Você pertence a um não lugar | Relivaldo Pinho

busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês
Mais Recentes
>>> Sala MAS/Metrô Tiradentes - Qual é a sua Cruz?
>>> Museu de Arte Sacra de São Paulo - Imagens de ROCA e de VESTIR
>>> Mostra de Teatro de Ipatinga comemora os 15 anos do Grupo 3 de Teatro com espetáculo online
>>> Live: Como a cultura nos livros didáticos influencia a formação da criança
>>> Projeto: Encontro ás escuras - Contos e cantos ancestrais
* clique para encaminhar
Mais Recentes
>>> Isto é para quando você vier
>>> 2021, o ano da inveja
>>> Pobre rua do Vale Formoso
>>> O que fazer com este corpo?
>>> Jogando com Cortázar
>>> Os defeitos meus
>>> Confissões pandêmicas
>>> Na translucidez à nossa frente
>>> A Velhice
>>> Casa, poemas de Mário Alex Rosa
Colunistas
Últimos Posts
>>> Mehmari, Salmaso e Milton Nascimento
>>> Gente feliz não escreve humor?
>>> A profissão de fé de um Livreiro
>>> O ar de uma teimosia
>>> Zuza Homem de Mello no Supertônica
>>> Para Ouvir Sylvia Telles
>>> Van Halen ao vivo em 1991
>>> Metallica tocando Van Halen
>>> Van Halen ao vivo em 2015
>>> Van Halen ao vivo em 1984
Últimos Posts
>>> “Elise”: Lara Oliver representa Bernardina
>>> Tonus cristal
>>> Meu avô
>>> Um instante no tempo
>>> Salvem à Família
>>> Jesus de Nazaré
>>> Um ato de amor para quem fica 2020 X 2021
>>> Os preparativos para a popular Festa de Réveillon
>>> Clownstico de Antonio Ginco no YouTube
>>> A Ceia de Natal de Os Doidivanas
Blogueiros
Mais Recentes
>>> 7 de Setembro
>>> Meu bem, meu mal
>>> Galvão responde ao Cala a Boca
>>> A Velhice
>>> Ser intelectual dói
>>> Memória Visual dos Aborígenes Australianos
>>> Aberta a temporada de caça
>>> Novas leis de Murphy
>>> Yamandu+Dominguinhos, no Auditório Ibirapuera
>>> O cinema segundo Borges
Mais Recentes
>>> O Chalé de Danielle Steel pela Record (2005)
>>> The Wonders of The World de Stephen L. Harris pela National Geographic Society (1998)
>>> Monet And The Mediterranean de Joachim Pissarro pela Rizzoli (1997)
>>> Manual de Criação de Peixes de Dr. José Roberto Rezende de Menezes e Outro pela Instituto Campineiro (1983)
>>> Avaliação de Impacto Ambiental Conceitos e Métodos de Luis Enrique Sánchez pela Oficina de Textos (2008)
>>> Comportamento do Consumidor Construindo a Estratégia de Marketing de DelI. Hawkins David L. Mothersbaugh e Outro pela Campus (2007)
>>> Dicionário Houaiss da Lingua Portuguesa Edição de Luxo de Antônio Houaiss pela Objetiva (2001)
>>> Tempos da História de Voltaire Schilling pela SoLivros (1995)
>>> História Ilustrada da Ciência Da Renascença à Revolução Científica de Colin A. Ronan pela Círculo do Livro (1991)
>>> História Ilustrada da Ciência Das Orifens à Grécia de Colin A. Ronan pela Círculo do Livro (1991)
>>> História Ilustrada da Ciência Oriente Roma e Idade Média Vol II de Colin A. Ronan pela Círculo do Livro (1991)
>>> História Ilustrada da Ciência A Ciência nos Séculos XIX e XX Vol IV de Colin A. Ronan pela Círculo do Livro (1991)
>>> Heráldica de Fabricius Lucas de Almeida pela Chiado Books (2018)
>>> Quincas Borba no Folclore Político de Ivanildo Sampaio Ernani Régis pela Raiz (1991)
>>> O Incesto Contos de Milton Oliveira pela Não Informado (1978)
>>> Aquários Ornamentais Marinhos Vol 2 Doenças dos Peixes de Yanko Seljan Jr. E Eduardo Sá de Sá Rêgo pela Nobel (1983)
>>> O Aquário Moderno Peixes Tropicais de Márcio Infante Vieira pela Nobel (1982)
>>> Peixes Criação Simples e Rentável de Américo Menezes pela Nobel (1986)
>>> Criação Lucrativa de Patos e Gansos de Claudio Artigas Rosell pela Agricola Litexa
>>> Adolf - V. 01 de Osamu Tezuka pela Conrad (2006)
>>> Manual Prático de Marcenaria de Domingos Marcellini pela Ediouro
>>> Fabricação de Queijo de Leite de Cabra de Múcio Mansur Furtado pela Nobel (1984)
>>> Adolf - V. 02 de Osamu Tezuka pela Conrad (2006)
>>> Adolf - V. 03 de Osamu Tezuka pela Conrad (2006)
>>> Silo Trincheira Misto de Breno G. Reis pela Nobel (1979)
>>> Aquários Ornamentais Marinhos Vol 1 de Yanko Seljan Jr. pela Nobel (1983)
>>> Adolf - V. 04 de Osamu Tezuka pela Conrad (2006)
>>> The Shining A Luz 2 Volumes de Stephen King pela Pendulo (1977)
>>> Adolf - V. 05 de Osamu Tezuka pela Conrad (2008)
>>> Ele Se Acha o Centro do Universo de Wendy T. Behary pela Best Seller (2011)
>>> Ética e Práxis Histórica de Manfredo Araújo de Oliveira pela Ática (1995)
>>> História da Antiguidade, A Grécia de V. Diakov; S. Kovalev pela Estampa (1976)
>>> Manuscrito Encontrado em Accra de Paulo Coelho pela Sextante (2012)
>>> Momentos de Paixão de Danielle Steel pela Círculo do Livro (1991)
>>> Memórias Inventadas: a Infância de Manoel de Barros pela Planeta (2003)
>>> Meditação Transcendental e Saúde de Dr. Wolfgang Schachinger; Dr. Ernst Schrott pela Pensamento (2005)
>>> O Rancho de Danielle Steel pela Record (1998)
>>> A Energia da Sabedoria: Ensinamentos Básicos do Budismo de Lama Yeshe; Zopa Rinpoche pela Pensamento (1982)
>>> Michelangelo e o Teto do Papa de Ross King pela Record (2004)
>>> O Livreiro de Cabul de Asne Seierstad pela Record (2006)
>>> Hikikomori - a Vida Enclausurada Nas Redes Sociais de Christine Greiner; Cecília Noriko Ito Saito pela Intermeios (2013)
>>> Calçada de Verão - Poemas de Flora Figueiredo pela Nova Fronteira (1989)
>>> Orgônio. Reiche e Eros. a Teoria Energia Vital de Wilhelm Reich de W. Edward Mann pela Summus Editorial (1989)
>>> Leis e Regulamentos da Instrução Pública do Império em Mato Grosso EAN: 9788574960067 de Nicanor Palhares pela Autores Associados (2000)
>>> Assassinato no Monte Fuji de Shizuko Natsuki pela Brasiliense (1989)
>>> Saúde e Juventude - os Segredos do Antigo Egito de Rolland pela Instituto Nefru (2000)
>>> Os Mitos Gregos - Volume 1 de Robert Graves pela Publicações Dom Quixote (1990)
>>> Os Parceiros do Rio Bonito de Antônio Cândido pela Livraria Duas Cidades (1979)
>>> Cartas na Mesa de Agatha Christie pela Círculo do Livro
>>> O Assassinato de Roger Ackroyd de Agatha Christie pela Círculo do Livro (1976)
BLOGS >>> Posts

