente separadas entre espaços que não se relacionam, mas isso não diminuiu o caótico sentimento de que delas não pertencemos inteiramente. De que nosso mecânico caminhar, como autômatos a olhar para máquinas que agora portamos, permanece contido em uma ideia de que sempre, a cada passo, contraditoriamente, podemos nos libertar.

Isso também é um tipo de alucinação/fascinação na grande metrópole, mas colocamos uma película, uma tela, entre a urbe e nós e, resignados, como no final do filme – repudiado por Lang –, podemos até nos dar as mãos e seguir.


Relivaldo Pinho é pesquisador e professor.


Texto publicado em O Liberal, 05 de setembro de 2017, p. 2.


Postado por Relivaldo Pinho
Em 11/9/2017 às 17h08


Mais Relivaldo Pinho
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




INCIDENTES EM ANTARES - ÉRICO VERÍSSIMO
ÉRICO VERÍSSIMO
COMPANHIA DE BOLSO
(2006)
R$ 18,00



HOMENS PROVÁVEIS: DA PROCRIAÇÃO ALEATÓRIA À REPRODUÇÃO NORMATIVA
JACQUES TESTART
INSTITUTO PIAGET (LISBOA)
(2000)
R$ 28,82



CYBERSECURITY FOR EXECUTIVES: A PRACTICAL GUIDE
GREGORY J. TOUHILL - C. JOSEPH TOUHILL
WILEY-AICHE
(2014)
R$ 240,00



TOOTH TROUBLE
ABBY KLEIN; JOHN MCKINLEY
SCHOLASTIC BOOKS
(2004)
R$ 15,00



O MEIO AMBIENTE EM DEBATE
SAMUEL MURGEL BRANCO
MODERNA
(1997)
R$ 4,49



POESIA E PINTURA: UM DIÁLOGO EM TRÊS DIMENSÕES
VALDEVINO SOARES DE OLIVEIRA
UNESP
(1999)
R$ 85,00



DIREITO EMPRESARIAL V. 5
ELISABETE TEIXEIRA VIDO DOS SANTOS
REVISTA DOS TRIBUNAIS
(2009)
R$ 10,00



MAMÃE NÃO PODE SABER
J. M. SIMMEL
NOVA FRONTEIRA
(1982)
R$ 4,00



EN AMOR AMENTO & AMOR
FRANCESCO ALBERONI
ROCCO
(1986)
R$ 25,00



DOCES
VÁRIOS
IMPALA
(2012)
R$ 19,00





busca | avançada
38130 visitas/dia
1,3 milhão/mês