Quarta-feira, 22/11/2017
Você pertence a um não lugar
Relivaldo Pinho

+ de 900 Acessos


Aeroporto Internacional de Miami. Fonte: dicasdaflorida.com.br


Em uma viagem de trem, passa-se pelo vilarejo europeu e dele sente-se mais o que dele já se imaginava, do que o “significado” do lugar. Em um restaurante, a parede simula uma vista noturna de Nova Iorque. Nas imediações de sua cidade, algum lugar, ou a imagem que dele se faz (talvez uma ilha com iguarias gastronômicas), pode ter um caráter, mesmo para você, de exotismo. A foto de capa de seu facebook é uma paisagem invernal com uma montanha coberta de neve, ou um radiante casal correndo por uma praia ao pôr do sol – lembram das imagens de caraoquê?

Poderíamos dizer, seguindo Marc Augé, que esses são não lugares (Não lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade). Ele se refere a novas formas de concebermos o espaço, o tempo e como nossa existência na supermodernidade estabelece mediações com esses locais.

Parece contraditório afirmar que pertencemos a não lugares, porque é exatamente a transitoriedade uma das características dessa hipermoderna condição. Transitoriamente nos situamos em lugares que parecem suspender nosso tradicional sentido de pertencimento; passamos por eles e eles passam por nós.


Imagem para capa de Facebook. Fonte: http://iaicurtiu.blogspot.com.br/


Diz Augé, são “espaços constituídos em relação a certos fins (transporte, trânsito, comércio, lazer) e a relação que os indivíduos mantêm com esses espaços [...], pois os não lugares medeiam todo um conjunto de relações consigo e com os outros que só dizem respeito indiretamente a seus fins, [...] os não lugares criam tensão solitária”.

O aeroporto, um exemplo do antropólogo, talvez seja o espaço mais perceptível dessa reconfiguração espaçotemporal. É nele que o indivíduo pode se situar, sem estar em “lugar nenhum”. É um local de passagem no qual, quase sempre, não se pode se identificar com uma história pessoal, uma história que diga respeito a você e ao outro. Ao mesmo tempo, é um espaço que pertence a todos os lugares simulacionais – aeroportos reproduzem certos padrões imagéticos – porque exibe uma série de imagens-mundo, de marcas reconhecíveis, de indicações padronizadas, de relações tecnológicas impessoais.

Identidade e história estão implicadas nessa conceituação, porque “um espaço no qual nem a identidade, nem a relação e nem a história sejam simbolizados será definido como um não lugar (non lieu), mas essa definição pode ser aplicada a um espaço empírico preciso ou à representação que os que lá se encontram fazem desse espaço” (Augé, Por uma antropologia dos mundos contemporâneos). O que pode significar uma variação de percepção, por exemplo, entre um “nativo” e um passante. O mesmo espaço pode adquirir sentidos de lugar para um e não lugar para outro.

Podemos também estender esse conceito voltando-o ainda mais para uma leitura imagética. Esse não lugar, então, não está mais diretamente ligado, para o sujeito, dentro de suas relações comuns, nas quais o espaço é constituído pelas ações, objetivos, artefatos, que situam e definem o indivíduo e seu grupo. As mediações que são realizadas nesses espaços marcam essa fugacidade, característica da modernidade que é exponencialmente aumentada em um mundo hipermoderno.

Os paradoxos que se estabelecem nessa condição, do excesso de tempo e de espaço, por exemplo, são também aspectos dessa relação. O tempo parece ser sempre um tempo no agora, que prescinde de alguma referência anterior e que nos persuade pelas imagens fugidias desses espaços, dessas sinalizações, dessas marcas, dos produtos e desejos que nele devem (precisam) se realizar.



O espaço parece comprimido por essa relação e pela “proximidade” de lugares, imagens e signos do mundo todo que, seguindo algum tipo de iconicidade padronizada, assentada em imaginários comunicacionais, ao mesmo tempo que provoca um não pertencer, sugere algum tipo de reconhecimento. Conhecemos, identificamos, imaginamos, os reluzentes arranha-céus de Xangai por isso.

Presentes perpétuos e não lugares. Não existe uma conotação inerentemente negativa nessas formas de percepção. Elas compõem nossa supermodernidade. Identificá-las é observá-las com algum “olhar estético”. Talvez esse seja um papel possível para uma crítica de nossa condição. Mas, passageiros do mundo e solitários, nem sempre podemos atravessá-la.

Passamos por ela e ela passa por nós, como paisagens do ciberespaço, como anúncios em aeroportos. Nem sempre temos tempo – com o excesso de tempo – de interrogar o sentido das coisas, e, por vezes, elas parecem sem sentido algum. Lembram das imagens de caraoquê?


Relivaldo Pinho é pesquisador e professor.


Texto publicado em O Liberal, 22 de novembro de 2017, p. 2. E em: Relivaldo Pinho


Postado por Relivaldo Pinho
Em 22/11/2017 às 18h51


Mais Relivaldo Pinho
Mais Digestivo Blogs
Ative seu Blog no Digestivo Cultural!

* esta seção é livre, não refletindo necessariamente a opinião do site

Digestivo Cultural
Histórico
Quem faz

Conteúdo
Quer publicar no site?
Quer sugerir uma pauta?

Comercial
Quer anunciar no site?
Quer vender pelo site?

Newsletter | Disparo
* Twitter e Facebook
LIVROS




Caca Aos Turistas
Carl Hiaasen
Companhia Das Letras
(1993)
R$ 10,00



Israel x Palestina: origens, história e atualidade do conflito
Maria José Aragão
Revan
(2006)
R$ 10,00



Só é Gordo Quem Quer
João Uchoa Jr.
Guanabara
(1986)
R$ 10,00



A Eletrônica Volume 99
Manuel Moralejo e Edelmiro Pascual
Biblioteca Salvat
(1979)
R$ 10,00



Todo Dia
David Levithan; Ana Resende
Galera Record
(2013)
R$ 10,00



As Sete Maravilhas do Mundo
Readers Digest
Readers Digest
(1979)
R$ 10,00



A Constituiçao Divina
Richard Simonetti
Ceac
(1997)
R$ 10,00



S.O.S. Tartarugas Marinhas
Rogério Andrade Barbosa
Melhoramentos
(2000)
R$ 10,00



Contos de Grimm Volume 2: o Príncipe Sapo e Outras Histórias
Irmãos Grimm
L&pm
(2002)
R$ 10,00



Subdesenvolvimento e Revolução
Paulo de Castro
Fundo de Cultura
(1962)
R$ 10,00





busca | avançada
69682 visitas/dia
2,4 milhões/mês